Nova “camisinha” de vinho promete prolongar a vida de bebida

A criação dispensa que seu vinho tenha de ficar inclinado para baixo na geladeira ou na adega

Pra você que veio aqui pensando que ia encontrar uma camisinha com sabor de vinho, se enganou! Apesar de ser uma ótima ideia, a empresa Wine Condom criou um preservativo de borracha que substitui a rolha depois que você abriu seu vinho.

A novidade, que vem em uma embalagem bem parecida com as traidicionais camisinhas, é feita de borracha e tem apenas disponível na cor preta. Segundo a fabricante, ela ainda dispensa que a garrafa seja guardada em uma posição inclinada na geladeira, já que o vinho não precisará umedecer a rolha.

Camisinha de Vinho

Camisinha de Vinho

As camisinhas de vinho podem já estão sendo vendidas pela web e custam US$ 15,70, o equivalente a R$ 50.

Ah, só mais uma coisa: os fabricantes não recomendam que o produto seja usado em garrafas de champanhe ou prosecco, já que essas bebidas são gaseificadas e isso produziria uma bolha de ar no bico da garrafa.

 

Veja Também:

 

 

8 destinos pouco conhecidos, mas ideais para turistas que amam vinho

Vinícolas únicas, em locais diferentes e com rótulos locais estão entre eles.

França, Espanha, Portugal, Itália e Chile são países conhecidos pela variedade e qualidade dos vinhos que produzem. Por esses motivos e outros, eles são destinos de viagem mais recomendados para os amantes da bebida. Entretanto, além desses, existem também países e cidades menos conhecidos turisticamente, mas que têm produções de vinho cada vez mais aprimoradas e relevantes no mercado.  Pensando em quem deseja planejar uma viagem para a “rota do vinho”, mas quer fugir do clichê e já conhecido.

 

Maui, Havaí

De acordo com o site, o Havaí se mostrou mais do que um destino paradisíaco para quem deseja relaxar na praia nos últimos 50 anos: deste então, ele tem apresentado uma produção de vinhos relevante para o mercado. Uma das vinícolas do país está localizada a 600 metros do mar e tem rótulos tradicionais de diversos tipos de vinho.

Taiti, Polinésia Francesa

A ilha conta com uma vinícola plantada sob seus corais. No total, são mais de seis acres de plantação para a produção de vinhos dos diversos rótulos – que contam, inclusive, com notas de frutas tropicais, como manga, papaia e lichia.

Ziway, Etiópia

Nos últimos anos, a indústria de vinhos do país tem produzidos rótulos famosos de merlots e chardonnays – inclusive, uma famosa vinícola francesa produziu, no ano passado, mais de um milhão de garrafas do rótulo Rift Valley somente com uvas plantadas na região do Ziway.

 

Rift Valley Wines

Rift Valley Wines

Monte Etna, Sicília – Itália

Embora a produção italiana de vinhos esteja concentrada ao redor da região da Toscana, na região do Monte Etna é onde alguns dos rótulos mais famosos do país são produzidos. Por ter uma plantação próxima ao vulcão de mais de 3 mil metros da Sicília, os vinhos produzidos na região têm sabor diferente e quase único.

Malibu, Califórnia – Estados Unidos

Além de praias famosas, a região de Malibu conta com inúmeras vinícolas a sua costa – que podem ser surpreendentes para o padrão de vinhos norte – americanos.

Lanzarote, Espanha

Também uma região vulcânica, tal como a do Monte Etna, a ilha não tem terra fértil, mas, surpreendentemente, conseguiu criar uma vinícola nas crateras vulcânicas. A primeira vinícola da ilha, Bodegas El Grifo, produz rótulos desde 1775.

Bangkok, Tailândia

A produção de vinho em si não é feita na Tailândia, mas na capital você encontrará vinícolas famosas no país e que têm rótulos diferenciados – por exemplo, com toque mais apimentado ou defumado.

Telemark, Noruega

Originalmente, o clima da região é inóspito para a criação de uvas, mas as recentes mudanças climáticas permitiram que a região se tornasse um polo na produção de vinhos.

 

Receita: Risoto de Quinoa com Salmão

Quinoto: prato é um risoto que troca o arroz pela quinoa

Já ouviu falar em quinoto? O prato é uma versão do bom e velho risoto, que, no lugar do arroz, leva a quinoa. Saudável e delicioso, o quinoto combina com peixes como o salmão.

 

Quinoto de Los Incas

Rendimento: 1 porção

Tempo de preparo: 12 a 15 minutos

 

Ingredientes:

500 ml de caldo de legumes

100 g de quinoa

1 cebola branca

30 ml azeite de oliva extra virgem

10 g de manteiga

100 g de cogumelo Paris fresco

2 folhas de radicchio

50 ml de creme de leite

50 g de queijo parmesão Grana Padano

30 ml de vinho branco

200 g de salmão

Sal

Pimenta do reino fresca

Receita: Risoto de Quinoa com Salmão

Receita: Risoto de Quinoa com Salmão

 

Modo de preparo:

Aqueça o caldo de legumes em uma panela. Quando levantar fervura adicione a quinoa, um pouco de sal e deixe cozinhar por 8 minutos. Retire o ingrediente da panela e reserve em um recipiente em banho maria com água e gelo. Essa técnica irá interromper o cozimento da quinoa.

Esquente uma frigideira, coloque o azeite e a manteiga. Corte a cebola em juliana (em tirinhas). Cozinhe a cebola em fogo muito baixo até caramelizar.  Na sequência adicione os cogumelos Paris cortados em 4 partes. Com os cogumelos cozidos, acrescente as folhas de radicchio cortadas em chiffonade (bem fininho). Agregue o vinho branco e uma pitada de sal. Acrescente a quinoa e o creme de leite, misture todos os ingredientes e deixe reduzir. Para finalizar, acrescente o queijo parmesão ralado e misture até derreter. Deixe repousar por 2 minutos.

Enquanto o quinoto repousa, aqueça o azeite de oliva e manteiga em outra frigideira. Coloque a posta de salmão temperado com sal e pimenta e sele os dois lados do peixe deixando ele ao ponto. Absorva o excesso de gordura com papel toalha.

Para servir, coloque o quinoto ao centro do prato e o filé ao lado. Finalize com pimenta do reino fresca salpicada.

 

Produtor natural do RS tem todos os vinhos apreendidos

Denúncia contra garagista Eduardo Zenker levou à busca e apreensão na quarta-feira; mundo do vinho protesta

O mundo do vinho passou esta quinta-feira (8) em polvorosa, em apoio a um garagista. O produtor de vinhos naturais gaúcho Eduardo Zenker teve toda a sua produção do ano e sua reserva técnica (safras antigas que ficam para análise e degustação) apreendidas pela Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul na quarta-feira (7), em Garibaldi (RS). De acordo com o termo de inspeção da secretaria, os vinhos e outros materiais como garrafas, etiquetas e maquinários foram apreendidos por terem sido encontradas irregularidades sanitárias.

A Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul afirmou que a clandestinidade foi o maior problema do produtor gaúcho. Dentro das condições em que operava, fazer vinho na garagem de casa com uvas compradas de amigos, Zenker poderia apenas produzir para consumo próprio. Para comercializá-los, precisaria de um registro no Ministério da Agricultura.

Zenker é o que o mundo do vinho categoriza como “garagista”, um pequeno produtor que elabora vinhos com mínima intervenção enológica na garagem de casa. Desta forma, não usa muito dos produtos enológicos (leveduras adicionadas, químicos, etc.), tampouco tem grandes estruturas como as vinícolas grandes. Em vez de tanques de aço inoxidável, usa pipas de polipropileno.

Eduardo Zenker

Eduardo Zenker

Embora pareça algo muito brasileiro, a prática é comum em países célebres pelo vinho, como a França, que tem em Jean-Luc Thunevin um de seus principais nomes.

Em entrevista ao blog, Eduardo Zenker se disse “chocado” por ter os vinhos “bloqueados”. Ele é o fiel depositário da sua produção, o que significa que ele está de posse de todas as garrafas, mas não pode fazer nada com elas, apenas guardá-las. E tem 20 dias para apresentar sua defesa. “Como levaram vinhos para análise, eu corro risco de ser penalizado criminalmente. Muito complicada a situação”, afirma. O garagista não tem ideia de quantas garrafas foram apreendidas. “Era tudo o que eu tinha, tem estoque técnico, vinhos de 2008”, diz.

Zenker diz que já tinha informações que havia denúncias sobre ele. “Depois que apareci em um programa de rede nacional, muita gente disse que brios ficaram feridos”, afirma. Ele se referia a um Globo Repórter.

Produtor desde 1999, Eduardo Zenker começou a fazer vinhos da maneira tradicional, até que uma “crise de identidade” o abateu. “Eu não estava feliz ao inocular leveduras importadas da França, da Itália, que não refletiam o meu terreno, o meu quintal. Abri mão de todos os produtos enológicos para realmente expressar a serra gaúcha, o que representa o solo”, afirma.

Com 1,2 hectare de terra onde planta Chardonnay e Pinot Noir, Zenker fez a transição da agricultura tradicional para a orgânica em 2014 por conta própria. Problemas com geadas e pragas, no entanto, o tornaram o cultivo problemático e há três safras ele compra uvas de amigos. Sua produção anual gira em torno de 4 mil a 5 mil litros. “Eu vivo do vinho e da agricultura”, diz.

Produtor natural do RS tem todos os vinhos apreendidos

Produtor natural do RS tem todos os vinhos apreendidos

Um complicador deste caso é que Eduardo Zenker atua na informalidade. Sua mulher, estudante de biologia, se forma no ano que vem e seria a responsável técnica dos vinhos. Por enquanto, ele não tem empresa ou empregados. “Eu reconheço o esforço deles [vinícolas formais], de ter empresa, gerar renda e trabalho. O meu sonho é chegar lá, fomentar a economia local, a comunidade, mas hoje é muito difícil pra mim. Eu estou começando pelas beiradas como um pigmeu”, afirma.

De acordo com o documento da secretaria gaúcha, ele foi orientado a se enquadrar legalmente como produtor da agricultura familiar (produtor de vinho colonial), que tem parâmetros como produção de 20 mil litros com 70% das uvas de produção própria.

Embora desconhecido de muitos, Zenker tem apoiadores fieis em São Paulo, que tem se mobilizado com auxílio jurídico e até financeiro. Uma reunião será realizada na noite desta quinta-feira na Enoteca Saint-Vin Saint para discutir o caso. Um dos temores do grupo é que outros produtores de vinho natural sofram o mesmo problema que Zenker. Eles estão discutindo um modelo para regularizar a situação destes garagistas, como ocorre na Borgonha, por exemplo.

 

Fonte: Estadão

Resultados dos vinhos que venceram o Top Ten, da Expovinis 2017

O concurso Top Ten elege, em prova às cegas, os melhores vinhos presentes na Expovinis 2017, em dez categorias. Jurados especializados provam às cegas os vinhos inscritos pelas empresas participantes do evento.

Confira os campeões Top Ten, da Expovinis 2017:

 

Espumante brasileiro Peterlongo Elegance, na Peterlongo

Espumante importado Gramona La Cuvée Reserva Brut 2012, na Casa Flora e no Porto a Porto

Branco brasileiro Don Guerino Sinais Sauuvignon Blanc 2007, na Don Guerino

Branco importado Clearview Chardonnay Reserve 2014, na Premium

Rosado Chiaretto 2015, na Galeria dos Vinhos

Tinto brasileiro Syrah Speciale 2015, na Casa Veronese

Tinto Novo Mundo Carvalho Vino km 0, na Mundial

Tinto Velho Mundo Península Ibérica – Manzwine Pomar do Espírito Santo Reserva, na All Wine e Lusitanos Brands

Tinto Velho Mundo Itália, França, entre outros – Château Fleur Cardinale Grand Cru Classé 2007, na Casa Flora

Fortificados e doces Porto Messias 10 anos, na Casa Flora e na Porto a Porto

 

Resultados dos vinhos que venceram o Top Ten, da Expovinis 2017

Resultados dos vinhos que venceram o Top Ten, da Expovinis 2017

 

Veja Também:

 

 

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

País Chile
Propriedade da Vinícola 210 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Uva 100% Carménère
Teor Alcoólico 13%
Tipo de Uva Tinta Carmenere
Amadurecimento 12 meses em barricas de carvalho francês, sendo 25% de primeiro uso.

 

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

 

Visual Rubi de média concentração, luminoso.
Olfativo Possui aromas mentolados e frutados como de frutas vermelhas maduras, terra úmida e frutas silvestres pequenas, mais suaves notas a menta, tudo em uma grata combinação e evidenciando uma alta complexidade e abundante presencia de aromas terciarios, produto da evolução do vinho na garrafa.
Gustativo Na boca é saboroso e suculento, com boa amplitude e alta concentração. Taninos suaves e doces, sedutora fruta e todo perfeitamente integrado num vinho de alta qualidade e que já atingiu seu ponto máximo de evolução. Surpreende também por um delicioso e longuíssimo final.
Dica de Harmonização Lasanha caseira à bolonhesa.
Almôndegas de carne com molho de vinho e castanhas.
Salmão marinado em sake com molho de cogumelos frescos.
Goulash de carne.
Cassoulet de frutos do mar.
Pimentão vermelho assado e confitado em azeite de castanhas.
Temperatura de Serviço 15º
Pontuação Winechef  

Vinho Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010- 92 pontos Winechef

Vinho Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010- 92 pontos Winechef

Nome da Vinícola Tamaya
Ano de Fundação da Vinícola 2003
Enólogo Responsável José Pablo Martin / Rodolphe Bourdeau

 

Safra de uva 2017 é recorde no Rio Grande do Sul

Mais de 750 milhões de quilos da matéria-prima para elaboração de vinhos, sucos e derivados foram colhidos no Estado. Apresentação dos dados ocorreu na tarde desta quarta-feira (31), no Palácio Piratini, na capital gaúcha

Os 750.612.622 quilos de uva que ingressaram nas vinícolas gaúchas em 2017 totalizam a maior safra a ser processada no Estado. O volume é 5,8% maior que o número registrado em 2011, último recorde registrado, com 709,6 milhões de quilos. Desse total, 89,6% foram de uvas americanas e híbridas e 10,4% de uvas vitis viníferas. Esse ano, 418 vinícolas distribuídas em 68 cidades declararam processamento da matéria-prima, cultivada em 136 diferentes municípios. Os dados foram divulgados na tarde desta quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi-RS), em coletiva no Palácio Piratini, com a presença do governador José Ivo Sartori, do secretário Ernani Polo e do presidente do Ibravin, Dirceu Scottá.

“Fomos surpreendidos com o volume final da safra, principalmente em virtude da quebra histórica registrada no ano passado, de 57%. Mas a situação se inverteu esse ano porque a produção de uvas é bastante sensível ao clima e, durante o ciclo vegetativo dessa safra, as condições climáticas foram muito favoráveis”, avaliou o presidente do Ibravin, Dirceu Scottá.

Safra de uva 2017 é recorde no Rio Grande do Sul

Safra de uva 2017 é recorde no Rio Grande do Sul

O bom tempo também colaborou para a qualidade da matéria-prima. “Apesar de não ter sido igual em todas as regiões, de uma forma geral, a sanidade estava excelente, as variedades de colheita mais tardia foram bastante favorecidas e as regiões vitícolas mais altas tiveram condições excepcionais. As vinícolas terão rótulos muito bons à disposição do consumidor”, observou o dirigente.

O governador José Ivo Sartori afirmou que os números da safra são importantes num período de grandes dificuldades que a economia atravessa. “São dados positivos e que certamente contribuirão para a retomada da economia no Estado”, disse. O governador garantiu, ainda, que vai conversar diretamente com o secretário da Fazenda para reduzir a Margem de Valor Agregado (MVA) que incide sobre o vinho.

“Estes números recordes são excelentes, para a produção de vinhos, sucos e espumantes de grande qualidade e também pela recuperação do setor, que agregou mais vinícolas a todo o processo, gerando mais emprego e renda. Este levantamento também foi possível devido a parceria do Ibravin com a Seapi na viabilização do Cadastro Vinícola, que reúne dados da produção no estado, o que permite um mapeamento da produção, servindo como balizador para a elaboração e aperfeiçoamento das políticas públicas para a vitivinicultura do RS”, resumiu o secretário Ernani Polo.

Além do clima propício, o setor observou que, nos últimos anos, apesar de não haver um aumento significativo da área plantada no Estado, algumas cultivares foram substituídas por outras mais produtivas, entre elas a Bordô e as desenvolvidas pela Embrapa Uva e Vinho, como a Lorena, e a Isabel precoce. O aumento de volume mais significativo foi observado principalmente entre os pequenos produtores. Metade da safra deverá ser destinada para os vinhos tranquilos e espumantes e a outra metade para os sucos e derivados.

“O volume processado em 2017 ajudará o setor a equalizar os estoques de passagem, principalmente para os vinhos de mesa e sucos 100%, que no ano passado ficaram abaixo do montante considerado ideal. A projeção é de iniciar 2018 com 281,3 milhões de litros, contra 127,7 milhões registrados em 1º de janeiro desse ano”, informa o vice-presidente do Ibravin e presidente da Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho/RS), Oscar Ló.

A comercialização de vinhos e espumantes nacionais recuou 14% no primeiro quadrimestre do ano em relação ao mesmo período de 2016. A retração desacelerou em abril, pois no primeiro trimestre a queda registrada pelo setor, em litros, era de 20%. Os rótulos brasileiros (vinhos de mesa, finos e espumantes) representam 60% do total consumido no país. A comercialização dos sucos de uva 100%, por sua vez, está 6,4% abaixo do mesmo quadrimestre de 2016.

 

Fonte: ABE

https://www.enologia.org.br/noticia/safra-de-uva-2017-e-recorde-no-rio-grande-do-sul

 

Consumo de vinho aumenta a qualidade do esperma

 

Estudos de cientistas poloneses constataram que homens que consomem vinho diariamente e de forma moderada tem esperma mais forte

O papel do estilo de vida a dotado pelas pessoas e sua influência na saúde reprodutiva humana é uma área de debate na literatura científica. Agora, um novo estudo publicado na última edição da Systems Biology in Reproductive Medicine promete suscitar ainda mais polêmica.

Uma equipe de pesquisadores do Nofer Institute of Occupational Medicine em Lodz, Polônia, descobriu que os homens que bebem vinho até três vezes por semana produziram um esperma mais forte do que os que não consumiam. Tal conclusão contradiz pesquisas recentes feitas no Reino Unido, que descobriram que determinadas escolhas de estilo de vida, como consumo de álcool e tabaco, não alteravam a saúde do esperma.

Consumir de vinho aumenta a qualidade do esperma

Consumir de vinho aumenta a qualidade do esperma

No estudo polonês, foi constatado que homens que consomem vinho diariamente e de forma moderada tem um esperma mais forte, com “caudas” mais poderosas. Ou seja, esses espermatozoides são potencialmente melhores nadadores, o que aumenta as chances de fertilização. Ainda de acordo com a pesquisa, ter mais momentos de lazer, consumir café fraco e usar cuecas samba-canção também melhoram o vigor reprodutivo do homem.

A pesquisa, contudo, mostrou que utilizar o telefone celular por mais de 10 anos pode prejudicar a saúde do esperma. “Os resultados sugerem que os fatores de estilo de vida podem, sim, afetar a qualidade do esperma”, afirmam os pesquisadores.

 

Chile: A terra prometida da Malbec

Uma grande parte dos apaixonados por vinhos gostam da concentração e da majestosa potência e profundidade que os Malbec´s oferecem. E como não gostar?

Depois de algum tempo, ou talvez até alguns anos de experiência, quando nosso paladar começa a se aguçar, entendemos que os vinhos que mais nos entregam prazer são aqueles que têm de tudo: muita cor, que são ricos e complexos aromaticamente, e que na boca são concentrados e cheios de sabores e matizes.

Os Malbec’s têm essa graça. Produzem vinhos de muita complexidade, da cabeça aos pés, de grandes virtudes que deleitam nossos sentidos,  e o que é ainda mais importante: de altíssimos níveis de qualidade. Sem dúvida, a Argentina tem feito um trabalho extraordinário na última década com esta uva, não só do ponto de vista qualitativo, mas também pelo grande sucesso que tem conseguido ao posicionar esta uva entre as melhores do mundo.

De forma silenciosa, o Chile, há mais de duas décadas, tem trabalhado esta variedade com um sucesso notável, mas pela grande associação que existe entre uva/país, ou seja, Malbec/Argentina, os exemplares chilenos têm passado quase desapercebidos.

Se tentarmos comparar os Malbec’s destes dois países (os de bons níveis de qualidade), eles se diferenciam em termos generais no estilo. Enquanto os Malbec’s argentinos são extremamente maduros e densos, os chilenos têm um estilo mais fresco e elegante. Isto se explica de maneira simples, devido às condições climáticas diferenciadoras entre ambas as regiões produtoras. Mendonça é muito mais cálida que o Vale Central no Chile, isto explica por que as uvas “Malbec mendocinas” conseguem uma concentração de açúcar maior que as chilenas, o que, no final, se transforma em um potencial alcoólico maior.

Mas agora, pensando que os consumidores do mundo todo estão cada vez mais preferindo vinhos de estilos mais frutados, com menor graduação de álcool, parece que o Chile vai ter uma grande oportunidade – e não só com os Malbec’s, mas também com as outras uvas tintas.

No caso da Argentina, a resposta a esta demanda foi procurar altitude plantando novos vinhedos em áreas que antes não tinham sido exploradas, já que, como sabemos, a medida que subimos o pé de monte da Cordilheira dos Andes, o clima vai ficando mais fresco, obtendo uma maturação mais equilibrada, onde a acidez consegue ficar até o último momento (hora da colheita da uva), e isso significa que terá uma uva de maior qualidade e que, finalmente, irá resultar em vinhos menos alcoólicos, mais elegantes e frescos.

No caso do Chile, os resultados dos vinhedos que estão influenciados pela costa do Pacífico são realmente interessantes, e o melhor exemplo disso é o extraordinário Malbec da vinícola Loma Larga, que consegue expressar de maneira clara esta ideia de vinhos tintos de climas frescos, onde, além da grande concentração e potência, se consegue sempre manter uma frescura, o que também está relacionado com o potencial de guarda destes vinhos. Até onde se conhece é excelente, podendo-se manter e melhorar por mais de uma década.

Quem alguma vez provou este vinho (e os outros tintos desta vinícola) sabe do que estou falando. E os que ainda não tiveram a possibilidade (e se gostam mesmo desta uva) deem-se a oportunidade, que tenho certeza que não vão se arrepender. Outro Malbec de Chile fantástico é o elaborado pela Perez Cruz, mas tenha cuidado porque no rótulo diz “Côt”, que é o nome original da uva, que é o utilizado ainda na sua terra natal Cahors.

Chile: A terra prometida da uva Malbec

Chile: A terra prometida da uva Malbec

 

Produtor chinês investe 800 milhões na “Disneyland do vinho”

O complexo, intitulado “Cidade do Vinho”, estende-se por mais de 400 hectares

O maior produtor de vinho da China vai construir um parque temático dedicado à bebida. Com um investimento de 825 milhões de euros, a Yantai Changyu Pioneer Wines quer potenciar um mercado que está em rápida expansão no país.

O complexo, intitulado “Cidade do Vinho”, estende-se por mais de 400 hectares e inclui réplicas de castelos franceses e italianos, que têm como objetivo recriar o ambiente das tradicionais vinhas europeias.

A Changyu foi fundada em 1892 e produz anualmente cerca de dois milhões de hectolitros de vinho. No ano passado foram vendidos na China 17 milhões de hectolitros de vinho. As receitas da empresa no último ano ascenderam a 133 milhões de euros, um aumento de 5% face ao ano anterior.

A China entrou no top cinco dos maiores consumidores de vinho do mundo em 2011, mas uma campanha lançada pelo Governo no ano a seguir contra os gastos em excesso teve um impacto negativo no setor. O mercado começou a recuperar novamente em 2015 e no ano passado a venda de vinho aumentou 7% no país. Os vinhos internacionais continuam no topo das preferências dos chineses.

Produtor chinês investe 800 milhões na “Disneyland do vinho”

Produtor chinês investe 800 milhões na “Disneyland do vinho”

 

Veja Também: