Posts

Vinho Altocedro Tempranillo Año Cero, 2010

País Argentina
Propriedade da Vinícola 25 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Sub-Região La Consulta
Uva 100% Tempranillo
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Tempranillo
Amadurecimento 8 meses em barricas de carvalho americano de segundo uso.

 

Vinho Altocedro Tempranillo Año Cero, 2010

Vinho Altocedro Tempranillo Año Cero, 2010

 

    Visual Rubi intenso profundo.
    Olfativo Muita fruta confeitada, compota de cerejas, marroquino, framboesas, tudo acompanhado por notas tostadas, tipo cacau, baunilha e canela, mais notas minerais e florais que dão uma sensação de frescor, de complexidade e equilíbrio
    Gustativo Na boca é um vinho maciço, de textura untuosa, viscoso, com riqueza e fruta madura. Pode beber agora mas, dado o seu extrato da fruta incrível, e altos níveis de glicerina e álcool, é capaz de durar mais vários anos.
    Dica de Harmonização Lombo de porco assado com alho e alecrim.
Cordeiro em crosta de cogumelos selvagens com molho de groselha negra.
Codornas estufadas com legumes e ameixas.
Ragu de ossobuco acompanhado de risotto de vinho tinto de uva Tempranillo.
Pato estufado com azeitonas pretas.
Confit de pato na manteiga com sálvia e alho.
    Temperatura de Serviço 16º
    Potencial de Guarda 10 anos
    Nome da Vinícola Altocedro
    Ano de Fundação da Vinícola 2001
    Pontuação

 

 

Vinho Calzadilla Syrah, 2006

Outro grande vinho deste produtor boutiques, proprietário de 12 hectares em Castilla y Leon, onde tem uma pequena bodega que está rodeada por vinhedos plantados em solos calcários, extremadamente pobres, e com temperatura extremas influenciadas pelo mediterrâneo.

País Espanha
Propriedade da Vinícola 26 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2006
Uva 100% Syrah
Teor Alcoólico 13,5%
Tipo de Uva Tinta Syrah
Amadurecimento 14 Meses 100% Francés

 

Vinho Calzadilla Syrah, 2006

Vinho Calzadilla Syrah, 2006

 

Visual Vemelho com tons púrpuras e alaranjados.
Olfativo  No nariz é muito exótico, com grande personalidade, igual a muitos outros vinhos de qualidade elaborados pela Syrah, e que tem a virtude de produzir vinhos de grande caráter que, no caso particular do Calzadilla Syrah 2006, surpreende com uma gama aromática orgânica-carniça-silvestre, ou seja, num fundo terroso (sous boi), tipo casca de árvore, aparecem notas a couro de maneira intensa e nítidos tons a fruta silvestres, tipo groselha-preta, e muito cassis, em uma combinação de grande nível.
Gustativo Tem toda a força dos Syrah. Com essa fruta brilhante, densa, deliciosa, taninos de muito finos, mas ainda muito vivos, acidez já integrada, mas também muito intensa, e uma madurez da fruta fenomenal. Pussui notas minerais, resultado dos solos cálcarisos muito evidentes e de grande nível. Um vinho maravilhoso, grande, concentrado, profundo, ao nível dos melhores exemplares desta uva na Austrália e também no Novo Mundo.
Dica de Harmonização Medalhão de filé mignon com geleia de pimenta.
Ragu de vitela com polenta cremosa.
Lombo de cordeiro com ravióli de queijo de cabra e creme de trufas.
Magret de pato com molho de frutas secas.
Ganso servido ao molho de trufas negras.
Lebre estufada com feijão branco e sálvia fresca.
Temperatura de Serviço 16°
Potencial de Guarda 15 anos
Pontuação Winechef

 

Veja Também:

 

 

Vinho CV Curriculum Vitae Douro, 2008

É um dos melhores vinhos de Portugal que já provei, só para grandes momentos e paladares adestrados.

País Portugal
Propriedade da Vinícola 16 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2008
Uva Touringa Nacional, Tinta Roriz e Tinta Barroca.
Teor Alcoólico 15,50%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Amadurecimento Envelhecido em barris de carvalho franceses por 21 meses.
Vinho CV Curriculum Vitae Douro, 2008

Vinho CV Curriculum Vitae Douro, 2008

 

Visual Cor rubi escuro profundo.
Olfativo O nariz denuncia uma profunda e territorial expressão, tem um perfil olfativo muito particular, impressiona por seu caráter elegante e apresenta-se ao olfato com groselhas e framboesas ao licor, sob notas de cedro, especiarias e café.
Gustativo Entra no paladar com potência, incrível concentração e marcante profundidade. Tem grande opulência, com sabores a chocolate, cedro e os frutos ao licor parecem se derreter na boca, mas diversos sabores que emergem ao paladar. Seus taninos são de fina textura, mas de uma potência inimaginável e estão presentes em abundância. O vinho é enorme e continua crescendo na boca, assim como é fantasticamente puro e bem delineado. É um dos melhores vinhos de Portugal que já provei, só para grandes momentos e paladares adestrados.
Dica de Harmonização Carré de cordeiro em crosta de azeitona.
Vitela braseada ao molho de vinho tinto com purê de mandioquinha.
Civet de veado com ervas aromáticas e tomate maduro.
Costela de javali com risoto de funghi.
Palliard ao Fettucine de risoto cremoso e molho de cassis.
Temperatura de Serviço 17º
Potencial de Guarda 20 anos
Nome da Vinícola Van Zeller Co.
Pontuação Winechef  

 

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012. Chile.

O Vinho Vik Anbordu Blend, 2012  é assinado por Patrick Vallet

Patrick, é responsável também dos excelentes Neyen (hasta a safra 2007) e fundador e ex-sócio da vinícola El Principal.

Este vinho está sendo lançado no Brasil nestes dias. Claro, a vinícola Vik produz vinhos de altíssima qualidade, então quando eu soube que este assemblage Anbordu tinha sido feito por esta vinícola e pelo próprio Patrick Valett achei interessante, ou melhor, fiquei curioso em degusta-lo.

Como podem ver na nota de degustação abaixo, o vinho é realmente interessante, tem algumas imperfeiçoes como todos os vinhos (ou como quase todos), mas é uma excelente aproximação aos vinhos chilenos de qualidade.

Como dica importante, sugiro decantar pelo menos uma hora, já que degustei o mesmo em diversos momentos, e quando colocamos direito na taça são as notas ervaceas proveniente dos Cabernet´s (Sauvignon e Franc) e o Carménère as que aparecem de imediato, então, pode deixar uma impressão de que o vinho é “vegetal”, mas é só uma primeira impressão.

Anbordu é um vinho que requer carinho e sobre todo paciência. Se você decanta e serve numa temperatura bem baixa (14 ou 16 graus), vai poder desfrutar de toda essa groselha negra e esse paladar delicioso. Realmente gostei desse vinho, então, se tiver a oportunidade de degusta-lo, acho que vão ter uma grata surpresa, igual como eu tive.

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012

Tipo Tinto
Safra 2012
Região  Millahue – Vale de Cachapoal
Uvas 60% Cabernet Sauvignon, 20% Syrah, 10% Cabernet Franc, 8% Carmenére e 2% Merlot
Teor Alcoólico 14,50%
Pontuação Winechef Winechef 92 Pontos
Amadurecimento 100% envelhecido por 24 meses em barrica de carvalho
Visual Linda cor, obscura e concentrada.
Olfativo Tem uma excelente performance olfativa. Começa com notas a fruta negra, cassis e com bastantes groselhas e suaves notas a ervas silvestres, lavanda e eucaliptus, as que logo começam a abrir deixando expressar os elementos aportados pela madeira. Logo apos as notas a cedro, cravo e amêndoas começam a tomar o protagonismo, mas sempre deixando os aromas primários provenientes das uvas que compõem o blend se expressar de forma clara.
Gustativo No paladar mantém um excelente nível, atacando a boca com uma fruta profunda e suculenta, sempre mantendo um estilo fresco, com a madeira bem presente, mas com uma fruta suficiente para equilibrar. Seu estilo está marcado pelas especiarias, generoso em álcool, com um leve toque de rusticidade e taninos de correta madures. Pode desfrutar desse vinho agora, ou guardar na sua adega porque certamente continuara melhorando nos próximos anos. Este é outro bom vinho assinado pelo já celebre enólogo Patrick Vallet, responsável também dos excelentes Neyen (hasta a safra 2007) e fundador e ex-sócio da vinícola El Principal.
Dica de Harmonização Excelente com caça de pena (faisão, perdiz).
Marreco assado com ameixas servido com repolho roxo e purê de batata Baroa.
Bisteca de porco na panela de pressão com repolho roxo.
Carré de cabrito em crosta de ervas.
Filé mignon com risoto de oito cogumelos.
Carne bovina cozida no vinho Tannat com especiarias.
Temperatura de Serviço 16ºC
Nome da Vinícola Viña Vik

 

 

 

 

Vinho Marco Real Crianza Collecion Privada, 2009

País Espanha
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2009
Uva 50% Tempranillo 20% Cabernet Sauvignon 25% Merlot e 5% Graciano
Teor Alcoólico 14%
Amadurecimento 13 meses em barricas de carvalho francês.
Olfativo A nariz deste vinho tem uma grande nível de qualidade. Seus aromas se mostram em diferentes camadas, começando pelos balsâmicos e defumados provenientes dos meses de guarda em madeira, os que logo dão passo a tons frutais, onde ressaltam a notas a cerejas ao licor e casis, resultando numa combinação de excelente performance, que é complementada pela presença de aromas terciários ainda mais complexos.
Gustativo No paladar é generoso, de corpo completo, denso, com os taninos ainda bem presentes, mas de uma textura muita fina, que continuarão aportando num tinto que vai continuar melhorando nos próximos 5 anos. É um vinho que mostra um grande sentido de tipicidade, de altíssimo padrão de qualidade. Altamente recomendável.
Potencial de Guarda 10 anos
Nome da Vinícola Marco Real

 

Marco Real Crianza Collecion Privada, 2009

Marco Real Crianza Collecion Privada, 2009

 

Dica de Harmonização Ensopado de cordeiro com purê de berinjela.
Carnes nobres grelhadas.
Côte de boeuf grelhado com batatas cozidas.
Costela de boi cozida no vapor com molho bordelaise e purê de batata.
Bisteca de porco grelhada ao molho de ervas.
Temperatura de Serviço 16°
Potencial de Guarda 10 anos
Nome da Vinícola Paulo Laureano
Pontuação Winechef

 

Vinho Avan Concentración 2007

Um tinto extraordinário da Ribera del Duero, imperdível.

Imensamente concentrado, quase sólido, com muita fruta madura, cassis, groselha negra, em um equilíbrio fascinante e de uma qualidade do mais alto nível.

País Espanha
Propriedade da Vinícola 30 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2007
Uva 100% Tinta Del Pais (Tempranillo).
Teor Alcoólico 14,5%
Tipo de Uva Tinta Tempranillo
Amadurecimento 14 meses 100% Francês.

 

Vinho Avan Concentración, 2007

Vinho Avan Concentración, 2007

 

Visual Vermelho rubi intenso e profundo.
Olfativo Honrando seu nome, este vinho oferece uma concentração admirável, o que se explica já que seu vinhedo da Ribera del Duero tem mais de mais de 50 anos. Ou seja, videiras já muito equilibradas, com raízes profundas que conseguem tirar o melhor do solo e que dão uvas do mais alto nível, da mais alta concentração. Então, como dizia, tem um aroma enorme a pimenta-do-reino, cedro e muita fruta negra, cassis, groselhas, além das expressões de minerais e flores (muita lavanda) em uma combinação à margem da perfeição.
Gustativo Como era de imaginar – despois da espetacular performance do vinho ao nariz -, na boca impressiona com sua força e musculatura. É imensamente concentrado, quase sólido, com muita fruta madura, cassis, groselha negra, em um equilíbrio fascinante e de uma qualidade do mais alto nível. As notas minerais e florais à lavanda aparecem de maneira nítida no final de boca, com uma persistência muito longa de mais de 30 segundos. Altissimamente recomendável.
Dica de Harmonização Pernil de cordeiro cozido ao vapor e guarnecido de arroz com castanhas.
Ravioloni de javali com molho de tomate assado.
Arroz de rabada com quiabo e farofa de farinha.
Carne bovina marinada e cozida ao vinho de uva Tempranillo.
Carré de cabrito em crosta de ervas.
Caçarola de perdiz com gratinado de batatas ao tomilho.
Temperatura de Serviço 17º
Potencial de Guarda 12 anos
Nome da Vinícola Juan Manuel Burgos
Ano de Fundação da Vinícola 2000
Pontuação Winechef  
Enólogo Responsável Juan Manuel Burgos

Veja Também:

 

 

Vinho Bracamonte Reserva, 2001

País Espanha
Propriedade da Vinícola 150 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2001
Uva 100% Tempranillo
Teor Alcoólico 13,5%
Tipo de Uva Tinta Tempranillo
Amadurecimento 24 meses 70% francês 30% Americano.
 

 

Vinho Bracamonte Reserva, 2001

Vinho Bracamonte Reserva, 2001

 

Visual Rubi alaranjado, evoluído com bordas laranjas.
Olfativo Surpreende e encanta pela extraordinária complexidade que tem desenvolvido, resultado da evolução. Tem muitas camadas de aromas, e presença nítida de frutos secos, avelãs, e nozes acompanhadas pelas notas a frutos em compota, muito alcaçuz, caramelo e mel, o que converte o olfato em um espetro fascinante e envolvente.
Gustativo Esplêndido no paladar, muito concentrado, potente apesar de sua idade avançada, profundo, cheio de sabores, sólido como uma muralha de cerejas maduras, macio e sedoso, mas ao mesmo tempo com boa estrutura, pleno de frutas e rodeado de taninos de extraordinária qualidade. Um vinho apaixonante, só para paladares apurados.
Dica de Harmonização Carré de cordeiro com molho de groselha negra.
Caçarola de javali, ao perfume de ervas frescas.
Vitela ao molho de licor de cassis e risoto de cogumelos.
Faisão assado com alcachofras.
Civet de veado com ervas aromáticas e tomate maduro.
Temperatura de Serviço 17°
Potencial de Guarda 18 anos
Nome da Vinícola Grupo Yllera
Ano de Fundação da Vinícola 1972
Pontuação winechef 

 

Veja também:

 

Alugue umas videiras e faça o seu vinho

Um viticultor/produtor australiano decidiu alugar parte da sua vinha a enófilos locais, na região de Vitória, um pouco a norte de Melbourne.

O homem chama-se Brian Spencer e a empresa ficou com o nome de Shiraz Republic.

O método é fácil: cada enófilo pode alugar o número de videiras que quiser, tratar delas, fazer a vindima e vinificar as uvas na adega da quinta. Cada um faz o que entende, desde que não danifique as videiras e, para os menos avisados, a empresa dá conselhos. O pagamento é feito ao vinho resultante: cerca de €270 para 25 litros e até €1.500 para uma barrica.

Brian disse aos nossos colegas da publicação Australiana “The weekly times” que, em média, os seus clientes visitam a vinha cinco vezes por campanha. A ideia foi colocada em prática em 2011 e a Shiraz Republic já tem cerca de 140 clientes, que exploram 40 toneladas de uva por ano. Cada um dos enófilos decide o que quer fazer: o processo leva cerca de 18 meses, desde a escolha da vinha e seu tratamento, passando pela vindima e vinificação. “A maioria dos clientes fica com cerca de 10 videiras, que dão 25 litros de vinho; podam as videiras, colhem a uva e envolvem-se na vinificação”, diz o proprietário desta quinta.

Alugue umas videiras e faça o seu vinho

Alugue umas videiras e faça o seu vinho

Outro cliente, por exemplo, alugou dois hectares de videiras e começou o seu próprio negócio de vinho, com marca e tudo! Mesmo o fertilizante – biodinâmico, diga-se de passagem – é trazido pelo cliente.

A época das vindimas, como se calcula, é um “caos organizado”, nas palavras de Brian. Mas o entusiasmo de toda a gente é “contagiante”. Na vinificação o pessoal faz a pisa a pé das uvas de Syrah. Alguns escolhem barrica para estágio, outros apenas inox, outros não querem sulfuroso. Ou seja, apesar das uvas serem semelhantes, cada vinho é único. Outra parte engraçada é que depois esta autêntica comunidade faz mais tarde provas comparativas para avaliarem as qualidades enológicas de cada vinho. E trocam garrafas entre eles, cada uma da sua marca.

No final, Brian diz que “não se fica rico a fazer este negócio. Faço-o porque gosto de gozar a vida”. Não sabemos de negócio semelhante em Portugal, pelo menos neste formato. Mas não deverá tardar muito até aparecer um…

 

Fonte: Revista de Vinhos de Portugal

 

Que significa vinho varietal?

O hábito de nomear a variedade no rótulo, surgiu com os produtores do novo mundo, ou seja, fora da Europa. Nos países europeus, a legislação de Denominação de Origem Controlada (a sigla AOC ou DOC que você vê nos rótulos franceses, italianos, etc.) restringe o uso de variedades por região. Mas isso muda para cada país. O exemplo mais famoso seria a Borgonha, onde seus brancos são quase todos de Chardonnay (há uvas quase abandonadas, como a Aligoté) e seus tintos, de Pinot Noir.

Com os vinhos do novo mundo costuma-se dizer, que um vinho é varietal, quando esse não teve estágio em madeiras, ou seja, logo depois da fermentação alcoólica, ele foi imediatamente engarrafado. Ao contrário, quando o vinho tem passagem em madeira no novo mundo, costuma ser chamado de “Reserva”.

Os vinhos varietais são, na maioria das vezes, elaborados com as uvas das parreiras mais jovens de um vinhedo, esse é o motivo que faz com que eles sejam mais leves e de rápido consumo.

Em resume, um vinho varietal é um vinho feito, geralmente com apenas uma variedade de uva, mas, se a legislação local permitir, pode adicionar uma pequena porcentagem de outra uva.

 

Que significa vinho varietal

Que significa vinho varietal

 

Vinho Nicolas Joly Coulée de Serrant, 2008

O melhor Chenin Blanc do planeta!

É recomendável decantar… E beber durante várias horas, porque ele tem mil facetas, mil aromas e sabores, e precisa de muita concentração para poder ser entendido e desfrutado ao máximo com esta experiência.

Tipo Branco
Safra 2008
Volume 750ml
 Tipo de Vinho Vinho de Autor – Biodinâmico
País França
Região Loire
Sub-Região Appellation Savenniéres – Coulée de Serrant Contrôlée
Uva 100% Chenin Blanc
Teor Alcoólico 15%
Enólogo Responsável Nicolas Joly
Amadurecimento 100% do vinho por 8 meses em barricas francesas limitadas a 5% novas.
Visual Coloração palha delicada com toques esverdeados.
Olfativo Rica paleta olfativa com frutas secas e desidratadas, pêssegos maduros emoldurados por suaves especiarias e notas de acácias e azar, resultando num olfato de extrema pureza com impressionante complexidade e notável mineralidade. As notas florais e de mel começam a se intensificar com a oxigenação do vinho, mostrando muitas camadas de aromas que ainda estão jovens, e sem nenhuma dúvida continuarão melhorando nas próximas duas décadas.
Gustativo Na boca também tem um nível qualitativo impressionante, com profunda estrutura mineral e um caráter oleoso, sápido, com transbordante frescor, tudo aportado pela Chenin Blanc. Seu passo de boca é tão intrigante quanto expansivo, com uma incrível densidade frutada vestida de suculento frescor mineral. Um vinho único, de imensa qualidade, que precisará ainda de várias décadas para chegar à sua plenitude. É recomendável decantar… E beber durante várias horas, porque ele tem mil facetas, mil aromas e sabores, e precisa de muita concentração para poder ser entendido e desfrutado ao máximo com esta experiência.
Dica de Harmonização Linguado e vieiras ao molho de coral.
Terrina de peixes em geleia de ervas aromáticas.
Risoto de limão siciliano e aspargos verdes.
Sashimi de salmão defumado.
Carpaccio de surubim defumado com ervas.
Tipo de Comida Frutos do Mar, Culinária Japonesa, Culinária Chinesa
Temperatura de Serviço 14°
Potencial de Guarda 20 anos
Nome da Vinícola Nicolas Joly
Ano de Fundação da Vinícola 1130
Pontuação Winechef Winechef 95 Pontos

 

Vinho Nicolas Joly Coulée de Serrant, 2008

Vinho Nicolas Joly Coulée de Serrant, 2008