Posts

Consumo de vinhos brasileiros cresce 15,85% em três anos

Projeto capacitou 2,6 mil profissionais, certificou pequenos negócios de 14 estados brasileiros e fortaleceu produtores locais

Os  vinhos brasileiros vêm conquistando cada vez mais espaço no mercado interno, sendo que nos últimos três anos as vendas tiveram um incremento de 15,85%.

Esses dados foram apresentados durante o evento Tour de Vinhos Brasileiros, realizado na sede do Sebrae Nacional, em Brasília, que celebrou as conquistas do Projeto de Valorização dos Vinhos Brasileiros. Essa parceria do Sebrae com o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), fomentou toda a cadeia do vinho no Brasil.

O resultado do projeto contabilizou números expressivos. Entre 2014 e 2016, período de vigência da parceria entre o Sebrae e o Ibravin, 312 produtores rurais e 97 vinícolas participaram do Programa Alimento Seguro-PAS Uva, uma ferramenta para melhoria de processos, de produtos e implantação de rastreabilidade.

Fazem parte do programa os módulos de  Boas Práticas Agrícolas, Boas Práticas de Elaboração e Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle. O PAS – Uva é fruto da parceria com a Embrapa Uva e Vinho, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/RS) e o Sebrae. A iniciativa implantou os módulos de Boas Práticas Agrícolas e Boas Práticas Enológicas na Serra Gaúcha, e em mais cinco estados do Brasil.

Consumo de vinhos brasileiros cresce 15,85% em três anos

Consumo de vinhos brasileiros cresce 15,85% em três anos

O gerente de Agronegócios do Sebrae, Augusto Togni, destacou que foi um ciclo de muito esforço e concentração na cadeia vitivinícola onde o Sebrae atuou na diversidade da produção, no aumento da produtividade e da qualidade dos produtos nacionais. “Os números traduzem o sucesso do programa e mostram que o olhar especial do Sebrae junto ao produtor rural foi bastante positivo. O aumento de 15,85% no consumo de vinho é bastante expressivo”, afirmou.

De acordo com o representante do Ibravin, Diego Bertolini, a parceria com o Sebrae também possibilitou a realização de 12 edições do Circuito Brasileiro de Degustação e a participação de pequenas vinícolas em duas edições da Expovinis, considerada a maior feira de vinhos da América Latina.

Além disso, foram realizados 85 workshops e aplicadas mais de 15 mil horas de suporte pedagógico aos produtores rurais. “Ao todo, 1.329 pequenos negócios de 14 estados brasileiros foram qualificados e aumentaram a presença do vinho nacional na ponta“, afirma, ao ressaltar também a importância da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em todo o processo.

 

Opinião de especialista
De acordo com o especialista em vinho Marcelo Copello, responsável pela publicação do Anuário Vinhos do Brasil, o vinho nacional está ganhando espaço no mercado. “O brasileiro não tem mais medo do produtor daqui”, disse. Segundo ele, isso se dá pelo grande investimento que os produtores fizeram ao longo dos últimos 30 anos em maquinário e conhecimento.

“Uma surpresa em cada taça”, assim o sommelier Maurício Roloff, descreve o vinho brasileiro moderno. Para, isso se deve ao fato da valorização do produtor rural, à importação de tecnologia e à abertura econômica. “O vinho brasileiro é moderado em álcool, uma tendência mundial, e valoriza o sabor frutado”. O custo-benefício é outro diferencial.

 

Cidade italiana ganha fonte de vinho; a bebida é gratuita

Uma cidade na Itália, país conhecido pela culinária e vinhos, acaba de ganhar um presente saboroso: uma fonte de vinho. Em vez de água, a fonte jorra a bebida alcoólica, e fica localizada dentro de um vinhedo na região de Abruzzo. A melhor parte é que não é preciso pagar para tomar uma taça do vinho da fonte.

Segundo informações do site “The Local”, a Itália tem outras fontes de vinho, mas esta, localizada na vinícola Dora Sarchese, na cidade Caldari di Ortona, é a primeira que vai oferecer vinho 24h por dia ininterruptamente.

A estratégia é aproveitar o fluxo de peregrinos que passam pela cidade fazendo o caminho de São Tomás de Aquino, uma rota turística, para movimentar a fonte e a vinícola.

 

Cidade italiana ganha fonte de vinho; a bebida é gratuita

Cidade italiana ganha fonte de vinho; a bebida é gratuita

A fonte tem o formato de um barril, com aproximadamente três metros de diâmetro. Dentro, há uma torneira, de onde as pessoas poderão coletar o vinho.

A fonte foi inaugurada nesta semana e atraiu centenas de pessoas para provarem o vinho.

Os organizadores ressaltam que a atração não será um espaço para beberrões e, sim, para apreciadores.

 

Veja Também:

 

 

 

Clinton bate Trump em duelo vínico

A campanha para as eleições presidenciais norte-americanas está ao rubro e o desempenho dos dois candidatos, Hillary Clinton e Donald Trump, tem sido noticiado e escrutinado sob os mais diversos ângulos. Faltava este: a revista de artigos de luxo “Robb Report” comparou os vinhos de cada um e a candidata do Partido Democrático ganhou este duelo. Mas o vinho não é dela…

Sobre a mesa, dois vinhos brancos para prova cega. De um lado, o Trump Winery’s 2015 Chardonnay, produzido exclusivamente com uvas da propriedade do candidato do Partido Republicano, situada no estado da Virginia. Do outro, o Clinton Vineyard’s Victory White 2015 Seyval Blanc, um varietal da casta híbrida Seyval Blanc da propriedade de uma grande amiga e admiradora dos Clinton, Phyllis Feder, no estado de Nova Iorque.

Clinton Vineyard’s Victory White 2015 Seyval Blanc

Clinton Vineyard’s Victory White 2015 Seyval Blanc

Alguns membros da equipa da revista consideraram o vinho Clinton “demasiado doce”, outros criticaram o Trump por ter “pouco sabor”. Houve quem não gostasse de nenhum e até quem se recusasse a escolher e declarasse a intenção de votar “independente”… No final, Clinton bateu Trump por apenas quatro pontos, um retrato bem fiel da polarização actual da sociedade dos EUA. Mas há pelo menos duas coisas que estas marcas têm em comum: ambos os vinhos foram servidos no casamento da filha dos Clinton, Chelsea, em 2010; e ambos são relativamente baratos (menos de 20 dólares a garrafa).

Veja Também:

 

 

China envia videiras para o espaço

A paixão chinesa pelos vinhos é recente, mas avassaladora. Para além de ser atualmente o quinto mercado a nível mundial, a China investiu para se tornar igualmente um grande produtor.

Hoje, podemos encontrar vinhas nas faldas do planalto tibetano, no deserto de Gobi, nas encostas rochosas da província de Ningxia… E também no espaço: a bordo do novo laboratório espacial Tiangong-2, lançado em Setembro, seguiram vários pés de vinha.
O objetivo é estudar o desenvolvimento das plantas no espaço e estudar possíveis mutações que possam surgir em resultado da exposição à “radiação espacial”, tornando as videiras mais resistentes a condições climatéricas adversas e solos difíceis.

A explicação foi adiantada pelo site DecanterChina.com e citada pelo jornal britânico “The Guardian”. A bordo do Tiangong-2 seguiram pés das castas Cabernet Sauvignon, Merlot e Pinot Noir.

 

China envia videiras para o espaço

China envia videiras para o espaço

Veja Também:

 

 

Casal Mendes Blue: o ‘vinho’ azul feito em Portugal

Chama-se Casal Mendes Blue e foi certificado pelo IVV como “bebida aromatizada à base de vinho”. Ou seja, não é considerado ‘vinho’ pelo IVV. Polémicas à parte, o Casal Mendes Blue tem por base o Casal Mendes branco, produzido pela Bacalhôa Vinhos, a que foi adicionado um corante, que o produtor afirma ser de origens naturais.

Pois bem, qual é o resultado? Para já, o vinho é mesmo azul e, depois de estar no copo, o efeito é quase dramático. Para um enófilo, algo estranho à primeira vista.

É uma bebida com toque ligeiramente adocicado e fácil de gostar. O DNA vinho está lá, sem dúvida. Beba-o bem fresco mas pode-lhe ainda juntar uma pedra de gelo.

Veja Também:

 

 

Os segredos na degustação de vinhos

Primeiro, é preciso tomar cuidado com o lugar onde será realizada a degustação. Tem que ser um lugar agradável e tranquilo, de preferência com cores claras nas paredes, porque é preciso analisar a cor do vinho – e uma toalha branca na mesa também ajuda nesse quesito.

Além do lugar, é preciso que você também esteja tranquilo, sem pressa ou stress, e com a maior disposição e disponibilidade possíveis.

Nos minutos que antecedem a degustação, é aconselhado que se evite tomar café, usar perfumes mais fortes, porque estes aromas podem atrapalhar na hora de tentar descobrir as sutilezas que fazem a diferença entre um vinho e outro.

O que falta checar é a nossa ferramenta de trabalho, e esta é a nossa companheira mais importante neste momento: refiro-me a taça na qual vamos degustar o nosso vinho. O que acontece é que muitas vezes cremos que o vinho está com “um cheiro ruim” e achamos que a garrafa está com algum “problema”, ou que a rolha está estragada. Na verdade, a grande maioria das vezes o que realmente acontece é que o erro não está no vinho, e sim na taça que o colocamos.

Pegue a taça vazia e coloque a borda perto do nariz (uns 2 centímetros). Se a taça não tem aromas de nada, significa que está tudo certo, mas a maioria das vezes isso não vai acontecer, e a taça estará, sim, com aromas estranhos, muitas vezes de cloro, detergentes e principalmente ao pano que foi usado para poli-la. Este pano, depois de um tempo úmido, deixa a taça com um mau cheiro que lembra a coisas “guardadas” há muito tempo, e que não é um aroma muito agradável.

Para sair do problema de maneira rápida, o que temos que fazer é trocar a taça. Mesmo que esteja num restaurante, peça para o garçom trocá-la; se é na casa de amigos, coloque um pouco de água na taça, enxágüe e pronto. Só não esqueça checar, mais uma vez, se a taça está realmente sem cheiro nenhum.

Por último, abra a garrafa e coloque o vinho na taça para, enfim, degustar. Mas aí está o outro problema… Não conhecemos as técnicas de degustação, mas parece algo simples. O que significa que o vinho tenha essa cor? Isso é bom ou ruim? E o sabor do vinho, quando tem muita acidez, é uma coisa boa ou ruim?

Todas essas perguntas têm uma resposta. Felizmente é possível e até fácil aprende-las, mas para aprender a poder degustar corretamente (e poder tirar o máximo proveito de sua garrafa de vinho), vai ser necessário explicar tudo com a profundidade que o tema precisa e merece.

Os segredos na degustação de vinhos

Os segredos na degustação de vinhos

Veja também:

 

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

O Diretor Geral da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), Jean-Marie Aurand, apresentou recentemente as informações mundiais sobre o mercado do vinho, uma tradição anual. Vejamos, por áreas de interesse, o que se passou em 2015, face ao ano anterior.

Área de vinha desce ligeiramente
A primeira constatação é que a área mundial de vinha desceu para 7.534 milhares de hectares (mha) em 2015, menos cerca de 7.000 hectares que em 2014. A superfície vitícola chinesa continua a aumentar (+ 34 mha) e confirma o segundo lugar mundial. A Nova Zelândia é outro país onde se está a plantar mais vinha. As maiores descidas vêm da Europa comunitária (- 26 mha entre 2014 e 2015). A Espanha continua à cabeça, com mais de um milhão de hectares, à frente da China (0,82 milhões ha) e França (0,78 milhões ha). Portugal está em 8º lugar, com 217 mil hectares. Cinco países detêm cerca de metade da área mundial de vinha.

Produção em alta
Em 2015, face ao ano anterior, a produção mundial de vinho (sem contar com mostos e sumos) aumentou de 2,2%: no total produziram-se 274,4 milhões de hectolitros (Mhl). Com um crescimento de 12% face a 2014, a Itália é o primeiro produtor mundial (49,5 Mhl), seguido pela França (47,5) e Espanha (37,2). Os Estados registaram elevadas produções pelo terceiro ano consecutivo (22,1 Mhl). No hemisfério sul, a produção regrediu na Argentina (13,4 Mhl) mas subiu no Chile (12,9 Mhl), e continua estável na Austrália (11,9 Mhl). A produção desceu ligeiramente na Africa do Sul (11,2 Mhl) e na China (11 Mhl).

 

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

Consumo estabilizado
Finalmente, o consumo mundial de vinho estabilizou depois da crise económica de 2008: a OIV estima uma cifra de 240 milhões de hectolitros em 2015, um ligeiro aumento face a 2014. Os Estados Unidos, com 31 Mhl, mantêm a primeira posição mundial. O consumo é relativamente estável em Itália (20,5 Mhl) e em Espanha (10 Mhl) mas continua a descer em França (27,2 Mhl). A China aumentou um pouco face a 2014, consumindo 16 Mhl de vinho em 2015. Os cinco países com maior consumo (Estados Unidos, França, Itália, Alemanha e China) representam metade do consumo mundial.

Import e export : EUA continua à frente
Em 2015, o comércio mundial de vinho aumentou 1,8 % em volume (104,3 Mhl) e sobretudo em valor (+ 10,6 %). Os principais exportadores em volume são a Espanha, Itália e França (respectivamente 24, 20 e 14 Mhl). Portugal vem em nono lugar, com 2,8 Mhl. Em valor o ranking muda mas os atores são os mesmos: aqui os três primeiros são a França, a Itália e a Espanha, com valores globais de 8.244, 5.353 e 2.641 milhões de euros, respectivamente. Portugal mantém o nono lugar, com 738 milhões de euros exportados.

A nível de importações, e por volume de vinho, o campeão mundial é a Alemanha, seguida do Reino Unido e dos Estados Unidos (15,1, 13,6 e 11 Mhl, respectivamente). Se falarmos em valor, os países que mais gastam a importar vinho são os Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

 

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

Esta autorização tem a ver com práticas enológicas, tal como a descreve o Regulamento Delegado da Comissão de 11 de Março de 2016, que publica o Boletim Oficial da União Europeia (UE). “O objectivo é acrescentar ativadores de fermentação maloláctica no final ou despois da fermentação alcoólica para facilitar a fermentação maloláctica”, indica o Regulamento. Ainda assim, o texto refere que os ativadores de fermentação maloláctica devem estar em conformidade com os requisitos do Codex Enológico Internacional, publicado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV).

No caso de os ativadores serem “celulose microcristalina”, devem cumprir as especificações estabelecidas no anexo do Regulamento UE 231/2012 da Comissão.

A autorização dos ativadores acontece depois de a OIV ter aprovado três novas práticas enológicas, entre as quais se encontra o uso destes ativadores e o tratamento de vinhos e mostos com “Glutationa” (um aditivo alimentar com propriedades antioxidantes, também conhecido como Glutatião). Contudo, sobre a “Glutationa”, a CE especifica que este “não figura atualmente na lista da União Europeia de aditivos alimentares autorizados, e por isso não pode ser autorizada como nova prática enológica na UE até ser incluída nessa lista; aparentemente, falta ainda uma decisão favorável da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar.

 

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

 

Dona da Corona e dos vinhos Mondavi compra cervejaria artesanal

NOVA YORK – A Constellation Brands — fabricantes das cervejas Corona Extra e Modelo Especial, dos vinhos Robert Mondavi e da vodka Svedka — anunciou a compra da Ballast Point Brewing & Spirits por US$ 1 bilhão. O objetivo é adicionar uma linha de cervejas artesanais a seu portfólio.

O negócio deve ser finalizado este ano, informou a Constellation em nota na segunda-feira. A compra não afetará o lucro da Constellation no atual ano fiscal e vai acrescentar US$ 0,06 ao ganho de cada ação no ano seguinte, segundo a empresa.

A Constellation, que há muito se concentrava em vinhos e destilados, foi bem-sucedida com o negócio de cerveja desde a aquisição de direitos para a vendas das cervejas Corona e Modelo nos Estados Unidos, graças a um acordo de US$ 5,3 bilhões com a Anheuser-Busch InBev em 2013.

A Ballast Point, sediada em San Diego, iniciou suas atividades em 1996 e cresceu rapidamente conforme os americanos foram se interessando por cervejas artesanais. O volume de vendas da companhia deve dobrar este ano para quase 4 milhões de unidades, com a receita líquida alcançando a marca de US$ 115 milhões, de acordo com a Constellation.

Dona da Corona e dos vinhos Mondavi compra cervejaria artesanal

Dona da Corona e dos vinhos Mondavi compra cervejaria artesanal

A compra da Ballast Point é um “próximo passo natural, uma vez que a empresa tem um grande negócio de distribuição de cerveja e pode acrescentar mais marcas”, afirmou Tim Ramey, analista do Pivotal Research Group. Ele ressalta também que provavelmente esta não será a última vez que se vê um acordo no ramo de cervejas e que outros ocorrerão.

A aquisição ocorre num momento de consolidação dessa indústria, liderada para compra da SABMiller pela AB InBev por US$ 107 bilhões. Mas antes mesmo de a AB InBev formalizar o negócio na semana passada, as cervejarias já estavam de olho em produtores artesanais, por inteiro ou parcialmente, já que esse nicho é o que mais cresce nos Estados Unidos.

Desde 2011, a AB InBev comprou a Goose Island Brewing, de Chicago; a Blue Point Brewing, de Patchogue, Nova York; a 10 Barrel Brewing, de Bend, Oregon; a Elysian Brewing, de Seattle; e aVirtue Cider de Fennville, Michigan. Em setembro, a MillerCoors concordou com a aquisição da Saint Archer Brewing, de San Diego, enquanto a Heineken comprou 50% da Lagunitas Brewing, e a AB InBev disse que compraria a Golden Road Brewing, de Los Angeles.

— As artesanais são o motor de crescimento da indústria da cerveja — disse Julia Herz, porta-voz da Brewers Association, a associação americana de cervejarias.

De acordo com a associação, as cervejas artesanais cresceram 18% no ano passado. Foram produzidos 22 milhões de barris em 2014 frente a 8,5 milhões em 2008.

Ballast Point Brewing & Spirits

Ballast Point Brewing & Spirits

Fonte: Extra.Globo

Morre Peter Mondavi, pioneiro de Napa Valley

Mondavi comandou a mais antiga vinícola da Califórnia, a Charles Krug, por 40 anos

Peter Mondavi, um dos pioneiros da vinicultura de Napa Valley, na Califórnia, morreu no último sábado (20), aos 101 anos, na propriedade da família em Santa Helena. Irmão de Robert Mondavi, ele comandou a vinícola mais antiga da Califórnia, Charles Krug, por 40 anos.

Fundada por um imigrante alemão em 1861, a vinícola Charles Krug foi comprada pelos pais de Mondavi em 1943. Peter e o irmão Robert trabalharam juntos na empresa da família por 22 anos, mas diferenças de visão sobre como administrar o negócio fizeram que Robert deixasse a Charles Krug em 1965 e abrisse sua própria vinícola um ano mais tarde, a primeira desde a Lei Seca. Robert Mondavi tornou-se um dos mais célebres produtores de vinho do mundo e morreu em 2008.

Peter assumiria o comando da Charles Krug em 1976, após a morte da mãe. Em entrevistas, ele sempre dizia que o maior orgulho de sua vida foi ter mantido o negócio na família, apesar de todas as crises que assolaram o setor e a região ao longo das décadas. De 2000 a 2010, investiu US$ 22 milhões para replantar 160 hectares considerados “premium” com as variedades de Bordeaux.

Morre Peter Mondavi, pioneiro de Napa Valley

Morre Peter Mondavi, pioneiro de Napa Valley

Sua relação com o mundo do vinho começou ainda na infância, quando ajudava o pai a preparar as caixas de madeira usadas em seu negócio de transporte de uvas.

Estudou economia na Universidade de Stanford em 1938, mas acabou sendo atraído pela enologia, que cursou na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Lá, pesquisou a então polêmica fermentação a frio para vinhos brancos e rosés. Anos depois, ficou conhecido por seus brancos extremamente frescos e frutados. Afeito à modernização, Mondavi era visto como uma lenda entre os produtores de Napa — em 1986, foi eleito um dos 12 mais importantes. Em 1963, sob sua determinação, a Charles Krug foi a primeira vinícola de Napa a importar barris de carvalho franceses.

Mondavi aposentou-se apenas no ano passado, mas ainda era visto na vinícola, onde tinha de subir dois lances de escada para chegar a seu escritório. O comando da empresa é hoje dividido entre os dois filhos, Peter Jr. e Marc.

 

Fonte: Estadão