Posts

Beber antes de fumar atenua o efeito do tabaco!

Não é recomendável o consumo de um copo de vinho por cada cigarro

De acordo com The American Journal of Medicine, há benefícios no consumo de vinho antes de fumar isto porque o vinho permite a proteção das artérias para enfrentar os efeitos negativos do tabaco. Já há muito que ouvimos falar dos benefícios do vinho e eis que surge mais um estudo a estimular o consumo da bebida.

Como todos sabemos, a única forma de evitarmos os efeitos nocivos do tabaco é a abstinência. No entanto, graças aos elevados níveis de fenol no vinho tinto, é estimulada a formação de óxido nítrico, rejuvenescendo as artérias. Assim, beber um ou dois copos por dia antes de fumar, protege os vasos sanguíneos dos danos do tabaco dado que que reduz a inflamação e retarda o processo de envelhecimento das células.

No estudo, foram analisados 20 indivíduos não fumadores que se tornaram voluntários para inalar fumo. Na experiência em que consumiram previamente vinho, este permitiu a libertação de micropartículas nas paredes das artérias, diminuição da inflamação e retardou em 56% a atividade da enzima telomerase, associada ao consumo de tabaco.

Este estudo apenas foi aplicado a jovens e não a idosos nem fumadores habituais. Aconselha-se o consumo de vinho meia hora antes de fumar. Uma vez que a maioria dos fumadores, consomem diversos cigarros por dia, não é recomendável o consumo de um copo de vinho por cada cigarro. Apenas é recomendado a fumadores ocasionais.

beber-antes-de-fumar-atenua-o-efeito-do-tabaco-3

Fonte: A vida segreda dos vinhos

 

 

Vinho ManzWine Penedo do Lexim 2013

Surpreendente densidade, caracterizando-se por um estilo claramente frutado e juvenil.

País Portugal
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2013
Sub-Região Lisboa
Uva Aragonez e Touriga Nacional.
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Assemblage

 

Vinho ManzWine Penedo do Lexim 2013

Vinho ManzWine Penedo do Lexim 2013

 

Visual Vermelho rubi brilhante e intenso
Olfativo Exibe com charme e elegância acentos de violeta, cereja madura e confeitura de amora, se destacando por profunda expressão. A presença de frutas negras é muito abundante e, no início, cede espaço gradativo aos aromas florais que aportam na complexidade desse excelente tinto português.
Gustativo Excelente ataque no palato, com surpreendente densidade, caracterizando-se por um estilo claramente frutado e juvenil. Seu passo em boca demonstra taninos de fina granulação aliados ao frescor vivaz. É um vinho delicioso, com todos seus elementos em pleno equilíbrio.
Dica de Harmonização Devido a maciês dos taninos, acompanha bem peixes gordurosos, massas em geral, aves, carnes brancas a algumas carnes vermelhas.
Temperatura de Serviço 15 ºC
Potencial de Guarda 6 anos
Nome da Vinícola ManzWine
Pontuação Winechef

Vinho feito com maconha custa até R$ 1200 a meia garrafa

Pela primeira vez, os produtores de vinho da Califórnia decidiram produzir e comercializar vinhos infusionados com maconha, mais conhecidos como Canna Wine, informou o site Elite Daily.

O vinho está disponível apenas na Califórnia e é vendido com fins medicinais. Para quem não sabe, neste estado norte-americano, há lojas especializadas em maconha medicinal.

Nessas lojas, o paciente que tenha uma prescrição médica é autorizado a comprar maconha, seja em pequenas porções, em cápsulas ou em forma de biscoitos, chocolates, brownies, balas, etc.

Existe um vinho feito com maconha e ele pode custar até R$ 1200 a meia garrafa

Existe um vinho feito com maconha e ele pode custar até R$ 1200 a meia garrafa

Ainda segundo o Elite Daily, para comprar essa iguaria, as pessoas precisam desembolsar uma quantia considerável, já que os preços podem varias de US$ 120 (R$ 386) a US$ 400 (R$ 1288) por apenas meia garrafa.

Existe um vinho feito com maconha e ele pode custar até R$ 1200 a meia garrafa

Existe um vinho feito com maconha e ele pode custar até R$ 1200 a meia garrafa

 

Veja Também:

 

 

 

Vinho deixa seus rins saudáveis

Vinho serve para uma porção de coisas: prolonga a juventude, deixa o casamento (e a vida) mais feliz. Mas isso tudo a gente já tinha contado por aqui. Agora a ciência veio com outra novidade: vinho faz bem aos rins.

É o que garante um estudo feito por pesquisadores da Universidade do Colorado-Denver. Eles analisaram a saúde de quase 6 mil indivíduos e o consumo de vinho de cada um. Pouco mais de 1 mil dos participantes tinham uma doença crônica nos rins.

E eles concluíram que o consumo moderado de vinho mantem os rins saudáveis e protege o coração. Segundo a pesquisa, entre as pessoas que tomam pelo menos uma taça por dia, a prevalência de doenças crônicas nos rins era 37% menor do que entre os que não tomam nada da bebida. Os fãs de vinho também diminuíam em 29% os riscos de ter problemas cardíacos.

Mas antes de você sair por aí bebendo todo o vinho do mundo não se esqueça: os benefícios só valem para o consumo MODERADO.

Vinho deixa seus rins saudáveis

Vinho deixa seus rins saudáveis

Fonte: Super Interessante

 

Veja Também:

 

Johnny Depp coloca adega temática à venda

Ator pretende desfazer-se da casa na França onde construiu uma cave decorada com elementos inspirados em “Piratas do Caribe”

O ator norte-americano Johnny Depp colocou à venda, por 16 milhões de euros, sua propriedade de 14 hectares, perto da aldeia Plan-de-la Tour, na França. Segundo o Wall Street Journal, a casa inclui uma cozinha profissional, um estúdio de arte, uma capela convertida em pousada e uma cave de vinhos que tem como tema o filme “Piratas do Caribe”. A adega é decorada com caveiras, velas e tecidos de cores vivas. O ator possui uma vasta coleção de vinhos.

Depp comprou a propriedade em 2001 por 10 milhões de dólares e, de acordo com a Sotheby (casa de leilões em nova York), ele mesmo  decorou o interior da casa.

A pessoa que comprar o terreno vai adquirir móveis, livros, DVDs e obras de arte pertencentes a Depp, que viveu lá quando era casado com a atriz e cantora francesa Vanessa Paradis, com quem tem dois filhos. Ele agora está casado com a atriz norte-americana Amber Heard.

 

Johnny Depp coloca adega temática à venda

Johnny Depp coloca adega temática à venda

Fonte: Wall Street Journal

Veja Também:

 

 

Conheça o vocabulário do vinho: Calcário, calda bordalesa e muitos outros

Cabeça: Primeiros litros de um destilado a sair de um alambique. São compostos pelos produtos mais solúveis no álcool e que fervem a temperaturas mais baixas. São eles o álcool metílico, aldeídos, ésteres, ácidos voláteis e alcoóis superiores.

Cabernet Franc: Variedade tinta internacional, pouco produtiva mas apreciada pela sua qualidade. Proporciona vinhos de bom tanino, embora de evolução mais rápida que os de Cabernet Sauvignon. Por isso, costuma utilizar-se em muitas regiões em assemblage com esta última variedade. Emprega-se para a elaboração de vinhos varietais no Loire (Chinon, Bourgueil e Saumur-Champigny) onde se conhece com o nome de Bretón. Em Anjou vinifica-se como rosado.

Cabernet Sauvignon: Variedade tinta internacional, muito apreciada para elaborar grandes vinhos de estágio. Oferece produção média e é sensível ao oídio. A sua pele escura proporciona um tanino intenso, de grande estrutura e de extrema elegância. Para acelerar a sua evolução, mistura-se, por vezes, com vinhos menos intensos, como os de Merlot, Cabernet Franc, Malbec ou Tempranillo. É a casta tinta mais prestigiada em todo o mundo, utilizando-se em praticamente todos os países produtores da Europa, Américas, Austrália e África.

Cabra: Odor animal que pode ser detectado em certos vinhos com aromas a especiarias e gordos, como o gewürztraminer da Alsácia e do Rhein Pflaz.

Caça: Odor animal muito forte, característico dos vinhos evoluídos que sofreram uma forte redução na garrafa.

Cacau: Aroma nobre, característico de algumas velhas colheitas. Pode detectar-se em garrafas veneráveis de vinhos tintos, assim como Portos e vinhos rançosos catalães.

Cacho de uvas: Conjunto de bagos de uva seguros por um pedúnculo principal, por eixos secundários e pedúnculos secundários. Um cacho é formado pelo engaço e pelos bagos.

 

Conheça o vocabulário do vinho. Calcário, calda bordalesa e muitos outros

Conheça o vocabulário do vinho. Calcário, calda bordalesa e muitos outros

 

Café: O provador distingue entre os aromas de café de origem diferente. O primeiro pertence à família vegetal, pois trata-se do aroma do café verde, que, muitas vezes, se associa a certas variedades taninosas como a Cabernet Sauvignon. Apresenta-se também como um aroma que recorda o café torrefacto, pertencendo, pois, à família empireumática. É um aroma terciário que se encontra em vinhos evoluídos, geralmente de qualidade e que provém das piracinas.

Caixa: Embalagem de madeira ou de cartão que se utiliza para a expedição dos vinhos engarrafados. Contém, em geral, 12 ou 6 garrafas de 0,75 l. Nas transações comerciais funciona como medida: 1 caixa igual a 12 garrafas igual a 9 litros.

Calcário: Rocha formada essencialmente por carbonato de cálcio, activo ou não. Faz parte do solo e apresenta no subsolo formas diversas (giz, marga, tufo, etc.) Os solos calcários são valorizados em certas regiões, como é o caso da Borgonha e dos alvacentos jerezanos.

Calda bordelesa: Mistura de sulfato de cobre e de cal, diluídos em água que se aplica na vinha como tratamento contra o míldio, a antracnose e outras doenças e pragas.

Calda borgonhesa: Solução fungicida de sulfato de cobre e carbonato de sódio.

Caldeira, vinho de: Vinho destinado a ser destilado para a produção de cognac, de armagnac ou de aguardente.

Cálice: Como especialmente o que é utilizado em certos rituais litúrgicos judeo-cristãos para consagrar ou ofertar o vinho.

Caloroso: Diz-se de um vinho robusto, potente, que manifesta uma riqueza alcoólica, que aquece a boca.

Câmara fria: Local especialmente acondicionado para o processamento frigorífico dos mostos antes da sua fermentação, sobretudo em zonas quentes. Utiliza-se também para arrefecer os vinhos e favorecer a precipitação dos tartaratos antes do engarrafamento.

Camarèse: Variedade tinta cultivada em Châteauneuf-du-Pape, no vale do Ródano. Os ampelógrafos preferem o termo Vacarèse ao da Camarèse. É uma das treze variedades autorizadas na AOC Châteauneuf-du-Pape.

Veja Também:

 

Austrália busca prestígio internacional

País vai investir 35 milhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento para aumentar a competitividade de seus vinhos no mercado global

Os australianos querem conquistar o mundo. Acabam de lançar um programa que prevê o investimento 35 milhões de dólares australianos nos próximos cinco anos em pesquisa, desenvolvimentos e mercado para impulsionar a demanda e o preço dos vinhos do país.

O objetivo é aumentar a competitividade deles no mercado mundial. O nome do programa é “Plano Estratégico da Autoridade da Uva e do Vinho da Austrália para 2015 até 2020”.

“O nosso objetivo no longo prazo é que o país seja reconhecido como um dos maiores produtores de vinho do mundo e acreditamos que é hora de ajustar o foco para os nossos vinhos finos, para mostrar o que os torna especiais, de modo que nosso objetivo, de tornar os vinhos australianos em mercadorias prósperas, seja atingido”, disse Brian Walsh, um dos criadores do plano.

vinho

Austrália busca prestígio internacional

Austrália busca prestígio internacional

Vinho Garcilaso Vendimia, 2003

País Espanha
Propriedade da Vinícola 150 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2003
Uva 100% Tempranillo
Teor Alcoólico 14,5%
Tipo de Uva Tinta Tempranillo
Amadurecimento 9 meses em barrica 100% francesa.
Vinho Garcilaso Vendimia, 2003

Vinho Garcilaso Vendimia, 2003

 

Visual Coloração rubi compacta, ainda “jovem” para a idade do vinho.
Olfativo Gigantesco e maravilhoso ao nariz, muito interessante, misturando aromas concentrados de frutas negras (cereja, amora, groselha) e notas elegantes de tabaco e especiarias como pimenta-negra, mais notas minerais, terra úmida e notável presença de “sous bois”, que fazem do aroma deste vinhos uma experiência sensorial única.
Gustativo Apesar de ter quase 10 anos desde sua colheita, este vinho está em perfeita forma, é potente, suculento, profundo e concentrado. Parece que os anos não passaram para ele. Seus taninos são enormes e ainda estão em pleno processo de madurez, mas tem todos os elementos para ainda ter pelo menos uns 5 anos até chegar no seu apogeu. É um vinho de alto nível, delicioso e potente, altamente recomendável.
Dica de Harmonização Mignonzinho de veado assado servindo “saignant” ao lado e um purê de abóboras.
Lebre estufada com trufas e foie gras.
Javali com azeitonas negras e louro.
Ragu de cordeiro marinado com vinho tinto e ervas.
Rabada ao forno, com mil folhas de batata trufada.
Temperatura de Serviço 17°
Potencial de Guarda 15 anos
Nome da Vinícola Grupo Yllera
Ano de Fundação da Vinícola 1972
Pontuação Winechef
Enólogo Responsável Ramón Martínez Palacios

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

O Diretor Geral da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), Jean-Marie Aurand, apresentou recentemente as informações mundiais sobre o mercado do vinho, uma tradição anual. Vejamos, por áreas de interesse, o que se passou em 2015, face ao ano anterior.

Área de vinha desce ligeiramente
A primeira constatação é que a área mundial de vinha desceu para 7.534 milhares de hectares (mha) em 2015, menos cerca de 7.000 hectares que em 2014. A superfície vitícola chinesa continua a aumentar (+ 34 mha) e confirma o segundo lugar mundial. A Nova Zelândia é outro país onde se está a plantar mais vinha. As maiores descidas vêm da Europa comunitária (- 26 mha entre 2014 e 2015). A Espanha continua à cabeça, com mais de um milhão de hectares, à frente da China (0,82 milhões ha) e França (0,78 milhões ha). Portugal está em 8º lugar, com 217 mil hectares. Cinco países detêm cerca de metade da área mundial de vinha.

Produção em alta
Em 2015, face ao ano anterior, a produção mundial de vinho (sem contar com mostos e sumos) aumentou de 2,2%: no total produziram-se 274,4 milhões de hectolitros (Mhl). Com um crescimento de 12% face a 2014, a Itália é o primeiro produtor mundial (49,5 Mhl), seguido pela França (47,5) e Espanha (37,2). Os Estados registaram elevadas produções pelo terceiro ano consecutivo (22,1 Mhl). No hemisfério sul, a produção regrediu na Argentina (13,4 Mhl) mas subiu no Chile (12,9 Mhl), e continua estável na Austrália (11,9 Mhl). A produção desceu ligeiramente na Africa do Sul (11,2 Mhl) e na China (11 Mhl).

 

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

Consumo estabilizado
Finalmente, o consumo mundial de vinho estabilizou depois da crise económica de 2008: a OIV estima uma cifra de 240 milhões de hectolitros em 2015, um ligeiro aumento face a 2014. Os Estados Unidos, com 31 Mhl, mantêm a primeira posição mundial. O consumo é relativamente estável em Itália (20,5 Mhl) e em Espanha (10 Mhl) mas continua a descer em França (27,2 Mhl). A China aumentou um pouco face a 2014, consumindo 16 Mhl de vinho em 2015. Os cinco países com maior consumo (Estados Unidos, França, Itália, Alemanha e China) representam metade do consumo mundial.

Import e export : EUA continua à frente
Em 2015, o comércio mundial de vinho aumentou 1,8 % em volume (104,3 Mhl) e sobretudo em valor (+ 10,6 %). Os principais exportadores em volume são a Espanha, Itália e França (respectivamente 24, 20 e 14 Mhl). Portugal vem em nono lugar, com 2,8 Mhl. Em valor o ranking muda mas os atores são os mesmos: aqui os três primeiros são a França, a Itália e a Espanha, com valores globais de 8.244, 5.353 e 2.641 milhões de euros, respectivamente. Portugal mantém o nono lugar, com 738 milhões de euros exportados.

A nível de importações, e por volume de vinho, o campeão mundial é a Alemanha, seguida do Reino Unido e dos Estados Unidos (15,1, 13,6 e 11 Mhl, respectivamente). Se falarmos em valor, os países que mais gastam a importar vinho são os Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

 

Que significa vinho varietal?

O hábito de nomear a variedade no rótulo, surgiu com os produtores do novo mundo, ou seja, fora da Europa. Nos países europeus, a legislação de Denominação de Origem Controlada (a sigla AOC ou DOC que você vê nos rótulos franceses, italianos, etc.) restringe o uso de variedades por região. Mas isso muda para cada país. O exemplo mais famoso seria a Borgonha, onde seus brancos são quase todos de Chardonnay (há uvas quase abandonadas, como a Aligoté) e seus tintos, de Pinot Noir.

Com os vinhos do novo mundo costuma-se dizer, que um vinho é varietal, quando esse não teve estágio em madeiras, ou seja, logo depois da fermentação alcoólica, ele foi imediatamente engarrafado. Ao contrário, quando o vinho tem passagem em madeira no novo mundo, costuma ser chamado de “Reserva”.

Os vinhos varietais são, na maioria das vezes, elaborados com as uvas das parreiras mais jovens de um vinhedo, esse é o motivo que faz com que eles sejam mais leves e de rápido consumo.

Em resume, um vinho varietal é um vinho feito, geralmente com apenas uma variedade de uva, mas, se a legislação local permitir, pode adicionar uma pequena porcentagem de outra uva.

 

Que significa vinho varietal

Que significa vinho varietal