Posts

Chilean Premium Wine no Pier Aleixo, em Vitória


13 de setembro (quinta-feira) degustação de grandes Premium chilenos

 

Master Class guiada por Alex Ordenes, único Sommelier Conseil da América Latina

 

Data: 13/09/18 (quinta-feira)

Lugar: Restaurante Pier Aleixo

Endereço: Rua Aleixo Netto, 1702, loja 02 e 03, Praia do Canto

Horário: 20:00 horas (em ponto)

Inclui: Degustação de 9 dos melhores vinhos Premium Chilenos + Prato Principal

Confirmar no telefone/WhatsApp: 31/ 9 8977 8990 ou e-mail:  alex@winechef.com.br

 

Chilean Premium Wine no Pier Aleixo, em Vitória

Chilean Premium Wine no Pier Aleixo, em Vitória

Vinhos a degustar:

 

 

Santa Ema Amplus Chardonnay, 2017 (92 pontos James Suckling)

Preço Referência: R$ 160,00

 

 Ventolera Pinot Noir/Syrah, 2015 (94 pontos Descorchados)

Preço Referência: R$ 220,00

 

Apaltagua Ícone Grial, Carménère, 2012 (93 pontos Descorchados)

 Preço Referência:  R$ 290,00

 

Von Siebenthal Carabantets Syrah, 2014

Preço Referência: R$ 240,00

 

Laura Hartwig Petit Verdot, Selección del Viticultor, 2015 (93 pontos Descorchados)

Preço Referência: R$ 240,00

 

PS Garcia Vigno Carignan, 2014 (94 pontos Robert Parker)

Preço Referência: R$ 320,00

 

Chocalan Ícone Alexia, 2011 (94 pontos La Cav)

 Preço Referência:  R$ 440,00

 

Loma Larga Ícone Saga, 2011 (94 pontos Descorchados)

Preço Referência:  R$ 500,00

 

Gandolini Las 3 Marias, 2012 (95 pontos Descorchados, 93 pontos Robert Parker)

Preço Referência: R$ 590,00

 

Fique Expert e reconheça as uvas só pela folha!

 

Imagina, só olhando a folha você vai matar a charada.

2da. Parte (deve abrir a imagem para ver as folhas das uvas tintas)
Quem curte vinhos e sempre tem planejado algum dia visitar uma vinícola, seja no Chile, Espanha, Argentina e aqui mesmo no Brasil, poder caminhar pelos lindos vinhedos e até bater um papo com o próprio enólogo. Isso já uma sensação maravilhosa para os amantes dos vinhos, os tão conhecidos na web como #winelovers.

Agora imagine, além dessa maravilhosa experiência, poder chegar perto de uma parreira e dizer “Essa é a uva carménère!”. E quando todos perguntarem como você sabia, você vai dizer com o peito estufado e com aquela cara de sabido “pela folha da uva”.

É isso que queremos lhe proporcionar. Não a viagem (por enquanto), mas possibilitar ver, mesmo que digitalmente, cada folha de cada tipo de uva para que você possa reconhecê-las na parreira.  E, sim, isto é possível e não é muito difícil de aprender, concentre-se e preste atenção nas diferenças nos formatos que as folhas têm entre elas.

Na verdade existem muitos outros detalhes na hora de diferenciar um tipo de uva de algum outro, mas se prestar bastante atenção, talvez, na sua próxima visita a uma vinícola você poderá ser o expert em uvas do grupo.

 

Veja as uvas brancas
Fique Expert e reconheça as uvas só pela folha!

Fique Expert e reconheça as uvas só pela folha!

O 2-4-6 Tricloroanisol: O composto químico responsável pelos vinhos bouchoné

Este poderosíssimo contaminante pode estar presente em papel, cartão, plástico, vidro, recipientes metálicos, madeira, barricas e também…na cortiça. O seu limiar de percepção situa-se a 1.5 ppt ou ng/l (parte por trilião ou nanograma por litro) – ou seja, uma simples gota deitada numa piscina olímpica é suficiente para contaminar a água – mas a maioria das pessoas detecta o problema a cerca de 5 ppt.

É um químico complexo com várias origens: fungos presentes nas imperfeições da estrutura celular da cortiça, os polifenóis próprios da cortiça e produtos utilizados na preparação da cortiça interagem parcial e integralmente levando à formação deste composto.

Vinhos com odor e gosto a mofo (bouchoné ou bouchonné

Vinhos com odor e gosto a mofo (bouchoné ou bouchonné

Contudo, o “gosto a rolha” não é apenas atributo do TCA. Existem outros cloroanisóis como o tetracloroanisol (2-3-4-6 TeCA detectável a 10 ng/l) ou o mais preocupante tribromoanisol (2-4-6 TBA detectável a 4 ng/l) formado a partir do tribromofenol, usado como pesticida nas estruturas de madeira das adegas, que pode contaminar barricas, rolhas, plásticos, cartão ou madeira das caixas de vinho.

Tudo isto foi metido no mesmo saco e as culpas caíram todas, e ao mesmo tempo, na nobre rolha de cortiça.

Percentagem de contaminação inaceitável… a cortiça destrói os nossos vinhos,… é em suma o que transcreviam os inúmeros artigos escritos sobre o tema em finais de oitenta, no preciso momento em que os vinhos iniciam uma ascensão de preços nunca antes testemunhada.

Continua…

Veja Também:

 

Mitos sobre a acidez e qualidade do óleo de Oliva

 

Neste post da Winechef, você vai tirar todas sua dúvida sobre a azeite de oliva.

Para se conhecer a qualidade de um azeite de oliva extra virgem em geral são aplicados alguns critérios, que se definem por parâmetros químicos.

O primeiro é seu grau de acidez, que não se refere ao sentido que a palavra ácido possui normalmente. Em termos químicos, acidez se refere à proporção de ácidos graxos livres em relação ao ácido oleico presente no azeite, sendo esta expressa em graus (não podendo ser superior a 2% no óleo destinado ao consumo humano). Esta proporção de ácidos livres diante do ácido oleico é a consequência do mal estado dos frutos, mal tratamento ou ainda da má conservação, não tendo absolutamente nada a ver com seu sabor.

O azeite extravirgem, por exemplo, deve ter, no máximo, 0,8% de acidez livre em relação ao total de ácido oleico segundo as normas internacionais. E, por poder apresentar variação dentro deste limite, isso também não significa que um azeite com 0,1% será melhor do que um com 0,8%.

O mito da acidez dos azeites

O mito da acidez dos azeites

O segundo parâmetro qualitativo nos óleos de oliva é o índice de peróxidos, que determinam a oxidação inicial do azeite e a deterioração que podem ter sofrido os antioxidantes, os polifenóis, por exemplo. Já o terceiro, trata-se da absorção de ultravioleta, que deve ser inferior a 0,25%, e é utilizado para detectar os componentes anormais do azeite. Esses três parâmetros não possuem relação direta com a intensidade de sabor, e um azeite de oliva extravirgem de baixa acidez não é um azeite de pouco sabor.

Além disso, vale lembrar que a cor do óleo não serve de referência para a sua qualidade. Ser mais amarelo, ou mais esverdeado, ou mais brilhante, não significa que há problemas, mas que talvez as azeitonas colhidas estejam mais verdes ou mais maduras. Esse fator é tão irrelevante que, nas degustações à cegas, os copos são opacos, para que o avaliador não se deixe levar por este aspecto “estético”.

E é por isso que, além das análises químicas, também é realizada a análise sensorial, a qual já estamos ficando mais familiarizados, pois é a parte que mais gostamos, a degustação. Esta nos permite identificar, a partir de nossos sentidos, as características organolépticas do óleo, que nascem com ele, no campo, no seu terroir. Então, degustemos!

Continuação de: O mito da acidez dos azeites 1ra parte.

Os melhores 15 filmes para apaixonados por vinhos

 

Alguns longa-metragens que elegeram o vinho e as vinícolas, como pano de fundo para contar suas histórias. Nesta lista, as obras mostram que ficção e realidade podem casar tão bem quanto uma taça de vinho com fundue de queijos no inverno.

 

1 – O Rato Que Ruge (EUA, 1959). Direção: Jack Arnold

Em um fictício “menor país do mundo”, localizado entre a França e a Suíça, a única fonte de renda existente é a exportação de um famoso vinho para os Estados Unidos. No entanto, uma falsificação feita na Califórnia faz com que o país pare de importar o produto. Pensando em uma resposta, o primeiro-ministro declara guerra aos EUA (esperando alguma ajuda depois da inevitável derrota), mas o problema é que eles “vencem” a guerra e vão ter de enfrentar as consequências.

2 – O Vale das Paixões (EUA, 1959). Direção: Henry King

Na década de 1930, uma jovem sai da Inglaterra com destino à Califórnia para ajudar os seus tios, produtores de vinho que mantiveram seus lucros mesmo nos anos de seca. Mas o que a garota não imagina é que o objetivo da família é arranjar um casamento dela com um herdeiro de outra vinícola e assim unir as terras.

3 – O Segredo de Santa Vitória (EUA, 1969). Direção: Stanley Kramer

Nesse clássico de Stanley Kramer, um vilarejo que produz vinhos recebe a difícil missão de esconder as garrafas italianas dos alemães nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

4 – Vicky Cristina Barcelona (EUA, 2008). Direção: Woody Allen

Há quem diga que nesta obra de Woody Allen o vinho poderia ser indicado ao Oscar de melhor ator coadjuvante. Tão presente, a taça acompanha o trio estrelado por Javier Barden, Scarlet Johanson e Penélope Cruz em quase todas as cenas pela cidade espanhola. Um delicioso filme! 

Vicky Cristina Barcelona

Vicky Cristina Barcelona

5 – Caminhando nas Nuvens (EUA, 1995). Direção: Alfonso Arau

Keanu Reeves interpreta um jovem soldado da Segunda Guerra que se oferece para passar por marido de uma jovem grávida, assim contendo a ira do pai – um vinicultor do interior dos Estados Unidos.

6 – Conto de Outono (FRANÇA, 1998). Direção: Eric Rohmer

Viúva, Magali se dedicou à produção de vinhos desde então – quando seus filhos também foram embora. Mas agora a personagem de Marie Rivière vai cair nas graças da missão de sua melhor amiga: achar um novo marido para ela.

7 – Horizonte Sem Limites (EUA, 1998). Direção: John Huddles

Rossu planeja vender a coleção de vinhos de sua família com o objetivo de adquirir uma propriedade rica em minérios. Mas o jovem encontra seu tio Cullen, um homem com planos muito mais bizarros para o tesouro da família.

8 – Mondovino (FRANÇA/ITÁLIA/ARGENTINA/EUA, 2004). Direção: Jonathan Nossiter

Nesse documentário, Jonathan Nossiter decide investigar a globalização de uma forma diferente: utilizando o vinho como pano de fundo da sua pesquisa. No filme, ele narra a “guerra” entre as famílias produtoras – como na Califórnia e Borgonha. Muito conceituado mundo afora, o filme dá um novo olhar para o mundo dos vinhos.

Mondovino

Mondovino

9 – Sideways – Entre Umas e Outras (EUA, 2004) . Direção: Alexander Payne

Presente na já citada lista de filmes sobre o mundo rural, Sideways não poderia ficar de fora dessa. Considerado um dos filmes de vinhos mais marcantes, o longa conta a história de dois amigos que descobrem no vinho e em suas próprias companhias uma forma de aproveitar e refletir um pouco mais sobre a vida.

Fato curioso: o filme ajudou a Pinot Noir a se transformar em um dos vinhos mais vendidos dos Estados Unidos.

10 – Um Bom Ano (EUA, 2006) . Direção: Ridley Scott

Também presente na lista prévia, o longa de Ridley Scott é outro indispensável quando pensamos na relação da bebida com o cinema. Russell Crowe é um acionista londrino que se vê obrigado a voltar para a França – onde passou a infância em um lindo Chatêau ao lado de seu tio. No filme, uma taça de vinho é capaz de mudar vidas.

11 – Entre Vinhos e Amores (EUA, 2007). Direção: Allison R. Hebble

Nesse interessante romance, três histórias entrelaçadas mostram como amor, alegria e questionamentos complexos como o que toca à infidelidade podem ser encontrados em uma cozinha. E, claro, uma taça de vinho para acompanhar a sequência de todos os personagens.

12 – O Julgamento de Paris (EUA, 2008). Direção: Randall Miller

Baseado em fatos reais, o filme retrata a competição internacional de melhor vinho de 1976 – quando surpreendentemente os franceses perderam para os californianos. A história do dia 24 de maio de 1976 – dia em que uma degustação às cegas deu o “épico” prêmio às bebidas da Califórnia – pode ser completamente conferida no longa.

O Julgamento de Paris

O Julgamento de Paris

13 – O Ano do Cometa (EUA, 1992). Direção: Peter Yates

Quando Margaret Harwood vai à Escócia para catalogar os vinhos do seu pai, ela encontra uma raríssima garrafa de vinho, produzida no ano da passagem do cometa Halley, em 1811. Depois disso, ela terá que fugir de um grupo de mercenários que estão atrás da garrafa.

 

14 – Blood Into Wine (EUA, 2010). Direção: David Roach

O documentário conta a história de um roqueiro que decidiu produzir vinhos no Arizona, interior dos Estados Unidos. No longa, temos a chance de aprender muito mais sobre a atuação dessa região na produção da bebida.

15 – Red Obsession (EUA, 2013). Direção: David Roach

Neste outro documentário, temos a chance de conhecer a história da obsessão chinesa por vinhos franceses, em especial os da região de Bordeaux. Narrado por Russell Crowe, o filme mostra como o país asiático vem se tornando um dos principais polos de aquisição da bebida, considerada fonte de turismo, gastronomia e luxo.

Red Obsession

Red Obsession

Como deve ser um vinho de qualidade?

 

Sempre nos perguntamos quando um vinho é realmente bom.

Ou então, como é o vinho ideal? A resposta sempre está relacionada com o gosto pessoal de cada pessoa, é claro… Mas, na verdade, o gosto é algo que muda constantemente, na medida em que vamos nos aprofundando cada vez mais no tema – neste caso, o vinho.

Quando as pessoas começam a se interessar pelo mundo dos vinhos, geralmente são os vinhos mais simples os que são da preferência, e até muitas vezes os que têm algo de açúcar, ou os que têm aromas mais “adocicados” (a maioria das vezes aportados pela madeira), mas esse gosto pessoal começa a mudar na medida em que a pessoa começa a entender melhor sobre a degustação.

Em pouco tempo, os vinhos fáceis, adocicados, com muita madeira, etc., que num princípio pareciam ser vinhos bons, agora já não são mais do nosso agrado. Isso porque através do estudo, da prática e da degustação, as pessoas conseguem aguçar os sentidos e perceber aromas e sabores que antes não percebiam. Ai é o momento que as preferências e gostos começam também a mudar.]

Os vinhos com aromas e sabores doces

É natural que as pessoas gostem de aromas e sabores doces, e não do amargo, por exemplo. Essa é a razão que motiva as vinícolas a trabalhar estilos de vinhos onde, dependendo do desenvolvimento e do gosto do mercado em questão (que tem a ver com a evolução deste), vai ser o proprietário, o departamento de marketing e o próprio enólogo que vão definir o estilo do vinho de acordo com esse tipo de consumidor, e irão utilizar todas as ferramentas que existem em uma bodega para elaborar um vinho que seja do gosto deste mercado.

Seguindo a lógica, os mercados mais desenvolvidos (como Inglaterra, por exemplo) optam por vinhos que não têm muita madeira, vinhos mais frescos, e que têm a expressão do terroir, etc.. Os mercados mais novos, que tem menor conhecimento (como China, por exemplo), garantem vendas e sucesso, além de começarem a elaborar e exportar vinhos mais “maquiados”, que sejam mais fáceis de entender e, portanto, de vender. Vinhos mais maduros, com a presença das notas de baunilha e especiarias doces provenientes da madeira de forma mais marcada, porque é isto o que o público que começa a consumir vinhos consegue – mais facilmente – distinguir e apreciar.

 

Von Siebenthal Toknar, 2010

Von Siebenthal Toknar, 2010

 

Sobre o Terroir:

Mas, como deve ser um vinho de qualidade? São muitas, mas muitas as condições, no entanto, irei me referir a uma que é, talvez, a mais importante e que está relacionada com a forma na qual o vinho (para ser considerado um vinho de qualidade) tem que ser. Ele tem que expressar seu terroir, sua origem, ou seja, só através dos seus aromas e seus sabores, ele deve nos dizer de onde vem, e essa característica não está atribuída a todos os vinhos, poucos são os que têm a capacidade de expressar, e isso deveria ser regra…

O enólogo da Universidade Católica de Chile, professor de enologia por mais de 40 anos da maioria dos enólogos chilenos mais conceituados na atualidade (Álvaro Espinoza da Antiyal ou o próprio Pablo Morandé foram alguns dos seus alunos), Alejandro Hernandez, em conversa com Winechef define para nós o conceito de Terroir:

“O terroir é em si uma noção que indica certa tipicidade e individualidade que gera um vinho com características determinadas e repetíveis. O último não é uma norma fixa, pois os fatores do solo, de certo modo, podem ser modificados e porque as condições do clima não são controladas.”

Terroir

 

Clima e solo

Como Don Alejandro define claramente, o conceito de terroir está ligado à tipicidade e individualidade de um vinho, resultado da junção de seu clima e do seu solo, entre vários outros fatores que interferem no resultado final. Tal como defini no começo da matéria, de maneira natural começamos com vinhos mais fáceis e simples, e logo passamos por várias etapas para, não em muito tempo de estrada, chegar a esta onde começamos a conseguir distinguir a origem do vinho.

Esta etapa é muito interessante, talvez seja a melhor, e aqui o vinho além de ser agradável, bom ou excelente, ele deve nos entregar informação do seu passado, da sua infância, do seu terroir, e aqui é onde realmente podemos saber e dimensionar a qualidade de um vinho. Sem terroir não há qualidade.

 

JAMES SUCKLING: TOP 100 WINES OF 2017

 

Os resultados foram revelados hoje e destaca o vinho chileno Almaviva 2015, como o melhor do mundo.

Também aparecem na lista outros vinhos desse pais, como o Seña 2015, que ficou em terceiro lugar e o Clos Apalta 2014 , que ficou no quinto lugar.

Veja a lista completa dos top 100 wines do ano 2017

ALMAVIVA PUENTE ALTO 2015

PETROLO VALDARNO DI SOPRA GALATRONA 2015

SEÑA VALLE DE ACONCAGUA 2015

VASSE FELIX CABERNET SAUVIGNON MARGARET RIVER TOM CULLITY 2013

CLOS APALTA VALLE DE COLCHAGUA 2014

CATENA ZAPATA CHARDONNAY MENDOZA ADRIANNA VINEYARD WHITE STONES 2014

F.X. PICHLER RIESLING WACHAU RIED KELLERBERG SMARAGD 2016

LITTORAI PINOT NOIR SONOMA COUNTY SONOMA VALLEY SONOMA COAST THE HAVEN VINEYARD 2015

FATTORIA LE PUPILLE MAREMMA TOSCANA SAFFREDI 2015

CHÂTEAU DUCRU-BEAUCAILLOU ST.-JULIEN 2014

VEGA SICILIA RIBERA DEL DUERO UNICO 2006

LOUIS ROEDERER CHAMPAGNE CRISTAL 2008

TUA RITA TOSCANA REDIGAFFI 2015

CHÂTEAU LAFLEUR POMEROL 2014

DOMINIO DE PINGUS RIBERA DEL DUERO PINGUS 2014

VIÑEDO CHADWICK CABERNET SAUVIGNON VALLE DE MAIPO 2015

PETER MICHAEL WINERY NAPA VALLEY OAKVILLE AU PARADIS 2014

LOUIS LATOUR CHARMES-CHAMBERTIN GRAND CRU 2015

LA RIOJA ALTA RIOJA GRAN RESERVA 890 2005

ERRÁZURIZ PINOT NOIR ACONCAGUA COSTA LAS PIZARRAS 2016

THIERRY ALLEMAND CORNAS REYNARD 2014

LOOSEN RIESLING MOSEL ERDENER PRÄLAT “GG RESERVE” 2012

MUGA RIOJA PRADO ENEA GRAN RESERVA 2010

ORMA TOSCANA 2015

EL ENEMIGO CABERNET FRANC GUALTALLARY GRAN ENEMIGO SINGLE VINEYARD 2013

VIÑA COBOS MALBEC MENDOZA COBOS CHAÑARES VINEYARD 2014

S.C. PANNELL MCLAREN VALE THE VALE 2015

TRAPICHE MENDOZA ISCAY SYRAH VIOGNIER 2014

COMPAÑIA DE VINOS TELMO RODRIGUEZ RIOJA LAS BEATAS 2014

ARTADI ALAVA VIÑA EL PISON 2014

CONTINUUM NAPA VALLEY SAGE MOUNTAIN VINEYARD 2014

CHÂTEAU MOUTON-ROTHSCHILD PAUILLAC 2014

HEAD WINES GRENACHE BAROSSA VALLEY ANCESTOR VINE 2015

RITUAL CHARDONNAY VALLE DE CASABLANCA SUPERTUGA BLOCK 2016

SEPPELT RIESLING HENTY DRUMBORG 2016

SETTE PONTI TOSCANA ORENO 2015

ABREU NAPA VALLEY MADRONA RANCH 2014

CHÂTEAU LA MISSION HAUT-BRION BLANC PESSAC-LÉOGNAN 2014

BY FARR PINOT NOIR GEELONG TOUT PRÈS 2014

SCHRADER CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY BECKSTOFFER LAS PIEDRAS VINEYARDS COLESWORTHY 2014

HYDE DE VILLAINE CHARDONNAY NAPA VALLEY CARNEROS HYDE VINEYARD 2014

REALM CELLARS NAPA VALLEY FARELLA VINEYARD 2014

DESCENDIENTES DE J. PALACIOS BIERZO LA FARAONA 2015

RIDGE VINEYARDS SANTA CRUZ MOUNTAINS MONTE BELLO 2014

BIBI GRAETZ TOSCANA TESTAMATTA 2015

SOTER PINOT NOIR YAMHILL-CARLTON MINERAL SPRINGS RANCH 2015

LÓPEZ DE HEREDIA RIOJA GRAN RESERVA VIÑA TONDONIA 1996

PENFOLDS CHARDONNAY ADELAIDE HILLS RESERVE BIN A 2015

BINDI PINOT NOIR MACEDON RANGES ORIGINAL VINEYARD 2015

SAN FILIPPO BRUNELLO DI MONTALCINO LE LUCERE 2012

SHAW & SMITH CHARDONNAY ADELAIDE HILLS LENSWOOD VINEYARD 2014

PIO CESARE BAROLO ORNATO 2013

CLARENDON HILLS SYRAH MCLAREN VALE ASTRALIS 2012

MONTES VALLE DE COLCHAGUA ALPHA M 2014

DAMILANO BAROLO CANNUBI RISERVA 1752 2009

KÜNSTLER RIESLING RHEINGAU KIRCHENSTÜCK GG 2016

 

JAMES SUCKLING: TOP 100 WINES OF 2017

JAMES SUCKLING: TOP 100 WINES OF 2017

 

COLGIN CELLARS CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY TYCHSON HILL VINEYARD 2014

PAUL HOBBS CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY OAKVILLE BECKSTOFFER TO KALON 2014

BODEGA PIEDRA NEGRA MENDOZA VALLE DE UCO CHACAYES 2014

BRYANT FAMILY VINEYARD CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY 2014

WITTMANN RIESLING RHEINHESSEN MORSTEIN GG 2016

SHAFER VINEYARDS CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY STAGS LEAP DISTRICT HILLSIDE SELECT 2013

CONCHA Y TORO CABERNET SAUVIGNON PUENTE ALTO DON MELCHOR 2014

BINDI PINOT NOIR MACEDON RANGES BLOCK 5 2015

WENDOUREE CABERNET SAUVIGNON CLARE VALLEY 2014

CHÂTEAU PONTET-CANET PAUILLAC 2014

DOMAINE DE CHEVALIER PESSAC-LÉOGNAN BLANC 2014

DANA ESTATES CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY HOWELL MOUNTAIN HERSHEY VINEYARD 2014

DOMINUS NAPA VALLEY 2014

TERRAZAS DE LOS ANDES MALBEC LAS COMPUERTAS LUJÁN DE CUYO SINGLE PARCEL LOS CEREZOS 2013

DOMAINE OSTERTAG RIESLING ALSACE GRAND CRU MUENCHBERG 2015

RIPPON PINOT NOIR CENTRAL OTAGO TINKER’S FIELD 2014

PRAGER RIESLING WACHAU ACHLEITEN SMARAGD 2016

MONTEVETRANO COLLI DI SALERNO 2015

SCHIOPETTO FRIULANO COLLIO M 2016

ALOIS LAGEDER CHARDONNAY ALTO ADIGE LÖWENGANG 30

LARMANDIER BERNIER CHAMPAGNE LES CHEMINS D’AVIZE GRAND CRU 2010

TERROIR AL LIMIT PRIORAT LES TOSSES 2015

CLONAKILLA SYRAH CANBERRA DISTRICT MURRUMBATEMAN 2015

ARGIANO TOSCANA SOLENGO 2015

DUNN VINEYARDS CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY HOWELL MOUNTAIN 2013

DUEMANI CABERNET FRANC COSTA TOSCANA 2015

CHÂTEAU LÉOVILLE LAS CASES ST.-JULIEN 2014

ATA RANGI PINOT NOIR MARTINBOROUGH 2016

NIEPOORT VINTAGE PORT COLHEITA 1997

JOSEPH DROUHIN GRANDS ECHEZEAUX GRAND CRU 2015

ALBERT MANN PINOT NOIR ALSACE GRAND H 2015

CARL LOEWEN RIESLING MOSEL 1896 (GRAY LABEL) 2015

BRUNO GIACOSA FALLETTO BAROLO FALLETTO VIGNA LE ROCCHE RISERVA 2012

DOMAINE ZIND HUMBRECHT PINOT GRIS ALSACE GRAND CRU RANGEN DE THANN CLOS SAINT URBAIN 2015

CONTINO RIOJA GRAN RESERVA 2010

CHÂTEAU DE BEAUCASTEL CHÂTEAUNEUF-DU-PAPE 2015

DOMAINE DROUHIN PINOT NOIR EOLA-AMITY HILLS ZÉPHIRINE 2015

TORRES PENEDÈS RESERVA REAL 2011

MAZZEI TOSCANA SIEPI 2015

BARONE RICASOLI CHIANTI CLASSICO GRAN SELEZIONE COLLEDILÀ 2015

BRÜNDLMAYER GRÜNER VELTLINER KAMPTAL LAMM EL 2016

FROMM WINERY PINOT NOIR MARLBOROUGH CLAYVIN VINEYARD 2015

TOR CABERNET SAUVIGNON NAPA VALLEY TO KALON VINEYARD 2014

GRAHAM’S VINTAGE PORT SINGLE HARVEST TAWNY 1972

 

Fonte: https://www.jamessuckling.com/wine-tasting-reports/top-100-wines-2017/

Lançado o novo Reserva Especial Ferreirinha

Faz parte da elite dos mais raros e míticos vinhos portugueses. Esta é a 17ª edição desde 1960, oriunda da Quinta da Leda, Douro Superior, de vinhas de maior altitude, lote das castas Touriga Franca (45%), Touriga Nacional (30%), Tinta Roriz (15%) e Tinto Cão (10%).

Depois de vinificado, e já em V.N. de Gaia, foi submetido a estágio em barricas de carvalho francês, durante 12 meses, até novembro do ano seguinte.

Em seguida, foi selecionado o lote final que voltou para a madeira, para equilibrar e amaciar durante mais quatro a cinco meses, seguindo-se o engarrafamento em junho de 2011, após 16 a 18 meses em madeira e com um acompanhamento de evolução que incluiu cinco a seis provas por ano.

Sempre um vinho especial, pelo potencial desde logo demonstrado aquando da vindima, mas também pelos cuidados e ponderação ao longo da evolução, até à decisão final de declaração.

Casa Ferreirinha Reserva Especial 2009

Casa Ferreirinha Reserva Especial 2009

Por isso, teve honras também especiais na apresentação, no Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa , classificado como Monumento Nacional, tendo sido habitado pela família real portuguesa, com um menu concebido a preceito pela equipa do restaurante Eleven, sob a sábia chefia do chefe Joachim Koerper.

Com uma produção de 18.000 garrafas, o Casa Ferreirinha Reserva Especial 2009 tem um preço de venda previsto recomendado de 175,00€, chegando ao mercado em novembro.

 

Fonte: Revista de vinhos de Portugal.

Veja Também:

 

Châteaux La Conseillante expande seu território

 

É a primeira vez que o tradicional Châteaux francês incorpora terras desde 1753

A Châteaux La Conseillante (Pomerol, França) anunciou mudanças pela primeira vez em muito tempo.

A produtora está sob nova direção depois que Jean-Michel Laporte, que diretor da La Conseillante desde 2003, anunciou sua saída no início deste ano.

Quem assumiu a nova função foi Marielle Cazeaux. A principal mudança aconteceu nas vinhas: a La Conseillante aumentou seu tamanho em 12,7 hectares, comprando terrenos localizados perto da Vieux Château Certan.

Foi a primeira vez desde 1735 que a Chateaux expandiu seu território.

Chateaux La Conseillante expande seu território

Chateaux La Conseillante expande seu território

 

Veja Também: