Morre Paul Pontallier, diretor da ilustre produtora de vinho Château Margaux

Pontallier, que morreu aos 59 anos em decorrência de um câncer, dirigia vinícola de Bordeaux desde 1990

Diretor de uma das mais ilustres casas produtoras de vinho do mundo, o Château Margaux, Paul Pontallier morreu nesta segunda-feira (28), em decorrência de um câncer. Pontallier tinha 59 anos.

Conhecido por sua elegância, Pontallier, que estudou enologia em Montpellier e em Bordeaux, onde pesquisou o efeito do carvalho em tintos, chegou ao Château Margaux na célebre safra de 1983, uma das mais espetaculares da história do vinho francês segundo a crítica internacional. Apenas sete anos depois, assumiu a direção geral da casa. No começo, trabalhou sob a tutela de Émile Peynaud, mas logo ganhou luz própria, não só por fazer o vinho, mas por apresentar bem a propriedade.

Para a inglesa Jancis Robinson, Pontallier fazia parte de uma pequena elite de cientistas do vinho. Sua relação com a proprietária do Château Margaux, Corine Mentzelopoulos, era um prazer de assistir, ela escreve em nota sobre a morte de Pontallier – sem sinais de estratificação social e com respeito mútuo.

Conhecido por sua elegância, Paul Pontallier era diretor do Château Margaux, uma das mais ilustres casas produtoras de vinho do mundo.

Conhecido por sua elegância, Paul Pontallier era diretor do Château Margaux, uma das mais ilustres casas produtoras de vinho do mundo.

“Seu entusiasmo sobre cada safra era tamanho que nós, degustadores do time Spurrier-Robinson, medíamos a qualidade da produção pela altura em que ele alcançava nas pontas dos pés ao descrevê-la. Para ele, não havia safra decepcionante e a qualidade da velha Cabernet Sauvignon do Château Margaux era sempre incomparável”, escreve Robinson.

Fonte: Paladar – Estadao

Jancis Robinson recruta americana para o portal da Master of Wine

O portal de crítica de vinhos britânica Jancis Robinson  tem uma nova colaboradora. Trata-se de Elaine Chukan Brown, crítica premiada e autora do blogue “wakawakawinereviews.com”, que passa a integrar o painel de especialistas e escrever sobre vinhos do território norte-americano, com especial foco na Califórnia.

“Apesar de publicarmos alguns artigos sobre vinho americano, tenho tido consciência que o principal elemento em falta na cobertura global do JancisRobinson.com seria um crítico especialista baseado nos Estados Unidos – até porque os Estados Unidos são um dos mais vibrantes e dinâmicos mercados de vinho no mundo.

Estou muito contente por ter escolhido Elaine Brown, cuja abordagem sobre o vinho encaixa tão bem com a nossa”, afirma a britânica Jancis Robinson, Master of Wine e impulsionadora do projeto.

Jancis é colunista, entre outros, do prestigiado jornal Financial Times.

 

Elaine Chukan Brown

Elaine Chukan Brown

 

Qual é seu Côt favorito? Mas… Você sabe o que é Côt?

Caso você tenha algum amigo que goste desta uva, esta é a oportunidade de fazer uma brincadeira. Faça-o degustar este Malbec chileno sem entregar informação sobre a origem. O mais provável é que seu convidado fique maravilhado pelo vinho, mas creia que trate de um dos tops argentinos. Sim, o Chile também produz Malbec’s de alto nível, e, de fato, em várias ocasiões, concursos da América do Sul, na categoria Malbec  muitas vezes são os chilenos que ficam com o ouro.

Só por lembrar de uma ocasião: há alguns anos atrás, participando de uma importante Guia sulamericana (Austral Spectator), o vinho que ficou em primeiro lugar nesta categoria, para a surpresa de todos, lembrando que esta guia é elaborada por especialistas argentinos com degustadores convidados da maioria dos países da América do Sul, incluindo enólogos brasileiros, foi o vinho Viu 1, da vinícola chilena Viu Mannet.

Não quero dizer que os Malbec’s chilenos sejam superiores que os argentinos, até porque o gosto é algo particular e cada um pode (e deve) ter sua própria opinião, mas existem vinhos excelentes desta uva no Chile e penso que muitas pessoas concordam comigo. Como não lembrar do fantástico Malbec de Colchagua da vinícola Viu Manent, o Viu 1? Ou do estupendo e fresco Loma Larga Malbec? E tantos outros.

Vinicola Pérez Cruz

Vinicola Pérez Cruz

Este exemplar de Perez Cruz Côt Limited Edition é uma versão de Malbec muito particular. É tão sólido que parece uma rocha já bem polida, que não deixa ninguém indiferente. Sabe aqueles tintos que dá para beber com uma “colher”? Assim é este da Perez Cruz, bem Malbec, bem masculino, mas sempre com os traços que identificam sua terra, as encostas da cordilheira Dos Andes.

Aqui podem ver uma análise sensorial mais completa desse vinho . Se tem a oportunidade de provar, não vai se arrepender…

Perez Cruz Côt Limited Edition 2010

“Se abre com tons frescos, dominados pelas notas de menta e eucalipto, muito recorrentes em vários vinhos desta bodega. Tem também abundantes aromas de especiarias que lembram canela e baunilha, as quais se envolvem com características de groselha negra, framboesas e cassis, tudo em uma interessante combinação e de um sobressaliente nível qualitativo.

É enorme na boca, dotado por muita glicerina, álcool e taninos, formando um conjunto muito interessante e de grande suculência e concentração. Tem uma incrível maciez graças a seu ótimo nível de madurez. É muito convincente e uma ótima proposta de Malbec chileno (ou Côt, sinônimo que Perez Cruz usa e que é o nome correto da variedade de origem francesa, Cahors).

Ao nível dos melhores Malbec’s dos dois lados da Cordilheira do Andes.”

 

Perez Cruz Côt Limited Edition 2010

Perez Cruz Côt Limited Edition 2010

 

Vinho Tom de Baton Douro Tinto, 2009

País Portugal
Propriedade da Vinícola 35 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2009
Uva Touriga Nac. 30%, Tinta Barroca 30%, Tinta Francisca 15%, Tinta Roriz 15%, Touriga Franca 10%
Teor Alcoólico 13,50%
Região Douro
Amadurecimento Não passou por barrica.
Tom de Baton Douro Tinto, 2009

Tom de Baton Douro Tinto, 2009

 

Visual Vermelho rubi brilhante e atrativo.
Olfativo Muito interessante a forma na qual estão entrelaçados os aromas das várias castas que formam parte deste vinho. Tem muita fruta da família das frutas negras, principalmente o cassis, que é o que se percebe de forma clara e evidente. Mas o que mais chama a atenção é a forma direita e frontal na qual a fruta se expressa, com muita generosidade e exuberância, resultando uma fragrância muito agradável.
Gustativo Na boca a fruta se apropria mais uma vez da encena. O corpo é médio e desde o passo de boca até o final é a acidez a que toma o protagonismo, resultando um vinho de paladar muito fresco e particularmente longo. Excelente relação de qualidade e preço.
Dica de Harmonização Filé assado ao molho de vinho e frutas secas.
Risoto de codorna e trufas negras frescas.
Filé ao molho de mostarda com arroz e batata cozida.
Pernil suino assado ao molho de cebola e batatas.
Cabrito assado no forno ao molho de groselhas negras.
Tipo de Comida Carnes
Pontuação Winechef  Winechef 90 Pontos
Temperatura de Serviço 16°
Potencial de Guarda 6 anos
Nome da Vinícola Terroir d’Origem

 

Vinho Pêra-Manca tinto 2011 …novo e mais seguro

Agora o Vinho português Pêra-Manca ganhou selo de autenticidade.

Para combater as tentativas de falsificação de vinhos de gama alta, a Fundação Eugénio de Almeida (FEA) introduziu uma novidade na nova colheita do vinho mais emblemático: o Pêra-Manca tinto 2011 chega ao mercado com selo de autenticidade.

Uma imagem holográfica, incorporado na cápsula da garrafa, ajuda o consumidor a conferir a autenticidade do produto no sítio da marca.

Elaborado a partir das castas Trincadeira e Aragonez, a marca Pêra-Manca surgiu em 1990 e é engarrafada somente em colheitas especiais. A vindima de 2011 permitiu “a obtenção de um vinho bastante equilibrado e elegante, com uma frescura ímpar para o habitual na região”, destaca Pedro Baptista, enólogo da FEA.

O vinho estagiou ainda 18 meses em tonéis de carvalho francês, tendo sido engarrafado em abril de 2013.

O estágio em garrafa foi feito nas caves do Mosteiro da Cartuxa.

 

Vinho Pêra-Manca tinto 2011 ...novo e mais seguro

Vinho Pêra-Manca tinto 2011 …novo e mais seguro

 

Fonte: A Essência do Vinho

Os três estilos de vinhos elaborados com a uva Sauvignon Blanc

De maneira natural os Sauvignon Blanc’s são os vinhos do começo, os vinhos que sempre são servidos primeiro em um jantar ou em uma degustação, seja esta descontraída, entre amigos ou um evento mais formal.

É preciso entender e lembrar sempre que no universo do vinho não se pode generalizar e dividir só em uvas. Então o mais importante é ter, antes de tudo, este conceito muito claro.

Então, para facilitar as coisas, o vamos classificar em três categorias de vinhos com a uva Sauvignon Blanc.

1: Os Sauvignon Blanc’s jovens, frescos  e leves:

Que tenha no máximo 2 anos de idade (da safra que aparece no rótulo da garrafa). Estes vinhos devem ser aromaticamente muito intensos e frescos, mas geralmente não são muito complexos, e na boca devem ter uma boa acidez e corpo leve e fresco.

Normalmente as uvas deste vinho provêm das parreiras mais jovens de um vinhedo, motivo pelo qual entrega altos rendimentos de quilos de uva por hectare. Na vinificação se procura, de preferência, fermentações curtas e frias (a baixas temperaturas), assim não vai se obter muita estrutura nem muita concentração na boca (a uva não tem potencial para isso), mas sim uma significativa riqueza aromática, que é como uma espécie de “marca registrada” desta uva.

 

Os três estilos de vinhos elaborados com a uva Sauvignon Blanc

Os três estilos de vinhos elaborados com a uva Sauvignon Blanc

 

Na boca tem uma acidez vibrante, sempre muito intensa. É o protótipo ideal para começar uma jantar. É um aperitivo por natureza.

Esta categoria de vinhos muitas vezes resulta uma alternativa interessante aos vinhos com borbulhas (espumantes, proseccos, etc.), já que cumprem a mesma função de abrir o apetite – para que isso aconteça, é necessário um vinho que não tenha açúcar (os conhecidos como vinhos “secos”, carentes totalmente de açúcar).

Este mesmo estilo de Sauvignon Blanc também é o vinho ideal para situações informais, dias de praia, à beira da piscina… Vinhos para situações mais descontraídas, onde o objetivo é se refrescar. Seu potencial de vida, na maioria das vezes, é extremadamente curto.

CONTINUA…

 

Empresa oferece vaga para viajar e beber cerveja com bolsa de R$ 48 mil

Ser pago para viajar, comer e beber cerveja.

Se esse é o seu emprego dos sonhos, ele existe e está com inscrições abertas. A World of Beer está recrutando três estagiários para visitar cervejarias do Estados Unidos e do exterior, degustar todos os tipos de cervejas e escrever sobre a aventura em um blog. Tudo isso com uma bolsa-auxílio de 12 mil dólares, cerca de R$ 48 mil, segundo o site “Thrillist”. Além disso, há alimentação e hospedagem incluídos.

A vaga dos sonhos é oferecida pela World of Beer, uma cadeia de bares especializado em cerveja artesanal com sede na Flórida, nos Estados Unidos. As inscrições podem ser feitas por americanos e pessoas de todo o mundo que tenham autorização para trabalhar no país. O prazo vai até dia 26 de março, e para concorrer a vaga há três passos: inscrição no site (aqui); gravação de um vídeo dizendo porque você é a pessoa certa para o trabalho e, ainda, a divulgação do vídeo nas redes sociais.

 

Empresa oferece vaga para viajar e beber cerveja com bolsa de R$ 48 mil

Empresa oferece vaga para viajar e beber cerveja com bolsa de R$ 48 mil

Basicamente, é um estágio para cuidar de mídias sociais com direito a cerveja. “Quer gastar o seu verão viajando pelo país, bebendo cerveja, visitando fabricantes de cerveja e mergulhando na cultura da cerveja? Estamos recrutando três estagiários para pegar a estrada neste verão e procurar a melhor cerveja artesanal e comida que o mundo tem para oferecer. Vamos enviá-lo ao redor do mundo para capturar as melhores histórias de cerveja e documentá-los pelos blogs, vídeo, tirar fotos, Facebook, Tweet, Vines, Periscope ou outra coisa que você acha que seria fantástico para ajudar a contar o conto”, diz a descrição da vaga.

A empresa fará entrevistas com os interessados nos Estados Unidos. Os três estagiários serão contratados em abril, e o trabalho será realizado durante o Verão norte-americano.
Fonte: Globo

 

O papel da uva na qualidade do vinho

Produzir uvas de qualidade é o principal objetivo de uma vinícola, e por isso todos os esforços estão concentrados nessa finalidade.

Ao contrário das outras frutas, com as uvas para produção de vinhos se objetiva frutos com tamanho menor, casca mais grossa, e com a menor quantidade de agua possível. Isso porque todos os elementos que são determinantes para qualidade dos vinhos estão na pele da uva, tais como as antocianas, responsáveis pela cor, e os taninos, responsáveis pela sua estrutura.

Para elaboração de vinhos de alta qualidade, as vinícolas devem primeiramente identificar quais são os melhores setores (terroir’s) dentro do seus vinhedos, trabalhando de forma diferenciada cada espaço de acordo com as caraterísticas do solo e uvas que serão cultivadas.

Para se produzir uvas de alta qualidade, será necessário plantar em solos pobres e em regiões com uma relação de chuva apropriada à variedade escolhida. Com isso, serão colhidos cachos perfeitos, pequenos, e com grãos de pele grossa, que permitirão elaborar vinhos de alta qualidade. O importante é que a parreira esteja em equilíbrio com o ecossistema, resultando em frutos de maior qualidade.

 

O papel da uva na qualidade do vinho

O papel da uva na qualidade do vinho

 

Outro elemento determinante para a produção de vinhos de qualidade é a idade das parreiras. A idade das parreiras sempre está relacionada à qualidade, ou seja, quantos mais velhas melhores serão os vinhos. Isso porque as parreiras mais velhas tem raízes mais profundas, que são as responsáveis por nutrir os cachos com os nutrientes que estão no subsolo. Parreiras mais velhas também se diferenciam por produzir menos cachos e grãos menos diluídos, que darão origem a vinhos profundos e complexos.

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Vinhos podem mudar suas características de acordo com a música tocada.

Pesquisa do professor Charles Spence, da Universidade de Oxford, concluiu que as características do vinho são modificadas de acordo com a música do ambiente.

Após diversos estudos, Charles Spence pôde notar que alguns ritmos musicais faz com que pessoas sejam remetidas a diferentes sabores (doce, salgado, ácido ou amargo) quando provam vinho ouvindo determinada música.

Segundo o autor da pesquisa, notas de piano costumam estar associadas a aromas de damasco, frutas vermelhas e baunilha, já estilos mais pesados de rock (metal, por exemplo) remetem a aromas almiscarados. O autor também analisou instrumentos de sopro e concluiu que estes remetem à acidez.

Outro destaque foi notar que vinhos degustados às cegas, sob influência de estilos musicais variados, foram descritos como rótulos diferentes.

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Música estimula mudança de sabor do vinho

 

Fonte: Revista Adega

O extremo sul do vinho chileno

Com o aquecimento global, as regiões produtoras do mundo todo começam a procurar novos terroirs. Na maioria das vezes, a procura é por lugares com maior altitude devido ao benefício que isso proporciona no ciclo vegetativo da uva, ou seja, os vinhedos em altitude produzem uva com menor grau de açúcar.

Com essas condições a possibilidade de contar com uma matéria prima de melhor qualidade é muito maior, e finalmente se traduzirá em vinhos mais frescos, mais equilibrados, com um teor alcoólico menor.

No caso da realidade chilena, cada vez mais as vinícola estão apostando em regiões que tem a influência da altitude, já é bastante normal ver vinhedos no pé do monte da Cordilhera dos Andes. Há aproximadamente 10 anos também existe procura por vinhedos perto das frescas brisas do oceano pacifico.

As regiões  do extremo sul deste pais tem ganho muita notoriedade, e muitas das grandes vinícolas já tem começado um investimento, e até agora os resultados são extremadamente interessantes.

 

O extremo sul do vinho chileno

O extremo sul do vinho chileno

 

Veja as 3 regiões do extremo sul chileno:

Vale de Itata

O setor mais ao norte dos 3 vales da Região Sul. Itata, não é um novato no mundo do vinho. Alguns dos primeiros vinhedos foram plantados próximo à cidade portuária de Concepción durante os tempos coloniais. Hoje em dia, a região é uma mistura de novo e velho com seus novos vinhedos posicionados verticalmente lado a lado com os arbustos das videiras antigas, fornecendo assim muitas oportunidades de exploração e crescimento.

 

Vale de Bío Bío

Dias quentes e noites frias trazem uma temporada de amadurecimento longa. Porém, a pluviosidade mais alta, os ventos fortes e os extremos em geral do Bio Bio trazem condições mais desafiadoras que aquelas das regiões mais ao Norte do Chile. Produzir vinho no Bio Bio requer mais paciência, técnica e coragem do que nos outros vales. No entanto, alguns poucos ousados se arriscaram e investiram em novas plantações de variedades de clima frio como Sauvignon Blanc, Chardonnay e Pinot Noir. Os primeiros resultados mostraram que os esforços estão sendo recompensado com vinhos excitantes com uma acidez naturalmente fresca.

Vale de Malleco

Malleco é atualmente a denominação mais ao sul do Chile, apesar de vinhedos experimentais terem sido plantados muito mais ao sul em Osorno. A área provou ser excepcional para o Chardonnay, e experimentos com Pinot Noir são promissores, apesar da alta pluviosidade e uma temporada de amadurecimento mais curta tornem a área muito arriscada para quase todas as outras variedades.

 

O extremo sul do vinho chileno

O extremo sul do vinho chileno