Este vinho azul é a sensação do verão europeu

Vinho Tinto, branco, rosé e agora azul.

Sim, isso mesmo que você leu. Sucesso na Europa, um vinho batizado de GIK e da cor azul tem despertado a atenção daqueles que apreciam a bebida.

Produzido na Espanha a partir da combinação de uvas vermelhas e brancas, o GIK não tem nenhuma denominação de origem, ou seja, é feito a partir de uvas colhidas em diferentes vinhedos da Espanha e da França.

Já a cor azul obviamente não vem da união dessas uvas. Na verdade, a coloração se dá por meio da mistura de dois pigmentos orgânicos: o índigo e a antocianina.

Mas por que o vinho é azul?

A escolha da cor, de acordo com seus idealizadores, tem um apelo mais poético e está relacionada com a ideia de criar um produto totalmente inovador, divertido e com espírito jovem.

“Quando começamos a trabalhar neste projeto, nos deparamos com um livro chamado a “Estratégia do Oceano Azul”. O livro explica por meio de analogias que existem oceanos vermelhos cheios de predadores que massacram suas presas, mas existem também oceanos da cor azul, ou seja, sem concorrência – onde os pequenos peixes podem nadar livremente”, afirma o site do produto.

 

Este vinho azul é a sensação do verão europeu

Este vinho azul é a sensação do verão europeu

 

O GIK por ser azul e mais adocicado realmente não compete com os tradicionais vinhos europeus. A bebida demorou mais de dois anos para ser desenvolvida antes de ser lançada no mercado e contou com a parceria da University of the Basque Country and Food Tech.

A bebida segue todas as normas de qualidade da União Europeia, não leva açúcar na sua composição, é vegana e possui teor alcoólico de 11,5%.

 

Vinho azul

Vinho azul

 

 

Fonte: Exame

O que todo iniciante em vinhos tem que saber

 

Nesta matéria entregamos dicas para aqueles que estão começando a se aproximar do mundo dos vinhos e não sabem por onde começar.

A lógica é muito simples: para quem está dando os primeiros passos neste fascinante mundo e está começando a se apaixonar por este nobre produto, a primeira – e óbvia – dica é partir do mais fácil para o mais complexo. Alguns vinhos são muito mais fáceis de entender e de degustar, devido a muitos fatores, mas principalmente por motivos que estão relacionados com a quantidade de elementos que um vinho tem para analisar.

Vinhos Varietais

Independente do que se trate, seja vinho branco ou tinto, temos sempre que começar com vinhos “varietais”, ou seja, que não foram estagiados em madeira. Se o vinho tiver passado por madeira, dê preferência ao que tenha estado por um período muito curto – e, de preferência, em barricas de madeiras já usadas antes.

Outro assunto importante é que estes vinhos têm que ser de uvas tradicionais. No caso dos vinhos brancos é recomendável começar com os feitos pelas uvas Sauvignon Blanc e Chardonnay. Estas uvas têm diferenciais entre si muito marcantes, que é o caso do primeiro exemplo. Uma excelente intensidade aromática e normalmente um perfil aromático muito fresco e cítrico (maçãs verdes, pêssego, frutos tropicais, etc.), e que vai depender do nível de madures inicial da uva.

Gosta de vinhos e não sabe como começar

Gosta de vinhos e não sabe como começar

Já os Chardonnays terão um aroma menos intenso e seu perfil aromático vai estar também relacionado com as frutas brancas – mas estas vão ter um caráter muito mais maduro. Normalmente os Sauvignon Blanc não têm estágio em madeira, já os Chardonnays quase sempre têm; por isso que frequentemente encontramos neles notas defumadas (como baunilha, canela, etc.).

Vinhos das uvas Sauvignons Blanc e Chardonnay

À boca os Sauvignons Blanc são geralmente de um frescor muito marcado, muito acentuado, e os Chardonnays em questão se destacam pelo volume e viscosidade que têm ao paladar. Essas duas uvas são muito interessantes para começar a aprender a degustar. Um detalhe importante é degustar ambos os vinhos juntos, para poder aprender e entender suas diferenças.

Os vinhos tintos

No caso dos vinhos tintos, o mais recomendável para ter esta aproximação a este mundo é começar com uvas que tenham uma “dureza” menor, ou seja, que tenham taninos mais macios. As uvas que têm de maneira natural este tipo de taninos são os elaborados em base de Pinot Noir, Merlot e Carménère – prefira sempre estes vinhos da forma varietal.

Os vinhos suaves

O importante é se afastar dos vinhos “suaves” (que contenham açúcar) e sempre preferir vinhos “secos” (secos significa, literalmente, carente de açúcar residual).

A boa notícia é que estes tipos de vinhos são por muitos motivos os mais baratos que as vinícolas produzem. Isto se explica porque provém das parreiras com maior rendimento por hectare dentro de um vinhedo, e também porque são produzidos sem a necessidade de estagiar em barricas de madeira, o que encarece consideravelmente o custo do vinho.

 

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010

País Argentina
Propriedade da Vinícola 80 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Sub-Região Agrelo
Uva 100% Cabernet Sauvignon
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Cabernet Sauvignon
Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010

 

Visual Vermelho-púrpura intenso e vivaz.
Olfativo Revela um aroma complexo e perfumado, em que as frutas negras, cassis e groselhas se fundem aos tons de chocolate e canela, aportados pelo estágio em barricas. Exibe um caráter típico e correspondente à variedade de uva, destacando-se por seu perfil olfativo, de extrema fineza, onde todos os elementos estão perfeitamente integrados.
Gustativo Belo equilíbrio na boca, resultado de seus taninos que se advertem perfeitamente integrados ao conjunto. Consegue unir concentração, elegância e modernidade sem perder o sentido de sua origem, mantendo plenamente as virtudes que tipificam os vinhos tintos da Argentina. Um excelente vinho tinto, que oferece muitos atributos por um preço razoável.
Dica de Harmonização Churrasco de carnes vermelhas.
Carne de panela com farofa.
Bisteca de porco grelhada ao molho de amoras.
Pratos a base de carne.
Bife largo grelhado, com gratinado de batatas ao bacon.
Ossobuco de cordeiro com arroz à milanesa.
Filé mignon malpassado ao molho de vinho reduzido.
Temperatura de Serviço 15°
Potencial de Guarda 6 anos
Pontuação Winechef

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010 - 91 pontos Winechef

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010 – 91 pontos Winechef

Ano de Fundação da Vinícola 1959
Enólogo Responsável Héctor Durigutti

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

A lista com os vinhos vencedores do concurso Top Five Vitória Expovinhos 2016 foi revelada.

 

O evento foi realizado no Centro de Convenções de Vitória.

Os vinhos foram degustados degustaram totalmente as cegas.

Teve a honra de fazer parte por terceiro ano consecutivo, do painel de degustação.

Confira os TOP FIVE de cada categoria:

VINHOS ESPUMANTES

Vértice Millésime 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Cavas Hill Vintage 2008 (Pendés/Espanha) – Cantu
Cava Don Román NV (Penedés/Espanha) – Porto a Porto
Segura Viudas Reserva Heredad NV (Penedés/Espanha) – Qualimpor
Veuve Ambal Crémant de Bourgogne Grande Cuvée Brut NV (Borgonha/França) – World Wine

 

VINHOS BRANCOS VELHO MUNDO

QPA Branco Reserva DOC 2013 (Douro/Portugal) – Canto do Vinho
Château Latour Martillac Blanc 2012 (Graves/França) – Carone
Comendador Leonel Cameirinha Reserva Chardonnay 2013 (Alentejo/Portugal) – HC representações
Toques & Clochers Autan Limoux Chardonnay N/D (Languedoc/França) – Kanal distribuidora
Terra D’alter Telhas Branco 2011 (Alentejo/Portugal) – Obra Prima

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

 

VINHOS BRANCOS NOVO MUNDO

Siegel Gran Reserva Sauvignon Blanc 2015 (Leyda/Chile) – Canto do Vinho
Rayun Gran Reserva Chardonnay 2015 (Limarí/Chile) – Família Zanlorenzi
Penalolen Sauvignon Blanc 2015 (Maipo/Chile) – Kanal distribuidora
Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay 2013 (Vale dos Vinhedos/Brasil) – Miolo Wine Group
Marques de Casa Concha Chardonnay 2014 (Limarí – Chile) – VCT

 

VINHOS TINTOS VELHO MUNDO

Crochet 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Casabel 2013 (Lisboa/Portugal) – Aliança
Castelforte Valpolicella Ripasso NV (Veneto/Itália) – Kanal distribuidora
Crasto Superior Syrah 2013 (Douro/Portugal) – Qualimpor
Falesco Tellus Syrah 2013 (Lazio/Itália) – Winebrands

 

VINHOS TINTOS NOVO MUNDO

Apaltagua Colection Pinot Noir 2012 (Curicó/Chile) – Apaltagua
Siegel Single Vineyard Carmenère 2014 (Colchagua/Chile) – Canto do Vinho
AS3 Premium 2012 (Vale Central/Chile) – Olisur
Pizzato Verve 2012 (serra Gaúcha/Brasil) – Pizzato
Toro d’Oro Family Reserva CS 2014 (Curicó/Chile) – Reguingua

 

VINHOS DE SOBREMESA

Erasmo Late Harvest Torrontel 2009 (Maipo/Chile) – Carone
Château Grand Dousprat 2011 (Bordeaux/França) – Kanal distribuidora
Porto Coroa de Rei Colheita 1994 (Douro/Portugal) – Obra Prima
Messias 10 Anos (Douro/Portugal) – Porto a Porto
Taylor’s Tawny 20 anos (Douro/Portugal) – Qualimpor

 

Erros imperdoáveis na arte de beber vinho. 2da parte

 

Confira a segunda parte da materia sobre os erros mais comuns, que os apreciadores de vinhos cometem:

 

Erro nº 7: Só tomo vinho com as refeições

Você chega em casa do trabalho, exausto, e abre uma cerveja gelada… Pode ter algo melhor? Talvez não, mas o vinho pode cumprir a mesma missão de cura em pé de igualdade. “Chamo isso de momentos do vinho”, diz Alicia Estrada. “Há um vinho que você toma enquanto está preparando a refeição, e outro que pode tomar quando chega em casa do trabalho, cansado, mal-humorado… Os franceses chamam de ‘vinhos que alteram’: fazem você passar de um estado anímico a outro. Levam a um estado de relaxamento e preparam para aproveitar o final do dia com o seu parceiro ou sua família.

Erro nº 8: Tenho todos os acessórios que existem!

Ótimo. Essas caixas que parecem cheias de instrumentos cirúrgicos são muito bonitas, o típico presente de Natal quando seu círculo percebe seu gosto crescente por vinhos. Mas nem todo o conteúdo é estritamente necessário. “Isso é como começar um esporte: não sei se o importante é andar de bicicleta ou comprar todos os equipamentos”, compara Alicia Estrada. “Pessoalmente, há duas coisas básicas: um bom saca-rolhas e um decanter para os vinhos amadurecidos. Depois disso… um termômetro? Pode fazer parte da magia do vinho, mas não é essencial.”

 

Erros imperdoáveis na arte de beber vinho

Erros imperdoáveis na arte de beber vinho

 

Erro nº 9: Os climatizadores de vinho são inúteis e não servem para nada

Bem, se você realmente quer se tornar um conhecedor sério e começar a comprar garrafas de certa qualidade, esses condicionadores de temperatura, também chamados de vinotecas — com capacidade a partir de seis garrafas — podem ser um grande presente para incluir na carta ao Papai Noel. “São bons, porque são câmaras que mantêm uma temperatura e umidade constantes, e as garrafas ficam muito bem conservadas”, diz Guillermo Cruz. “Por exemplo, na minha casa, tenho duas delas grandes, de 140 garrafas, e é como guardo o vinho. Mas um climatizador de seis garrafas também é bom: se o consumo não é muito grande, lá você tem suas seis garrafinhas que estão bem conservadas e bem guardadas.”

 

Erro nº 10: Se a rolha quebrar, a empurro para dentro da garrafa

Além de antiestético, uma rolha em pedaços nadando no vinho o condena a ter uma infinidade de incômodas partículas. “É preciso tentar retirá-la não importa como”, alerta Alicia Estrada. “Em vinhos muito velhos, é possível que a rolha tenha se degradado com o tempo. Também pode indicar que o vinho está estragado. Se cair na garrafa corremos o risco de que ela se desfaça dentro… E depois teremos de servi-lo com um coador para retirar essas partículas. Se não queremos levar o coador à mesa, pois não é de bom tom, é necessário decantar a bebida com ele antes”.

 

Se a rolha quebrar, a empurro para dentro da garrafa?

Se a rolha quebrar, a empurro para dentro da garrafa?

 

Erro nº 11: Só bebo vinho tinto (ou branco), independentemente da refeição

Existem devotos do tinto que não gostam da leveza do branco; existem também aqueles que não bebem outra coisa a não ser um branco bem fresco (muito apreciado pelo público feminino). Combinar uma refeição com o melhor vinho (conhecido como harmonização) não só é algo que nossas papilas gustativas agradecem, como melhora a comida e o vinho. “Basicamente, os brancos sempre ficam melhor com peixes, mariscos e entradas mais leves porque não têm tanino, são mais ácidos, mais frescos, mais fáceis de beber…; e os tintos se adaptam muito bem às carnes porque uma harmonização que sempre funciona é a de tanino com proteína. Aqui nunca falhamos. É uma norma provavelmente bem geral, mas sempre funciona”, diz Guillermo Cruz.

 

 Erro nº 12: O tinto, sempre à temperatura ambiente

É um mandamento que não deve ser seguido à risca: o tempo não é o mesmo em agosto e em janeiro. Guillermo Cruz, o premiado sommelier do Mugaritz, opina que “para saborear mais o vinho, 15 graus é a temperatura perfeita. Equilibra esse pouco a mais de álcool que alguns vinhos possuem, dissimula um pouco especialmente na primeira taça, e ele já é colocado a 18 graus na taça. Mas se for servido a 18 graus ou a temperatura ambiente, que costuma ser de 20 ou mais, imagine como essa taça ficará”.

 

O tinto, sempre à temperatura ambiente?

O tinto, sempre à temperatura ambiente?

 

Receita: Risoto de chocolate branco servido com calda de frutas vermelhas

Apesar de ser considerado sofisticado, o risoto não é um prato tão complexo de preparar e, se você já domina as receitas tradicionais, pode ir além e surpreender os convidados com uma versão saborosa e surpreendente de uma receita doce que leva chocolate doce e calda de frutas vermelhas.

Confira abaixo os ingredientes e o modo de preparo:

Ingredientes:

 

Molho

1 bandeja de morangos picados (300 g)

1 embalagem de polpa congelada de frutas vermelhas (200 g)

5 colheres (sopa) de açúcar

 

Risoto

3 colheres (sopa) de manteiga sem sal

1 fava de baunilha aberta ou 1 colher (chá) de essência de baunilha

1 xícara (chá) de arroz tipo carnaroli

4 colheres (sopa) de vinho branco seco

2 colheres (sopa) de açúcar

4 xícaras (chá) de leite (800 ml)

100 g de chocolate branco picado

 

Risoto de chocolate branco servido com calda de frutas vermelhas

Risoto de chocolate branco servido com calda de frutas vermelhas

Modo de Preparo:

 

Molho

Leve ao fogo médio os morangos, a polpa de frutas vermelhas e o açúcar. Cozinhe por cerca de 15 minutos ou até formar um molho consistente. Deixe esfriar.

 

Risoto

Aqueça 2 colheres (sopa) de manteiga em uma frigideira funda, junte a baunilha e o arroz e mexa por 1 minuto. Adicione o vinho aos poucos, mexendo continuamente, até que evapore. Abaixe o fogo para médio, misture o açúcar e adicione o leite aos poucos, mexendo sempre. Cozinhe por cerca de 40 minutos, ou até o arroz ficar “al dente”. Desligue o fogo, acrescente o chocolate branco, a manteiga restante e misture bem. Espalhe o molho sobre pratos de sobremesa. Modele o risoto com o auxílio de uma colher e coloque-o sobre o molho. Decore com os morangos e folhas de hortelã.

 

 

Adega Mayor Caiado Tinto, 2014

Estreia no mercado a línea Caiado, da vinícola portuguesa Adega Mayor, com um vinho branco, um rose e o tinto, que é analisado em profundidade neste post:

País Portugal
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2014
Sub-Região Alentejo
Uva 50% Aragonez, 30% Trincadeira e 20% Cabernet Sauvignon
Teor Alcoólico 13.50%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Adega Mayor Caiado Tinto, 2014

Adega Mayor Caiado Tinto, 2014

 

Visual Vermelho rubi com tons violáceos.
Olfativo A proposta desse vinho cativa pela sua pureza e forma na qual expressa seus aromas, em distintas camadas. Inicialmente as notas de framboesas se destacam, deixando suaves nuances balsâmicas tendo como coadjuvantes as especiarias, formando um nariz muito sedutor, maduro e muito moderno.
Gustativo Continua com um excelente nível também no paladar, com os elementos primários provenientes da uva sempre tendo o controle. Seus taninos, apesar da juventude, são de uma textura sedosa, integrados num corpo médio, que flui com agilidade, saboroso e refrescante. Um best value extraordinário.
Dica de Harmonização Galeto grelhado.
Perfeito para antipastos italianos.
Pizza de muzzarela com peperone e azeitonas pretas.
Carpaccio de carne.
Churrasco brasileiro.
Temperatura de Serviço 15 ºC
Potencial de Guarda 5 anos
Pontuação Winechef

Adega Mayor Caiado Tinto, 2014 - 91 pontos Winechef

Adega Mayor Caiado Tinto, 2014 – 91 pontos Winechef

 

 

Viticultores de Chablis lutam para proteger as vinhas do gelo

A zona de Côte de Nuits, na Borgonha, foi duramente atacada por gelo na noite de 27 de Abril, quando as videiras já abrolhavam.

Ao princípio da noite a temperatura começa a descer até aos zero graus e em poucas horas o desastre estava consumado. O gelo provocou danos irreversíveis na colheita de 2016, na Borgonha e em outras zonas de França, havendo produtores que perderam dois terços da potencial produção.

Em Chablis, no entanto, um bom punhado de viticultores usaram métodos radicais para impedir os estragos. O alarme soou ao princípio da noite e toda a gente foi a correr para as vinhas. Uns usam rega para impedir os abrolhamentos de gelar. Outros usam fogueiras e velas para fazer subir um pouco a temperatura nos vinhedos.

A paisagem nocturna de vinhedos iluminados às 4 da manhã é algo que não esquece a quem assistiu. Um fotógrafo francês – Aurélien Ibanez – esteve toda essa noite a pé, fotografando estes preparativos. O resultado está na sua página do Facebook, e recomendamos vivamente a sua consulta. Fotos de grande beleza que são ao mesmo tempo um testemunho da luta dos viticultores contra a ditadura impiedosa da natureza. Alterar um ou dois graus a temperatura junto às videiras foi o suficiente para prevenir o desastre..

 

Viticultores de Chablis lutam para proteger as vinhas do gelo

Viticultores de Chablis lutam para proteger as vinhas do gelo

 

Viticultores de Chablis lutam para proteger as vinhas do gelo

Viticultores de Chablis lutam para proteger as vinhas do gelo

 

Viticultores de Chablis lutam para proteger as vinhas do gelo

Viticultores de Chablis lutam para proteger as vinhas do gelo

 

 

Fonte: Revista de Vinhos de Portugal

Erros imperdoáveis na arte de beber vinho

Beber vinho é um prazer muito saudável. Mas quem está começando a se aprofundar ou até mesmo para fãs antigos da bebida pode, eventualmente, surge alguma dúvida de como fazer para obter o melhor do sabor, aromas e sensações da bebida.

Servir o vinho com temperatura inadequada, usar taças inapropriadas ou tomá-lo com alimentos que não combinam são erros cometidos com frequência. O diário espanhol El País consultou três especialistas europeus para tirar todas as nossas dúvidas e nós contamos tudo para você. Confira:

Erro nº 1: Sempre abro a garrafa de vinho meia hora antes

Não estará fazendo nenhum mal ao conteúdo, mas tampouco vai trazer benefícios. Se você suspeitar que o vinho precisa ser aberto, remova a rolha com várias horas de antecedência, ou faça uma decantação ou aeração (uma decantação vigorosa). “A porcentagem de oxigênio que influencia a capacidade dessa garrafa de 750 ml é muito reduzida”, diz o sommelier Iván Martínez. “Se queremos oxigenar o vinho porque está fechado, por ser um amadurecido que precisa respirar, ou de certas variedades de uva que precisam de mais oxigênio, faz mais sentido fazer uma aeração ou decantá-lo. Fazendo apenas isso vamos evitar ter de abri-lo uma hora antes ou duas. Isso vai ter algum efeito, mas muito pouco; terá mais efeito, se realmente precisar, aerá-lo ou decantá-lo”, diz Martínez.

Erro nº 2: Encho completamente a taça de vinho

Somos esplêndidos! Que não falte nada aos nossos convidados: além de empanturrar seus pratos, enchemos suas taças até transbordar… E, mesmo com boas intenções, estamos dando uma má impressão. O sommelier Martínez, Nariz de Ouro 2014, recomenda enchê-las “sempre menos da metade. Por muitas razões: porque o vinho esquenta muito; porque se você enche completamente não pode mexer a taça para destacar o vinho… Vamos diminuir [a intensidade do] vinho. Além disso, na hora de tomá-lo, é possível dosá-lo melhor e não enche tanto a boca. Para mim, parece um pouco ofensivo quando colocam muita quantidade”.

Encho completamente a taça de vinho

Encho completamente a taça de vinho

Erro nº 3: Servi-lo no copo

Pode ser que beber água em uma taça Bordeaux seja muito chique; fazer o contrário — tomar vinho em um copo de água —denota inexperiência. Se utilizar um copo normal ou um do tipo achatado, estará perdendo grandes coisas. “Uma taça de vinho com certa altura e com um balão que tenha um diâmetro é vital para que, ao mexer o vinho, ele se oxigene e todos seus aromas possam ser volatilizados”, aconselha Martínez. A haste da taça permite segurá-la sem ter que colocar os dedos na altura do vinho, aquecendo-o. Guillermo Cruz, do Mugaritz, concorda: “Em uma taça, o vinho sempre cresce. Mas, no fundo, o importante é consumi-lo, que seja algo de todos os dias, porque é parte da nossa cultura; o resto é secundário.

Erro nº 4: Um vinho mais caro é sempre melhor

A afirmação é desmentida por Alicia Estrada, autora do livro Os 100 Melhores Vinhos Por Menos de R$30: “Há vinhos caros excepcionais, e vinhos por menos de 10 euros (40 reais) também excepcionais. Muitas pessoas me dizem que provaram um caro e se decepcionaram. E era excepcional. Acho que temos de comprar os vinhos que podemos e sabemos desfrutar. Os caros às vezes são difíceis, fechados, precisam de uma certa preparação sensorial, um certo conhecimento, uma experiência…” A especialista também aponta que o conceito de “melhor” é relativo: “O vinho é uma bebida de momentos. Não é o mesmo aquele do domingo, o da paella que você toma com a família, e o de uma noite romântica, o que alguém toma com clientes em um jantar de trabalho”.

m vinho mais caro é sempre melhor

m vinho mais caro é sempre melhor

Erro nº 5: Um vinho reserva é sempre melhor do que um vinho jovem

“Depende”, diz Alicia Estrada. “No caso de um reserva, a única coisa que diz é que passou muitosmeses em barril, e, portanto, terá maiores condições de durabilidade. Você pode guardá-lo por mais tempo. Não é uma garantia de qualidade.” O barril fornece sabores e aromas, o que os vinhos jovens não possuem, mas muitos deles oferecem, em troca, frutosidade, frescor e um toque mais moderno. Se o processo de maceração carbônica é aplicado, podem ganhar na intensidade de sabor e de cor.

Erro nº 6: Se meu vinho está quente, jogo um cubo de gelo!

Já vimos isso, especialmente nos brancos e rosé; sacrilégio apenas comparável à atrocidade de misturar um reserva com refrigerante de cola. “É uma pena, porque ao jogar gelo estamos misturando vinho com água”, diz Guillermo Cruz, eleito Melhor Sommelier da Espanha 2014. “É preciso pensar que, por trás de cada garrafa, existe um trabalho maravilhoso, uma filosofia, alguém que está todo ano esperando essa safra para que, no final, sua emoção se transforme em uma garrafa. É quase preferível manter o vinho na geladeira por mais cinco minutos do que acrescentar um cubo de gelo. Perde-se o equilíbrio do vinho.”

Se meu vinho está quente, jogo um cubo de gelo

Se meu vinho está quente, jogo um cubo de gelo

 

Cotinua…

Fonte: Revista Sabores do Sul

Expovinis Brasil, TOP TEN 2016

Está acontecendo em São Paulo a versão número 20 da Expovinis.

Se está interessado em ampliar seus conhecimentos, a feira oferece palestras temáticas e várias outras novidades que pode conferir no site oficial do evento

Um dos atrativos do primeiro dia foi a divulgação dos vencedores do concurso Top Tem, um concurso que escolhe os melhores vinhos da feria nas distintas categorias.

Estes vinhos podem ser degustados na feria. Se quer participar, ainda dá tempo, já que a feria vá até a próxima quinta-feira, dia 16 de junho.

 

Expovinis Brasil, TOP TEN 2016

Expovinis Brasil, TOP TEN 2016

 

Veja a lista de vinhos premiados no TOP TEN Expovinis 2016

Espumante nacional

Gran Legado Brut Champenoise

 

Vinho Espumante importado

Hunter Miru

 

Vinho Branco brasileiro

Don Guerino Sinais SB

 

Vinho Branco importado

Gomila Single Vineyard Selection SB

 

Vinho Rosado

Domaine D’estienne Coteaux Varois en Provance 2015

 

Vinho Tinto brasileiro

Lidio Carraro Agnus Tannat

 

Vinho Tinto Novo Mundo

Ballena Azul Family Reserve

 

Vinho Tinto Velho Mundo Península Ibérica

Clos del Mas Bodega Pinard

 

Vinho Tinto Velho Mundo

IL Brecciolino Castelvecchio

 

Vinho Fortificado e Doces

Quinta do Sagrado Vintage 2011