A revista The Drinks Business escolhe os vinhedos mais extremos do mundo

 

Veja a segunda parte da lista elaborada pela revista The Drinks Business dos vinhedos mais extremos do mundo.

Les Amis de Farinet (Suíça): 

Propriedade do próprio Dalai Lama é o menor vinhedo do mundo já registrado. Composto por apenas três vinhas, nele são cultivadas variedades Pinot Noir e Chaselas, que juntas com uvas de outros vinhedos são capazes de produzir até mil garrafas, vendidas ao preço de US$ 35 mil em leilões beneficentes.

Les Amis de Farinet (Suíça)

Les Amis de Farinet (Suíça)

Sahara Vineyards (Egito): 

Localizado perto de Cairo, no Egito, a propriedade possui mais de 600 hectares, onde são produzidas 30 variedades de uvas diferentes. Diante das dificuldades provenientes das mudanças bruscas entre as temperaturas extremas do dia e da noite e da total falta de chuva, 30 toneladas de adubo são usadas para cada hectare como forma de dar às vinhas os nutrientes necessários para que tenham um crescimento saudável.

Viñedos Sahara Vineyards - Egito

Viñedos Sahara Vineyards – Egito

Domaine de Beudon (Suíça): 

A mil metros acima do nível do mar, o vinhedo suíço está agarrado a uma montanha rochosa. Só é possível acessá-lo através de uma trilha extremamente íngreme na montanha ou usando o teleférico particular da propriedade.

Domaine de Beudon (Suíça)

Domaine de Beudon (Suíça)

The Siam Winery (Tailândia):

Situadas no delta do Chao Phraya, as vinhas flutuantes são talvez as mais incomuns. Elas são plantadas em ilhas separadas por canais que impedem que as uvas sequem devido ao extremo calor.

The Siam Winery (Tailândia)

The Siam Winery (Tailândia)

Cooperativa da ilha do Fogo (Cabo Verde):

O terreno se compara com o da lua e é uma das regiões viticultoras mais surreais do mundo, localizada na base de um vulcão ativo, cuja última erupção foi em 1995.

Cooperativa da ilha do Fogo (Cabo Verde)

Cooperativa da ilha do Fogo (Cabo Verde)

Blaxta Vineyard, Flen (Suécia):

Com vinhedos situados no paralelo 59, onde cultivar uvas se torna praticamente inviável, faz com que essa região seja impressionante. Este talvez seja o vinhedo mais setentrional do mundo com apenas 3 hectares.

Blaxta Vineyard, Flen (Suécia)

Blaxta Vineyard, Flen (Suécia)

Veja Também:

 

 

O enólogo chileno Felipe Garcia e os segredos da uva Sauvignon Blanc

 

Uva Sauvignon Blanc por Felipe Garcia, enólogo chileno proprietário de Garcia & Schwaderer

Sempre pensei (e ainda penso) que a melhor maneira de aprender eficientemente sobre algum tema em particular é através das informações dos especialistas que realmente conhecem o tema. Quando surgiu a ideia de fazer uma matéria sobre a uva Sauvignon Blanc, imediatamente me veio à cabeça o nome de Felipe.

Para quem já degustou algum dos Vinhos de Autor (e especialmente Marina Sauvignon Blanc) que Felipe e sua esposa Constanza produzem no Chile, imagino que vai ser muito interessante poder ler esta matéria onde ele nos conta tudo sobre esta uva, sobre seu cultivo, seu comportamento no vinhedo e também na bodega.

Para aqueles que até agora não conheceram o trabalho de Felipe García e Contanza Schwaderer, e seu projeto Bravado Wines, menciono um fato muito relevante: eles têm o mérito de ter a maior pontuação da América do Sul para Robert Parker com um vinho da uva Carignan, e seus vinhos (Sofia Pinot NoirFacundo AssemblageVigno Carignan e o próprio Marina Sauvingnon Blanc) sempre estão no topo das listas das guias e concursos de vinhos – e são também os precursores do movimento de enólogos independentes MOVI, agrupação que se diferencia do resto das vinícolas do Chile por produzirem vinhos dentro do conceito de vinhos de Autor, ou seja, em pequenas quantidades e com um selo muito pessoal.

Felipe tem uma vasta experiência quando se trata da uva Sauvignon Blanc, e já conquistou o 1º lugar da “Guia de Vinos de Chile” em várias ocasiões, há alguns anos atrás, quando trabalhava para a vinícola Casas del Bosque.

Com o seu Sauvignon Blanc Marina, poderíamos até dizer que Felipe mudou a história dos vinhos brancos chilenos, conseguindo pela primeira vez  (e única) o troféu como o melhor vinho do concurso Wines Of Chile Awards, prêmio que sempre foi para vinhos tintos.

Então, deixo a primeira parte (de 2) da interessantíssima e completa matéria de Felipe Garcia sobre a esta uva, a fascinante Sauvingnon Blanc.

Pediram-me que escrevesse esta pequena coluna para poder explicar de forma simples todos os fatores que são relevantes na produção de um bom Sauvignon Blanc, e isso me fez relembrar o grande caminho que percorri nesta obsessão de querer fazer o Sauvignon Blanc dos meus sonhos, este vinho que realizasse tudo o que eu gosto desta variedade. Bom, e para isso tivemos que aprender muito, e é isso que irei contar a vocês nesta coluna.

O Sauvignon Blanc deve ser a variedade mais estudada de todos os tempos, e por isso uma das variedades mais técnicas na hora da elaboração de vinhos. Aqui, cada enólogo pode procurar um estilo particular e tentar realizá-lo em seu vinho. Cada uma das decisões que se toma na vinicultura e enologia têm influência direta na qualidade e estilo do vinho final. Aqui pretendo resumir os pontos-chave na obtenção deste meu Sauvignon Blanc dos sonhos.

Enólogo Felipe García

Enólogo Felipe García

 O terroir

O primeiro passo é buscar o terroir adequado. Isso quer dizer, ir em busca de zonas frescas. No caso do Chile, todas as regiões costeiras, Casablanca, Leyda, Limarí, Paredones, etc., cumprem essa condição. Podem-se encontrar essas mesmas zonas frescas também nos Andes. Um exemplo muito bom disto é o caso de Colbún, zona dos Andes em Maule. No meu caso, o vale que mais gosto para o Sauvignon Blanc é Casablanca, pela sua proximidade com o mar, por suas manhãs com névoa e suas tardes com vento. Em minha opinião, estas características fazem de lá um lugar privilegiado no Chile e no mundo.

E por que é importante o cultivo em um clima fresco? Um bom exemplo para relacionar o clima e as variedades é perguntar o que aconteceria se um Carménère, uma variedade de maturação tardia, fosse colocado em uma zona costeira e o Sauvignon Blanc em uma zona quente?

Fácil. O Sauvignon Blanc ficaria sem acidez e sem aromas, isto devido à maturação que aconteceria em um ciclo muito curto, e eliminaria grande parte de sua acidez natural e de suas qualidades aromáticas. No caso do Carménère, estando em um clima ameno ficaria com um sabor verde de taninos imaturos, um vinho que não dá para se tomar! Isso porque não teria a temperatura suficiente, em graus e em tempo, para se conseguir uma fruta madura que permitisse uma boa expressão da variedade.

 

Veja Também:

 

 

Receita de Risoto de camarão

reeIngredientes

200 gramas de camarão rosa

1/2 limão 1 dente de alho picado

2 colheres (sopa) de azeite de oliva

1 cebola picada 150 gramas de arroz arbório

1/2 xícara (chá) de vinho branco

1 colher (chá) de açafrão-da-terra (ou cúrcuma)

2 xícaras (chá) de caldo de legumes

1/2 xícara (chá) de manteiga

1/2 xícara (chá) de queijo parmesão ralado

sal a gosto • pimenta-do-reino a gosto • sal a gosto • pimenta-do-reino a gosto.

 

Receita de Risoto de camarão

Receita de Risoto de camarão

Modo de preparo

Limpe os camarões e tempere com o sal, o suco de limão, o alho e a pimenta-do-reino. Reserve.

Em uma panela, aqueça o azeite e doure a cebola. Acrescente o arroz e mexa bem sem deixar queimar. Adicione o vinho branco e mexa até se evaporar.

Misture o açafrão e junte aos poucos o caldo de legumes. Controle o ponto do arroz e, um pouco antes de ficar pronto, acrescente os camarões. Desligue o fogo quando os camarões estiverem cozidos e o arroz ficar cremoso.

Acrescente a manteiga, o queijo parmesão ralado e salsa picada. Envolva delicadamente e sirva bem quente.

Vinho para harmonizar o Risoto de Camarão

Prefira vinhos brancos que tenham bom corpo e concentração, por exemplo, algum vinho elaborado pela uva Viognier, Semillon ou Chardonnay que tenham tido guarda em madeira.

 

Veja Também:

 

 

Châteaux La Conseillante expande seu território

 

É a primeira vez que o tradicional Châteaux francês incorpora terras desde 1753

A Châteaux La Conseillante (Pomerol, França) anunciou mudanças pela primeira vez em muito tempo.

A produtora está sob nova direção depois que Jean-Michel Laporte, que diretor da La Conseillante desde 2003, anunciou sua saída no início deste ano.

Quem assumiu a nova função foi Marielle Cazeaux. A principal mudança aconteceu nas vinhas: a La Conseillante aumentou seu tamanho em 12,7 hectares, comprando terrenos localizados perto da Vieux Château Certan.

Foi a primeira vez desde 1735 que a Chateaux expandiu seu território.

Chateaux La Conseillante expande seu território

Chateaux La Conseillante expande seu território

 

Veja Também:

 

 

Receita fácil de Sopa de Camarão

 

Imagina preparar em poucos minutos uma sofisticada sopa de camarão, deliciosa, e muito saudável.

A chef Edneia Benfica preparou esta receita, que certamente você vai a adorar.

Ingredientes para preparar Sopa de Camarão

 

1 Quilo de camarões médios descascados

1 Cebola pequena picada

2 Xicaras de chá de água

1 Pitada de noz moscada

1 Limão (suco e a casaca ralada)

2 Colher de sopa de manteiga

1 Xicara de chá de creme de leite

1 Colher de sopa de farinha de trigo

Sal e pimenta do reino

Receita fácil de Sopa de Camarão

Receita fácil de Sopa de Camarão

 

Preparação da Sopa de Camarão

 

Limpe e pique os camarões, cozinhe-os na água com a cebola e a casca do limão por 5 minutos e coe.

Reserve o caldo

Em outra panela derreta a manteiga, adicione a farinha de trigo, o caldo e o creme de leite. Deixe ferver.

Tempere com noz moscada, sal e pimenta.

Junte ao creme os camarões, o suco de limão e deixe ferver.

 

Dica da chef

Sirva sua sopa sempre quente, pode acompanha-la com torradas ou com croutons.

 

Veja Também:

 

Vinhos do Alentejo elegem Melhor Sommelier no Brasil

Concurso acontece durante o mês de setembro

Durante o mês de setembro, é promovida a 5ª edição de “O Melhor Sommelier Vinhos do Alentejo no Brasil”, concurso exclusivo para profissionais ligados ao serviço do vinho em restaurantes, lojas, empórios ou importadoras.

O crítico de vinhos Alexandre Lalas dirige uma sessão de formação onde explica alguns dos conceitos-chave da região alentejana, como história, terroir, produtores e perfil dos vinhos. Os concorrentes participarão de seguida numa prova de vinhos alentejanos, que termina com um teste escrito de caráter classificatório. Aquele que mais conhecimentos revelar sobre os vinhos alentejanos mais hipóteses terá de se sagrar “O Melhor Sommelier” do concurso, beneficiando de uma tour e provas exclusivas pela região portuguesa, durante uma semana.

“O Melhor Sommelier Vinhos do Alentejo no Brasil” promoverá sessões em Brasília (12 setembro, Kubitschek Plaza Hotel), no Rio de Janeiro (15 setembro, Porto Bay Rio Internacional), em Curitiba (18 setembro, Pestana Curitiba Hotel) e em São Paulo (22 setembro, Unibes Cultural).

Vinhos do Alentejo elegem Melhor Sommelier no Brasil

Vinhos do Alentejo elegem Melhor Sommelier no Brasil

De recordar que a anterior edição do concurso sagrou Wallace Gonçalves Neves, sommelier do hotel Sheraton Rio de Janeiro, como vencedor.

O concurso é uma organização da CVRA – Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, com produção EV-Essência do Vinho.

A região do Alentejo é líder do mercado português de vinhos – detém 44% em volume e 44,5% em termos de valor –, segundo dados referentes a 2016 da AC Nielsen. E o Brasil é o segundo principal mercado importador dos vinhos alentejanos no mundo, com cerca de 3,7 milhões de garrafas por ano.

 

Fonte: Revista de Vinhos de Portugal

 

Veja Também: