Vinho e Saúde: Vinho pode prevenir Diabetes em mulheres com sobrepeso

 

Consumo de vinho pode ajudar na prevenção da diabetes e de outros problemas, dizem especialistas

Segundo cientistas franceses, o consumo moderado do vinho pode ajudar a prevenir a diabetes tipo 2 em mulheres com sobrepeso, além de outros transtornos físicos.

Uma pesquisa do Instituto da França de Pesquisas Médicas mostrou essa descoberta e foi além: Os envolvidos no projeto estudaram especificamente o efeito do consumo moderado de vinho nas mulheres e foi descoberto que quanto mais cedo elas começam tomar vinho menor é o risco de desenvolver a diabetes tipo 2.

O Dr. Guy Fagherazzi, autor principal do estudo, disse em entrevista ao Wine Spectator: “Nós achamos que o consumo moderado de vinho pode ser benéfico para todos os indivíduos, não só para aqueles que estão com sobrepeso”. No estudo foram analisadas 66.485 mulheres, as quais foram avaliadas sob vários aspectos, incluindo o consumo de vinho durante a vida inteira.

Entre todas as mulheres, o consumo de 0.5 a 1 taça de vinho por dia mostrou uma leve redução do fator diabetes. Porém, verificou-se que no caso de mulheres com sobrepeso o consumo de duas taças ou mais pode reduzir em proporções muito maiores o risco da diabetes tipo 2.

Os autores da pesquisa sugerem que a razão desse benefício decorre da presença dos antioxidantes do vinho, que também estão associados aos benefícios cardiovasculares da bebida. Outras pesquisas também mostraram que o vinho pode ser benéfico no trato da osteoporose, acne, perda auditiva e do câncer de ovário.

Vinho pode prevenir Diabetes em mulheres com sobrepeso

Vinho pode prevenir Diabetes em mulheres com sobrepeso

 

Veja Também:

 

Degustação dos Chilean Premium Wines em Belo Horizonte

 


A próxima quinta-feira (dia 29/abril) , acontecera um novo evento do projeto que divulga os Vinhos Premiums Chilenos.

 

 Data: 29/03/18 (quinta-feira)

Lugar: Restaurante Ah! Bon

Endereço: R. Fernandes Tourinho, 801 – Lourdes, Belo Horizonte – MG, 30112-000

Horário: 15:30 horas (em ponto)

Inclui: Degustação de 7 dos melhores vinhos Premium Chilenos

Confirmar no telefone/WhatsApp: 31/ 9 8977 8990 ou no e-mail:  alex@winechef.com.br

 

Degustação dos Chilean Premium Wines em Belo Horizonte

Degustação dos Chilean Premium Wines em Belo Horizonte

 

Vinhos que serão apresentados:

 

Gandolini Wines Las 3 Marías, 2013 (94 pontos James Suckling, 93 Robert Parker)

Preço Referência: R$ 590,00

 

Von Siebenthal Montelig, 2010

Preço Referência: R$ 590,00

 

Chocalan Vitrum Pinot Noir, 2015

Preço Referência:  R$ 200,00

 

Chocalan Vitrum Blend, 2013 (91 pontos Descorchados)

Preço Referência:  R$ 200,00

 

Loma Larga Cabernet Franc, 2011 (93 pontos Descorchados)

Preço Referência: R$ 200,00

 

Ventolera Pinot Noir, 2014 (92 pontos Revista Cru de Hong Kong)

Preço Referência: R$ 220,00

 

Portal del Alto, Alejandro Hernández, 2014

Preço Referência: R$ 280,00

 

Rolhas para vinho alternativas: Sintéticas, rosca (screwcap), Vino-Lok, Zork, e Pro-Cork

 

Rolhas sintéticas, cápsula de rosca (screwcap), rolha de vidro, Zork….qual é a melhor?

Rolhas sintéticas

A tecnologia moderna ainda não conseguiu criar um substituto sintético para a rolha de cortiça natural. Existem inúmeras rolhas deste tipo no mercado mas múltiplos estudos aconselham apenas o seu uso em vinho de consumo rápido (um, dois anos máximo). Esta rolha não veda totalmente a garrafa e permite importantes trocas de oxigénio com o vinho engarrafado (0.01 cc por dia e por rolha enquanto que esse índice na cápsula de rosca e em boas rolhas de cortiça é inferior a 0.001 cc por dia e por rolha) levando à sua oxidação precoce. Entre as várias marcas sobressaem a Nomacork, Neocork e Nukorc. São baratas, visualmente atraentes e podem ser usadas nas linhas de engarrafamento convencionais.

Tampa rosca ou screwcap

A cápsula de rosca tem sido o vedante mais popular na guerra contra a rolha de cortiça natural. São uniformes, muito fáceis de abrir e vários estudos comprovam que é o vedante que mantém os níveis mais elevados de SO2 livre (antioxidante). Tem a vantagem de evitar oxidações e a desvantagem de promover reduções com inerentes aromas desagradáveis. No entanto, a imagem que têm junto do consumidor (europeu principalmente) desprestigia o vinho que usa a cápsula de rosca, é um vinho barato de todos os dias, é um vinho com pouco estatuto, enquanto a rolha mantém as preferências de estética, ambientalista, para não esquecer o ritual do abrir da garrafa com o saca-rolhas.

Cápsula de rosca ou screwcap para vinhos

Cápsula de rosca ou screwcap para vinhos

Vino-lok

O vedante de vidro Vino-lok, usado por muitos produtores de vinho alemão e austríaco, é outra alternativa a ter em conta. É inerte, neutra, muito eficaz como vedante, é reciclável e esteticamente perfeita, apenas uma desvantagem – o preço que por enquanto se mantém elevado.

Zork

A rolha australiana Zork é outra alternativa interessante para vinhos de consumo rápido, atraente, fácil de utilizar e pode também ter futuro.

Pro-Cork

Por último, a Pro-Cork que usa cortiça natural isolada por uma membrana de 5 camadas em cada extremidade que não permite contato do vinho com a rolha e assegurando a impermeabilidade. Esta é uma alternativa que junta cortiça com sintéticos de um modo eficiente.

Continua…

Como saber quando guardar ou beber uma garrafa de vinho?


Todos gostamos de guardar vinhos, mais será que eles estão melhorando o já estragaram…

A enorme maioria dos vinhos produzidos atualmente pode e deve ser bebida em um prazo de até três anos. A enologia moderna evoluiu de modo a permitir que vinhos jovens não sejam mais “imbebíveis”. Antigamente guardavam-se os vinhos jovens que tinham muito tanino e “amarravam” a boca com sua adstringência.

Os Bordeaux levavam 20 anos para “amaciar” os taninos. Técnicas como microoxigenação e uso de barricas, entre outras, aceleram este processo. Mas isto não quer dizer que alguns não melhorem muito se você aguardar mais uns anos. Algumas pessoas – e eu me incluo neste rol –  preferem vinhos mais evoluídos. Mesmo aqueles de que não se espera muito surpreendem. Para evoluir bem, um vinho precisa ter uma quantidade interessante de um dos seguintes componentes conservantes: álcool, açúcar, taninos ou acidez (exemplo: o Vinho do Porto, que tem mais açúcar e álcool do que um vinho tranquilo).

Um vinho seco, seja branco ou tinto, jovem, leve, macio, sem muita acidez ou tanino, não vai ter estrutura para evoluir com os anos. Por outro lado um vinho jovem com muito tanino, álcool e acidez não é necessariamente desequilibrado. É muito tudo! É um exagero ao paladar. Para que o vinho possa realmente ganhar com a guarda e o passar do tempo, vai depender muito do armazenamento e da conservação. Importante saber que na maioria das vezes os brancos secos são menos longevos do que os tintos.

Se o vinho estiver bem armazenado, protegido da luz, do excesso de calor e das mudanças bruscas de temperatura, abra quando der vontade.

Dica: para saber se o precioso líquido passou do ponto, o principal sinal é a quantidade de líquido no recipiente. Ponha a garrafa contra a luz e observe o nível do vinho. Se estiver abaixo do “ombro” da garrafa, houve vazamento ou evaporação. Este contato com o ar é fatal. Leva à oxidação e o vinho perde o brilho, o vigor. Serve para cozinhar e olhe lá. Mas prove antes para ter certeza.

Como saber quando guardar ou beber uma garrafa de vinho

Como saber quando guardar ou beber uma garrafa de vinhoarmaznar

 

O 2-4-6 Tricloroanisol: O composto químico responsável pelos vinhos bouchoné

Este poderosíssimo contaminante pode estar presente em papel, cartão, plástico, vidro, recipientes metálicos, madeira, barricas e também…na cortiça. O seu limiar de percepção situa-se a 1.5 ppt ou ng/l (parte por trilião ou nanograma por litro) – ou seja, uma simples gota deitada numa piscina olímpica é suficiente para contaminar a água – mas a maioria das pessoas detecta o problema a cerca de 5 ppt.

É um químico complexo com várias origens: fungos presentes nas imperfeições da estrutura celular da cortiça, os polifenóis próprios da cortiça e produtos utilizados na preparação da cortiça interagem parcial e integralmente levando à formação deste composto.

Vinhos com odor e gosto a mofo (bouchoné ou bouchonné

Vinhos com odor e gosto a mofo (bouchoné ou bouchonné

Contudo, o “gosto a rolha” não é apenas atributo do TCA. Existem outros cloroanisóis como o tetracloroanisol (2-3-4-6 TeCA detectável a 10 ng/l) ou o mais preocupante tribromoanisol (2-4-6 TBA detectável a 4 ng/l) formado a partir do tribromofenol, usado como pesticida nas estruturas de madeira das adegas, que pode contaminar barricas, rolhas, plásticos, cartão ou madeira das caixas de vinho.

Tudo isto foi metido no mesmo saco e as culpas caíram todas, e ao mesmo tempo, na nobre rolha de cortiça.

Percentagem de contaminação inaceitável… a cortiça destrói os nossos vinhos,… é em suma o que transcreviam os inúmeros artigos escritos sobre o tema em finais de oitenta, no preciso momento em que os vinhos iniciam uma ascensão de preços nunca antes testemunhada.

Continua…

Veja Também:

 

A rolha e o vinho


Todo sobre a relação da rolha de cortiça e os vinhos

Ainda que nada tenha diretamente a ver com vinho, a rolha de cortiça desempenha um papel decisivo na sua conservação em garrafa. A sua eficácia nesta função tem originado grande polémica e ao longo dos últimos anos têm surgido novos vedantes.

Cortiça, alumínio, plástico e vidro são as matérias-primas utilizadas no fabrico de vedantes para garrafas de vinho. Mas nem sempre foi assim. Até há bem pouco tempo a rolha de cortiça era o único vedante utilizado. O exponencial aumento dos engarrafados a partir da segunda metade do século passado e, fundamentalmente, o aumento de problemas com o “gosto a rolha” atribuído à rolha de cortiça, desencadeou uma revolução no mercado de vedantes para vinho.

A nobre rolha de cortiça

A cortiça consiste num tecido vegetal com centenas de milhões de células suberizadas, inertes e impermeáveis. Estas células, cheias com gás, formam uma estrutura compressível e elástica. A cortiça pode ser comprimida para metade do seu volume sem perder flexibilidade e possui a particularidade única de poder ser comprimida numa dimensão sem alterar a outra.

Estas características fazem da cortiça um vedante natural impermeável com extraordinária eficácia. Ao longo de séculos tem ajudado a escrever a história do vinho que hoje conhecemos. É, por assim dizer, o maior aliado do homem na conservação e melhoramento dos vinhos acondicionados em garrafa. Para muitos a rolha de cortiça é parte integrante da imagem da garrafa de vinho. Até quando?

A rolha e o vinho

A rolha e o vinho

Início das Hostilidades da rolha de cortiça

A revolução de Abril de 1974 trouxe os primeiros problemas à rolha de cortiça. Os montados mudaram de mãos e a cortiça era por vezes tirada apenas com 6 anos de idade. Na década de 80, a qualidade das rolhas diminuiu significativamente e nos finais da década surgiam os primeiros processos movidos por produtores de vinho australiano contra os seus fornecedores de rolhas. A lei acudia ao lesado e o negócio da rolha de cortiça natural começou a tremer.

Em 1989, a indústria portuguesa de fabrico de rolhas era fortemente censurada por muitos produtores de vinho. Meio mundo reclamava da fraca qualidade das rolhas de cortiça. Nesse mesmo ano, enquanto poderosas cadeias inglesas de distribuição começam a testar rolhas sintéticas e cápsulas de rosca, as companhias portuguesas de cortiça, em conjunto com o governo, fundam o Centro Tecnológico da Cortiça (CTCOR) em Santa Maria de Lamas. Objetivo – Apurar as causas dos problemas de qualidade das rolhas.

Continua…

ABS Minas realizará evento com vinhos Premium chilenos


Essa semana, o projeto Chilean Premium Wine – Tasting Tour estará em Belo Horizonte!

Consiste em uma master Class guiada por Alex Ordenes, único Sommelier Conseil da América Latina em parceria com a ABS – Associação brasileira de Sommeliers.

 

Data: 08/03/18 (quinta feira)

Lugar: ABS Minas

Endereço: Av. Do Contorno 8000, sala 1803, Santo Agostinho.

Horário: 20:00 horas em ponto

Inclui: Degustação de 8 dos melhores vinhos Premium Chilenos

Confirmar no telefone/WhatsApp: 31/ 9 8977 8990 ou e-mail:  alex@winechef.com.br

Preço: R$ 130,00 p/p

 

ABS Minas realizará evento com vinhos Premium chilenos

ABS Minas realizará evento com vinhos Premium chilenos

 

Vinhos que serão apresentados:

 

 

Ventolera Sauvignon Blanc, 2016 (94 pontos Descorchados, 94 James Suckling)

Preço Referência: R$ 220,00

 

Ventolera Chardonnay Private Cuvée, 2013 (95 pontos Descorchados)

Preço Referência:  R$ 350,00

 

Ventolera Pinot Noir, 2014 (92 pontos Revista Cru de Hong Kong)

Preço Referência: R$ 220,00

 

Loma Larga Malbec, 2011 (93 pontos Descorchados)

Preço Referência:  R$ 220,00

 

Chocalan Vitrum Blend, 2013

Preço Referência:  R$ 200,00

 

Loma Larga Syrah, 2012 (93 pontos Descorchados)

Preço Referência:  R$ 220,00

 

Chocalan Alexia, 2011 (93 pontos Wine & Spirits e 94 Tasting.com)

Preço Referência:  R$ 400,00

 

Gandolini Wines Las 3 Marías, 2013 (95 pontos Descorchados)

Preço Referência: R$ 590,00

 

Von Siebenthal Toknar, 2005 (94 pontos Robert Parker safra 2006 )

Preço Referência: R$ 800,00

 

Especialistas apontam quatro regiões improváveis de onde surgirão grandes vinhos


Turquia, China, Georgia e região de Finger Lakes nos Estados Unidos estão entre as mais promissoras

Você já experimentou um vinho feito da uva Öküzgözü?

Provavelmente não, mas talvez em um futuro próximo ela esteja em sua mesa. Esta variedade de nome esquisito é natural da Turquia, uma das regiões mais promissoras do mundo do vinho atualmente e que pode se tornar uma potência no futuro segundo especialistas. No entanto, além da Turquia, experts apontam ainda outras três regiões no mundo com grande potencial de crescimento: China, Geórgia e a área de Finger Lakes nos Estados Unidos. Todas até então pouco conhecidas pelos enófilos.

Segundo o jornalista especializado em vinhos, Gregory Dal Piaz, a Turquia deve se tornar um grande player no mercado do vinho nos próximos anos. O país já é o sexto maior produtor de uvas do mundo e, apesar de ser conhecido pelas uvas de mesa, isso está mudando. Além disso, os turcos já produzem 28 milhões de litros por ano, mas têm potencial para dobrar essa quantidade facilmente, invadindo o mercado global. Outra qualidade da vitivinicultura turca são as variedades indígenas, incluindo a Öküzgözü, que em personalidade e é fácil de agradar, lembrando um pouco da Dolcetto, italiana. Piaz acredita que, em pouco tempo, ela produzirá grandes vinhos.

Já a China está na mira dos grandes players mundiais há algum tempo. Em uma década, os chineses duplicaram o número de hectares plantados no país (de 300 para 600 mil), tornando-o o maior produtor de uvas do mundo. Uma das vantagens da China é que diversos grandes grupos do mundo do vinho, como LVMH e Domaine Baron de Rothschild, estão investindo bastante na produção local e criando um padrão de qualidade para a indústria chinesa.

Outras duas regiões que, apesar de bem menos badaladas, também estão sendo observadas de perto pelos especialistas são Finger Lakes nos Estados Unidos e a Geórgia. A área no nordeste norte-americano é conhecida por seus Riesling e agora tem recebido muito capital de investimento. Dois grandes produtores Paul Hobbs e Johannes Selbach, por exemplo, fizeram uma joint-venture para desenvolver vinhos no lago Seneca. Já a Geórgia, conhecida pelos vinhos “laranja” e a fermentação em ânforas, tem chamado a atenção por seus tradicionais vinhos Qvevri – fermentados no barro Qvevri. Esses vinhos são a porta entre o histórico e o moderno nesse país onde estão as raízes da vitivinicultura mundial.

Vinhos da China

Vinhos da China

Fonte: Revista Adega

 

Veja Também: