Produtor natural do RS tem todos os vinhos apreendidos

Denúncia contra garagista Eduardo Zenker levou à busca e apreensão na quarta-feira; mundo do vinho protesta

O mundo do vinho passou esta quinta-feira (8) em polvorosa, em apoio a um garagista. O produtor de vinhos naturais gaúcho Eduardo Zenker teve toda a sua produção do ano e sua reserva técnica (safras antigas que ficam para análise e degustação) apreendidas pela Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul na quarta-feira (7), em Garibaldi (RS). De acordo com o termo de inspeção da secretaria, os vinhos e outros materiais como garrafas, etiquetas e maquinários foram apreendidos por terem sido encontradas irregularidades sanitárias.

A Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul afirmou que a clandestinidade foi o maior problema do produtor gaúcho. Dentro das condições em que operava, fazer vinho na garagem de casa com uvas compradas de amigos, Zenker poderia apenas produzir para consumo próprio. Para comercializá-los, precisaria de um registro no Ministério da Agricultura.

Zenker é o que o mundo do vinho categoriza como “garagista”, um pequeno produtor que elabora vinhos com mínima intervenção enológica na garagem de casa. Desta forma, não usa muito dos produtos enológicos (leveduras adicionadas, químicos, etc.), tampouco tem grandes estruturas como as vinícolas grandes. Em vez de tanques de aço inoxidável, usa pipas de polipropileno.

Eduardo Zenker

Eduardo Zenker

Embora pareça algo muito brasileiro, a prática é comum em países célebres pelo vinho, como a França, que tem em Jean-Luc Thunevin um de seus principais nomes.

Em entrevista ao blog, Eduardo Zenker se disse “chocado” por ter os vinhos “bloqueados”. Ele é o fiel depositário da sua produção, o que significa que ele está de posse de todas as garrafas, mas não pode fazer nada com elas, apenas guardá-las. E tem 20 dias para apresentar sua defesa. “Como levaram vinhos para análise, eu corro risco de ser penalizado criminalmente. Muito complicada a situação”, afirma. O garagista não tem ideia de quantas garrafas foram apreendidas. “Era tudo o que eu tinha, tem estoque técnico, vinhos de 2008”, diz.

Zenker diz que já tinha informações que havia denúncias sobre ele. “Depois que apareci em um programa de rede nacional, muita gente disse que brios ficaram feridos”, afirma. Ele se referia a um Globo Repórter.

Produtor desde 1999, Eduardo Zenker começou a fazer vinhos da maneira tradicional, até que uma “crise de identidade” o abateu. “Eu não estava feliz ao inocular leveduras importadas da França, da Itália, que não refletiam o meu terreno, o meu quintal. Abri mão de todos os produtos enológicos para realmente expressar a serra gaúcha, o que representa o solo”, afirma.

Com 1,2 hectare de terra onde planta Chardonnay e Pinot Noir, Zenker fez a transição da agricultura tradicional para a orgânica em 2014 por conta própria. Problemas com geadas e pragas, no entanto, o tornaram o cultivo problemático e há três safras ele compra uvas de amigos. Sua produção anual gira em torno de 4 mil a 5 mil litros. “Eu vivo do vinho e da agricultura”, diz.

Produtor natural do RS tem todos os vinhos apreendidos

Produtor natural do RS tem todos os vinhos apreendidos

Um complicador deste caso é que Eduardo Zenker atua na informalidade. Sua mulher, estudante de biologia, se forma no ano que vem e seria a responsável técnica dos vinhos. Por enquanto, ele não tem empresa ou empregados. “Eu reconheço o esforço deles [vinícolas formais], de ter empresa, gerar renda e trabalho. O meu sonho é chegar lá, fomentar a economia local, a comunidade, mas hoje é muito difícil pra mim. Eu estou começando pelas beiradas como um pigmeu”, afirma.

De acordo com o documento da secretaria gaúcha, ele foi orientado a se enquadrar legalmente como produtor da agricultura familiar (produtor de vinho colonial), que tem parâmetros como produção de 20 mil litros com 70% das uvas de produção própria.

Embora desconhecido de muitos, Zenker tem apoiadores fieis em São Paulo, que tem se mobilizado com auxílio jurídico e até financeiro. Uma reunião será realizada na noite desta quinta-feira na Enoteca Saint-Vin Saint para discutir o caso. Um dos temores do grupo é que outros produtores de vinho natural sofram o mesmo problema que Zenker. Eles estão discutindo um modelo para regularizar a situação destes garagistas, como ocorre na Borgonha, por exemplo.

 

Fonte: Estadão

Resultados dos vinhos que venceram o Top Ten, da Expovinis 2017

O concurso Top Ten elege, em prova às cegas, os melhores vinhos presentes na Expovinis 2017, em dez categorias. Jurados especializados provam às cegas os vinhos inscritos pelas empresas participantes do evento.

Confira os campeões Top Ten, da Expovinis 2017:

 

Espumante brasileiro Peterlongo Elegance, na Peterlongo

Espumante importado Gramona La Cuvée Reserva Brut 2012, na Casa Flora e no Porto a Porto

Branco brasileiro Don Guerino Sinais Sauuvignon Blanc 2007, na Don Guerino

Branco importado Clearview Chardonnay Reserve 2014, na Premium

Rosado Chiaretto 2015, na Galeria dos Vinhos

Tinto brasileiro Syrah Speciale 2015, na Casa Veronese

Tinto Novo Mundo Carvalho Vino km 0, na Mundial

Tinto Velho Mundo Península Ibérica – Manzwine Pomar do Espírito Santo Reserva, na All Wine e Lusitanos Brands

Tinto Velho Mundo Itália, França, entre outros – Château Fleur Cardinale Grand Cru Classé 2007, na Casa Flora

Fortificados e doces Porto Messias 10 anos, na Casa Flora e na Porto a Porto

 

Resultados dos vinhos que venceram o Top Ten, da Expovinis 2017

Resultados dos vinhos que venceram o Top Ten, da Expovinis 2017

 

Veja Também:

 

 

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

País Chile
Propriedade da Vinícola 210 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Uva 100% Carménère
Teor Alcoólico 13%
Tipo de Uva Tinta Carmenere
Amadurecimento 12 meses em barricas de carvalho francês, sendo 25% de primeiro uso.

 

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

 

Visual Rubi de média concentração, luminoso.
Olfativo Possui aromas mentolados e frutados como de frutas vermelhas maduras, terra úmida e frutas silvestres pequenas, mais suaves notas a menta, tudo em uma grata combinação e evidenciando uma alta complexidade e abundante presencia de aromas terciarios, produto da evolução do vinho na garrafa.
Gustativo Na boca é saboroso e suculento, com boa amplitude e alta concentração. Taninos suaves e doces, sedutora fruta e todo perfeitamente integrado num vinho de alta qualidade e que já atingiu seu ponto máximo de evolução. Surpreende também por um delicioso e longuíssimo final.
Dica de Harmonização Lasanha caseira à bolonhesa.
Almôndegas de carne com molho de vinho e castanhas.
Salmão marinado em sake com molho de cogumelos frescos.
Goulash de carne.
Cassoulet de frutos do mar.
Pimentão vermelho assado e confitado em azeite de castanhas.
Temperatura de Serviço 15º
Pontuação Winechef  

Vinho Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010- 92 pontos Winechef

Vinho Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010- 92 pontos Winechef

Nome da Vinícola Tamaya
Ano de Fundação da Vinícola 2003
Enólogo Responsável José Pablo Martin / Rodolphe Bourdeau

 

Safra de uva 2017 é recorde no Rio Grande do Sul

Mais de 750 milhões de quilos da matéria-prima para elaboração de vinhos, sucos e derivados foram colhidos no Estado. Apresentação dos dados ocorreu na tarde desta quarta-feira (31), no Palácio Piratini, na capital gaúcha

Os 750.612.622 quilos de uva que ingressaram nas vinícolas gaúchas em 2017 totalizam a maior safra a ser processada no Estado. O volume é 5,8% maior que o número registrado em 2011, último recorde registrado, com 709,6 milhões de quilos. Desse total, 89,6% foram de uvas americanas e híbridas e 10,4% de uvas vitis viníferas. Esse ano, 418 vinícolas distribuídas em 68 cidades declararam processamento da matéria-prima, cultivada em 136 diferentes municípios. Os dados foram divulgados na tarde desta quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi-RS), em coletiva no Palácio Piratini, com a presença do governador José Ivo Sartori, do secretário Ernani Polo e do presidente do Ibravin, Dirceu Scottá.

“Fomos surpreendidos com o volume final da safra, principalmente em virtude da quebra histórica registrada no ano passado, de 57%. Mas a situação se inverteu esse ano porque a produção de uvas é bastante sensível ao clima e, durante o ciclo vegetativo dessa safra, as condições climáticas foram muito favoráveis”, avaliou o presidente do Ibravin, Dirceu Scottá.

Safra de uva 2017 é recorde no Rio Grande do Sul

Safra de uva 2017 é recorde no Rio Grande do Sul

O bom tempo também colaborou para a qualidade da matéria-prima. “Apesar de não ter sido igual em todas as regiões, de uma forma geral, a sanidade estava excelente, as variedades de colheita mais tardia foram bastante favorecidas e as regiões vitícolas mais altas tiveram condições excepcionais. As vinícolas terão rótulos muito bons à disposição do consumidor”, observou o dirigente.

O governador José Ivo Sartori afirmou que os números da safra são importantes num período de grandes dificuldades que a economia atravessa. “São dados positivos e que certamente contribuirão para a retomada da economia no Estado”, disse. O governador garantiu, ainda, que vai conversar diretamente com o secretário da Fazenda para reduzir a Margem de Valor Agregado (MVA) que incide sobre o vinho.

“Estes números recordes são excelentes, para a produção de vinhos, sucos e espumantes de grande qualidade e também pela recuperação do setor, que agregou mais vinícolas a todo o processo, gerando mais emprego e renda. Este levantamento também foi possível devido a parceria do Ibravin com a Seapi na viabilização do Cadastro Vinícola, que reúne dados da produção no estado, o que permite um mapeamento da produção, servindo como balizador para a elaboração e aperfeiçoamento das políticas públicas para a vitivinicultura do RS”, resumiu o secretário Ernani Polo.

Além do clima propício, o setor observou que, nos últimos anos, apesar de não haver um aumento significativo da área plantada no Estado, algumas cultivares foram substituídas por outras mais produtivas, entre elas a Bordô e as desenvolvidas pela Embrapa Uva e Vinho, como a Lorena, e a Isabel precoce. O aumento de volume mais significativo foi observado principalmente entre os pequenos produtores. Metade da safra deverá ser destinada para os vinhos tranquilos e espumantes e a outra metade para os sucos e derivados.

“O volume processado em 2017 ajudará o setor a equalizar os estoques de passagem, principalmente para os vinhos de mesa e sucos 100%, que no ano passado ficaram abaixo do montante considerado ideal. A projeção é de iniciar 2018 com 281,3 milhões de litros, contra 127,7 milhões registrados em 1º de janeiro desse ano”, informa o vice-presidente do Ibravin e presidente da Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho/RS), Oscar Ló.

A comercialização de vinhos e espumantes nacionais recuou 14% no primeiro quadrimestre do ano em relação ao mesmo período de 2016. A retração desacelerou em abril, pois no primeiro trimestre a queda registrada pelo setor, em litros, era de 20%. Os rótulos brasileiros (vinhos de mesa, finos e espumantes) representam 60% do total consumido no país. A comercialização dos sucos de uva 100%, por sua vez, está 6,4% abaixo do mesmo quadrimestre de 2016.

 

Fonte: ABE

https://www.enologia.org.br/noticia/safra-de-uva-2017-e-recorde-no-rio-grande-do-sul

 

Consumo de vinho aumenta a qualidade do esperma

 

Estudos de cientistas poloneses constataram que homens que consomem vinho diariamente e de forma moderada tem esperma mais forte

O papel do estilo de vida a dotado pelas pessoas e sua influência na saúde reprodutiva humana é uma área de debate na literatura científica. Agora, um novo estudo publicado na última edição da Systems Biology in Reproductive Medicine promete suscitar ainda mais polêmica.

Uma equipe de pesquisadores do Nofer Institute of Occupational Medicine em Lodz, Polônia, descobriu que os homens que bebem vinho até três vezes por semana produziram um esperma mais forte do que os que não consumiam. Tal conclusão contradiz pesquisas recentes feitas no Reino Unido, que descobriram que determinadas escolhas de estilo de vida, como consumo de álcool e tabaco, não alteravam a saúde do esperma.

Consumir de vinho aumenta a qualidade do esperma

Consumir de vinho aumenta a qualidade do esperma

No estudo polonês, foi constatado que homens que consomem vinho diariamente e de forma moderada tem um esperma mais forte, com “caudas” mais poderosas. Ou seja, esses espermatozoides são potencialmente melhores nadadores, o que aumenta as chances de fertilização. Ainda de acordo com a pesquisa, ter mais momentos de lazer, consumir café fraco e usar cuecas samba-canção também melhoram o vigor reprodutivo do homem.

A pesquisa, contudo, mostrou que utilizar o telefone celular por mais de 10 anos pode prejudicar a saúde do esperma. “Os resultados sugerem que os fatores de estilo de vida podem, sim, afetar a qualidade do esperma”, afirmam os pesquisadores.

 

Chile: A terra prometida da Malbec

Uma grande parte dos apaixonados por vinhos gostam da concentração e da majestosa potência e profundidade que os Malbec´s oferecem. E como não gostar?

Depois de algum tempo, ou talvez até alguns anos de experiência, quando nosso paladar começa a se aguçar, entendemos que os vinhos que mais nos entregam prazer são aqueles que têm de tudo: muita cor, que são ricos e complexos aromaticamente, e que na boca são concentrados e cheios de sabores e matizes.

Os Malbec’s têm essa graça. Produzem vinhos de muita complexidade, da cabeça aos pés, de grandes virtudes que deleitam nossos sentidos,  e o que é ainda mais importante: de altíssimos níveis de qualidade. Sem dúvida, a Argentina tem feito um trabalho extraordinário na última década com esta uva, não só do ponto de vista qualitativo, mas também pelo grande sucesso que tem conseguido ao posicionar esta uva entre as melhores do mundo.

De forma silenciosa, o Chile, há mais de duas décadas, tem trabalhado esta variedade com um sucesso notável, mas pela grande associação que existe entre uva/país, ou seja, Malbec/Argentina, os exemplares chilenos têm passado quase desapercebidos.

Se tentarmos comparar os Malbec’s destes dois países (os de bons níveis de qualidade), eles se diferenciam em termos generais no estilo. Enquanto os Malbec’s argentinos são extremamente maduros e densos, os chilenos têm um estilo mais fresco e elegante. Isto se explica de maneira simples, devido às condições climáticas diferenciadoras entre ambas as regiões produtoras. Mendonça é muito mais cálida que o Vale Central no Chile, isto explica por que as uvas “Malbec mendocinas” conseguem uma concentração de açúcar maior que as chilenas, o que, no final, se transforma em um potencial alcoólico maior.

Mas agora, pensando que os consumidores do mundo todo estão cada vez mais preferindo vinhos de estilos mais frutados, com menor graduação de álcool, parece que o Chile vai ter uma grande oportunidade – e não só com os Malbec’s, mas também com as outras uvas tintas.

No caso da Argentina, a resposta a esta demanda foi procurar altitude plantando novos vinhedos em áreas que antes não tinham sido exploradas, já que, como sabemos, a medida que subimos o pé de monte da Cordilheira dos Andes, o clima vai ficando mais fresco, obtendo uma maturação mais equilibrada, onde a acidez consegue ficar até o último momento (hora da colheita da uva), e isso significa que terá uma uva de maior qualidade e que, finalmente, irá resultar em vinhos menos alcoólicos, mais elegantes e frescos.

No caso do Chile, os resultados dos vinhedos que estão influenciados pela costa do Pacífico são realmente interessantes, e o melhor exemplo disso é o extraordinário Malbec da vinícola Loma Larga, que consegue expressar de maneira clara esta ideia de vinhos tintos de climas frescos, onde, além da grande concentração e potência, se consegue sempre manter uma frescura, o que também está relacionado com o potencial de guarda destes vinhos. Até onde se conhece é excelente, podendo-se manter e melhorar por mais de uma década.

Quem alguma vez provou este vinho (e os outros tintos desta vinícola) sabe do que estou falando. E os que ainda não tiveram a possibilidade (e se gostam mesmo desta uva) deem-se a oportunidade, que tenho certeza que não vão se arrepender. Outro Malbec de Chile fantástico é o elaborado pela Perez Cruz, mas tenha cuidado porque no rótulo diz “Côt”, que é o nome original da uva, que é o utilizado ainda na sua terra natal Cahors.

Chile: A terra prometida da uva Malbec

Chile: A terra prometida da uva Malbec

 

Produtor chinês investe 800 milhões na “Disneyland do vinho”

O complexo, intitulado “Cidade do Vinho”, estende-se por mais de 400 hectares

O maior produtor de vinho da China vai construir um parque temático dedicado à bebida. Com um investimento de 825 milhões de euros, a Yantai Changyu Pioneer Wines quer potenciar um mercado que está em rápida expansão no país.

O complexo, intitulado “Cidade do Vinho”, estende-se por mais de 400 hectares e inclui réplicas de castelos franceses e italianos, que têm como objetivo recriar o ambiente das tradicionais vinhas europeias.

A Changyu foi fundada em 1892 e produz anualmente cerca de dois milhões de hectolitros de vinho. No ano passado foram vendidos na China 17 milhões de hectolitros de vinho. As receitas da empresa no último ano ascenderam a 133 milhões de euros, um aumento de 5% face ao ano anterior.

A China entrou no top cinco dos maiores consumidores de vinho do mundo em 2011, mas uma campanha lançada pelo Governo no ano a seguir contra os gastos em excesso teve um impacto negativo no setor. O mercado começou a recuperar novamente em 2015 e no ano passado a venda de vinho aumentou 7% no país. Os vinhos internacionais continuam no topo das preferências dos chineses.

Produtor chinês investe 800 milhões na “Disneyland do vinho”

Produtor chinês investe 800 milhões na “Disneyland do vinho”

 

Veja Também:

 

 

 

Quando devemos decantar um vinho?

 

Todo o mundo já escutou alguma vez sobre isso, mas o que realmente significa?

Como já aprofundei em uma matéria anterior em relação ao fato de tirar a rolha para que o vinho respire (e deixamos claro naquela matéria que tirar a rolha não serve para nada), então, a primeira coisa que devemos entender é que não são todos os vinhos que devem ser decantados – já que muitos deles não se beneficiam com a decantação, mas ao contrário: em questão de minutos, a presença de oxigênio os deteriora aromaticamente.

Os vinhos espumantes, brancos e rosés não são decantados quase nunca. Existem casos de vinhos brancos que, em algumas raras exceções, são decantados (só os grandes e mais complexos vinhos brancos, ou seja, os brancos top’s a nível mundial que conseguem ter uma vida longa e que precisam de oxigenação para entregar todas as suas virtudes).

Os aromas destes vinhos são muito frágeis, e normalmente basta tirar a rolha que estes se mostram com uma perfeita intensidade e exuberância. Neste caso, o melhor é abrir a garrafa e colocar o vinho imediatamente na taça, já que é durante os primeiros minutos que os aromas deste estilo de vinhos vão se expressar com maior qualidade. Então, se decantarmos um vinho deste tipo, só vai fazer com que estes aromas desapareçam com o oxigênio que entrarão no decanter, e quando o vinho chegar à taça já não vai ter ficado mais nada.

Agora falando dos vinhos tintos, a maioria deles também não precisa decantação, seguindo a mesma lógica explicada anteriormente. Eles perdem muito com a decantação. Todos os vinhos varietais (sem estágio em madeira) e os vinhos simples (mesmo que sejam tintos) devem ser colocados direito na taça.

Quando temos vinhos que possuem uma concentração de “polifenóis” de maior contração (cor, aromas e sabor), estes precisam do oxigênio para se manifestar com maior claridade e qualidade, e é neste caso que é preciso decantar, isto é, independente da uva, e o que vai importar vai ser o vinho, a concentração e a qualidade que ele tenha. 

Quando devemos decantar um vinho?

Quando devemos decantar um vinho?

Omelhor é usar a seguinte lógica: vinhos simples para consumo rápido não devem ser decantados e vinhos de melhor qualidade, mais concentrados, que tiveram guarda em madeira, devem ser decantados.

Esta ação de decantação parece não ter importância, mas na verdade tem sim. Um vinho de muita qualidade servido sem decantar é um grande desperdício – lembre-se que é o oxigênio que produz o efeito da liberação das partículas aromáticas, então, o decanter deve ter uma “boca” suficientemente grande para que possa existir um intercâmbio entre o oxigênio e o líquido. Logo, não adianta colocar o vinho em um decanter e encher até o topo e não deixar que o líquido tenha contato com o oxigênio.

Por último, vai depender da concentração do vinho o tempo que vai ser necessário decantar; vinhos mais concentrados vão necessitar mais tempo. O que você pode fazer é deixá-los sempre no decanter entre 20 e 30 minutos antes de beber, isso também dá valor ao vinho, porque ele vai melhorar não só sensorialmente, mas também “psicologicamente”, no sentido que as pessoas sempre associam vinhos decantados a vinhos de qualidades.

E o fato de ter que esperar que o vinho termine de se oxigenar no decanter dá uma sensação de expectativa muito positiva… É como esperar que o pão saia do forno na padaria, ou seja, parece que o pão é sempre melhor quando está fresquinho… E o vinho também é sempre melhor quando é decantado.

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Um Syrah chileno sólido, denso e estruturado!

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2012
Sub-Região Vale de Colchagua
Uva 95% Syrah, 4% Cabernet Sauvignon e 1% Carménère
Teor Alcoólico 14,6%
Tipo de Uva Tinta Syrah
Amadurecimento 100% em barricas por 12 meses

 

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

 

Visual De cor vermelha rubi com profundos reflexos violetas.
Olfativo Com uma extraordinária tipicidade da uva e com caraterísticas marcantes que refletem de maneira impecável seu terroir, do vale de Colchagua. Vinho de uma deliciosa e rica gama aromática, muito complexo, exibindo aroma sedutor de caixa de especiarias, nítidos cassis e groselha preta, couro com um fundo de cedro e tabaco.
Gustativo No paladar possui uma magnifica concentração, com muita extração da fruta, muito agradável. Com taninos firmes, estruturados e acidez intensa que acentua e realça os sabores de mirtilo, amora, cassis e groselhas, mais os elementos da família das especiarias vindos do envelhecimento em barris de carvalho. É um vinho de extraordinária qualidade, para apreciar agora ou para guardar por mais um longo tempo.
Dica de Harmonização É um vinho de muita força e concentração, que para harmonizar vai precisar de pratos de muita personalidade, principalmente gastronomia a base de carnes vermelhas e carnes de caça.
Temperatura de Serviço 16 ºC
Potencial de Guarda 5 anos
Pontuação Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

 

Vinho e cerveja têm mais em comum do que se pensa

 

Vistas atualmente como antagônicas, as duas bebidas surgiram de modo muito parecido e perfizeram trajetórias similares em diferentes culturas

Vinho e cerveja costumam ser vistos como bebidas opostas. Uma está ligada a calor, festas, bares e futebol enquanto outra combina mais com frio, jantares românticos e discussões intelectuais. O que poucos sabem é que, apesar de muito diferentes, elas possuem muitas coisas em comum.

A começar pela história, o vinho e a cerveja foram descobertos da mesma forma, ou seja, por processo de fermentação que ocorreu por acidente. O vinho, acredita-se, foi descoberto por volta do ano 8000 a.C., data dos primeiros registros de plantio de uva feito pelo homem.

Já a cerveja não possui um período definido de seu surgimento, no entanto, sabe-se que foi descoberta sem querer também, quando um recipiente de grãos (inicialmente para fazer pão) foi esquecido aberto e, quando choveu, os grãos germinaram e revelaram o processo de maltagem, que criou as condições necessárias para fabricação da cerveja.

Vinho e cerveja têm mais em comum do que se pensa

Vinho e cerveja têm mais em comum do que se pensa

No que diz respeito às lendas, as bebidas também convergem. No antigo Egito tanto o vinho como a cerveja eram considerados líquidos sagrados. Os faraós queimavam vinhedos para oferecê-los aos deuses, assim como os sacerdotes utilizavam a cerveja para realizar rituais sagrados. Por isso, apesar de parecerem muito diferentes na cultura atual, as duas bebidas tiveram origem e funções muito parecidas.