Os Top Five da Vitoria ExpoVinhos 2017

O Prêmio Top Five Vitoria ExpoVinhos elege os cinco melhores vinhos da feira em seis categorias: Brancos do Novo e do Velho Mundo, Tintos do Novo e Velho Mundo, Espumante e Sobremesa.

Você pode degustar esses vinhos durante a feira, e depois ainda encontrá-los no mercado as garrafas com esse selo de qualidade. Alex Ordenes, editor de Winechef foi parte do jurado. 😉

 

Brancos do novo mundo

 

La Playa Block Selection Chardonnay – Chile – Costa De Colchagua – Chardonnay – 2015

Pizzato Gran Reserva Legno – Brasil – Vale Dos Vinhedos/Bento Gonçalves – Chardonnay – 2016

Veo Grande Chardonnay Viogner – Chile – Valle de Curicó – Lontué – Chardonnay 80% – Viognier 20% – 2011

Kim Crawford Sauvignon Blanc – Nova Zelandia – Marlborough – 100% Sauvignon Blanc – 2015

In Situ Vineyard Selection Reserva – Chile – Aconcagua – 100% Sauvignon Blanc- 2015

 

Brancos do velho mundo

 

Guru – Douro – Portugal – Gouveio, Viosinho, Rabigato e Códega – 2014

Esporão Private Selection – Alentejo – Portugal – Semillon – 2014

Sottal – Lisboa – Portugal – Moscatel / Arinto / Vital – 2015

Utopia Reserva – Portugal – Douro – 2015

Prova Regia – Portugal – Lisboa – Arinto – 2014

Os Top Five daVitoria ExpoVinhos 2017

Os Top Five daVitoria ExpoVinhos 2017

Espumantes

 

Marcus James Brut – Brasil

Vértice Millésime – Portugal

Pizzato Brut Branco – Brasil

Espumante Garibaldi Chardonnay Brut – Brasil

Casa Valduga Gran Reserva Nature – Brasil

 

Vinho de sobremesa

 

Porto Ceremony Tawny 20 Anos – Portugal

Mosketto White – Itália

Quinta da Pedra Alta Porto Reserva– Portugal

Late Harvest Emiliana – Chile

Erasmo Torrontel – Chile

Os Top Five daVitoria ExpoVinhos 2017

Os Top Five daVitoria ExpoVinhos 2017

 

Vinhos tintos do velho mundo

 

Fonte Mouro Reserva 2014 – Portugal

Peninsula de Lisboa 2014 – Portugal

Compasso Grande Escolha – Portugal

Confidencial Reserva – Portugal

Vinho Quinta da Pedra Alta Grande Escolha D.O.C  – Portugal

 

Vinhos tinto do novo mundo

 

Aurora Millésime 2012 – Brasil

Vinho Mythic Block Malbec 2012 – Argentina

Garzón Estate Tannat de Corte 2015 – Uruguay

Chateau Ste. Michelle Merlot 2014 – USA

Apaltagua Colection Carignan 2013 – Chile

 

Programação Vitoria ExpoVinhos 2017

PROGRAMAÇÃO

 

DIA 28/06

Abertura Oficial
18:00hs – Abertura Oficial
Curso – Auditorio
08:00 às 12:00hs –  Arena Camburi Eventos
Curso de Noções Básicas do Vinho – Célio Alzer
14:00 às 17:00hs – Arena Camburi Eventos
Curso Avançado do Vinho – Célio Alzer

Palestras 

18H AS 19H – AUDITORIO
Tema: “Biodinâmico”
Palestrante:  Alvaro Spinoza

19H30 AS 20H30 – AUDITORIO
Tema:  “Inovação e Diferenciação na Produção de Vinhos”
Palestrante: Duarte Leal da Costa – Ervideira

Funcionamento da Feira para Público– 18 às 23h

 

Programação Vitoria ExpoVinhos 2017

Programação Vitoria ExpoVinhos 2017

DIA 29/06

Curso – Auditorio
08:00 às 12:00hs –  Arena Camburi Eventos
Curso de Noções Básicas do Vinho – Célio Alzer
14:00 às 17:00hs – Arena Camburi Eventos
Curso Avançado do Vinho – Célio Alzer

Palestras 

18H AS 19H – AUDITORIO
Tema: “Espumantes Brasileiro”
Palestrante: Daniel Siqueira – Miolo

19H30 AS 20H30 – AUDITORIO
Tema: “Vinho do Porto Taylor’s”
Palestrante: Duda Zagari

Funcionamento da Feira para Público– 18 às 23h

Maiores informações: Aqui!

 

Barolo e Barbaresco, o reino da uva Nebbiolo

O Piemonte é uma região grande, no norte ocidental de Itália, a 60 quilômetros da costa mediterrânica ocidental. Abarca inúmeras Denominações de Origem, entre as quais se encontram as de Barolo e de Barbaresco, as mais famosas.

As duas DO’s, Barolo e Barbaresco, são vizinhas, repartem a mesma casta tinta, a Nebbiolo, e os seus vinhos têm características muito similares: côr rubi/alaranjada, relativamente pouco intensa, acidez alta e taninos poderosos. Na verdade, em prova cega, é muito difícil distingui-los, mas as diferenças existem, sobretudo na lei: Barbaresco exige dois anos de envelhecimento antes de sair para o mercado, enquanto que em Barolo se exigem três. Este ano extra de envelhecimento ajuda os vinhos de Barolo a suavizarem os seus taninos, que dizem ser mais potentes que os de Barbaresco por causa da natureza dos seus solos (mais calcário e mais marga que em Barbaresco).

 

Barolo e Barbaresco, o reino da casta Nebbiolo

Barolo e Barbaresco, o reino da casta Nebbiolo

 

Ambas são regiões pequenas. Barolo com perto de 1.800 hectares e Barbaresco com perto de 700. A produção está em concordância, registando-se uma média de produção nos últimos 5 anos de cerca de 11 milhões de garrafas em Barolo e 4 milhões em Barbaresco.

Mas o interessante é que não há muitos produtores de grande escala. O grosso da produção provém de pequenas explorações (há quase 1.300 produtores registados entre as duas regiões) com produções em concordância (não ultrapassam as 20.000 garrafas).

O campo está cheio de suaves colinas ondulantes onde, aliás, estão implantadas praticamente todas as vinhas. As colinas são fundamentais nesta região de clima continental, pois aumentam a exposição solar, o que é crítico para a maturação da Nebbiolo, uma casta muito tardia e que precisa amadurecer muito bem para perder os aromas vegetais. Em geral, colhe-se já bem entrado o mês de Outubro.

 

 

Os 25 vinhos mais caros da Espanha em junho 2017

 

Vinho

Tipo de uva

Pont.

Preço Meio

Teso La Monja, Toro, Spain Tempranillo 92 898
Dominio de Pingus, Ribera del Duero, Spain Tempranillo 95 747
Descendientes de J. Palacios La Faraona, Bierzo, Spain Mencia 95 670
Alvaro Palacios L’Ermita Velles Vinyes, Priorat DOCa, Spain Grenache (Garnacha) 95 651
Vega Sicilia Unico Gran Reserva, Ribera del Duero, Spain Cabernet – Tempranillo 93 359
Bodegas Hermanos Sastre ‘Vina Sastre’ Pesus, Ribera del Duero, Spain Cabernet – Merlot – Tempranillo 93 270
Clos i Terrasses Clos Erasmus, Priorat DOCa, Spain Grenache (Garnacha) 94 264
Dominio de Es ‘La Diva’, Ribera del Duero, Spain Tempranillo 92 261
Dominio de Pingus Amelia, Ribera del Duero, Spain Tempranillo 93 258
Bodegas Contador – Benjamin Romeo ‘Contador’, Rioja DOCa, Spain Tempranillo 94 253
Artadi Vina El Pison, Rioja DOCa, Spain Tempranillo 95 242
Tinto Figuero Tinus, Ribera del Duero, Spain Tempranillo 92 178
Numanthia ‘Termanthia’, Toro, Spain Tempranillo 93 177
Bodegas Hermanos Perez Pascuas Vina Pedrosa ‘Perez Pascuas’ Gran Reserva Seleccion, Ribera del Duero, Spain Tempranillo 91 174
Terroir Al Limit Soc. Lda. Les Manyes, Priorat DOCa, Spain Grenache (Garnacha) 94 170
Terroir Al Limit Soc. Lda. Les Tosses, Priorat DOCa, Spain Carignan (Carinena) 93 162
Bodegas Roda Cirsion, Rioja DOCa, Spain Tempranillo 93 149
Jorge Ordonez & Co. No 4 Esencia, Malaga, Spain Muscat of Alexandria 92 145
Bodegas Muga Aro, Rioja DOCa, Spain Rioja Red Blend 93 143
Bodegas Arzuaga Navarro ‘Gran Arzuaga’, Ribera del Duero, Spain Rare Red Blend 91 141
Anima Negra Son Vi Negre de la Terra de Mallorca, Spain Callet 89 132
Terra Remota Usted, Emporda, Spain Grenache – Syrah 90 131
Artadi El Carretil, Rioja DOCa, Spain Tempranillo 94 130
Finca Villacreces ‘Nebro’, Ribera del Duero, Spain Tempranillo 91 129
Pago de Los Capellanes Parcela El Picon, Ribera del Duero, Spain Tempranillo 92 127
Os 25 vinhos mais caros da Espanha em junho 2017

Os 25 vinhos mais caros da Espanha em junho 2017

Fonte: Win Wine Searcher.

Vinho Herdade Da Mingorra Vinhas da Ira, 2008

País Portugal
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2008
Uva Alfrocheiro, Aragonez, Alicante Bouschet, Touriga Nacional
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Amadurecimento 18 meses de estágio em madeira de carvalho francês.
Vinho Herdade Da Mingorra Vinhas da Ira, 2008

Vinho Herdade Da Mingorra Vinhas da Ira, 2008

 

Visual Púrpura, quase negro.
Olfativo Apresenta uma fragrância muito potente, com caráter e personalidade, dominada pelos aromas secundários provenientes dos 18 meses que estagiou em barricas de madeira novas e também com fruta nítida, deliciosa e madura que aporta harmonia e balanço a um vinho sedutor, com notas a lavanda e grafito mais a clara presença de groselha e cerejas provenientes da uva. Muita complexidade aromática, notas de chocolate, canela, cedro e baunilha aparecem para completar seu espectro olfativo em um vinho de um aroma de altíssimo nível.
Gustativo Absolutamente coerente na boca. Repete-se a abundância de elementos aportados pela madeira, muito café, chocolate, tudo apoiado por taninos de textura sólida e compacta, que já estão em perfeita sintonia com os outros elementos do vinho. Ele é maciço, profundo, denso e concentrado, com uma acidez deliciosamente refrescante. Um excelente vinho com toda a beleza dos grandes vinhos de Alentejo, muito recomendável.
Dica de Harmonização Carré de cabrito em crosta de ervas.
Jarret de vitela ao molho escuro do próprio cozimento com polenta italiana cremosa ao aroma de alecrim.
Filé mignon recheado com folhas de rúcula e queijo brie, coberto por molho de amoras acompanhado de mini batata rosti.
Tartare de mignon com “gema” de parmesão, risoto de aspargos frescos, alho-poró e azeite de trufas.
Coxa de pato confeitada com aroma de alecrim, risoto de cogumelos e espumante, crocante de alho.
Temperatura de Serviço 17°
Potencial de Guarda 15 anos
Nome da Vinícola Herdade Da Mingorra
Pontuação Winechef

Vinho Herdade Da Mingorra Vinhas da Ira, 2008 - 94 pontos Winechef

Vinho Herdade Da Mingorra Vinhas da Ira, 2008 – 94 pontos Winechef

 

Procon encontra alimentos vencidos em sete restaurantes famosos de SP

Fundação fiscalizou 23 restaurantes entre 8 e 13 de junho na capital

Entre os produtos vencidos estão: temperos, farinha, creme de cacau, chocolate, feijão, chá, peixe, carne e ovos.

A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado de São Paulo (Procon-SP) encontrou alimentos com prazo de validade vencido em sete dos 23 restaurantes famosos que foram fiscalizados na capital entre os dias 8 e 13 de junho.

Entre os produtos vencidos estão: temperos, gelatina, polvo, molho de tomate, farinha de milho, fermento, creme de cacau, chocolate, feijão, chá, peixe, carne, ovos e doce.

De acordo com o Procon, seis dos restaurantes visitados também apresentaram irregularidades por não manterem afixado na entrada o cardápio com a relação de preços.

As empresas irregulares responderão a processo administrativo, podendo ser multadas. Todos os restaurantes vistoriados continuam funcionando normalmente. Os alimentos vencidos tiveram as embalagens fotografadas e, caso sejam utilizados pelos estabelecimentos, os responsáveis responderão queixa-crime.

Fiscais do Procon encontraram comida vencida em sete restaurantes famosos de São Paulo (Foto DivulgaçãoProcon-SP)

Fiscais do Procon encontraram comida vencida em sete restaurantes famosos de São Paulo (Foto DivulgaçãoProcon-SP)

 

Produtos vencidos

Confira abaixo quais são os sete restaurantes que mantinham na cozinha produtos vencidos para preparo de pratos:

 

Amadeus: temperos, gelatina, saladinha de polvo, molho de tomate

Eataly: 12,8Kg de massas, 4Kg de farinha de milho, fermento em pó, 130Kg de creme de cacau e 40Kg de chocolate

Fogo de Chão Moema: feijão, tempero, chá preto, lombo de bacalhau, peixe

Jardim de Napoli: massas e molho de tomate de fabricação própria

Outback Moema: costelas temperadas, tortillas de milho

Paris 6: 5kg de linguiça

Pizzaria Dona Firmina: ovos de codorna e suspiro

 

Sem preço

Veja quais são os seis restaurantes que não informavam o preço dos pratos na entrada:

Coco Bambu

D.O.M.

Emiliano

Jardim de Napoli

Pizzaria Dona Firmina

Pizzaria Quintal do Bráz

Procon encontra alimentos vencidos em sete restaurantes famosos de SP

Procon encontra alimentos vencidos em sete restaurantes famosos de SP

Defesa

Em nota, o Fogo de Chão alegou que quase todos os itens vencidos “não são de uso no cardápio e sim amostras recebidas de fornecedores diversos que estavam segregadas para descarte, procedimento este que já foi realizado”. A exceção é o tempero em pó, que é utilizado e estava fora da validade havia 4 dias. “A ação corretiva no procedimento de checagem de validade já foi tomada e o produto foi descartado”, completou.

O Jardim de Napoli, por sua vez, disse que a visita do Procon ocorreu em um momento de troca de turno da equipe e que os produtos seriam separados para descarte. O gerente do restaurante, Adolfo Scardovelli, ressaltou que os itens citados são de fabricação própria e não estavam estragados. “Casa está aberta para quem quiser conhecer a cozinha e o armazenamento dos ingredientes”, completou por telefone.

Já o Outback disse, por nota, que prestará os devidos esclarecimentos ao Procon-SP sobre os dois produtos vencidos encontrados em um de seus restaurantes. A rede fez questão de reforçar que tem “compromisso com a segurança alimentar e a higiene de seus produtos em suas operações”.

A pizzaria Dona Firmina alegou, também em nota, que os produtos fora de validade encontrados não seriam preparados para os clientes. “Eles tinham sido deixados por um representante que queria apresentar o seu produto e, ainda dentro do prazo de validade, foram doados aos funcionários, que esqueceram de levar para casa”, explicou.

O restaurante D.O.M, do chefe Alex Atala, que não tinha a relação de preço afixada na entrada, falou em “falha pontual”. “O nosso cardápio sempre esteve disponível para os clientes, desde a abertura da casa. Mas, por uma falha pontual, não estava na porta do restaurante. A questão já está sendo solucionada”, disse, por nota.

A pizzaria Quintal do Bráz afirmou que “corrigiu prontamente” o problema da falta dos preços do cardápio na entrada e que “não houve nenhum impacto para os clientes”.

Todos os demais restaurantes citados foram procurados pelo G1, mas não haviam se posicionado até a última atualização desta reportagem.

 

Fonte: Globo

 

Vivino: a rede social que virou loja de vinhos

Um dos mais populares aplicativos de vinho do mundo, Heini Zachariassen – Criador do app Vivino planeja ampliar sua atuação no Brasil ao lançar e-commerce

Você já usou o Vivino? Aquele aplicativo que lê o rótulo do vinho, avalia a bebida e mostra seu preço em lojas próximas? Pois agora, além de conseguir essas informações, você poderá comprar o vinho em questão pelo aplicativo. Até o fim do ano, o Vivino terá um e-commerce no Brasil.

Seu fundador e CEO, Heini Zachariassen, fez do País uma de suas prioridades desde que os brasileiros se tornaram o segunda maior nacionalidade da rede social que abastece o site com resenhas de rótulos. Com 2 milhões de usuários, o País só fica atrás dos EUA. “Estamos em negociação com varejistas e importadores, mas já entendemos que nada é muito fácil no Brasil”, diz. Entre as principais dificuldades, cita as “enormes” taxas e a difícil logística.

Um dos mais populares apps de vinho, o Vivino foi criado em 2010 com o objetivo de ser uma “luz” para aqueles que se sentem perdidos diante de uma prateleira de supermercado. Essa era a experiência de Zachariassen, que, segundo conta, até hoje não é especialista.

Heini Zachariassen - Criador do app Vivino

Heini Zachariassen – Criador do app Vivino

O app é sucesso, mas tem muitos críticos, entre eles os que dizem que as informações reunidas são tão básicas que ajudam pouco, e os que acham que é apenas uma plataforma para novos ricos mostrarem seu poder de compra. O CEO rebate: “O Vivino é feito para bebedores ‘normais’. Mas, para os iniciantes, valem ouro.”

O app começou a vender vinhos fora do Brasil há dois anos e o e-commerce já funciona em sete países e deverá aportar por aqui com as vendas nos próximos meses.

 

ADEGA CHEIA

Os números da Vivino:

10 milhões de rótulos estão catalogados no Vivino hoje. Por dia, 300 mil rótulos são escaneados em todo o mundo.

20 milhões de usuários estão cadastrados no aplicativo, que recebe um novo cadastro a cada dois segundos.

A origem dos aromas dos vinhos: começando a entendê-los

 

O vinhos estão repletos de aromas, mas de onde eles vêm?

Existe um mistério muito grande em torno dos aromas do vinho. De fato, é uma pergunta que, com certeza, vocês já se fizeram algumas vezes. Como é possível um vinho ter aromas de frutas, de especiarias, de minerais…?

Este tema também foi o que despertou, há mais de duas décadas, minha enorme paixão por este mundo dos vinhos. A primeira vez que senti aromas absolutamente reconhecíveis num vinho (eucaliptos, baunilha e amêndoa) fiquei alucinado, e desde aquele dia estou em uma interminável procura por descobrir o porquê destes aromas, entender os motivos deles estarem no vinho e, o mais importante, poder saber sua origem e sua forma de evoluir na garrafa.

A propósito, o fato do vinho ter aromas da natureza já lhe converte em uma bebida única, mas que estes aromas estejam em constante evolução transforma o tema em uma coisa misteriosa, que nos faz pensar e refletir, mais uma vez, e termina transformando-se em um hobbie, uma verdadeira paixão.

A origem dos aromas dos vinhos

A origem dos aromas dos vinhos

 

O vinho nasce, cresce e morre!

O vinho tem um tempo certo de vida, e, metaforicamente, pode ser considerado um ser humano: nasce, cresce, tem sua adolescência, sua fase adulta, a velhice e logo morre.  Então, nesta metáfora, onde uma garrafa pode se comparar com uma pessoa, a vida do vinho acontece da mesma forma que acontece as nossas. Cada garrafa tem uma vida única e diferente, portanto não existe uma pessoa igual à outra, da mesma maneira não existe uma garrafa igual à outra.

A evolução constante de uma garrafa significa que ela está em constante evolução, e vai sempre mudando – em todos os aspectos e pontos de vista: visual, físico e químico. É através dos micro-poros da rolha que o vinho vai estar em constante evolução e que ele vai conseguir se comunicar com o oxigênio, que será o responsável pela evolução. Assim, essa oxigenação vai permitir que este vinho possa passar por todas as etapas já mencionadas (desde o nascimento até a morte).

Nestas etapas, os aromas estarão sempre mudando, e no caso dos vinhos que tem uma vida “predeterminada” mais curta, os câmbios serão muito perceptíveis em um período de tempo muito curto. Ou seja, em um mês os aromas de um vinho podem mudar significativamente.

Centenas de vezes as pessoas têm me feito a seguinte pergunta: quando uma garrafa  já está pronta para beber? E, realmente, esta é uma pergunta que não tem uma resposta certa. Temos parâmetros e sabemos que existem algumas uvas (Sauvignon Blanc, por exemplo) que têm um potencial de envelhecimento menor, e sua curva de vida é muito mais rápida, mas são tantas as exceções e exemplos de vinhos elaborados por esta uva que conseguem viver e chegar a seu apogeu em vários anos e até décadas, que se faz impossível “adivinhar” quando o vinho estará pronto para beber.

A origem dos aromas dos vinhos

A origem dos aromas dos vinhos

O problema é a desinformação:

Claro, sabemos que todos os apaixonados por vinho gostam de guardar seus rótulos favoritos na sua adega, mas muitas vezes estão guardando vinhos que já estão estragados, que já passaram toda a curva de vida e que já estão “mortos”. Por outro lado, as pessoas que sabem quais vinhos guardar podem ter muitos benefícios, já que os vinhos que verdadeiramente tem potencial de guarda, quando chegam no seu melhor ponto da curva de evolução podem entregar aromas e sabores únicos, que são impossíveis de se encontrar em vinhos jovens. Mas para isso o mais importante é escolher para guardar na nossa adega vinhos que realmente vão melhorar… E não vinhos que vão piorar.

 

Descubra qual é o melhor azeite extra virgem e quais têm indícios de fraude

 

Testamos 19 marcas de azeites extravirgens e constatamos que, 7 são virgens e 4 têm indícios de fraude contra o consumidor, já que pelos padrões da lei, não podem ser considerados azeites.

Se você costuma optar pelos azeites extravirgens por acreditar que eles sejam mais puros, saborosos e saudáveis, é melhor tomar cuidado, pois você pode estar sendo enganado.

Das marcas de azeites que testamos, boa parte dos que se dizem “extravirgens”, na verdade, não passa de “virgens” e alguns são até “lampantes”.

Verificamos se havia produtos adulterados, ou seja, comercializados fora das especificações estabelecidas por lei. E, também que preço e renome nem sempre são sinônimos de maior qualidade. O melhor do teste foi, de fato, o que custa mais caro entre os testados. Porém, nossa avaliação mostra que há outros produtos de boa qualidade que custam bem menos.

Fizemos a análise sensorial em laboratório reconhecido pelo Conselho Oleico Internacional (COI). Eles avaliaram a qualidade das amostras quanto ao aroma, à textura e ao sabor de acordo com parâmetros técnicos. Segundo a legislação, em azeites extravirgens não podem ser encontrados defeitos na análise sensorial.

Qual é o melhor azeite extra virgem ?

Qual é o melhor azeite extra virgem ?

Analisamos diversos parâmetros físico-químicos para detectar possíveis fraudes:

Presença de óleos refinados;

Adição de óleos obtidos por extração com solventes;

Adição e identificação de outros óleos e gorduras;

Adição de outras gorduras vegetais;

Na análise sensorial, apenas oito marcas tinham qualidade de azeite extravirgem de acordo com os especialistas. Entre as outras, sete alcançaram defeitos que, pela legislação, as caracterizavam como azeites VIRGENS. São elas: 

Borges.

Carbonell.

Beirão.

Gallo.

La Espanhola.

Pramesa.

Serrata.

 

As quatro marcas com problemas de FRAUDE foram também consideradas, pela análise sensorial, como azeites lampantes. São elas:

Tradição.

Quinta da Aldeia.

Figueira da Foz .

Vila Real.

 

Fonte: Proteste.org.br

Conheça o Cannawine, vinho feito à base de maconha

A bebida só é vendida na Califórnia, nos Estados Unidos, e promete “unir dois grande prazeres”, segundo o site oficial

Você pode não acreditar, mas um grupo de profissionais e amigos da Califórnia, nos Estados Unidos pesquisaram por dois anos uma forma mágica de unir a maconha e o vinho e, em 2015, conseguiram selar essa união com um produto que ganhou o nome de Cannawine.

Por enquanto, o vinho está disponível apenas para venda em lojas físicas na Califórnia e é comercializado para fins medicinais. No estado americano, há várias “farmácias” que vendem legalmente a maconha para estes mesmos fins.

“Combinamos novas sensações, criatividade, inovação e sabores reais”. É um produto ousado e pioneiro que combina o melhor da indústria de fabricação de vinho com a exuberância da cannabis.

 

Cannawine

Cannawine

 

Por esta razão, estamos orgulhosos de agradecer não só àqueles que têm colaborado para tornar este desafio possível, mas também àqueles que decidiram experimentar e confiar em nós”, diz um texto no site oficial do produto.

Para comprar o produto, é necessário desembolsar uma quantia bem pesada de US$ 120 (R$ 386) a US$ 400 (R$ 1288) por apenas meia garrafa.

“Vinho aromatizado com extrato de maconha, com 14,5% de teor de alcoólico, são usadas 50% uvas Garnacha e 50% de Cariñena, cada frasco contém 50 mg de extrato de maconha e cada garrafa tem 500 ml”, avisa o site oficial do produto.

 

Veja Também: