Espumante é vendido para financiar grupo anti-islâmico

 

O controverso espumante “72 Virgins” está sendo vendido para levantar fundos para uma organização anti-islâmica na Austrália

O espumante Hal & Al’s 72 Virgins está sendo vendido para financiar um grupo anti-islâmico chamado de Q Society, conhecido por ser o maior movimento anti-islâmico da Austrália. Fundado em 2010, o grupo alega que o Islã não é apenas uma religião, mas uma doutrina política, financeira, social e militar que possui ensinamentos que levam ao preconceito, à violência e às práticas antidemocráticas.

No rótulo do espumante brut está escrito ironicamente: “O consumo desse vinho australiano pode te privar do paraíso islâmico. Entretanto, os paraísos judeus e cristãos estão abertos como alternativas”. Vale lembrar que o islamismo não permite que seus seguidores bebam vinho e que, segundo a tradição, 72 virgens estarão à disposição dos homens quando chegarem ao paraíso. O grupo declarou que o rótulo não pretende ofender ninguém, é apenas um “começo de conversa”.

Sparkling wine 72 Virgins

Sparkling wine 72 Virgins

 

Em entrevista, Debbie Robinson, a presidente da Q Society declarou que as vendas do espumante estão em alta, “mesmo assim, não é algo a ser levado tão a sério”. Quando perguntada se o vinho poderia ofender alguém, ela declarou que não acha ofensivo, mas que as pessoas se ofendem por  qualquer coisa. A presidente da organização declarou também que sua ideologia não é racista, uma vez que o Islã não configura uma raça.

Os fundos levantados pelas vendas do vinho serão usados para trazer representantes do grupo de outros lugares do mundo para a Austrália. Segundo o grupo, o objetivo dessa prática é evitar uma possível “islamização” no país.  O vinho está sendo vendido por 72 dólares australianos, e foi descrito como “agradável de beber”, e que vem de “um renomado produtor no Barossa Valley”, cujo nome não foi divulgado.

Espumante 72 Virgins rotulo  e Conta Rótulo

 

Espumante 72 Virgins rotulo

Espumante 72 Virgins Rótulo

Espumante 72 Virgins Contra Rótulo

Espumante 72 Virgins Contra Rótulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cristais na rolha: Os diamantes do vinho. Sabe porquê?

Os diamantes do vinho: cristais de ácido tartárico na rolha. Isso é bom ou ruim?

Algumas vezes acontece que ao examinarmos a parte da rolha que fica em contato direto com o líquido, notamos a presença de cristais, o mesmo fenômeno observado no fundo das taças. Como devo interpretar este achado: descartar o vinho, rejeitá-lo e devolver para o estabelecimento onde adquirimos? Nada disso. Se não houver defeitos aparentes no vinho, a presença dos cristais não é sinal de deterioração, muito pelo contrário. Eles são conhecidos pelo termo de “diamantes do vinhoEsses “diamantes” são os cristais de ácido tartárico, formados pela precipitação de dois elementos presentes nas uvas tanto brancas quanto tintas: o ácido tartárico e o potássio.

Na presença de baixa temperatura, esses elementos reagem entre si, dando origem aos cristais de bitartarato de potássio, que precipitam no fundo das garrafas. Estes cristais são naturais, não prejudicam o vinho e, para muitos apreciadores de vinhos de qualidade, sua presença é bem vinda e interpretada como “diamantes”, uma indicação de que as uvas permaneceram por um tempo prolongado nas videiras antes de serem colhidas, desenvolvendo, portanto, mais personalidade e tipicidade. Além disso, é uma indicação de que o vinho não foi submetido ao processo de estabilização pelo frio, que, por sua vez, não somente precipitaria os cristais antes do engarrafamento, mas removeria substâncias coloidais, muitas delas responsáveis pela tipicidade da uva utilizada na sua produção.

Os europeus consideram a presença dos cristais de ácido tartárico como um sinal de qualidade. Já os produtores americanos e seus consumidores se sentem incomodados por sua presença. Fico feliz quando sou presenteado com estes “diamantes”, tanto nas rolhas quanto no fundo da minha taça. Como ritual, levo-os à boca e deixo os dissolver lentamente, uma experiência muito interessante.

Cristais de ácido tartárico nas rolhas de vinhos

Cristais de ácido tartárico nas rolhas de vinhos

Veja também:

 

 

 

Entrevista com o herdeiro do Champagne Taittinger

 

Clovis Taittinger, filho do atual presidente do grupo do Champagne Taittinger esteve no Brasil e concedeu esta entrevista exclusiva.

Fundada em 1734 em Reims, a Champagne Taittinger é uma grande empresa, que ainda se mantém familiar. Como outras casas de Champagne, a Taittinger diversificou seu negócio em segmentos de luxo, como joias, perfumes, cristais, mas, principalmente, hotéis. Chegou a ser comprada em 2005 por um grupo hoteleiro americano (Starwood), mas em 2006 o controle foi restabelecido à família.

Os champagnes da casa primam pela leveza e elegância e seu top Comtes de Champagne é uma dos melhores entre todos os champagnes na categoria blanc de blancs (feito 100% com Chardonnay). Clovis Taittinger, quarta geração da família e filho do atual presidente do grupo, Pierre-Emmanuel Taittinger, esteve no Brasil e concedeu esta entrevista exclusiva.

Entrevista com Clovis Taittinger o herdeiro da Champagne mais famosa do mundo

Entrevista com Clovis Taittinger o herdeiro da Champagne mais famosa do mundo

Veja Rio: Quais seus planos agora em relação ao mercado brasileiro, qual a sua visão?

Clovis Taittinger:

Tenho muitas esperanças aqui. A economia cresce, os brasileiros estão cada vez mais interessados em Champagne e achamos que o Taittinger se adapta bem ao gosto daqui. O grande problema são os impostos. Achamos  que o mercado brasileiro evolui, mas bem mais lentamente do que poderia, devido aos impostos. Mas, como todo champonois, sou otimista.

Veja Rio:

Você acabou de mencionar o samba e que sua família se considera um pouco brasileira. Você sabe sambar? E depois de algumas taças de Taittinger?

Clovis Taittinger:

Sou péssimo dançarino. Depois de algumas taças de Taittinger, talvez, mas sem nenhum charme.

Veja Rio:

Existe no momento alguma tendência na indústria do Champagne?

Clovis Taittinger:

A situação atual é de um mercado muito competitivo e estável. Como tendência, vejo a consolidação dos principais nomes, marcas famosas e os melhores vinhos das grandes empresas. Este é um momento difícil para as pequenas e médias empresas.

Veja Rio:

Agora com um novo importador, a Interfood, vocês têm alguma estratégia específica para o mercado brasileiro?

Clovis Taittinger:

Nossa ambição é agradar e conquistar cada vez mais brasileiros, mas não temos nenhuma estratégia “sistêmica” de abordagem para o Brasil. Champagne pede uma abordagem mais pessoal, de “um para um”. Esta não é uma bebida de uma abordagem de mercado de massa.

Entrevista com Clovis Taittinger o herdeiro da Champagne mais famosa do mundo

Entrevista com Clovis Taittinger o herdeiro da Champagne mais famosa do mundo

Veja Rio: Você concorda que o Champagne é o melhor negócio dentro do negócio do vinho?

Clovis Taittinger:

Não é o pior, com certeza, mas talvez também não seja o melhor. O mercado do Champagne é muito competitivo, muito exigente, e nele você está sempre sendo observado e copiado. Por outro lado, como o Champagne representa prazer, felicidade e amor, eu me considero um entregador de felicidade e amor. Esta é minha missão. E, sim, este pode ser o mais sexy, feliz e borbulhante trabalho de todo o mundo!

Veja Rio:

Uma observação e uma curiosidade para os leitores. Estamos aqui conversando e noto que você pronuncia Taittinger como se fosse americano (taitinguer), em vez de usar a pronuncia francesa (tétanger). Força do hábito?

Clovis Taittinger:

Com certeza! Eu mesmo fico confuso. É quase uma dupla personalidade. Mas, no fundo, vale o que está dentro da garrafa.

Veja Rio:

Acabamos de provar seus champagnes, todos deliciosos, cheios de estilo, minerais e elegantes. Seria muito bom para o consumidor brasileiro se você pudesse comparar seus vinhos a personagens conhecidas por aqui.

Clovis Taittinger:

O Champagne Taittinger Brut Reserve:

Poderia ser um Fred Astaire – um champagne dançante, com energia duradoura, macio, leve e sutil na “pista de dança”.

O Champagne Taittinger Prestige Rosé:

Seria a Audrey Hepburn – encantadora, delicada e elegante.

O Champagne Taittinger Comtes de Champagne:

Nossa “obra de arte” seria Coco Chanel – com design perfeito, pureza, elegância, um clássico.

O Champagne Taittinger Nocturne:

Seria a Paris Hilton – doce (com 17 gramas de açúcar) e sexy – relaxe e divirta- se! Para o fim de um dia estressante de trabalho recomendo uma descompromissada taça de Noturno, em uma boa companhia!

Veja Rio:

Boa sugestão, Champagne contra o estresse. Agora, gostaria de lhe pedir um presente. Conte-me algo que você nunca contou em nenhuma entrevista.

Clovis Taittinger:

Hummm…Vou contar um segredo: eu não sei sambar e adoraria que alguma garota brasileira me ensinasse, mas sou tímido demais para pedir.

 

Fonte: Veja Rio

 

O ranking The World’s 50 Best Restaurants 2017

Foi divulgada a lista “50 Best” que aponta anualmente os 50 Melhores Restaurantes do Mundo, de acordo com a revista britânica The Restaurant.

O campeão desse ano foi o nova-iorquino Eleven Madison Park, de Daniel Humm e Will Guidara.

O segundo lugar ficou com o melhor de 2016, a Osteria Francescana (Itália), de Massimo Bottura.

O El Celler de Can Roca (Espanha), de Joan, Josep e Jordi Roca, ficou em terceiro lugar.

O francês Mirazur, da cidade de Menton, sob o comando do chef Mauro Colagreco, terminou no quarto lugar.

O peruano Central, de Virgilio Martínez e Pia Leon, atingiu a 5º colocação.

O D.O.M., do chef Alex Atala, é o único brasileiro da lista e ficou na 16ª colocação.

 

O ranking The World’s 50 Best Restaurants 2017

O ranking The World’s 50 Best Restaurants 2017

 

Confira a lista completa: O ranking The World’s 50 Best Restaurants 2017:

 

  1. Eleven Madison Park New York City, Nova York, Estados Unidos
    2. Osteria Francescana, Modena, Itália
    3. El Celler de Can Roca, Girona, Espanha
    4. Mirazur, Menton, França
    5. Central, Lima, Peru
    6. Asador Etxebarri, Atxondo, Espanha
    7. Gaggan, Bangkok, Tailândia
    8. Maido, Lima, Peru
    9. Mugaritz, San Sebastián, Espanha
    10. Steirereck, Viena, Áustria
    11. Blue Hill at Stone Barns, Pocantico Hills, Estados Unidos
    12. Arpege, Paris, França
    13. Alain Ducasse au Plaza Athénée, Paris, França
    14. Restaurant Andre, Cingapura
    15. Piazza Duomo, Alba, Itália
    16. D.O.M, São Paulo, Brasil
    17. Le Bernardin, Nova York, Estados Unidos
    18. Narisawa, Tóquio, Japão
    19. Geranium, Copenhagen, Dinamarca
    20. Pujol, Cidade do México, México
    21. Alinea, Chicago, Estados Unidos
    22. Quintonil, Cidade do México, México
    23. White Rabbit, Moscou, Rússia
    24. Amber, Hong Kong
    25. Tickets, Barcelona, Espanha
    26. The Clove Club, Londres, Inglaterra
    27. The Ledbury London, Londres, Inglaterra
    28. Nahm, Bangkok, Tailândia
    29. Le Calandre, Rubano, Itália
    30. Arzak, San Sebastián, Espanha
    31. Alléno Paris au Pavillon Ledoyen, Paris, França
    32. Attica, Melbourne, Austrália
    33. Astrid y Gaston, Lima, Peru
    34. De Librije, Zwolle, Holanda
    35. Septime, Paris, França
    36. Dinner by Heston Blumenthal, Londres, Inglaterra
    37. Saison, São Francisco, Estados Unidos
    38. Azurmendi, Larrabetzu, Espanha
    39. Relae, Copenhagen, Dinamarca
    40. Cosme, Nova York, Estados Unidos
    41. Ultraviolet by Paul Pairet, Xangai, China
    42. Boragó, Santiago, Chile
    43. Reale, Castel di Sangro, Itália
    44. Brae, Birregurra, Austrália
    45. Den, Tóquio. Japão
    46. L’Astrance, Paris, França
    47. Vendôme, Bergisch Gladbach, Alemanha
    48. Restaurant Tim Raue, Berlim, Alemanha
    49. Tegui, Buenos Aires, Argentina
    50. Hof Van Cleeve, Kruishoutem, Bélgica

 

Os prêmios de melhores chefs ficaram com o peruano Virgilio Martínez e a esolvena Ana Roš.

 

Fonte: Vogue e The World’s 50 Best Restaurants

 

Robert Parker: Ranking dos 50 melhores CARIGNAN do Chile

Robert Parker está premiando com altas pontuações estes tintos únicos no mundo

Os Carignan chilenos são diferentes, tem uma história fantástica para contar, e os produtores do vale do Maule estão fazendo um trabalho meticuloso e estratégico com esta uva, a que sem dúvida alguma, vai se transformar em pouco tempo na nova estrela da viticultura chilena.

Os Carignan possuem uma boca mediterrânea, e sua estrutura tânica uma matriz totalmente distinta ao que estamos acostumados com as outras variedades tintas. Poderíamos dizer que são menos estruturados e mais longos na boca. Integrados com uma alta acidez natural que lhes da maior frescor.

Estamos já preparando um post para os próximos dias com todos os detalhes relacionados a essa uva em mais uma entrevista com Andrés Sanchez, criador da agrupação VIGNO. Fique bem atento, e não demore em experimentar um vinho desses. A boa notícia é que a pesar dos excelentes níveis de qualidade que eles têm em ermos gerais, seus preços são bem mais em conta que outros vinhos que tem obtido a mesma pontuação e de similar qualidade.

Robert Parker Ranking dos 50 melhores CARIGNAN do Chile

Robert Parker Ranking dos 50 melhores CARIGNAN do Chile

Agora, deixamos abaixo um ranking com:

Os 50 melhores Carignan chilenos, segundo o crítico de vinhos Robert Parker:

 

SAFRA NOME DO VINHO PONTUAÇÃO
2010 Bravado Old Vines Dry Farmed Carignan 93
2009 Bodegas Re Vigno By Vina Roja 93
2011 Garage Wine Co Lot #34 Carignan 93
2007 Gillmore Hacedor de Mundos Carignan 93
2008 Gillmore Hacedor de Mundos Carignan 93
2011 Undurraga Vigno Carignan 93
2008 Bravado Tirso 92
2011 Garage Wine Co Lot #35 Carignan 92
2010 Gillmore Vigno Carignan 92
2010 Undurraga Vigno Carignan 92
2011 Undurraga Carignan T H 92
2010 Valdivieso Eclat Vigno Carignan 92
2008 Vina Canepa Genovino Carignan 92
2010 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 92
2011 Gillmore Vigno Carignan 91
2010 Louis-Antoine Luyt Empedrado Carignan 91
2012 Louis-Antoine Luyt Empedrado Carignan 91
2011 Luis Felipe Edwards 100 Cien Carignan 91
2009 Meli Carignan Dueno de la Luna 91
2005 Odfjell Odfjell 91+
2007 Santa Ema Amplus Carignan 91
2009 Vina Morande Vigno Carignan 91
2010 Vina Morande Vigno Carignan 91
2011 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 91
2009 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 91
2010 Crazy Wines Carignan T 90
2007 De Martino Carignan Single Vineyard 90+
2008 De Martino Vigno Carignan 90
2010 Garage Wine Co Lot 29 Carignan 90
2010 Garage Wine Co Lot 32 Carignan 90
2011 Garage Wine Co Vigno Old Vines Dry Farmed Carignan 90
2009 Gillmore Vigno Carignan 90
2008 Meli Carignan 90
2008 Odfjell Organic Orzada Carignan 90+
2008 Santa Ema Amplus Carignan 90
2009 Santa Ema Amplus Carignan 90
2009 Vina Canepa Genovino Carignan 90
2011 Vina Canepa Genovino Carignan 90
2007 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 90
2008 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 90+
2009 De Martino Single Vineyard El Leon Carignan 89
2011 Odfjell Carignan Orzada 89
2010 Rogue Vine El Insolente Single Vineyard Itata 89
2009 Undurraga Carignan T H 89
2004 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 89
2009 Vina Morande Vigno Old Vines Dry Farmed Carignan 89
2011 Vina Villalobos Vinedo Silvestre Carignan 89
2012 Alcance Vigno Carignan 88
2011 Odfjell Vigno Carignan 88
2010 Odfjell Carignan Orzada 88

 

 

Dicas para harmonizar vinhos com chocolate

 

A principal estrela da Páscoa, o chocolate, faz a alegria de crianças e adultos mas pode surpreender ao ser servida em combinação com vinhos.

As sobremesas a base de chocolate podem ficar mais requintadas, com charme especial e até um toque de romantismo quando harmonizadas de maneira correta com um bom vinho.

O segredo para harmonizar uma sobremesa a base de chocolate é fácil: Basta procurar vinhos que possuam alguma quantidade de açúcar residual natural presente.

“Se o chocolate servido for branco vamos harmonizar com vinhos doces brancos. Já se o chocolate for escuro vamos fazer a harmonia com vinhos tintos”,

Para surpreender e harmonizar uma sobremesa a base de chocolate branco a dica é combinar o doce com um Late Harvest para ter a sintonia perfeita. Nessa combinação, os sabores se multiplicam convertendo-se numa festa para os sentidos.

Já para quem prefere sobremesas a base de chocolate escuro a combinação perfeita deve ser feita com os vinhos do Porto. “De preferência aqueles que tem um nível de açúcar generoso, mais também uma fruta bem presente que equilibre os sabores. Uma harmonia extraordinária seria com o Porto Tawny.

O importante vai ser sempre procurar vinhos que tenham um estilo bem comercial, ou seja, com as caraterísticas olfativas entregadas pela madeira bem claras, esses aromas que geralmente se expressam com notas a chocolate, baunilha e canela, vão permitir que as harmonizações com chocolates sejam ótimas.

Pode tentar, que com certeza você vai a adorar.

 

Aprenda como harmonizar vinhos com chocolate

Aprenda como harmonizar vinhos com chocolate

 

As três harmonizações imperdíveis para a Páscoa

 

Vem chegando a Páscoa e, com esta data, também chega o momento de decidir o que vamos preparar para este dia em família tão especial.

No Brasil o bacalhau é o prato de maior sucesso nesta data, e é sem dúvidas uma ótima alternativa, mas não é a única.

Gosto muito de Bacalhau, em todas suas formas de preparação, mas sou um grande apaixonado dos frutos do mar – e tem outros frutos e peixes que prefiro ainda mais. Para dar-lhes algumas opções, vou apresentar à continuação três alternativas de receitas com frutos do mar com seus respectivos vinhos recomendados para se fazer a melhor harmonização:

 Ceviche:

Meu favorito é o ceviche, que pode ser feito de várias formas e também com inúmeros peixes. O importante é que este esteja o mais fresco possível, e para conseguir uma harmonização perfeita vamos procurar um vinho também o mais “fresco” possível, onde sua acidez seja o elemento principal na expressão gustativa do vinho.

Aqui  teremos uma extensa lista de vinhos para harmonizar (sempre brancos). Em termos de uvas, vai depender se a carne do peixe é da cor branca mais clara (por exemplo, o robalo) ou branca mais escura (por exemplo, a truta).

No primeiro exemplo prefiro optar por vinhos de uva Sauvignon Blanc, mas se o ceviche for elaborado com um peixe de cor mais escura, aí teremos que procurar um vinho de uva branca que proporcione vinhos mais texturizados e estruturados, também jovens. No caso dos que tiveram guarda em madeira, que isso tenha sido por um período curto. Pode ser um Chardonnay, mas com a condição que tenha boa acidez, para o qual teremos que preocupar exponentes de regiões climáticas com influência marítima, que entregam este tipo de vinho mais fresco.

Ceviche de Robalo Winechef

Ceviche de Robalo Winechef

Sugestão:

Undurraga TH Sauvignon Blanc Leyda.

 

Salmão Alla Siciliana

Um Salmão Marinado é uma ótima alternativa para a cena de Páscoa. É um peixe delicioso, sua carne é suculenta e macia, e para harmonizar precisamos de um vinho branco já mais complexo, mais concentrado.

Pode ser um pouquinho evoluído, não necessariamente de acidez intensa, mas sim de uma boa concentração e viscosidade. Ou seja, um vinho branco mais cremoso e delicado ao paladar. Dentre as uvas mais conhecidas que entregam este tipo de vinho, temos a Chardonnay e a Viognier, então vou sugerir um blend (mistura) destas uvas em uma versão já mais complexa, produto da evolução durante quase cinco anos de garrafa.

Salmão com molho de alcaparras

Salmão com molho de alcaparras

 

Sugestão:

Vinho Jean Chartron Hautes Cotes De Beaune 2009

 

Moqueca Capixaba:

A tradicional moqueca é outra das preparações que se destacam quando se trata de produtos feitos com frutos do mar. Para harmonizar podemos pensar em vinhos brancos concentrados e potentes, tipo Viognier ou Chardonnay que foram guardados em barricas de madeira.

 

Mas para conseguir uma harmonização realmente ótima é melhor experimentar com vinhos tintos de uvas de textura aveludada, tipo Merlot e Carménère. Um Pinot Noir de francês, elegante, sem muita madeira, pode harmonizar divinamente.

Moqueca Capixaba

Moqueca Capixaba

 

 

 

Resultados Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017 Destilados e Cachaças

A cidade de Bento Gonçalves (RS) sediou entre os dias 4 e 7 de abril de 2017, a 15ª edição brasileira do CONCOURS MONDIAL DE BRUXELLES; o mais importante concurso de vinhos e destilados do mundo. A competição avaliou apenas amostras brasileiras, com o objetivo de revelar os melhores rótulos e projetá-los no mercado internacional. Alex Ordenes, editor de Winechef formou parte do jurado.

 

Veja os resultados da categoria “Destilados e Cachaças”.

 

DESTILADOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE GRANDE OURO:

 

Cachaça Bem Quer Prata Santíssima Agro Indústria Pitangui

Cachaça de Alambique Taverna de Minas Armazenada Carvalho 12 meses Taverna de Minas

Cachaça Envelhecida em Barris de Bálsamo H. Weber e Cia

Cachaça Extra Premium Dom Tapparo Engenho Ademilson Fernando Tapparo ME

Cachaça Extra Premium Vitoriosa Engarrafamento Pitu

Cachaça Heats Brazil Envelhecida Jequitibá HB AgroIndústria

Cachaça Itupeva Armazenada Umburana Bebidas Tonoli

Cachaça Leandro Batista Envelhecida H. Weber e Cia

Cachaça Premium 7 Madeiras H. Weber e Cia

Cachaça Reserva do Nosco Envelhecida Reserva Especial Carvalho Francês Marcelo Nordskog

Alex Ordenes, editor de Winechef formou parte do jurado do Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

Alex Ordenes, editor de Winechef formou parte do jurado do Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

DESTILADOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE OURO:

 

Cachaça Bassi Armazenada Bálsamo Adega Bassi

Cachaça Bento Albino Extra Premium Carvalho Armando de Abreu e Cia

Cachaça Cipó da Serra Armazenada em Carvalho, Amburana e Bálsamo Taverna de Minas

Cachaça Coisa Nossa Armazenada Amburana Cofercan

Cachaça Coluninha Armazenada em Carvalho e Amburana Coluninha

Cachaça de Alambique Taverna de Minas Carvalho Frances e americano Taverna de Minas

Cachaça Dose Classica Série Cristal Santa Barbara

Cachaça Gogó da Ema Tradicional (Armazenada Bálsamo) S. K. L. Medeiros Ferreira

Cachaça Harmonie Schnaps Envelhecida na Amburana Leandro Augusto Higert

Cachaça Harmonie Schnaps Prata Leandro Augusto Higert

Cachaça Heats Brazil Amendoim HB Agroindústria

Cachaça Lambe-Lambe Moreninha Blend Amburana e Carvalho Alambique Ouro Fino

Cachaça Orgânica Sanhaçu Armazenada em Toneis de Umburana Oto B. Silva

Cachaça Premium Jequitibá Ademilson Fernando Tapparo

Cachaça Santiago do Norte Armazenada em Bálsamo Cachaçaria Victória

Cachaça Sebastiana Duas Barricas Envelhecida em Carvalho e Castanheira Santa Rufina

Cachaça Serafina Ouro Armazenada em Carvalho e Amburana Serafina

Cachaça Vira Copos Rio Manso

Cachaça Werneck Premium Ouro Envelhecida em Barris de Carvalho ECX Cachaças Artesanais

Cachaça Werneck Reserva Especial ECX Cachaças Artesanais

Cachaça1532 Branca Pura Ebercon

Cachaça Bola da Vez Prata Armazenada em Amendoim Engenho da Cana

Cachaça Carvalheira Tradicional Extra Premium Carvalho Decana do Brasil

Casa Bucco Envelhecida em Carvalho Casa Bucco

Licor Creme e Amora MA & MA Ademilson Fernando Tapparo

Unser Schnaps Nossa Cachaça Enzweiler e Buchmann

Ypioca 160 Composta com Malte Diageo Brasil

 

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 - 15º Edição Brasil

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 – 15º Edição Brasil

 

DESTILADOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE PRATA:

 

Brasilberg da Casa Underberg Underberg do Brasil

Cachaça Alambique de Minas Ouro Armazenada em Amburana Engenho da Cana

Cachaça Bucco Envelhecida Amburana Casa Bucco

Cachaça Cabaré Extra Premium Ademilson Fernando Tapparo

Cachaça Canelinha da Marilia Mendonça Ademilson Fernando Tapparo

Cachaça Capim Cheiroso Cristal Capim Cheiroso

Cachaça Coisa Nossa Armazenada em Bálsamo Cofercan

Cachaça de Alambique Serigote Petronius

Cachaça de Alambique Taverna de Minas Armazenada em Jequitibá Taverna de Minas

Cachaça Envelhecida Orgânica Velho Alambique Amburana Ivandro Remus

Cachaça Guaraciaba Drink bidestilada Guaraciaba

Cachaça Heats Brazil Clássica HB Agroindustria

Cachaça Ibituruna Armazenada em Carvalho Itatinga

Cachaça Nobre Engenho Nobre

Cachaça Paratiana Ouro Extra Premium MG Paraty

Cachaça Pedra Branca Ouro Armazenada em Carvalho Sitio Pedra Branca de Paraty

Cachaça Prata Orgânica H. Weber e Cia

Cachaça Premium De La Vega Engenho da Cana

Cachaça Princesa Izabel Aquarela Princesa Izabel

Cachaça Prosa Mineira Ouro Prosa Mineira

Cachaça Reserva do Nosco Branca Marcelo Nordskog

Cachaça Santo Grau Coronel Xavier Chaves Natique

Cachaça Santo Grau Solera Pedro Ximenes Natique

Cachaça Soledade Balsámo Fazenda Soledade

Cachaça Terra Forte Armazenada em Bálsamo Cachaçaria Terra Forte

Cachaça Tiara Rainha Armazenada em Carvalho e Jequitibá Jurumirim

Engenho D’Ouro Gabriela Aguardente Comp. com Melado, Cravo e Canela Engenho D’ Ouro

Licor de Cachaça com Amburana H. Weber e Cia

Schuss Steinhaeger Tradição Alemã Joaquim Thomaz de Aquino Filho

 

Harmonizando vinhos com pratos típicos da páscoa

Chegou a Páscoa e, com esta data, também chega o momento de decidir o que vamos preparar para este dia em familia tão especial. No Brasil o bacalhau é o prato de maior sucesso nesta data, e é sem dúvidas uma ótima alternativa, mas não é a única.

Gosto muito de Bacalhau, em todas suas formas de preparação, mas sou um grande apaxionado dos frutos do mar – e tem outros frutos e peixes que prefiro ainda mais. Para dar-lhes algumas opções, vou apresentar à continuação três alternativas de receitas com frutos do mar com seus respectivos vinhos recomendados para se fazer a melhor harmonização:

Ceviche:

Meu favorito é o ceviche, que pode ser feito de várias formas e também com inúmeros peixes. O importante é que este esteja o mais fresco possível, e para conseguir uma harmonização perfeita vamos procurar um vinho também o mais “fresco” possível, onde sua acidez seja o elemento principal na expressão gustativa do vinho.

Aqui  teremos uma extensa lista de vinhos para harmonizar (sempre brancos). Em termos de uvas, vai depender se a carne do peixe é da cor branca mais clara (por exemplo, o robalo) ou branca mais escura (por exemplo, a truta).

No primeiro exemplo prefiro optar por vinhos de uva Sauvignon Blanc, mas se o ceviche for elaborado com um peixe de cor mais escura, aí teremos que procurar um vinho de uva branca que proporcione vinhos mais texturizados e estruturados, também jovens. No caso dos que tiveram guarda em madeira, que isso tenha sido por um período curto. Pode ser um Chardonnay, mas com a condição que tenha boa acidez, para o qual teremos que procurar exponentes de regiões climáticas com influência marítima, que entregam este tipo de vinho mais fresco.

Ceviche

Ceviche

 

Salmão assado marinado na laranja e gengibre:

Um Salmão Marinado é uma ótima alternativa para a cena de Páscoa. É um peixe delicioso, sua carne é suculenta e macia, e para harmonizar precisamos de um vinho branco já mais complexo, mais concentrado.

Pode ser um pouquinho evoluído, não necessariamente de acidez intensa, mas sim de uma boa concentração e viscosidade. Ou seja, um vinho branco mais cremoso e delicado ao paladar. Dentre as uvas mais conhecidas que entregam este tipo de vinho, temos a Chardonnay e a Viognier, então vou sugerir um blend (mistura) destas uvas em uma versão já mais complexa, produto da evolução durante quase cinco anos de garrafa.

Salmão assado marinado na laranja e gengibre

Salmão assado marinado na laranja e gengibre

Moqueca Capixaba:

A tradicional moqueca é outra das preparações que se destacam quando se trata de produtos feitos com frutos do mar. Para harmonizar podemos pensar em vinhos brancos jovens, concentrados e potentes, tipo Viognier ou Chardonnay que foram guardados em barricas de madeira e que tenham uma intensa frescura.

Mas para conseguir uma harmonização realmente ótima é melhor experimentar com vinhos tintos jovens, de uvas de textura aveludada, tipo Merlot e Carménère. Um Pinot Noir de clima fresco, jovem, sem muita madeira, pode harmonizar divinamente.

Moqueca Capixaba

Moqueca Capixaba

 

Vinhos para harmonizar a gastronomia da Páscoa

 

Ocasião especial para reunir amigos e família,  a ceia de Páscoa pode ficar ainda mais elegante e saborosa com a correta combinação entre vinhos e pratos que serão servidos.

O bacalhau, que costuma ser um dos peixes mais consumidos da semana santa pode ser harmonizado com vinhos tintos e brancos, levando em conta o modo de preparo e os acompanhamentos que serão servidos.

Para celebrar a Páscoa em alto estilo e deixar o feriado ainda mais saboroso, o Sommelier Conseil Alex Ordenes preparou algumas dicas preciosas para uma perfeita harmonização entre vinhos e bacalhau nesta data.

Para não errar na hora de servir o vinho, Alex destacou que um detalhe importante é a forma como o peixe vai ser preparado. ” Os sabores dominantes, as texturas e também as guarnições que vão acompanhar o bacalhau devem ser levados em conta na escolha do vinho que será servido”, explicou o Sommelier.

Para receitas que contenham limão, laranja, especiarias e resgatam o lado fresco dos sabores do bacalhau, a sugestão é procurar harmonia com vinhos brancos jovens, exóticos e exuberantes. Nesse caso, nada funciona melhor que a fragrância dos Torrontés argentinos, como o Monteviejo Festivo Torrontés.

Já para quem vai apostar em ceviche, o melhor é preferir o frescor dos Sauvingon Blanc´s jovens, que tem sua acidez e vivacidade como elemento gustativo  principal. “Nossa sugestão nesse caso é da vinícola Undurraga que tem toda a tipicidade desta particular uva, e acompanha perfeitamente o ceviche de bacalhau”, aconselhou Alex.

Para os tradicionais preparos do bacalhau ao forno, na chapa ou de alguma outra forma  onde a carne do peixe fique com uma textura mais firme, a harmonia ideal deve ser feita com vinhos tintos, de uvas que não tenham taninos demasiado firmes. O melhor para esse tipo de receita é procurar a suavidade das uvas Pinot Noir e Merlot ou um Carménère frutado e delicado, como o Antiyal Carmenére.

 

Vinhos para harmonizar a gastronomia da Páscoa.

Vinhos para harmonizar a gastronomia da Páscoa.