Posts

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006

País Chile
Propriedade da Vinícola 70 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2006
Sub-Região Pirque
Uva 34% Carménère, 33% Cabernet Franc e 33% Cabernet Sauvignon
Teor Alcoólico 14,5%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Amadurecimento 100% deste vinho foi envelhecido por um período de 18 meses em barricas de carvalho francês sendo 100% novas.

 

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006

 

Visual Vermelha rubi profunda com nuances alaranjados.
Olfativo No nariz proporciona um bouquet evoluído, e um perfume muito expressivo de cravo, alcaçuz, groselha preta e amora. Tem um perfil aromático de nível qualitativo extraordinário. É elegante, delicado, sedutor, e tudo está absolutamente integrado formando uma fragrância de muitas camadas aromáticas e um nível de complexidade ao nível dos melhores vinhos da América do Sul.
Gustativo Entra na boca com muita elegância e fineza, redondo, sedoso e macio, a textura é deliciosa e tem uma frescura e um equilíbrio do mais alto nível até hoje conhecido. As camadas avertidas no nariz agora estão na boca, camadas de fruta saborosa em um vinho feminino, sem aristas, quase perfeito, altamente recomendável.
Dica de Harmonização Confit de pato sobre batatas salteadas.
Mignon em crosta de vitelo e foie gras sobre molho de vinho do Porto com risoto de funghi porcini.
Filé mignon grelhado acompanhado de rosti de batatas e ratatouille de pimentão e cebola.
Carré de cordeiro com purê de menta sobre fundo de alecrim.
Filé de cervo com crosta de “pain de épices” e purê de castanha.
Ossobuco com abóbora assada.
Temperatura de Serviço 16°
Potencial de Guarda 15 anos
Nome da Vinícola William Fevre
Ano de Fundação da Vinícola 1992
Pontuação Winechef  

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006 - 93 pontos Winechef

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006 – 93 pontos Winechef

 

Papa Francisco ganha diploma de Sommelier

 

Na última semana, o papa Francisco ganhou uma designação honorário de sommelier.

O diploma foi concedido durante a visita de Franco Maria Ricci, presidente da Associação Italiana de Somemeliers, e de uma delegação composta por 180 produtores de vinho, sommelier e críticos. “Eu bebo um pouco de vinho italiano e de outros países. Mas só um pouco”, disse o papa ao site Breitbart, que já disse em um evento no último ano que “sem vinho, não há festa. Imagine terminar um banquete só com chá!”.

Ricci teve a ideia de pedir uma reunião com o papa depois das inúmeros declarações de Francisco falando bem da bebida. “É uma honra e encorajamento para nosso trabalho”, disse ele. Na Bíblia, há 224 referências a vinho – talvez por isso, Francisco não seja o único papa a falar sobre a bebida. Seu antecessor, Bento XVI, também falava constantemente sobre vinho e mencionou a bebida em seu primeiro discurso como sumo-pontífice – ele disse “sou um simples e humilde trabalhador na vinícola do Senhor”.

 

Papa Francisco ganha diploma de Sommelier

Papa Francisco ganha diploma de Sommelier

 

Fonte: Estadão

Resultados Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

A cidade de Bento Gonçalves (RS) sediou entre os dias 4 e 7 de abril de 2017, a 15ª edição brasileira do CONCOURS MONDIAL DE BRUXELLES; o mais importante concurso de vinhos e destilados do mundo. A competição avaliou apenas amostras brasileiras, com o objetivo de revelar os melhores rótulos e projetá-los no mercado internacional. Alex Ordenes, editor de Winechef formou parte do jurado.

 

Veja os resultados da categoria “Vinhos”.

 

VINHOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE GRANDE OURO:

 

Aracuri Merlot Aliprandini e Meyer 2012

Aurora Reserva Merlot Vinícola Aurora 2016

Garibaldi Moscatel Espumante Cooperativa Vinícola Garibaldi

Milantino Gran Vino Milantino 2008

Miolo Millésime Brut Miolo Wine Group 2012

Moscatel Espumante Vinícola Panceri 2016

Quinta da Orada Corte Casa Marques Pereira 2012

Panceri Brut Sauvignon Blanc Vinícola Panceri 2016

Peruzzo Merlot 2012 Vinícola Peruzzo 2012

Raízes Sauvignon Blanc Casa Valduga 2014

Rio Sol Brut Branco Premium VitiVinícola Santa Maria

Salton Desejo Merlot Vinhos Salton 2011

San Michele Barone Vinícola San Michele 2015

San Michele Tridentum Vinícola San Michele 2014

Settimana in Cantina Merlot Vinícola Zanella 2013

Sfera Merlot Vinícola Arbugeri 2011

Torii Cabernet Sauvignon Vinícola Hiragami 2013

Victoria Geisse Extra Brut Vintage Gran Reserva Vinícola Geisse

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2005

Wine Club Franco Italiano (corte) Vinícola Franco Italiano 2014

 

Resultados Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

Resultados Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

VINHOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE OURO:

 

Casa Pedrucci Brut Rosé Vinícola Pedrucci 2015

Casa Pedrucci Reserva Brut Vinícola Pedrucci 2014

Casa Venturini Chardonnay Reserva Casa Venturini 2016

Don Guerino Sinais Moscato Giallo Vinícola Don Guerino 2016

Don Guerino Sinais Riesling Vinícola Don Guerino 2016

Habitat Alta Gama Don Bonifácio Lote 2

Identidade Marselan Casa Valduga 2013

Imortali Vinícola Santa Augusta 2012

Rio Sol Brut Branco VitiVinícola Santa Maria

Rio Sol Gran Reserva Touriga Nacional Vitivinícola Santa Maria 2014

Rio Sol Premium VitiVinícola Santa Maria 2013

Salton Paradoxo Brut Vinhos Salton

San Michele Riserva Vinícola San Michele 2013

San Michele Maso Alto Vinícola San Michele 2014

Torii Merlot Vinícola Hiragami 2013

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2008

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2011

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2012

Zanella Brut Vinícola Zanella

Zanella Merlot Vinícola Zanella 2012

 

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 - 15º Edição Brasil

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 – 15º Edição Brasil

 

VINHOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE PRATA:

 

Aracuri Pinot Noir Aliprandini e Meyer 2016

Brandina Assemblage Marco Antonio Carbonari 2013

Casa Pedrucci Reserva Nature Vinícola Pedrucci 2014

Cave Amadeu Rosé Brut Vinícola Geisse

Milantino Reserva Cabernet Sauvignon Milantino 2012

Quinta Don Bonifácio Brut Rosé Don Bonifácio

Rio Sol Syrah VitiVinícola Santa Maria 2015

Rio Sol Gran Reserva Alicante Bouschet VitiVinícola Santa Maria 2014

RioBravo Brut Vinícola Mioranza 2016

Salton Classic Malbec Vinhos Salton 2015

San Michele Brut 18 Meses Vinícola San Michele 2015

Torii Cabernet Sauvignon Vinícola Hiragami 2008

 

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 – 15º Edição Brasil

A cidade de Bento Gonçalves (RS) sediará entre os dias 4 e 7 de abril de 2017, a 15ª edição brasileira do CONCOURS MONDIAL DE BRUXELLES; o mais importante concurso de vinhos e destilados do mundo. A competição avaliará apenas amostras brasileiras, com o objetivo de revelar os melhores rótulos e projetá-los no mercado internacional.

As degustações são sempre às cegas e realizadas por um júri renomado, composto por jornalistas brasileiros e estrangeiros que têm a intenção de promover o vinho nacional e a cachaça. As degustações e avaliações acontecerão em sessões fechadas a partir de 04/04 e a divulgação dos resultados será feita no dia 07/04.

Segundo Baudouin Havaux, presidente da Vinopres – empresa belga que organiza o evento – houve um aumento médio de 30% nas vendas dos vinhos e cachaças premiados em edições anteriores.

Os produtores – de pequeno ou grande porte – interessados em ter seus vinhos avaliados, deverão se inscrever pelo e-mail: concurso@marketpress.com.br e enviar 6 garrafas de vinhos ou 3 garrafas de destilados – de cada uma das amostras – até o dia 20 de março, para a organizadora do Concurso no Brasil.
Endereço: Avenida São Camilo, 412-12, Granja Viana, Cotia, São Paulo.

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 - 15º Edição Brasil

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 – 15º Edição Brasil

SERVIÇO – 15º CONCURSO MUNDIAL DE BRUXELAS – EDIÇÃO BRASIL

Data: 04 a 07 de abril de 2017

Local: Condomínio Vitivinícola Spa do Vinho – Bento Gonçalves – RS
Facebook: facebook.com/concursomundialdebruxelas

 

ATENDIMENTO IMPRENSA

Cássio Vilela
Tels: +55 (11) 2878-0111 ou 96786-7867
E‐mailcassio@promonde.com.br

15º CMB-BRASIL é organizado pela empresa belga VINOPRES.

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 - 15º Edição Brasil

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 – 15º Edição Brasil

APOIO

REVISTA VINHO MAGAZINE
IBRAVIN: INSTITUTO BRASILEIRO DO VINHO
GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL
SPVINHO
IBRAC
APRODECANA
CONDOMÍNIO VITIVINÍCOLA SPA DO VINHO

Vinho com mais de 1.600 anos intriga a ciência

Ninguém ainda provou da bebida mais antiga de que se tem notícia!

Quando, em 1867, pesquisadores deram início às escavações na cidade alemã de Speyer, não suspeitavam que, além dos restos do nobre romano que procuravam, encontrariam no local várias garrafas de vinho produzidas entres os anos 325 e 359. 

Embora a maioria das garrafas encontradas tenha sido destruída com o passar do tempo, uma delas sobreviveu, e seu conteúdo continua intrigando os cientistas até hoje.

Embalado em uma garrafa de vidro grossa e fechada hermeticamente com uma camada de cera, o vinho de Speyer teria sido elaborado com uma mistura de ervas e grandes quantidades de azeite de oliva.

Vinho com mais de 1.600 anos intriga a ciência

Vinho com mais de 1.600 anos intriga a ciência

Alguns especialistas acreditam que ainda está conservada em sua composição uma porção de álcool etílico, enquanto outros especulam que grande parte do etanol se perdeu durante os quase 1.500 anos que esteve debaixo da terra. 

Atualmente, o elixir milenar está conservado no museu de Speyer. O recipiente nunca foi aberto, por medo de que a exposição ao ar exterior arruinasse seu conteúdo valioso.

 

Veja também:

 

 

Dez mitos do vinho desmentidos por Jancis Robinson

No novo livro da crítica inglesa Jancis Robinson, uma das mais celebradas do mundo, o enxuto e divertido The 24-Hour Wine Expert, uma lista de 10 mitos do mundo do vinho é desmentida.

 

  1. Quanto mais cara a garrafa, melhor será o vinho dentro dela.
    O melhor custo benefício, segundo a crítica, está entre 10 e 30 libras — o que, considerando câmbio e impostos pode ser considerado R$ 80 e R$ 300. Abaixo disso, há pouca oferta. Acima, é arriscado pagar apenas pelo status.
    2. Quanto mais pesada a garrafa, melhor o vinho.
    Por alguma razão, produtores espanhóis e sul-americanos gostam de usar garrafas superpesadas. Jancis lembra, no entanto, que, além da prática não significar nada, ela é pouco sustentável.
    3. Vinhos do Velho Mundo sempre serão melhores que os do Novo Mundo.
    Há coisa boa e coisa ruim nos quatro cantos do planeta.
    4. Beba tintos com carnes e brancos com peixes.
    Mais importante é levar corpo do vinho e peso da comida em consideração.
    5. Vinhos realmente bons tem uma entrada no fundo da garrafa.
    O declive no fundo da garrafa está lá por razões de marketing
    6. Os tintos são mais “fortes” que os brancos.
    Muitos tintos hoje tem apenas 12% de álcool.
    7. Os vinhos melhoram com a idade.
    Rosés e brancos simples são sempre melhores nos dois primeiros anos de vida.
    8. Você vai receber uma pequena prova do vinho que pediu no restaurante para ver se gosta.
    Não, não espere que isso aconteça.
    9. Vinhos doces e rosados são para mulheres.
    Por-fa!!!
    10. Todos os vinhos melhoram ao serem aerados.
    Vinhos muito antigos podem “morrer” se passarem a um decanter, passar por uma oxidação fulminante.
Dez mitos do vinho desmentidos por Jancis Robinson

Dez mitos do vinho desmentidos por Jancis Robinson

 

Fonte: Paladar Stadão

Vinho Camino Real Reserva Carménère 2013

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2013
Sub-Região D.O Cachapoal
Uva 100% Carménère
Teor Alcoólico 13%
Tipo de Uva Tinta Carménère
Amadurecimento 12 meses em barricas de carvalho francês.

vinho-camino-real-reserva-carmenere-2013-2

 

Visual Rubi intenso com bordas violáceas.
Olfativo Tem um aroma envolvente e sedutor, de correta madures, sublinhado por notas de frutas negras maduras e figo seco formando uma combinação muito interessante. Com a oxigenação, o vinho revela licor de cassis, chocolate, especiarias doces e café, aumentando a diversidade e complexidade, sempre mostrando uma grande tipicidade desta esplendida uva emblemática desse país.
Gustativo Encanta pelo seu estilo fresco e sedutor, com uma excelente integração de todos seus componentes. Seus taninos estão perfeitamente maduros e a sua maior virtude é sua acidez, muito fresca, muito intensa, que aporta no balanço geral, alongando a persistência gustativa. Um excelente Carménère chileno.
Dica de Harmonização Ravióli de queijo brie com escalope de foie gras
Carpaccio de polvo temperado com azeite.
Medalhões de avestruz ao molho de pimenta verde.
Ravioli recheado com carne de porco e sálvia.
Massa s em geral.
Temperatura de Serviço 16 ºC
Potencial de Guarda 8 anos
Nome da Vinícola Camino Real
Puntuação WineChef

Vinho Camino Real Reserva Carménère 2013 - 92 pontos Winechef

Vinho Camino Real Reserva Carménère 2013 – 92 pontos Winechef

 

James Suckling e os 100 melhores vinhos do mundo em 2016; Chile e Argentina

Há alguns dias atras postamos em Winechef a lista completa de James Suckling com os 100 melhores vinhos do mundo em 2016.

Na lista abaixo estão os vinhos de Chile e Argentina presentes no ranking.

Vinhos de Chile:

2.  Viñedo Chadwick Cabernet Sauvignon Valle de Maipo 2014
21.  Aristos Chardonnay Valle de Cachapoal Duquesa d’A 2011
48. Montes Valle de Colchagua Alpha M 2013
51. Concha y Toro Cabernet Sauvignon Puente Alto Don Melchor Puente Alto Vineyard 2012
55. Matetic Syrah Valle de San Antonio 2012
71. Clos des Fous Malbec San Rosendo Tocao 2013

 

Viñedo Chadwick Cabernet Sauvignon Valle do Maipo 2014

Viñedo Chadwick Cabernet Sauvignon Valle do Maipo 2014

 

Vinhos da Argentina:

5.  Catena Zapata Adrianna Vineyard Malbec Mendoza Fortuna Terrae 2012
13. Trapiche Malbec Cabernet Franc Mendoza Iscay 2011
18. El Enemigo Gualtallary Valle de Uco Gran Enemigo Gualtallary 2012
22. Viña Cobos Malbec Mendoza Cobos 2013
36. Susana Balbo Vinhos Valle de Uco Nosotros Única Vineyard 2011
80. Abremundos Malbec Valle de Uco Octava Bassa 2013
85. Bodega Chacra Pinot Noir Patagonia Sin Azufre 2015
92. Cheval des Andes Mendoza 2013

 

Catena Zapata Adrianna Vineyard Malbec Mendoza Fortuna Terrae 2012

Catena Zapata Adrianna Vineyard Malbec Mendoza Fortuna Terrae 2012

 

Barossa Valley: O vinho Shiraz mais famoso da Austrália

Os Shiraz de Barossa Valley entre os melhores do mundo

Admitindo que, com mais de 45.000 hectares plantados, a Shiraz se tornou na assinatura vinícola da Austrália, não surpreende que Barossa lidere a sua produção, como se explica que incorpore, em grandes proporções, as garrafas de Penfolds Grange, o vinho mais famoso deste vale da Austrália do Sul e do país.

Entre tons de violeta a negro-tingido e enriquecido por frutos com caroço, quase sempre as variações no estilo local de Shiraz são definidas mais pelas preferências e gostos dos vinicultores e não tanto por diferenças climáticas. Alguns shiraz de Barossa muito trabalhados, provam-se secos, com madurez, tanino e carvalho em abundância equilibrada. Outros, assumem um perfil mais refinado, semi-encorpados, menos maduros, com menor exposição a carvalho novo e, nesse sentido, com uma composição mais fragrante e floral.

Mesmo tendo em conta o vasto espectro de opções de estilo, a comunidade multi-geracional de vitivinicultores do vale parece partilhar a mesma noção de que a busca de tendências e de modas não evitam retirar algum protagonismo ao principal valor da região: uma tradição já com 170 anos de produzir o melhor Shiraz da Austrália. Concorde-se ou não com a premissa, no final do século XX, a reputação mundial do Shiraz de Barossa assentava numa clara distinção face às uvas da mesma casta de regiões como Côte-Rôtie, Châteauneuf-du-Pape e da Califórnia. O Shiraz de Barossa era único e, como resumiu famosa wine writer Jancis Robinson “Barossa Valley tornou-se na região quintessência do vinho australiano.

Vinhedos de Barossa Valley

Vinhedos de Barossa Valley

Outras uvas importantes em Barossa Valley

Além da sua casta incontornável, Barossa Valley produz várias outras variedades com destaque para o Riesling trazido para a zona, no século XIX, pelos colonos germânicos e que chegou a ser predominante na história do Vale. Acolheu igualmente Semillon, Chardonnay, Grenache, Mourvedre, Cabernet Sauvignon e ensaios ainda mais recentes como os das variedades Sagrantino, Tempranillo, Zinfandel, Touriga Nacional e Savagnin a que se juntaram vinhas seculares mantidas em anonimato e recentemente recuperadas: Carignan, Cinsault, Durif, Marsanne, Petit Verdot, Roussane. Esta diversidade renovada contribui para a experimentação e rejuvenesce a criatividade dos vinicultores locais.

A uva Riesling

Apesar da sua reputação de ser uma região de vinhos tintos, Barossa também produz uma quantidade significativa de branco. Nos últimos tempos, o recorrente Riesling tem-se mudado para as zonas mais elevadas e frescas, como é o caso do Éden Valley. Esta migração permitiu um aperfeiçoamento notório e o reforço da reputação internacional dos Riesling dali originários.

A uva Semmillon

As vinhas de Semillon, por sua vez, evoluíram para gerar uvas com um tom único de casca rosada que as distinguem tanto do Semillon de Bordéus, como do produzido em Hunter Valley, na província aussie de Nova Gales do Sul.

Nos tempos mais recentes, os vinicultores levam a cabo a fermentação do Semillon mais em aço inoxidável do que em carvalho.

A uva Chardonnay

O Chardonnay também está presente. É colocado em carvalho e sujeito a fermentação maloláctica. Dá origem a vinhos grandiosos, de corpo denso e cremosos, frequentemente galardoados.

Veja a primeira parte dessa matéria:

 

 

Três perguntas para: Michel Friou

Michel Friou é enólogo da vinícola franco-chilena Almaviva

Enólogo francês à frente do ícone franco-chileno Almaviva falou sobre o momento no Chile e a próxima safra, a 2014, que será apresentada ao Brasil em avant-première em novembro.

Como vê a atual diversificação da produção chilena?

Estamos em bom momento, temos mais variedades, como as mediterrâneas (Carignan, Grenache), algumas redescobertas, como a País; novas localidades (algumas extremas), mais vinícolas pequenas e novos conceitos enológicos: menos madeira e colheitas adiantadas, visando mais frescor.

O que podemos esperar da nova safra de Almaviva?

Baixos rendimentos combinados com o tempo quente e seco na colheita resultaram em vinhos de grande expressão de fruta, muita concentração, estrutura e complexidade. Buscamos manter a elegância, mas com densidade e potência. A safra 2014 é naturalmente equilibrada comparável à histórica 2007.

Que imagina do futuro do vinho?

Teremos mais vinhos de qualidade de viticultura orgânica e sustentável. E mais cultura do vinho e exigência do consumidor. Imagino um novo atlas vitivinícola evoluído, com a consolidação de regiões e denominações do Novo Mundo, como já há no Velho Mundo.

Três perguntas para: Michel Friou

Três perguntas para: Michel Friou

ALMAVIVA 2013

Origem: Maipo, Chile

Preço: R$ 1.099, na Ville du Vin

Corte de Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon e Carménère, com 18 meses em carvalho, fresco e elegante.

 

Fonte: Paladar Estadão