Suíça desvenda mistério dos buracos em seus queijos

 

Após um século de estudos e pesquisas, o mistério dos buracos em certos queijos suíços, como Emmental e Appenzell, foi finalmente desvendado.

As autoridades científicas da Confederação Suíça, anunciaram nesta quinta-feira (28 de maio de 2015).

Os famosos “buracos” são causados por pequenas partículas de feno que caem no leite durante a ordenha das vacas, descobriram os pesquisadores do Agroscope, Instituto de Ciências dos Alimentos com sede em Berna, em conjunto com os cientistas da Empa (Laboratório Federal Suíço para Testes de Materiais e Investigação).

Estas partículas emitem gases durante a fermentação, que depois formam os buracos no queijo, explica o instituto em um comunicado.

Assim, o enigma dos buracos no queijo, que “fascina crianças e adultos”, foi finalmente solucionado, afirmou o Agroscope.

Os “buracos” tendem a desaparecer quando o leite é extraído com técnicas mais modernas, constataram os pesquisadores.

“É o desaparecimento da ordenha tradicional”, sob o úbere da vaca, e substituída por técnicas mais modernas e mais higiênicas, o que está causando o desaparecimento dos “buracos”, disse à AFP um porta-voz do Agroscope.

Segundo Agroscope, em 1917, o americano William Clark publicou um artigo de revisão detalhado sobre a formação de buracos no Emmental.

Neste artigo, Clark tentava explicar por meio dos conhecimentos da época o enigma da formação dos orifícios, defendendo a hipótese de que os furos se formavam através da ação do dióxido de carbono produzido pelas bactérias.

Suíça desvenda mistério dos buracos em seus queijos

Suíça desvenda mistério dos buracos em seus queijos

Controlar o número de buracos nos queijos

Os cientistas, que continuaram a questionar a origem desses buracos após Clark, descobriram que os queijos produzidos nos últimos 10-15 anos tinham menos buracos.

Os pesquisadores do Agroscope passaram a questionar a mudança dos métodos de ordenha e a redução de micropartículas de feno e bactérias no leite.

Para confirmar a sua hipótese, eles observaram a formação desses buracos por um período de 130 dias, durante o amadurecimento, empregando aparelhos de radiologia, tais como a tomografia computadorizada.

“A ordenha tradicional no celeiro com baldes abertos foi substituída nas últimas décadas por sistemas de ordenha fechados”, disse Agroscope, acrescentando que estas novas técnicas “também suprimiram completamente as micropartículas de feno no leite”.

Portanto “há dentro ‘germes de buracos’ no queijo”.

“É uma descoberta que foi feita completamente por acidente, como quaisquer grandes descobertas”, afirmou o porta-voz do Agroscope.

O queijeiro sabe agora que, variando a dose de micropartículas de feno, pode virtualmente controlar o número de orifícios desejados nas suas produções.

O queijo é um negócio sério na Suíça, onde a criação bovina é generalizada, favorecida pela paisagem montanhosa do país.

Em 2014, o consumo médio de queijo per capita anual na Suíça foi de 21,3 quilos. Os queijos suíços representaram dois terços deste consumo.

CHILEAN PREMIUM WINE ESTA DE VOLTA

O Tasting Tour aconteceu no Espaço Winechef, em Belo Horizonte Realizamos uma degustação com vários dos melhores vinhos Premium, Ultra Premium e Ícones chilenos, que fazem parte do Chilean Premium Wine – Tasting Tour, que é um projeto que divulga em todo o mercado brasileiro vinhos chilenos da mais alta qualidade. Os convidados foram os […]

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

 

O segredo das Vinhas Velhas: Quanto maiores os tormentos, maior a velhice

Veja a primeira parte dessa matéria aqui

A modo de exploração da videira, a casta ou clone e qualidade do indivíduo vegetal e o seu habitat determinam a sua longevidade, produção e qualidade da mesma. O stress provocado por agressões ambientais e de exploração fragilizam a planta; a seca, o frio excessivo, os cortes da poda, o uso e abuso dos químicos de síntese são alguns dos atropelos que fazemos à espécie vegetal. Donde que uma vinha com 30 anos, submetida aos tormentos de uma exploração super intensiva pode ser velha e decrépita enquanto outra de 60 anos, com uma população saudável de indivíduos vegetais, que beneficiou de uma exploração menos intensiva, que não sofreu intoxicações com químicos de síntese e que teve as feridas da poda desinfetadas que impediram a contaminação viral e bacteriana, pode produzir quantidade com qualidade por muitos mais anos.

A casta e a sua origem terão também uma importante palavra a dizer na longevidade da cepa. Há castas muito mais resistentes aos atentados que lhe fazemos que outras. A globalização galopante e a promiscuidade varietal entre países e continentes pode também fazer mossa à perenidade da vinha. Por exemplo, é sabido que o Pinot Noir não gosta de viajar e é de aceitar que uma vinha velha de Pinot terá obviamente uma idade completamente diferente na Borgonha que no Oregon dos EUA.

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

Vinhas Velhas: Um conceito muito subjetivo

Quando um produtor de qualquer nova região nos diz que tem vinha velha devemos sempre perguntar: com que idade?

O conceito muda com a região de origem e os critérios do produtor. Numa região com um historial recente como é o caso da maior parte do Alentejo, uma vinha com 20 anos é considerada velha. Numa região com longo historial e rica em vinhas velhas e muito velhas, como o Douro, aceita-se que o produtor diga que o vinho vem de vinha velha se esta tiver pelo menos 40 ou 50 anos.

A questão de “quantos anos tem de ter uma vinha para ser velha” já era discutida pelos Romanos. E desde então ainda não se chegou a consenso.

Num pequeno inquérito feito pela Wines & Vines quanto à necessidade de legalizar o termo “Vinha Velha” para questões de rotulagem nas principais unidades produtivas na Califórnia (onde se encontra o maior área de vinha velha de Vitis vinifera), 71% dos inquiridos concordaram com a legalização do termo. Mas quando se pede a idade mínima para uma vinha poder ser considerada velha, 63% considera um mínimo de 50 anos de idade enquanto 28% são a favor de uma idade mínima de 20 anos. Quando questionados quanto à idade da vinha que fornece uvas para o seu(s) rótulo(s) de vinho de vinha velha, 39% afirma que a vinhas estão entre ao 15 e os 49 anos e 32% dão uma idade entre os 50 e os 80 anos.

A falta de consenso e de conceito é um dos entraves à plena validade do item na exploração do marketing. Além de que não podemos esquecer a habitual ausência de dados concretos: quantas vezes perguntamos a idade de uma vinha velha a um determinado produtor e ele responde: calculo que deva ter mais de 40, 50 ou mesmo 60 anos.

Contudo o conceito existe e é explorado por alguns produtores. E não há dúvida que encerra algo de mágico, porque para muitos (e não são assim tão poucos) quanto mais velha é a vinha mais sábia se torna.

Na verdade faltam estudos científicos que comprovem aquilo que todos sentem: existem vinhas velhas que produzem vinhos extraordinários mas também não é menos verdade que nem todas as vinhas velhas os produzem.

 

Estudo comprova que beber vinho emagrece

 

Um estudo americano da Universidade do Oregon descobriu que um químico presente nas uvas tintas abranda o crescimento de células gordas existentes no corpo humano.

Os apreciadores de vinho tinto têm agora mais uma boa razão para o seu consumo. Depois de um estudo com a duração de dez semanasinvestigadores da Universidade do Oregon, nos E.U.A., descobriram que consumir vinho tinto com moderação pode ajudar a combater a obesidade e desordens metabólicas como gordura no fígado, melhorando a saúde de pessoas com excesso de peso.

A presença de ácido elágico nas uvas muscadine, usadas principalmente para produzir vinhos tintos secos, “reduziram dramaticamente o crescimentos de células gordas existentes” nos ratos usados no estudo, além de também diminuírem a formação de novas células gordas. O efeito pode ser obtido consumindo as uvas no seu estado natural ou transformadas em vinho.

A uva muscadine (rotundifolia do Vitis) é nativa do sul dos E.U.A. e bastante cultivada desde o século XV- Esta uva tem uma composição química diferente da maioria das uvas pretas porque é mais rica em antocianinas. Este químico, responsável pela cor da uva, é um antioxidante poderoso, que contém até mais 10 vezes antioxidantes que outros alimentos ricos em antioxidantes tais como as groselhas. Também já foi estudado o seu uso para o combate de cancro. O interessante é que no Brasil temos muitos vinhos elaborados a partir de uvas ricas em antocianinas, é o caso, por exemplo, das uvas Carménère , Tannat, Syrah, Malbec, Aspirant Bouchet entre varias outras.

Estudo comprova que beber vinho emagrece

Estudo comprova que beber vinho emagrece

Neil Shay, um dos bioquímicos responsáveis pelo estudo, explicou que fígado humano e células gordas desenvolvidas no laboratório foram expostos ao extrato de quatro químicos naturais encontrados nas uvas muscadine. Um dos químicos, o ácido elágico, provou ser particularmente eficaz no combate à gordura. No entanto, o cientista alerta para o facto de estes químicos não serem um milagre para a perda de peso: “Não descobrimos que estes componentes melhoram o peso corporal. Mas se tivesse de desenvolver uma dieta para reduzir a gordura acumulada no fígado, incluiria estas uvas.”

Shay explicou que o objetivo desta investigação é guiar o público na escolha de alimentos que trazem benefícios de saúde específicos como aumentar as funções metabólicas. O estudo foi publicado na edição do mês de janeiro do “Journal of Nutritional Biochemistry” (Jornal de Bioquímica Nutricional).

Estudo comprova que beber vinho emagrece

Estudo comprova que beber vinho emagrece

 

Tirar a rolha antes para deixar o vinho respirar: Mito, Esnobismo o Necessidade?

 

Você é dessas pessoas que costumam tirar a rolha para que o vinho respire?

Você tem o costume de fazer isso e pensa que se não fizer vai “estragar sua garrafa de vinho”?

Este fato, de tirar a rolha da garrafa do vinho para que ele respire é uma das coisas mais “curiosas” que giram em torno deste assunto. Todo mundo faz isso. Nos restaurantes, muitos clientes que pedem um vinho solicitam de imediato tirar a rolha, “para que o vinho possa respirar”,  como se fosse algo obrigatório, que não se pode deixar de fazer e que tem uma importância relevante para que o vinho possa se expressar em plenitude.

O que mais me chama a atenção é que muitos profissionais que trabalham com vinho, sommeliers, garçons e etc., também gostam de fazer isto.

O que se acredita com o fato de tirar a rolha da garrafa um tempo antes de servir na taça é que o vinho vai melhorar, ou seja, vai “abrir” porque vai ficar alguns minutos em contato com o oxigênio – e assim vai quebrar as moléculas aromáticas e o vinho vai exprimir seus aromas de uma maneira melhor.

Tira a rolha antes para deixar o vinho respirar Mito, Esnobismo o Necessidade?

Tira a rolha antes para deixar o vinho respirar Mito, Esnobismo o Necessidade?

 

A oxigenação do vinho

A ideia é ótima, e, de fato, existem vinhos que ganham consideravelmente com a oxigenação dos aromas. O único problema é que esta oxigenação não existe só tirando a rolha do vinho. Acaba sendo um ato sem sentido, devido que, como a garrafa está cheia de vinho, a interação entre o oxigênio e o líquido não existe. Portanto, também não existe a oxigenação. Ou seja: uma perda de tempo.

Se você quer realmente oxigenar o vinho, o mais simples é abrir a garrafa e colocar o vinho em uma taça. Quanto maior for o contato da superfície do líquido com o oxigênio (e isso está relacionado com o tamanho da taça), mais rápido vai ser a oxigenação.

Mas cuidado. Não são todos os vinhos que ganham com a oxigenação e isso pode, inclusive, acontecer até o contrário, já que muitos deles perdem os aromas de maneira rápida. Portanto, o melhor é colocar o vinho na taça e beber imediatamente.

Existem ainda muitos detalhes em relação a este tema, mas vamos falar deles com mais profundidade nas matérias posteriores. Por enquanto, espero que pelo menos uma coisa fique clara: tirar a rolha da garrafa do vinho minutos antes de beber não adianta de nada…

 

Veja também:

 

 

 

Vinho tinto pode ser um eficiente remédio contra o câncer de próstata

 

Pesquisadores da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, descobriram que um componente encontrado nas cascas de uva e no vinho tinto, o resveratrol, é um eficiente remédio contra o câncer de próstata.

A substância deixa as células do câncer mais suscetíveis à radiação do tratamento de radioterapia.

Nos estudos conduzidos pela instituição, a combinação entre resveratrol  e o tratamento terapêutico matou até 97% das células cancerígenas. Não existe previsão se o procedimento será aplicado em seres humanos.

 

Vinho Tinto

 

Câncer de próstata no Brasil

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma).

Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres.

Sua taxa de incidência é cerca de seis vezes maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.

Os dados são do INCA (Institito Nacional de Câncer).

 

Veja Também:

 

 

 

Os cinco segredos para que o vinho da sua adega não vire vinagre

Não há um apaixonado por vinho que não aprecie uma garrafa evoluída, complexa e com todas essas sutilezas que só o passar do tempo pode entregar. Mas não adianta nada guardar vinos, se você não levar em consideração estas cinco dicas

 O lugar ideal para armazenar seus vinhos deve obedecer a estas regras:

Uma adega de vinhos tem que ser escuro

Ninguém duvida que a luz pode comprometer a evolução de um vinho. Exposição a raios de ondas curtas e ultravioletas tendem a desestabilizar compostos orgânicos na bebida e iniciar reações químicas que resultarão em algo desagradável. Um dos motivos de as garrafas de vinhos serem âmbar é esse, pois elas bloqueiam até 90% dos raios luminosos. Garrafas verdes e claras, por sua vez, deixam passar 50% e 10%, respectivamente, da luz. E como esse tipo de vasilhame mais claro é muito usado para armazenar espumantes e vinhos brancos – que, por sinal, são os tipos m ais susceptíveis a sofrer danos relacionados à luz – fica claro que os vinhos precisam ser guardados em lugares escuros.

 Uma adega de vinhos tem que ter umidade

A umidade é um fator importante para não ressecar as rolhas. Com o tempo, se mantidas em ambientes secos, esses vedantes irão ressecar e talvez até rachar. É por isso, por exemplo, que não se aconselha guardar garrafas na geladeira por muito tempo, pois, apesar de ser um local escuro e de temperatura baixa, não há umidade. Rolhas ressecadas perderão a elasticidade e vão permitir mais espaços entre o ar e a bebida, levando à oxidação precoce. Estima-se que a umidade do ambiente deve ser entre 50 e 80% – 70% seria o ideal. Mais do que isso (e, especialmente, em lugares sem ventilação adequada), podem aparecer fungos que, entre outras coisas, irão estragar os rótulos.

Adega de vinhos

Adega de vinhos

 Uma adega de vinhos tem que ser livre de odores

Uma adega precisa ter boa ventilação para não desenvolver fungos e também para evitar maus odores. Com o tempo, compostos aromáticos desagradáveis podem interferir no vinho, portanto, evite tinta fresca ou produtos de limpeza com cheiros fortes.

Uma adega de vinhos tem que ter uma temperatura constante

Como visto nesta reportagem, temperaturas muito altas (acima de 20ºC) aceleram as reações químicas de forma preocupante, e temperaturas muito baixas (menos de 5ºC) fazem com que elas “hibernem” mais do que o desejado (lembrando ainda que, a -4ºC, boa parte dos vinhos congelam, o que não é desejável). Deve-se então mantê-los entre 11º e 15ºC, porém, mais importante que isso, sem grandes oscilações. Variações de mais de 2º ou 3ºC no ano podem ser prejudiciais.

 Uma adega de vinhos não tem que ter vivracões.

Vibrações constantes agitam as moléculas do vinho e impedem que elas se assentem. Em vinhos antigos, por exemplo, isso impedirá que as borras se assentem. No entanto, acredita-se ainda que a agitação acelere as reações e também interfira nos sabores e aromas.

 

Receita: Cordeiro caramelizado ao vinho tinto

 Ingredientes Cordeiro caramelizado ao vinho tinto

1 kg de carne de cordeiro (pernil, paleta, costela, lombo);
1/4 de xícara de azeite;
2 cebolas picadinhas;
3 colheres (sopa) de mel;
1 colher (chá) de tomilho seco;
1 ½ taça de vinho tinto seco;
1/4 de taça de aceto balsâmico;
5 dentes de alho picados;
1 l de caldo de cogumelos ou de frango;
Sal e pimenta-do-reino;

Receita: Cordeiro caramelizado ao vinho tinto

Receita: Cordeiro caramelizado ao vinho tinto

Modo de fazer Cordeiro caramelizado ao vinho tinto

1 Ligue a forno a 180°C.
2 Limpe a carne, caso seja necessário retirar o excesso de gordura ou membranas, e corte-a em pedaços grandes.
3 Numa frigideira, doure a carne no azeite. Em seguida, salgue, apimente e reserve-a.
4 Na mesma frigideira, coloque o mel e a cebola e cozinhe em fogo baixo por 8-10 minutos. Junte o alho, deixe mais uns 2 minutos e, então, adicione o tomilho e o vinho tinto. Deixe reduzir quase completamente, junte o aceto e deixe reduzir novamente até quase virar um xarope.
5 Adicione o caldo e deixe esquentar bem. Se a frigideira tiver cabo metálico e puder ir ao forno, coloque nela a carne reservada. Caso contrário, acomode a carne numa travessa refratária e banhe com o molho. Não é preciso cobrir com papel-alumínio. Cozinhe por cerca de 2 horas, regando a carne com o molho pelo menos umas quatro vezes e virando-a durante o processo.
6 No final do cozimento, o molho deverá estar caramelizado. Se não estiver, passe-o para uma panelinha e deixe reduzir mais. Deixe a carne repousar alguns minutos, corte-a e sirva regando com o molho. Fica bom com legumes ao azeite, cuscuz ou purê de batata.

 

Rendimento: 4 porções
Tempo de preparo:  15 min + 2 h 30 min de cozimento

Sabe mesmo o que são as borras?

 

Só para adiantar, as borras não tem nada a ver com o sedimentos que ficam na sua a taça.

Há um tema muito interessante que todos os amantes de vinho devem ter passado ao menos uma vez na vida. Estou me referindo à presença de algo estranho, meio escuro, no fundo da garrafa. Seguramente você deve estar pensando que podem ser as “borras”… Sim, são as mesmas, mas o detalhe é que ‘borras’ não é o nome correto, e sim “sedimentos”.

Borras são os restos das películas e das sementes de uvas somadas às  leveduras após terminada a fermentação alcoólica, ou seja, as borras ficam no fundo da cuba, uma vez que o vinho já esta fermentado. No caso dos sedimentos, a história é diferente.

Sabe mesmo o que são as borras?

Sabe mesmo o que são as borras?

Esses sedimentos, que aparecem no fundo da garrafa (e que muitas vezes conseguem ate chegar a nossa taça) são compostos por partículas corantes naturais da casca da uva (antocianas) e taninos, e indicam que o vinho foi só parcialmente filtrado com a finalidade de mantê-lo, estes elementos que aportam características qualitativas.

Existem muitos vinhos no mundo que são superficialmente filtrados para manter qualidades relacionadas aos aromas e sabores finais do produto. Muitas garrafas, até possuem no rótulo:  “Este vinho não foi filtrado com a finalidade de manter todas suas características e qualidades e pode apresentar sedimentos”.

O importante e entender que, o fato de vinho ter sedimentos NÃO  é um fator negativo. Este é   um processo natural físico-químico no qual as moléculas que entregam a cor, os aromas e os sabores aos vinhos  se unem ficando de com peso maior e caindo no fundo do líquido. A solução para isto é a decantação, que tem como objetivo impedir que estes sedimentos cheguem na taça.

 

Veja Também:

 

Conheça o vinho para cachorros e gatos


Agora você pode encher a cara com seu melhor amigo

Você teve um dia de cão, chega em casa e abre uma garrafa de vinho. Ah, o alívio de sentar no sofá com uma taça na mão e relaxar. Se você tem cachorro, nesse momento de bem-estar tão genuíno é provável que ele esteja ao seu lado. Mas, ao contrário do que acontece no bar em que você bebe com seus amigos, ali você não compartilha a bebida com seu melhor amigo.

Agora, esse momento tem tudo para mudar: o conforto continua, a diferença é que seu cachorro bebe também. Uma empresa americana do Colorado, chamada Apollo Peak, especializada em comidas e bebidas orgânicas para cães e gatos desenvolveu um vinho para pets.

Ok, vinho não é o termo exato, porque a fórmula não contém álcool (não tente fazer isso em casa, álcool não faz nada bem à saúde dos animais). As bebidas são feitas com hortelã ou camomila para reproduzir o efeito relaxante de estar levemente bêbado e suco de beterraba para imitar a cor da uva.

Vinho para cachorros e gatos

Vinho para cachorros e gatos

Na versão felina, o ingrediente secreto é catnip, uma erva aromática e medicinal que atrai os gatos e provoca uma sensação semelhante à maconha em seres humanos.

Os nomes dos rótulos são dignos de vinícola das Montanhas Rochosas: os vinhos para cães foram batizados de ZinFanTail e CharDOGNay e as garrafas para gatos são Pinot Meow, CATbernet MosCATo.

Pelo preço também se supõe que o vinho tenha repousado em barris de carvalho por safras e safras: uma garrafa de 354 ml de CharDOGNay sai por cerca de R$60.

Se a ideia de beber com seu melhor amigo é atrativa, o preço logo alerta que na hora da saideira não vai ter ninguém para rachar a conta – quem paga é você.

Veja também: