Oídio: O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

 
O oídio hiberna nos gomos da planta ou na superfície da mesma. A partir dos 15ºC e 25% de humidade torna-se ativo. Todas as partes verdes da planta são atacadas. Nas folhas surgem umas manchas de tom verde oleoso. Na página inferior um pó cor de cinza esbranquiçada (esporos) exibe a instalação do fungo.

Sem tratamento os tecidos morrem, os pequenos bagos rebentam e a podridão cinzenta acaba por destruir parte ou a totalidade da colheita. É mais estimulado pela densidade da copa da videira que pela humidade do ar. A luz solar direta inibe a germinação dos esporos.

A prevenção cultural faz-se eliminando (à poda) varas com cleistotecas (pontos negros onde hibernam os esporos sexuais do fungo), promovendo o arejamento da videira e evitando o vigor excessivo.

 

Oídio O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

Oídio O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

 

A luta contra o oídio tem habitualmente calendário fixo. É necessário proteger a vinha desde a floração até ao fecho dos cachos.

A doença é controlada desde 1854 com a aplicação de enxofre. Existem duas formas: o enxofre molhável e o enxofre em pó (a primeira tende a ser a mais utilizada e de preferência só até à floração). Na luta química, existe um número variado de fungicidas que inibem a germinação do fungo e/ou bloqueiam a formação dos apressórios necessários à penetração do fungo na planta.

Em situações de emergência, que são vulgares, existe o permanganato de potássio que é um detergente que “lava” a doença da planta. Depois da limpeza a videira está muito exposta a ataques, donde que, se deve aplicar a proteção de enxofre ou fungicida orgânico.

Veja: Míldió

 

Receita de Ceviche de Salmão

 

A chef de Winechef Edneia Benfica nos ensina a preparar essa receita muito fácil e deliciosa de Ceviche de Salmão

Ceviche é um prato de origem peruana  baseado em peixe cru marinado em suco cítrico, no Peru  os ingredientes obrigatórios são a cebola roxa,  o piri-piri (nome dado a pimenta). Completam a lista alguns ingredientes muitos usados em países andinos como palta (avocado), o milho, ou a batata doce, ingredientes muito usados na culinária peruana.

O chamado “cheiro verde” como a salsa, o coentro e outros também sempre estão presentes nos pratos peruanos proporcionando um aroma e uma identidade única nos pratos desse particular pais.

 

 Ingredientes para preparar  Ceviche de Salmão

400 gramas de salmão limpo

200 ml de suco de limão

Cebola roxa fatiada em rodelas bem finas

Coentro picado

Salsa picada

Sal a gosto

Pimenta a gosto

250 ml de Azeite

4 dentes de Alho picados

 

Edneia Benfica e seu Ceviche de Salmão

Edneia Benfica e seu Ceviche de Salmão

 

Modo de preparo de Ceviche de Salmão

1- Corte o salmão em cubos pequenos, coloque em uma tigela e despeje o suco de limão e o alho. Deixe reservado por 10 minutos.

2- Acrescente a salsa, o coentro e o azeite e mexa bem, tempere com o sal e pimenta.

3- Lave a cebola em água gelada e acrescente ao ceviche, misture bem e está pronto para servir.

 

Dica da Chef

Se preferir pode-se adicionar mostarda Dijon de sua preferência e sazón verde para salada, provando sempre para não ficar salgado.

Sirva a cebola em cima do ceviche para que a mesma fique sempre crocante.

Sirva de preferência como entrada ou como petisco, acompanhados por torradas ou biscoitos salgados.

Ceviche de Salmão

Ceviche de Salmão

 

Para harmonizar o Ceviche de Salmão

Vinhos brancos jovens e sem madeira. Ideal como vinhos brancos a base de uva Sauvignon Blanc de climas frios.

 

Os 5 Sauvignon Blanc “Great Values” do Chile segundo revista inglesa Decanter

 
Na edição de outubro da revista inglesa Decanter e também no site de internet apareceu uma lista com os 5 vinhos com a melhor relação preço qualidade abaixo das f13.

4 dos vinhos da lista foram elaborados com uvas do vale de Casablanca e um com uvas do vale de leyda.

Entre os especialistas que degustaram os vinhos estão Christelle Guibert, diretor de degustação da revista Decanter, o jornalista chileno Patricio Tapia, o brasileiro Dirceu Vianna Jr (MW), Peter Richards MW e Jane Parkinson.

 

os 5 vinhos Sauvignon Blanc ganhadores:

 

Cono Sur, 20 Barrels Sauvignon Blanc, Casablanca, Chile 2013. 90 pontos

Ventolera, Litoral Sauvignon Blanc, Leyda, Chile 2013. 90 pontos

Domaines Barons de Rothschild (Lafite), Los Vascos Sauvignon Blanc, Casablanca, Chile 2014. 90 pontos.

Cono Sur, Reserva Especial Sauvignon Blanc, Casablanca, Chile 2014. 89 pontos.

Quintay, Sauvignon Blanc Grand Reserve, Casablanca, Chile 2014. 86 pontos.

 

5 Grandes vinhos Sauvignon Blanc do Chile segundo revista inglesa Decanter

5 Grandes vinhos Sauvignon Blanc do Chile segundo revista inglesa Decanter

 

Fonte: Decanter

7 curiosidades históricas sobre vinhos

 

Inusitados, os episódios marcaram a trajetória de uma das bebidas mais estimadas do mundo

Que o vinho é muito apreciado, e precisa-se de muito tempo para entendê-lo, todos sabem, no entanto, ele também possui uma história muito antiga, e cheia de curiosidades pouco conhecidas. Selecionamos algumas delas, um tanto pitorescas:

 A expressão “brindar”

1- Originou-se na Roma antiga, quando o Senado ordenou ao imperador Augustus que fosse homenageado com um brinde a cada refeição. O costume começou com um pedaço de pão tostado, chamada pelos romanos de “tostus”, que eles colocavam na taça de vinho, para mascarar eventuais sabores desagradáveis da bebida. Virou costume, assim, que todo mundo em uma refeição levantasse sua taça, para uma pessoa que estivesse sendo homenageada.

 A garrafa de vinho mais antiga do mundo

2- Data do ano 325 a.C. e foi encontrada perto da cidade de Speyer, na Alemanha, em 1867. Acredita-se que é a garrafa não aberta mais velha do mundo. Ela possui cerca de 1,5 litro de bebida e foi descoberta durante uma escavação dentro de uma tumba de um homem pertencente à elite romana do século IV, que possuía dois sarcófagos, um com o corpo de um homem e o outro com o de uma mulher. É provável que o vinho tenha sido produzido na mesma região, diluído com uma mistura de ervas e preservado com uma grande quantidade de azeite espesso adicionado ao frasco para vedar o vinho, juntamente com um selo de cera quente.

O rei Tutancâmon, morto em 1352 d.C., várias garrafas de vinho tinto.

O rei Tutancâmon, morto em 1352 d.C., várias garrafas de vinho tinto.

A oenophobia

3-Embora não seja algo muito comum, muitas pessoas possuem medo de vinhos, esse transtorno é chamado de “oenophobia”, que caracteriza-se como “medo de vinho; ansiedade relacionada ao vinho”.

 A terra do vinho

4-Quando chegaram a América do Norte, os “vikings” nórdicos (exploradores) nomearam o continente como wine land”, ou seja, “terra do vinho”, devido à grande quantidade de videiras que acharam no local.

 O ato de falsificar vinhos

5- É ilegal desde 1.754 a.C., na antiga Mesopotâmia. O código de leis chamado de “Código de Hamurabi” é um dos mais antigos já decifrados atualmente. Ele possui 282 leis, uma das quais afirma que qualquer pessoa que fosse flagrada vendendo vinho fraudado deveria ser afogada em um rio, como meio de punição.

Vinho na tumba do menino-rei Tutancâmon

6-Em 1922, descobriu-se na tumba do menino-rei Tutancâmon, morto em 1352 d.C., várias garrafas de vinho tinto, rotuladas com o nome, safra, local e até o produtor dos vinhos. Os rótulos eram tão detalhados que podem ser comparados com os de hoje em dia.

Sete curiosidades históricas sobre vinhos

Sete curiosidades históricas sobre vinho

 A origem do simpósio

7-Você pode pensar que um simpósio é um encontro de acadêmicos ou profissionais para discutir sua profissão ou debater assuntos atuais, e você estaria certo, porém, também é uma desculpa para beber. O termo simpósio teve origem na Grécia antiga e significa, literalmente, “beber juntos”, refletindo o costume dos gregos de misturar vinho e discussões intelectuais. Simpósios geralmente eram realizados nas casas das pessoas, servia-se comida e vinhos, ao mesmo tempo em que ocorria uma discussão sobre política e filosofia. Eles eram frequentemente realizados para comemorar a introdução de jovens na sociedade aristocrática. Um simpósio era supervisionado por um “symposiarch”, uma versão antiga de um sommelier, que iria decidir  qual vinho seria servido na noite.

 

Fonte: Revista Adega.

 

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

 

Tradição na Áustria chama atenção mundo todo

Desde 2004 é publicado o Jungwinzerinnen Kalender – Calendário das Jovens Enólogas.

Criado por Ellen Ledermüller-Reiner, a ideia de fotografar as moças em trajes íntimos tornou-se hábito e há, inclusive, sessão de fotos em jantares de gala em Viena.

As modelos geralmente são filhas de enólogos ou parentes de funcionários das vinícolas e não são modelos profissionais.

“Elas ficam muito nervosas no começo. Mas se soltam durante a sessão fotográfica”, garante Ellen.

Veja algumas imagens:

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

 

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

 

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

 

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

 

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

Garotas posam seminuas em calendário anual de vinícolas

Leilão histórico de vinhos de Château Margaux com safras desde 1900 até 2010

O evento ocorre em Nova York em outubro e inclui importantes rótulos vintages e de parcerias da Casa Margaux

Em 17 de outubro, ocorrerá na Sotheby`s de Nova York (casa de leilões), um leilão com os vinhos da Château Margaux.

Ao todo, serão 239 garrafas, incluindo vintages de 1900, e 1945, além de vários rótulos que marcaram a parceria da Château com a família Mentzelopoulos, em 1978.

O nome do evento será Château Margaux 1900-2010 Direct from the Cellars: A Celebration of the Menzelopoulos Era”. “Essas vendas serão históricas, do tipo que acontecem somente uma vez na vida”, disse Jamie Ritchie, CEO da Sotheby`s.

Château Margaux

Château Margaux

 

 

 

A notabilidade dos vinhos Kosher

 

Mercado de produtos fabricados segundo as normas da dieta judaica ortodoxa movimenta US$ 600 milhões em todo mundo

As vinícolas têm bons motivos para olhar com atenção para o mercado de produtos Kosher, que movimenta anualmente 600 milhões de dólares em todo mundo, e são consumidos em países como Estados Unidos, Brasil, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Áustria, Argentina, Israel, Itália, Noruega e Polônia. O certificado Kosher é um documento emitido para atestar se os produtos fabricados por uma determinada empresa obedecem às normas específicas que regem a dieta judaica ortodoxa. Ele é mundialmente reconhecido e considerado sinônimo de controle máximo de qualidade.

O processo de emissão para um certificado Kosher depende da colaboração e total transparência nas informações que serão permutadas entre a empresa que fabrica o produto e a entidade judaica que emitirá o documento. Um produto Kosher, portanto, é considerado puro, pois é fabricado de acordo com as leis judaicas.

Para que receba o certificado Kosher, um vinho deve ser elaborado sob a supervisão de um rabino. Todos os produtos utilizados na produção devem ser Kosher, não é permitido que uma pessoa não judia manipule o vinho, de tal modo que toda a adega é selada, para evitar a contaminação.

A verdade é que, independentemente de monitoramento do vinho nos processos, os vinhos Kosher não possuem em qualquer fase da fabricação um elemento comum entre eles, como todos os outros vinhos, diferem-se à área de produção, variedade, produção e envelhecimento.

Vinhos Kosher

Vinhos Kosher

 

Itália ultrapassa França e volta a ser maior produtor de vinho do mundo

 

Bom tempo e colheita precoce possibilitaram aumento de 13% na produção de vinho italiano.

Para comemorar a ótima safra, festas do vinho se multiplicam no país.

A economia italiana ganhou um grande, e por que não dizer, delicioso impulso este ano: o país ultrapassou a França como maior produtor mundial de vinho.

O bom tempo ajudou a Itália a voar mais alto. O ano de 2015 poderá ser lembrado também pela boa safra do vinho italiano. As uvas amadureceram mais cedo e melhor, na segunda colheita mais precoce da história do país desde a Segunda Guerra, o que provocou um aumento de 13% na produção da bebida, que já era consumida na antiguidade. E uma reviravolta numa acirrada disputa: a Itália ultrapassou a França e voltou a ser o maior produtor mundial de vinho. Segundo a Comissão Europeia, foram 4,8 bilhões de garrafas italianas, contra 4,6 bilhões de francesas.

E o prosecco está sendo mais premiado do que o refinado champanhe. Em 2014, os italianos abriram 320 milhões de garrafas de um vinho branco, efervescente; os franceses, 307 milhões.

O representante da Confederação Nacional dos Agricultores, Domenico Bosco explica que a Itália renovou muitos vinhedos e que continua investindo muito no seu maior produto agrícola. Profundamente ligado ao território, o vinho italiano é responsável pelo maior faturamento nas exportações da nação, com cinco bilhões de euros por ano.

E, para comemorar a ótima safra, as festas do vinho se multiplicam pela Itália, juntando tradição e diversão, como na corrida que associa, desde a Idade Média, a resistência dos tonéis à qualidade do vinho.

Tonel mais forte, vinho mais bem envelhecido. E as barricas rolaram pelo centro histórico de Lanúvio, na região dos castelos romanos, onde arquitetura antiga, paisagem e música fazem parte da vida de cada cidadão, além dos prazeres e dos exageros da mesa. E quem experimenta parece concordar.

Itália ultrapassa França e volta a ser maior produtor de vinho do mundo

Itália ultrapassa França e volta a ser maior produtor de vinho do mundo

Fonte: Globo

50 melhores Carménère´s chilenos da história por Robert Parker

 

Ranking dos 50 melhores Carménère´s do Chile segundo Robert Parker

Desde que a Carménère foi redescoberta no Chile já passaram mais de 20 anos. O que parecia ser mais uma variedade de uva se transformou nesse período na uva emblemática desse país, a tal ponto, que até hoje para o maior e mais conceituado crítico de vinhos do mundo (Robert Parker), as máximas pontuações para vinhos chilenos são para vinhos elaborados a base dessa uva.

Na lista abaixo estão só os vinhos que no próprio site de Robert Parker (http://www.erobertparker.com/members/home.aspx ) estão catalogados como Carménère´s, mas vale destacar que além dos dois vinhos que compartem o primeiro lugar no topo da lista com nada menos que 97 pontos, tem outro chileno, o Von Siebenthal Tatay 2007 que também é elaborado a base de Carménère e que obteve a mesma pontuação, só que no site de Robert Parker esta catalogado como um blend, de fato, os Terrunyo´s da Concha y Toro também são blend´s. A diferencia é que o Tatay é um blend de três uvas, e os Concha y Toro Terrunyos só de duas, então imagino que no site de Robert Parker podem ter usado a quantidade de uvas que formam o blend para dividir as categorias.

Enfim, veja a lista, anote e se achar um desses vinhos por ai, provavelmente compartilhará a opinião (e tal vez até a pontuação), entregada por RP.

Robert Parker e os 50 melhores Carménère´s chilenos da história

Robert Parker e os 50 melhores Carménère´s chilenos da história

Robert Parker e os 50 melhores Carménère´s chilenos da história

SAFRA                                       VINHO                                                      PONTUAÇÃO

2003
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
97
2005
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
97
2007
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
96
2008
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
95
2004
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
95
2006
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
94
2008
Antiyal Carmenere Alto del Maipo Valley
93
2005
Casa Silva Carmenere Micro Terroir
93
2008
Casa Silva Carmenere Micro Terroir
93
2007
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
93
2008
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
93
2005
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
93
2005
Arboleda Carmenere
92
2005
J & F Lurton Alka
92
2005
Santa Rita Carmenere Pehuen
92
2008
Terra Noble Carmenere Ca2 Costa
92
2011
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
92
2007
Viu Manent Carmenere El Incidente
92+
2011
Antiyal Carmenere Vinedo Escorial
91
2005
Casa Silva Carmenere Los Lingues Estate
91
2009
Concha y Toro Carmenere Marques de Casa Concha
91
2007
Concha y Toro Carmenere Marques de Casa Concha
91
2009
De Martino Carmenere Alto de Piedra
91
2011
De Martino Carmenere Alto de Piedra
91
2007
De Martino Carmenere Alto de Piedra
91
2006
Errazuriz Carmenere Don Maximiliano Estate
91
2007
J & F Lurton Alka
91
2007
La Playa Axel Carmenere
91
2008
Montes Alpha Carmenere
91
2007
Montes Alpha Carmenere
91
2009
Montes Alpha Carmenere
91
2008
Santa Rita Carmenere Pehuen
91
2008
Terra Noble Carmenere Ca1 Andes
91
2009
Terra Noble Carmenere Ca2 Costa
91
2007
Undurraga Carmenere Founder’s Collection
91
2007
Vina Morande Carmenere Edicion Limitada
91
2008
Vina Ventisquero Queulat Gran Reserva
91
2010
Antiyal Carmenere Viñedo Escorial
90
2003
Apaltagua Grial Carmenere
90
2012
Apaltagua Carmenere Envero
90
2007
Caliterra Carmenere Tributo
90
2009
Caliterra Tributo Carmenere Single Vineyard
90
2009
Casa Silva Carmenere Reserva
90
2013
Casa Silva The Carmenere Project
90
2005
Casa Silva Carmenere Reserva
90
2011
Casa Tamaya T Carmenere
90
2009
Casa Tamaya Carmenere
90
2009
Casas del Bosque Carmenere Reserva
90
2007
Chono Carmenere Reserva
90
2009
Clos Ouvert Carmenere
90

Lançada mala de vinhos indestrutível

 

VinGaurdValise: Uma mala de vinhos classificada como “indestrutível”

A VinGaurdValise, a maleta de vinhos “indestrutível”, foi lançada recentemente e promete redefinir o transporte seguro e prático das garrafas de vinho.

O produto conta com uma superfície dura e resistente, além de uma espuma interna capaz de regular a temperatura e amortecer choques decorrentes do transporte.

A maleta pesa cerca de 20 kg quando equipada com uma dúzia de garrafas de vinho, fazendo com que ela esteja abaixo do limite de peso das principais companhias aéreas, como Air France, KLM, Alitalia, entre outras. Além disso, o produto conta com um diferencial interessante: Parte da espuma pode ser retirada caso o viajante decida incluir outros itens na mala e queira levar poucas garrafas.

Criada pelo designer Barry Wax, a VinGaurdValise demorou três anos para ser desenvolvida e hoje está sendo vendida por £150 (R$ 610).

Mala de vinhos indestrutível

Mala de vinhos indestrutível