Posts

Nascimento e crescimento da uva

 

É na vinha que se faz o vinho

“Fazer bom vinho” é, na essência, “fazer” boas uvas. Depois colhe-las no momento próprio e proteger o seu suco (mosto) antes e durante a fermentação. A parte mais complicada do “fazer vinho” é enquanto as uvas estão na videira, durante todo o período que vai da floração à colheita; porque é na vinha que se faz o vinho e nem sempre a mãe natureza colabora com os desejos do enólogo ou do viticultor.

Conhecer a uva e o modo como amadurece é importante para uma colheita bem programada e para o sucesso de uma vinificação.

O nascimento e crescimento da uva resumem-se a um processo hormonal que inclui polinização, fertilização do ovário da flor da videira e desenvolvimento da grainha. Os dois primeiros originam o bago de uva e o último, o seu crescimento. Uma vez formado, o bago é constituído por película, polpa e grainhas. No seu desenvolvimento, que pode ir de 90 a mais de 140 dias (dependendo da casta, porta enxertos, clima e solo e práticas culturais) a uva atravessa 4 fases distintas…

 

Nascimento e crescimento da uva

Nascimento e crescimento da uva

O período herbáceo que vai do momento da formação dos pequenos bagos à mudança de cor. Nesta fase o bago comporta-se como qualquer outra parte verde da planta, realiza a fotossíntese através de estomas e os açúcares produzidos e recebidos de outras partes da planta são utilizados no crescimento e maturação da grainha. Neste período o bago detém apenas 2% do seu peso em açúcar.

Na “pinta” que corresponde à mudança de cor, a uva perde clorofila e ganha ácido abscísico que faz com que as castas brancas ganham a cor amarelada e as tintas o vermelho escuro. Os estomas degradam-se, com a maturação da grainha as hormonas de crescimento deixam de ser produzidas, a multiplicação celular pára e inicia-se a fase de acumulação. O volume do bago aumenta tornando-se elástico, a película cobre-se de uma camada cerosa chamada de pruína, o teor de açúcar quintuplica num espaço curto de tempo e a acidez decresce.

Na maturação, que vai da pinta à colheita, o bago aumenta de volume (mais a polpa que a película, o que leva ao aumento de pressão dentro do bago) e o açúcar continua a acumular-se na uva podendo atingir os 260 gramas por litro de mostro. A acidez mantém-se a decrescer.

A sobre maturação é a fase em que já se ultrapassou a maturação propriamente dita. Cessam as trocas entre planta e fruto e dá-se a concentração do suco celular por desidratação ou por ataque da podridão nobre. Durante a maturação vários fenómenos ocorrem na uva sendo os principais a acumulação dos açúcares, a degradação ácida, a evolução e maturação fenólica e a formação dos aromas.

 

CONNTINUA…

Nascimento e crescimento da uva. A acumulação dos açúcares

 

A acumulação dos açúcares

O açúcar é, por assim dizer, a alma do vinho. É a partir dele que as leveduras produzem o álcool que faz do vinho o que ele é.

O açúcar tem origem principal na fotossíntese das folhas e chega à uva sob a forma de sacarose. Aqui é hidrolizada em glicose e frutose que são açúcares fermentáveis.

A sua distribuição na uva e no próprio cacho não é uniforme. A metade da polpa adjacente à película é mais doce e menos ácida e a polpa junta às grainhas a menos doce e mais ácida. No cacho os bagos situados na parte superior do cacho são os mais doces porque são os primeiros a receber a migração de açúcar.

A quantidade de açúcares acumulados na uva durante a fase de maturação depende da duração da exposição solar em termos intensidade de luz e temperatura. Quando mais sol e calor mais açúcar terá a uva.

A degradação dos ácidos

A videira é uma das poucas plantas que concentra principalmente ácido tartárico nos seus frutos. Este é um produto secundário do metabolismo dos açúcares e durante a fase de crescimento vegetativo acumula-se no bago.

O ácido málico, em concentrações um pouco menores, é o segundo ácido da uva (junto com o tartárico soma 90% dos ácidos da uva). É um intermediário do metabolismo do açúcar e aumenta durante o crescimento vegetativo. A partir da pinta, como é inibido o consumo de açúcares no bago, este decresce porque passa a ser usado para produzir energia. Quando as necessidades energéticas da planta são menores, este ácido é transformado em açúcar. Este fenómeno tem um papel negligenciável.

 

Vinhos de Autor

 

Ao contrário da maioria dos frutos o ácido cítrico na uva surge em concentrações muito baixas.

A acidez da uva é máxima no início da maturação. Neste momento a uva tem o dobro da acidez do limão e é por essa razão que em climas tropicais (Tailândia) as uvas verdes são vendidas como ingredientes de tempero ácido. Durante a fase de maturação o conteúdo em ácidos baixa entre 1/3 e 1/5, sobretudo à custa do ácido málico.

Na maturação a planta utiliza os ácidos na sua respiração e produção de energia; e quanto maior for o calor mais intensa será a respiração e a degradação dos ácidos (málico em particular).

O conteúdo em tartárico está muito dependente do clima e se este é temperado, sem picos de calor excessivos, pouco difere ao longo da fase de maturação. O ácido málico decresce durante toda a maturação. O conteúdo em ácidos da uva também varia com a casta. Existe também uma relação entre a água no solo e a acidez. Em solos húmidos a maturação é retardada e a uva é mais rica em ácidos. Um ligeiro stress hídrico diminui a concentração de ácidos e abundância de água pode levar a um excesso de absorção de potássio com consequências na subida do pH e diminuição da acidez.

Veja a primeira parte da matéria: 

CONNTINUA…

Como deve ser um vinho de qualidade?

 

Sempre nos perguntamos quando um vinho é realmente bom.

Ou então, como é o vinho ideal? A resposta sempre está relacionada com o gosto pessoal de cada pessoa, é claro… Mas, na verdade, o gosto é algo que muda constantemente, na medida em que vamos nos aprofundando cada vez mais no tema – neste caso, o vinho.

Quando as pessoas começam a se interessar pelo mundo dos vinhos, geralmente são os vinhos mais simples os que são da preferência, e até muitas vezes os que têm algo de açúcar, ou os que têm aromas mais “adocicados” (a maioria das vezes aportados pela madeira), mas esse gosto pessoal começa a mudar na medida em que a pessoa começa a entender melhor sobre a degustação.

Em pouco tempo, os vinhos fáceis, adocicados, com muita madeira, etc., que num princípio pareciam ser vinhos bons, agora já não são mais do nosso agrado. Isso porque através do estudo, da prática e da degustação, as pessoas conseguem aguçar os sentidos e perceber aromas e sabores que antes não percebiam. Ai é o momento que as preferências e gostos começam também a mudar.]

Os vinhos com aromas e sabores doces

É natural que as pessoas gostem de aromas e sabores doces, e não do amargo, por exemplo. Essa é a razão que motiva as vinícolas a trabalhar estilos de vinhos onde, dependendo do desenvolvimento e do gosto do mercado em questão (que tem a ver com a evolução deste), vai ser o proprietário, o departamento de marketing e o próprio enólogo que vão definir o estilo do vinho de acordo com esse tipo de consumidor, e irão utilizar todas as ferramentas que existem em uma bodega para elaborar um vinho que seja do gosto deste mercado.

Seguindo a lógica, os mercados mais desenvolvidos (como Inglaterra, por exemplo) optam por vinhos que não têm muita madeira, vinhos mais frescos, e que têm a expressão do terroir, etc.. Os mercados mais novos, que tem menor conhecimento (como China, por exemplo), garantem vendas e sucesso, além de começarem a elaborar e exportar vinhos mais “maquiados”, que sejam mais fáceis de entender e, portanto, de vender. Vinhos mais maduros, com a presença das notas de baunilha e especiarias doces provenientes da madeira de forma mais marcada, porque é isto o que o público que começa a consumir vinhos consegue – mais facilmente – distinguir e apreciar.

 

Von Siebenthal Toknar, 2010

Von Siebenthal Toknar, 2010

 

Sobre o Terroir:

Mas, como deve ser um vinho de qualidade? São muitas, mas muitas as condições, no entanto, irei me referir a uma que é, talvez, a mais importante e que está relacionada com a forma na qual o vinho (para ser considerado um vinho de qualidade) tem que ser. Ele tem que expressar seu terroir, sua origem, ou seja, só através dos seus aromas e seus sabores, ele deve nos dizer de onde vem, e essa característica não está atribuída a todos os vinhos, poucos são os que têm a capacidade de expressar, e isso deveria ser regra…

O enólogo da Universidade Católica de Chile, professor de enologia por mais de 40 anos da maioria dos enólogos chilenos mais conceituados na atualidade (Álvaro Espinoza da Antiyal ou o próprio Pablo Morandé foram alguns dos seus alunos), Alejandro Hernandez, em conversa com Winechef define para nós o conceito de Terroir:

“O terroir é em si uma noção que indica certa tipicidade e individualidade que gera um vinho com características determinadas e repetíveis. O último não é uma norma fixa, pois os fatores do solo, de certo modo, podem ser modificados e porque as condições do clima não são controladas.”

Terroir

 

Clima e solo

Como Don Alejandro define claramente, o conceito de terroir está ligado à tipicidade e individualidade de um vinho, resultado da junção de seu clima e do seu solo, entre vários outros fatores que interferem no resultado final. Tal como defini no começo da matéria, de maneira natural começamos com vinhos mais fáceis e simples, e logo passamos por várias etapas para, não em muito tempo de estrada, chegar a esta onde começamos a conseguir distinguir a origem do vinho.

Esta etapa é muito interessante, talvez seja a melhor, e aqui o vinho além de ser agradável, bom ou excelente, ele deve nos entregar informação do seu passado, da sua infância, do seu terroir, e aqui é onde realmente podemos saber e dimensionar a qualidade de um vinho. Sem terroir não há qualidade.

 

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

A partir de hoje você vai começar a conhecer uvas que voçê nunca imaginou…

Muita gente está acostumada a conhecer os vinhos pelos nomes de suas uvas. Isso, obviamente, não é um sacrilégio, apesar de ser um pouco de preconceito. Especula-se que todo enófilo que se preze conhece Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc e até Carménère – que ultimamente ganhou mais exposição no Brasil devido a uma enxurrada de vinhos varietais à base dessa especial cepa francesa, que fez fama no Chile.

É lógico que vinhos elaborados a partir das castas citadas acima são, em sua maioria, excepcionais. A partir, por exemplo, da Cabernet Sauvignon e da Pinot Noir, temos os mais badalados, procurados, caros e requisitados vinhos do mundo, principalmente os provenientes da França. A Borgonha, com exclusividade na Pinot Noir em seus tintos, e Bordeaux, com a Cabernet Sauvignon liderando os famosos cortes, são religiões entre os mais apaixonados por grandes vinhos.

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

Nem tudo que é bom é Cabernet Sauvignon

Sendo assim, para fugir do óbvio, nesta edição decidimos dedicar tempo às desconhecidas castas que produzem vinhos muito especiais e alguns até excepcionais. Ou seja, vamos quebrar o paradigma de que, para bebermos um grande vinho, é necessário que ele seja produzido a partir de uma uva “famosa”.

Sendo assim, decidimos escolher algumas castas desconhecidas da maioria dos apreciadores do líquido de Baco (que tivessem produtos disponíveis no mercado nacional) e abordá-las para os nossos apaixonados leitores. Como é bom saber que existem infinitas uvas mundo afora produzindo vinhos especiais.

Então fiquem atentos que a partir de hoje você vai começar a conhecer uvas que você nunca imaginou…

 

Veja Também:

 

 

Barolo e Barbaresco, o reino da uva Nebbiolo

O Piemonte é uma região grande, no norte ocidental de Itália, a 60 quilômetros da costa mediterrânica ocidental. Abarca inúmeras Denominações de Origem, entre as quais se encontram as de Barolo e de Barbaresco, as mais famosas.

As duas DO’s, Barolo e Barbaresco, são vizinhas, repartem a mesma casta tinta, a Nebbiolo, e os seus vinhos têm características muito similares: côr rubi/alaranjada, relativamente pouco intensa, acidez alta e taninos poderosos. Na verdade, em prova cega, é muito difícil distingui-los, mas as diferenças existem, sobretudo na lei: Barbaresco exige dois anos de envelhecimento antes de sair para o mercado, enquanto que em Barolo se exigem três. Este ano extra de envelhecimento ajuda os vinhos de Barolo a suavizarem os seus taninos, que dizem ser mais potentes que os de Barbaresco por causa da natureza dos seus solos (mais calcário e mais marga que em Barbaresco).

 

Barolo e Barbaresco, o reino da casta Nebbiolo

Barolo e Barbaresco, o reino da casta Nebbiolo

 

Ambas são regiões pequenas. Barolo com perto de 1.800 hectares e Barbaresco com perto de 700. A produção está em concordância, registando-se uma média de produção nos últimos 5 anos de cerca de 11 milhões de garrafas em Barolo e 4 milhões em Barbaresco.

Mas o interessante é que não há muitos produtores de grande escala. O grosso da produção provém de pequenas explorações (há quase 1.300 produtores registados entre as duas regiões) com produções em concordância (não ultrapassam as 20.000 garrafas).

O campo está cheio de suaves colinas ondulantes onde, aliás, estão implantadas praticamente todas as vinhas. As colinas são fundamentais nesta região de clima continental, pois aumentam a exposição solar, o que é crítico para a maturação da Nebbiolo, uma casta muito tardia e que precisa amadurecer muito bem para perder os aromas vegetais. Em geral, colhe-se já bem entrado o mês de Outubro.

 

 

Chile: A terra prometida da Malbec

Uma grande parte dos apaixonados por vinhos gostam da concentração e da majestosa potência e profundidade que os Malbec´s oferecem. E como não gostar?

Depois de algum tempo, ou talvez até alguns anos de experiência, quando nosso paladar começa a se aguçar, entendemos que os vinhos que mais nos entregam prazer são aqueles que têm de tudo: muita cor, que são ricos e complexos aromaticamente, e que na boca são concentrados e cheios de sabores e matizes.

Os Malbec’s têm essa graça. Produzem vinhos de muita complexidade, da cabeça aos pés, de grandes virtudes que deleitam nossos sentidos,  e o que é ainda mais importante: de altíssimos níveis de qualidade. Sem dúvida, a Argentina tem feito um trabalho extraordinário na última década com esta uva, não só do ponto de vista qualitativo, mas também pelo grande sucesso que tem conseguido ao posicionar esta uva entre as melhores do mundo.

De forma silenciosa, o Chile, há mais de duas décadas, tem trabalhado esta variedade com um sucesso notável, mas pela grande associação que existe entre uva/país, ou seja, Malbec/Argentina, os exemplares chilenos têm passado quase desapercebidos.

Se tentarmos comparar os Malbec’s destes dois países (os de bons níveis de qualidade), eles se diferenciam em termos generais no estilo. Enquanto os Malbec’s argentinos são extremamente maduros e densos, os chilenos têm um estilo mais fresco e elegante. Isto se explica de maneira simples, devido às condições climáticas diferenciadoras entre ambas as regiões produtoras. Mendonça é muito mais cálida que o Vale Central no Chile, isto explica por que as uvas “Malbec mendocinas” conseguem uma concentração de açúcar maior que as chilenas, o que, no final, se transforma em um potencial alcoólico maior.

Mas agora, pensando que os consumidores do mundo todo estão cada vez mais preferindo vinhos de estilos mais frutados, com menor graduação de álcool, parece que o Chile vai ter uma grande oportunidade – e não só com os Malbec’s, mas também com as outras uvas tintas.

No caso da Argentina, a resposta a esta demanda foi procurar altitude plantando novos vinhedos em áreas que antes não tinham sido exploradas, já que, como sabemos, a medida que subimos o pé de monte da Cordilheira dos Andes, o clima vai ficando mais fresco, obtendo uma maturação mais equilibrada, onde a acidez consegue ficar até o último momento (hora da colheita da uva), e isso significa que terá uma uva de maior qualidade e que, finalmente, irá resultar em vinhos menos alcoólicos, mais elegantes e frescos.

No caso do Chile, os resultados dos vinhedos que estão influenciados pela costa do Pacífico são realmente interessantes, e o melhor exemplo disso é o extraordinário Malbec da vinícola Loma Larga, que consegue expressar de maneira clara esta ideia de vinhos tintos de climas frescos, onde, além da grande concentração e potência, se consegue sempre manter uma frescura, o que também está relacionado com o potencial de guarda destes vinhos. Até onde se conhece é excelente, podendo-se manter e melhorar por mais de uma década.

Quem alguma vez provou este vinho (e os outros tintos desta vinícola) sabe do que estou falando. E os que ainda não tiveram a possibilidade (e se gostam mesmo desta uva) deem-se a oportunidade, que tenho certeza que não vão se arrepender. Outro Malbec de Chile fantástico é o elaborado pela Perez Cruz, mas tenha cuidado porque no rótulo diz “Côt”, que é o nome original da uva, que é o utilizado ainda na sua terra natal Cahors.

Chile: A terra prometida da uva Malbec

Chile: A terra prometida da uva Malbec

 

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Um Syrah chileno sólido, denso e estruturado!

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2012
Sub-Região Vale de Colchagua
Uva 95% Syrah, 4% Cabernet Sauvignon e 1% Carménère
Teor Alcoólico 14,6%
Tipo de Uva Tinta Syrah
Amadurecimento 100% em barricas por 12 meses

 

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

 

Visual De cor vermelha rubi com profundos reflexos violetas.
Olfativo Com uma extraordinária tipicidade da uva e com caraterísticas marcantes que refletem de maneira impecável seu terroir, do vale de Colchagua. Vinho de uma deliciosa e rica gama aromática, muito complexo, exibindo aroma sedutor de caixa de especiarias, nítidos cassis e groselha preta, couro com um fundo de cedro e tabaco.
Gustativo No paladar possui uma magnifica concentração, com muita extração da fruta, muito agradável. Com taninos firmes, estruturados e acidez intensa que acentua e realça os sabores de mirtilo, amora, cassis e groselhas, mais os elementos da família das especiarias vindos do envelhecimento em barris de carvalho. É um vinho de extraordinária qualidade, para apreciar agora ou para guardar por mais um longo tempo.
Dica de Harmonização É um vinho de muita força e concentração, que para harmonizar vai precisar de pratos de muita personalidade, principalmente gastronomia a base de carnes vermelhas e carnes de caça.
Temperatura de Serviço 16 ºC
Potencial de Guarda 5 anos
Pontuação Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

 

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006

País Chile
Propriedade da Vinícola 70 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2006
Sub-Região Pirque
Uva 34% Carménère, 33% Cabernet Franc e 33% Cabernet Sauvignon
Teor Alcoólico 14,5%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Amadurecimento 100% deste vinho foi envelhecido por um período de 18 meses em barricas de carvalho francês sendo 100% novas.

 

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006

 

Visual Vermelha rubi profunda com nuances alaranjados.
Olfativo No nariz proporciona um bouquet evoluído, e um perfume muito expressivo de cravo, alcaçuz, groselha preta e amora. Tem um perfil aromático de nível qualitativo extraordinário. É elegante, delicado, sedutor, e tudo está absolutamente integrado formando uma fragrância de muitas camadas aromáticas e um nível de complexidade ao nível dos melhores vinhos da América do Sul.
Gustativo Entra na boca com muita elegância e fineza, redondo, sedoso e macio, a textura é deliciosa e tem uma frescura e um equilíbrio do mais alto nível até hoje conhecido. As camadas avertidas no nariz agora estão na boca, camadas de fruta saborosa em um vinho feminino, sem aristas, quase perfeito, altamente recomendável.
Dica de Harmonização Confit de pato sobre batatas salteadas.
Mignon em crosta de vitelo e foie gras sobre molho de vinho do Porto com risoto de funghi porcini.
Filé mignon grelhado acompanhado de rosti de batatas e ratatouille de pimentão e cebola.
Carré de cordeiro com purê de menta sobre fundo de alecrim.
Filé de cervo com crosta de “pain de épices” e purê de castanha.
Ossobuco com abóbora assada.
Temperatura de Serviço 16°
Potencial de Guarda 15 anos
Nome da Vinícola William Fevre
Ano de Fundação da Vinícola 1992
Pontuação Winechef  

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006 - 93 pontos Winechef

Vinho William Fevre Antis Ultra Premium, 2006 – 93 pontos Winechef

 

Vinho Casa Donoso Doña Lucía Premium, 2012

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2008
Sub-Região Vale do Maule
Uva Cabernet Sauvignon 40%, Carménère 30%, Malbec, 20%, Cabernet Franc 10%.
Teor Alcoólico 13.50%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Amadurecimento 100%, por 12 meses em barricas francesas e americanas

 

Vinho Casa Donoso Doña Lucía Premium, 2012

Vinho Casa Donoso Doña Lucía Premium, 2012

 

Visual Coloração púrpura muito intensa e profunda.
Olfativo Aromas de muita personalidade, destacando-se eucaliptos, cassis, e mirtilo, complementados por notas de especiarias provenientes do envelhecimento em madeira, resultando em uma fragrância de grande nível de complexidade.
Gustativo É oleoso, denso e viscoso, com uma estrutura de taninos bem presentes que garantem uma longa vida pela frente. Excelente vinho, muito recomendável. Na boca é compacto e extraordinariamente sedutor, denso, com ótima estrutura de taninos firmes, aliados a um particular e intenso frescor natural, outorgado pelo seu magnifico terroir (velhas parreiras no Valle de Maule, no Sul do Chile). Muito persistente no fim de boca. Com potencial de mais de uma década na garrafa, e que certamente irá revelar muito mais complexidade. Recomendável decantar.
Dica de Harmonização Ragoût de rabada com cebolas crocantes.
Jarret de vitela.
Carré de cordeiro com risoto trufado.
Lombo em azeite, com purê de ervilhas e seus grãos salteados com chouriço.
Filé Mignon coberto por molho de amoras.
Ossobuco em molho de pomodoro e arroz.
Temperatura de Serviço 15 ºC
Potencial de Guarda 10 anos
Pontuação

Vinho Casa Donoso Doña Lucía Premium, 2012 - 92 pontos Winechef

Vinho Casa Donoso Doña Lucía Premium, 2012 – 92 pontos Winechef

Uva Carménère: o emblema do Chile

 

Parece que foi ontem… Foi no ano 1994 que aconteceu o fato que mudaria a história do vinho do Chile. O ampelógrafo Jean-Michel Boursiquot descobriu que a maior parte da Merlot dos vinhedos chilenos, na verdade, não era tal variedade – e, sim, Carménère (ou Grande Vidure, sinônimo que esta uva tem em seu lugar de origem, Bordeaux), a variedade extinta na França após a terrível praga da filoxera, ao final do século XIX.

E tinha sido um pouco antes, no ano de 1993, que outro ampelógrafo, o também francês Claude Valet, tinha já deixado antecedentes de que existia uma variedade de uva misturada com a Merlot (mas ele, ingenuamente, pensou que se tratava da Cabernet Franc).

Lembro de ter participado de muitas discussões e degustações nos meados dos anos 90 (pouco depois desta importante descoberta de Jean Michel), onde se pretendia chegar a uma conclusão a respeito do futuro desta uva, onde, principalmente, se questionava o real potencial de qualidade que ela tinha e as estratégias que se pretendiam seguir para a introdução destes vinhos no mundo. Além deste, o grande problema nesse momento era identificar e separar no vinhedo, já que a Carménère e a Merlot estavam, literalmente, misturadas

Já são passados quase 20 anos, e a Carménère hoje goza de um rol preponderante no portfolio dos vinhos chilenos, ao ponto de ser considerada a variedade emblemática deste país – e no último cadastro, sua superfície já superava os 10 mil hectares plantados, o que é um número muito significativo considerando que a totalidade de superfície de variedades de uva para a produção de vinhos finos está ao redor dos 120 mil hectares.

A chave do sucesso desta uva que em poucos anos já conquistou o mundo todo está na excelente adaptação que ela encontrou no Chile, e, independentemente do lugar, ela tem conseguido vinhos de altos níveis de qualidade em diferentes regiões.

As condicionantes que esta exige para produzir vinhos de qualidade são:

Uva Carménère o emblema do Chile

Uva Carménère o emblema do Chile

O clima:

A Carménère é uma casta que tem um ciclo de maturação lento, pois precisa de bastante (mas não em excesso) sol e de temperaturas mais elevadas, razão pela qual nunca conseguiu se adaptar, por exemplo, ao vale de Casablanca ou outras regiões de climas frios, e os que tentaram terminaram por desistir e arrancar o enxerto das plantações por outras variedades mais apropriadas para esse tipo de clima.

Baixo rendimento por planta:

Outro elemento importante, e que todo enólogo que trabalha com esta uva tem muito claro, é a incapacidade desta variedade para produzir bons níveis de qualidade quando é exigida a produzir altos níveis de rendimento por Hectare.

Neste momento a Carménère mostra seu lado ruim, e, na verdade, não é só a Carménère, mas também acontece algo parecido com muitas outras variedades da família das Cabernet, seja a Cabernet Sauvignon ou Cabernet Franc.

Quando estas variedades produzem muitos quilos de uvas por hectare, se desenvolve um aroma herbáceo característico, frequentemente descrito como pimentão verde (aromas piracínicos), que é um aroma claramente desagradável e que alguns Carménère’s (principalmente os que estão na base da pirâmide qualitativa) têm.

E o problema é ainda maior, já que na evolução na garrafa estes aromas de pimentão verde vão cada vez mais se acentuando e transformando, terminando em aromas confusos e cada vez mais desagradáveis.

O potencial qualitativo da uva:

Deste outro ponto de vista, onde estão os Carménère’s que foram perfeitamente adaptados às condições climáticas do lugar, onde o rendimento de quilos de uva por hectare é moderado, de acordo com o equilíbrio da planta, o resultado é bem diferente.

Os Carménère’s quando são de boa qualidade podem deixar apaixonados até os mais exigentes. Esta uva, além de ter uma cor maravilhosamente vermelha escura, tipo carmim (alguns falam que este é o motivo do nome da uva Carménère… da cor Carmim), seus aromas são bastante atraentes.

E quando se trata de Carménère perfeita e corretamente madura, além das frutas negras, amoras e cerejas que fazem parte do portfolio aromático, também aparecem formando parte dos aromas primários (aromas provenientes de forma natural da uva) notas de especiarias, chocolate, que acrescentam à qualidade e diversidade olfativa, e aumentam o seu caráter sedutor.

Se compararmos com a maioria das outras uvas tintas, a grande diferença e, talvez a maior virtude da Carménère, está na sua incrível textura que os vinhos provenientes dela oferecem na boca. Os Carménère’s são macios como seda, e esta uva geralmente se associa ao lado feminino, por sua delicadeza e suavidade.