Posts

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

Nos anos 30 do século XVII Kenelm Digby inventa a garrafa de vidro. Cinquenta anos depois, uma segunda revolução, com o desenvolvimento da rolha de cortiça.

As primeiras rolhas de cortiça eram cónicas e em 1680 D. Pérignon deu-lhes o lugar das rolhas de madeira no gargalo de uma garrafa com vinho espumante. Em 1830 surgem os equipamentos capazes de introduzir rolhas cilíndricas nos gargalos das garrafas e 60 anos depois são fabricados os primeiros aglomerados de cortiça. Em 1903 inventam-se as rolhas de duas peças, com a parte inferior de cortiça natural e a superior com aglomerado. Nos nossos dias, produzem-se rolhas de cortiça de diferentes tipos e dimensões – de cortiça natural, de aglomerado, mistas, cilíndricas, cónicas, para champanhe, de inserção manual, ‘twin top’, etc.

O nascimento da cápsula de rosca (screwcap) é bem mais recente. Em 1959, a companhia francesa La Bouchage Mécanique introduz o Stelcap-vin depois da Stelcap ter provado eficiência com espirituosos e licores. Em 1970, a Australian Consolidated Industries adquiriu os direitos de fabricação e a Stelcap foi rebaptizada por Stelvin. No entanto, o receio do fracasso junto dos preconceitos do consumidor manteve este ‘screwcap’ em ‘stand-by’ até começarem os problemas com a rolha de cortiça natural. A partir de 2000, o uso deste vedante começou a crescer exponencialmente e em 2004 calcula-se que cerca de 200 milhões de garrafas de vinho australiano foram seladas com cápsula roscada. O movimento contagiou a Nova Zelândia que forma em 2001 a New Zealand Screwcap Initiative. Nessa data, 1% dos vinhos neozelandeses usavam cápsula roscada. Em 2004 era já 70%.

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

 

 

Analise olfativa do vinho

 

 No mundo dos vinhos não existe outra coisa que seja mais importante do que isto.

Ter um bom nariz. Mas isto não tem nada a ver com a parte estética, nem também com o tamanho deste órgão do sistema respiratório, mas, sim, com a capacidade de poder sentir, identificar e expressar os aromas que os vinhos entregam.

Para aqueles que estão começando, a boa notícia é que o olfato (aplicado à degustação) é um sentido que todos podem educar, da mesma maneira que educamos os outros sentidos, como, por exemplo, a vista para as artes como a pintura ou quando educamos o ouvido para aprender idiomas ou para a música.

O olfato é, sem dúvidas, o sentido mais importante, até mais importante que o paladar. Ele é muito mais exato e preciso, e consegue distinguir milhares de aromas diferentes. A primeira coisa que precisamos entender é que nossa capacidade e qualidade gustativa estarão sempre ligadas à nossa análise olfativa. Portanto, quanto melhor é nossa análise olfativa, melhor será nossa degustação, e, consequentemente, melhor conseguiremos apreciar os aromas que os vinhos exalam e tirar o melhor de cada garrafa.

Do contrário, não adianta comprar garrafas caras, vinhos de boa qualidade, ou até mesmo deixá-lo vinhos evoluir na garrafa durante anos para desenvolver aromas mais complexos, já que, se não temos a capacidade de perceber os aromas, identificá-los, classificá-los e desfrutá-los do jeito certo, nada do anterior teria sentido.

Aromas frutados nos vinhos

Aromas frutados nos vinhos

Então, por onde começar?

O nosso principal objetivo vai ser poder armazenar no nosso cérebro (na nossa memória olfativa) a maior quantidade de aromas possível, mas não basta deixá-los guardados. Precisamos tê-los sempre “à mão”, ou seja, deve ficar muito clara a informação olfativa, de maneira que toda vez que a gente se exponha a este aroma de novo, seremos capazes de reconhecê-los.

A dica é tentar extrair ao máximo os aromas que estão no nosso dia-a-dia, já que só desta maneira vamos realmente melhorar nosso “nariz”, e melhorar a nossa degustação.

A intensidade aromática:

Uma garrafa de vinho, para ser considerada de qualidade, deve ter aromas intensos, mas com a condição que estes sejam agradáveis. Para poder saber sobre a qualidade dos aromas é muito simples – já que está naturalmente relacionada às sensações que são agradáveis e às que não são. Por exemplo, as notas de flores e de frutas são consideradas aromas muito agradáveis nos vinhos, e elas realmente são também muito agradáveis na nossa vida cotidiana.

Mas os aromas de “esgoto”, podre, vinagre e muitos outros que são para nós absolutamente desagradáveis, quando aparecem nos vinhos (que de fato aparecem muitas vezes) são considerados, como podem imaginar, também desagradáveis.

E aí não importa se o vinho tem uma alta intensidade, já que o que estará entregando será algo ruim. Portanto, o que importa primeiro é a qualidade do aromas por sobre a intensidade aromática.

 

Ano novo dieta nova! Veja dicas para iniciar melhor o ano com uma boa alimentação

 

Ano novo, boa alimentação

As festas de Natal e Réveillon passaram, mas as calorias a mais que ingerimos nesse período permanecem, então nada melhor do que pensarmos em iniciar um ano novo com uma dieta leve e saborosa.

Em pleno verão frutos do mar combinam muito bem com o que queremos: pratos leves e deliciosos. Mas é importante tomarmos alguns cuidados na escolha, no armazenamento e no preparo.

O primeiro deles é nos certificarmos de que o produto que estamos adquirindo está realmente fresco. Algumas dicas nos ajudam bastante. Nesse caso, são elas:

  • Para o camarão, procure adquiri-los com casca e com cabeça, normalmente estão mais frescos nessa condição – pois com o tempo de gelo, como perdem a cabeça e escurecem a casca, são comercializados descascados;
  • Crustáceos devem ter um aspecto geral brilhante e úmido, com corpo em curvatura natural, rígida, artículos firmes e resistentes, carapaça bem aderente ao corpo; coloração própria à espécie, sem qualquer pigmentação estranha, olhos vivos e destacados, cheiro próprio e suave;
  • Quanto aos peixes, dê preferência por adquiri-los ainda inteiros, mas caso compre filetados ou em posta, procure observar se está com um tom amarelado nas extremidades. Esse sinal indica que já está armazenado há muito tempo e sem as suas melhores características.
Ano novo, dieta nova!

Ano novo, dieta nova!

  • Peixes:
    • Superfície do corpo limpa com relativo brilho metálico;
    • Olhos transparentes, brilhantes e salientes ocupando completamente as órbitas;
    • Guelras róseas ou vermelhas, úmidas e brilhantes, com odor natural, próprio e suave;
    • Escamas brilhantes, bem aderentes à pele e nadadeiras apresentando certa resistência aos movimentos provocados;
    • Carne firme, elástica, e de cor própria da espécie;
    • Os mariscos devem ser adquiridos de fornecedores com extrema credibilidade no mercado, pois sem dúvida é o que mais provoca danos a saúde devido a sua fragilidade. Deve-se observar se são produzidos em cativeiro ou de que região estão sendo retirados para se certificar de que estão foram colhidos em áreas não poluídas.
    Mariscos – Moluscos
    • Devem ser expostos à venda vivos, com valvas fechadas e com retenção de água incolor e límpida nas conchas;
    • Cheiro agradável e pronunciado;
    • Carne úmida e bem aderente à concha, de aspecto esponjoso, de cor cinzento-claros nas ostras e amareladas nos mexilhões.
    • Polvo e lula são comercializados congelados e frescos. O processo de congelamento do polvo facilita o seu cozimento, devido as suas fibras estarem mais macias, e, por sua vez, facilita o seu preparo.
    Polvo e Lula
    • Pele lisa e úmida;
    • Olhos vivos, salientes nas órbitas;
    • Carne consistente e elástica;
    • Ausência de qualquer pigmentação estranha à espécie;
    • Cheiro próprio.

    Após o preparo de pratos com frutos do mar, evite armazená-los para posterior reaquecimento, devido aos riscos de sobrevivência de microrganismos que causam doenças.

    A melhor forma de preparar peixes e frutos do mar é grelhar, assar e cozinhar no vapor. Dessa maneira você mantém suas propriedades nutricionais e seus benefícios para a saúde.

    Um erro comum é realizar um cozimento excessivo e perder a umidade natural e saborosa proporcionada pela gordura natural existente nos peixes. Por isso, procure preparar em temperaturas médias e por curto espaço de tempo.

    Ervas como manjericão, manjerona, coentro, louro e cebolinha, bem como especiarias como noz-moscada e cominho, combinam muito bem e dão aquele toque especial à sua receita.

    Compre produtos frescos e de qualidade, abuse dos temperos e da criatividade e comece o ano com novas receitas.

Fonte: Blog Vinhoemprosa

Músico Jon Bon Jovi cria restaurante comunitário sem preço que ajuda pessoas em necessidade

Quando uma comunidade se une, a esperança invade o lugar. Há 30 anos, Jon Bon Jovi é vocalista de uma das maiores bandas de rock do planeta. Porém, nos últimos anos, Bon Jovi tem cada vez mais voltado sua atenção para trabalhos menos glamorosos, de compreensão das necessidades dos menos afortunados residentes de New Jersey, Philadelphia e outros lugares.

 

Músico Jon Bon Jovi cria restaurante comunitário sem preço que ajuda pessoas em necessidade

Músico Jon Bon Jovi cria restaurante comunitário sem preço que ajuda pessoas em necessidade

 

O músico pesquisa formas de ajudar essas pessoas, e então trabalha com as comunidades para abrir novas instalações através de sua fundação, a JBJ Soul Foundation. Entre outros projetos que a fundação possui, nasceu o Soul Kitchen, ou “cozinha da alma”, em português, que consiste em um restaurante comunitário, onde os voluntários preparam a mesa e quem come por lá ajuda a alimentar os mais necessitados de cada comunidade, desde vizinhos, idosos ou famílias em necessidade.

Algo sensacional implantado no restaurante é que, ao final das refeições, cada um paga o que puder – pagando mais que a doação sugerida, você ajuda a alimentar outra pessoa. Ou, caso não possa pagar, pode trabalhar na cozinha em troca de uma refeição para você ou para a sua família.

 

Todo sobre os vinhos de Barossa Valley na Australia

 

Barossa Valley, seus grandes vinhos Shiraz e muito mais

Ao contrário da maior parte das regiões vinícolas da grande ilha, Barossa Valley teve uma origem colonial germânica. A zona mais emblemática dos vinhos australianos privilegiou a casta proveniente do Irão. Nas últimas décadas, vários dos seus rótulos conquistaram o Mundo.

Ao mesmo tempo que os recém-chegados alemães aumentavam de número na Austrália até se tornarem no maior grupo forasteiro com exceção dos ingleses e irlandeses, o principal vale vinícola do território recebia o baptismo do seu primeiro General Surveyor, o Coronel William Light. A intenção original foi dar-lhe o nome da região Andaluz em que o militar tinha participado numa batalha famosa das Guerras Peninsulares de 1811. E a ideia quase se concretizou na perfeição mas deu-se um erro processual. Em vez de Barrossa, é registado Barossa. Assim ficou para sempre.

George Fife Angas, um empreendedor mercante abastado e filantropo, foi também o fundador da colónia pioneira. Angas acedeu ao pedido de um líder luterano dissidente e acolheu um grupo de agricultores e mercadores que tinha fugido da perseguição religiosa ditada pelo rei prussiano Frederico Guilherme II.

Os recém-chegados depressa perceberam que o clima quase Mediterrânico da zona era ideal para o cultivo de diversas frutas, em especial, uvas. Meio século depois, dezenas de adegas produziam já grandes quantidades de “portos”, “sherries”, moscatéis e “tokays”, que a política de Preferência Imperial da Grã-Bretanha tornou populares do outro lado do Mundo.

Em 1929, 25% do vinho australiano provinha de Barossa Valley. Entretanto, a Grande Depressão e a 2a Guerra Mundial anularam a procura. O encerrar do conflito não desvaneceu na totalidade um clima de desconfiança entre os residentes anglófonos e os descendentes de sangue germânico. Foi necessário tempo. Tempo e a realização do primeiro festival de Vintage.

 

Barossa Valley

Barossa Valley

Barossa Valley: A modernização.

Restabelecida a harmonia, passou a haver lugar para a modernização. Colin Gramp chega de Napa Valley onde assimilou novas técnicas de cultivo e produção vinícola. Em 1947, criou o primeiro vinho tinto seco de mesa, desde 1860, um Reserva Especial Claret, em que predominava Shiraz, combinado com algum Cabernet Sauvignon. O autor tornou-se no mentor reconhecido do novo vinho de Barossa.

Uma aposta genuína e concorrencial na inovação e a meteorologia estival vigorosa foram responsáveis pelo enorme desenvolvimento de diversas sub-regiões vinícolas que se seguiu: Gomersal, Williamstown, Lyndoch, Rowland Flat, Barossa Foothills, Vine Vale, Éden Valley, High Eden, Light Pass, Northern Barossa Valley, Greenock, Seppeltsfield e Marananga, em vários casos, tiveram origem nas povoações/paróquias pioneiras da colónia. Anos depois da sua afirmação, a estas, sobrepôs-se o título bem mais abrangente e notório de “Barossa Valley”.

Das cerca de 60 adegas situadas na proximidade umas das outras, destacam-se, pela celebridade que conquistaram, Penfolds Grange, Barossa Shiraz, a Éden Valley Riesling, Two Hands, a Rockfords, Jackob’s Creek, Bethany, Yalumba, Barossa Valley Estate Black.

Degustação Vinhos Chilenos

Barossa Valley: Atmosfera Quase Mediterrânica

O clima da região é, por excelência, continental. No entanto, a abundância de vales e colinas com encostas generosas especialmente visíveis do topo de Mengler Hill, favorece uma série de mesoclimas com temperaturas que oscilam entre o muito quente sobre o solo dos vales a gradualmente mais frescas nas altitudes elevadas das vertentes e nas secções Norte.

Malgrado a fama de região quente, o clima de Barossa Valley é comparável ao da zona semi-litoral rival de Margaret River, na Austrália Ocidental, se bem que com uma variação diurna de temperaturas mais abrangente.

De Outubro a Abril, decorre a época de desenvolvimento das vinhas que recebem cerca de 1710 graus-dia de aquecimento com temperaturas médias no mês crucial de amadurecimento – Janeiro – na ordem dos 21.4ºC. A pluviosidade média, durante o período vegetativo, fica-se pelos 160 mm, e a humidade relativa pelos 39%. De acordo, apesar dos regulamentos criados para controlar o número de furos e a quantidade de água extraída dos lençóis freáticos, a irrigação é frequente, com exceção para as vinhas mais antigas na zona a Oeste do vale que se podem dar ao luxo de a dispensar.

O clima de Barossa Valley

O clima quente de Barossa Valley garante às uvas uma maturação fácil com altos níveis de açúcar e baixos níveis acídicos. O grau alcoólico elevado obriga com frequência os vinicultores a recorrer a práticas equilibradoras como a osmose inversa e o acrescento de água ao mosto.

Tornou-se habitual os produtores da região limitarem o tempo de maceração por forma a encurtarem o período em que o vinho permanece em contato com as cascas. Outro recurso adoptado é maturação do vinho em tonéis de carvalho americano – mais do que o francês – mesmo antes de a fermentação ter terminado.

Por vezes, são necessários taninos suplementares e, quando tudo corre bem, a maceração encurtada dá origem a vinhos suaves e aveludados na boca. Também lhes empresta as notas de anis e aroma de coco ou notas de chocolate e especiarias característicos de Barossa mas igualmente da Austrália.

 

Continua…

Vinícola norte-americana começa a usar rolha feita de cana-de-açúcar

 

Produto foi anunciado no ano passado e agora algumas vinícolas estão adotando a novidade

Em abril de 2013, a empresa Nomaroc anunciou o lançamento de rolhas feitas de cana-de-açúcar – na verdade, de um polímero derivado dessa planta renovável – para criar uma linha chamada Select Bio. Até então, apesar de alguns produtores terem dito que adotariam o novo tipo de vedante, somente agora uma vinícola norte-americana definiu que usará a rolha em seus vinhos.

A Avalon Winery decidiu que suas mais de 240 mil caixas de seu vinho Cabernet Sauvignon irão receber a nova rolha. “A mudança de um produto à base de petróleo para um produto à base de plantas foi muito atraente para nós”, contou a vice-presidente executiva de marketing vinícola, Lisa Ehrlich.

A empresa já adotou outras medidas ecológicas, como a instalação de um sistema de cogeração solar de 232 quilowatts para aquecer a água e proteger um fluxo de desova de salmão adjacente. Como outros dispositivos de fecho da série Select Bio, a nova rolha é apresentada como opção sustentável por ser reciclável. “Para nós, não é apenas uma solução verde, mas uma solução com qualidade” informou Lisa.

No ano passado, a vinícola italiana Allegrini também havia anunciado que usaria esse tipo de vedante.

Cursos de Vinhos em Vitoria Vix

Aprenda como harmonizar vinhos brancos

 

Que vinho acompanha um ceviche de robalo?

A gastronomia é um mundo fascinante, cheio de detalhes, de cores, de aromas e sabores. Cada prato tem vida própria e representa o estilo do autor, da pessoa que o elaborou. Sentar frente a um prato visualmente agradável, bem decorado, colorido, com agradáveis aromas e bom sabor é uns dos maiores prazeres de um grande número de pessoas no mundo.

Estas pessoas que adoram a gastronomia são as mesmas que adoram também o vinho.  Já tiveram a oportunidade de provar um prato gostoso, de qualidade, delicioso, mas sem a companhia de uma taça de vinho? Dá a impressão que algo está faltando. Acho que é a magia da cumplicidade entre dois produtos que se complementam sublimemente.

Sobre a harmonização em si, felizmente existe em forma natural e espontânea uma relação sensorial que faz com que o vinho harmonize com a comida, e a probabilidade de que esta seja totalmente inexistente é muito baixa.

Para conseguir ter sucesso na hora de harmonizar um prato com uma garrafa de vinho é só usar a lógica e o senso comum em relação a cada um dos detalhes. Cores, aromas e sabores, tanto do prato como também do vinho com o qual queremos que nos acompanhe.

Aprenda como harmonizar vinhos brancos

Aprenda como harmonizar vinhos brancos

Vinhos e Frutos do mar

Por exemplo: vamos comer um fruto do mar, o qual logicamente sempre tem que ser o mais fresco possível, tipo um peixe branco (ex.: robalo). O preparo será com ele cru (ceviche), onde coloquemos só limão para acrescentar ao sabor e ao frescor.

Neste caso, o correto é procurar um vinho que tenha as mesmas caraterísticas do prato, ou seja, se estamos falando de um produto do mar que tem que ser consumido o mais fresco possível também teremos que procurar um vinho que deva ser bebido o mais jovem possível.

Como este prato (ceviche) vai ter um sabor predominantemente levemente cítrico, por causa do limão, temos que procurar vinhos que tenham estas mesmas características. Então, o vinho correto vai ser um branco, o mais jovem possível, que tenha uma marcada acidez e que não tenha passado por madeira.

Serão muitas opções para harmonizar de maneira correta, independente da variedade da uva. Pode ser um Sauvingon Blanc, um Chenin Blanc, até um Torrontés, mas o importante é que tenha as caraterísticas destacadas anteriormente.

Ceviche de Robalo Winechef

Ceviche de Robalo Winechef

 

Leilão de vinhos para vítimas do atentado na França bate recorde

O valor de uma garrafa de vinho leiloada pelo antigo Hospice de Beaune, na região de Borgonha, fundado em 1443 pelo então chanceler Nicolas Rolin para os pobres, atingiu cifras surpreendentes.

Trata-se de um Corton Renardes Grand Cru 2015, arrematado por 480 mil euros, o equivalente a mais de R$1 milhão de reais.

A compradora, de origem francesa, não quis ser identificada – de acordo com a diretora geral da Christie’s, Aline Sylla-Walbaum.

Leilão de vinhos para vítimas do atentado na França bate recorde

Leilão de vinhos para vítimas do atentado na França bate recorde

Parte do valor da venda será revertida para as vítimas dos atentados em Paris, na França, ocorridos na última sexta-feira, dia 13 de novembro.

O recorde anterior da chamada “peça de caridade” – venda cujo benefício vai para obras beneficentes – era de 400 mil euros, em 2010.

Este ano, além das associações já previstas, o Instituto Curie contra o câncer, e a Fundação para pesquisas sobre acidentes vasculares cerebrais, os organizadores do tradicional leilão decidiram reverter parte do lucro para as vítimas dos atentados terroristas.

O evento, que reúne compradores do mundo inteiro, teve início após os presentes respeitarem um minuto de silêncio. Logo em seguida, foi entoado o hino francês, a Marselhesa.

 

 

Fonte: Revista Gosto

Revelado o nome do melhor vinho do ano 2015 da Wine Spectator

Um pequeno vinhedo com vinhas antigas, plantadas em 1988 num lugar anteriormente pouco conhecido (em Oakville  no Distrito de Napa Valley) tem produzido o vinho que acaba de ser escolhido pela revista Wine Spectator, como o melhor vinho do planeta.

O grande ganhador foio Peter Michael Cabernet Sauvignon Oakville Au Paradis 2012, do qual foram produzidas 1785 caixas, o que no contexto mundial pode ser considerados como uma pequena quantidade.

O preço, claro, antes de ganhar este premio era de u$ 195, mais agora, depois de ter sido escolhido como o número 1, certamente o valor desse vinho mudo, de fato, vai ser muito difícil poder encontrar uma garrafa.

Michael Cabernet Sauvignon Oakville Au Paradis 2012

Michael Cabernet Sauvignon Oakville Au Paradis 2012

Michael Cabernet Sauvignon Oakville Au Paradis 2012

Veja a lsita dos TOP 10

 

50 melhores Carménère´s chilenos da história por Robert Parker

 

Ranking dos 50 melhores Carménère´s do Chile segundo Robert Parker

Desde que a Carménère foi redescoberta no Chile já passaram mais de 20 anos. O que parecia ser mais uma variedade de uva se transformou nesse período na uva emblemática desse país, a tal ponto, que até hoje para o maior e mais conceituado crítico de vinhos do mundo (Robert Parker), as máximas pontuações para vinhos chilenos são para vinhos elaborados a base dessa uva.

Na lista abaixo estão só os vinhos que no próprio site de Robert Parker (http://www.erobertparker.com/members/home.aspx ) estão catalogados como Carménère´s, mas vale destacar que além dos dois vinhos que compartem o primeiro lugar no topo da lista com nada menos que 97 pontos, tem outro chileno, o Von Siebenthal Tatay 2007 que também é elaborado a base de Carménère e que obteve a mesma pontuação, só que no site de Robert Parker esta catalogado como um blend, de fato, os Terrunyo´s da Concha y Toro também são blend´s. A diferencia é que o Tatay é um blend de três uvas, e os Concha y Toro Terrunyos só de duas, então imagino que no site de Robert Parker podem ter usado a quantidade de uvas que formam o blend para dividir as categorias.

Enfim, veja a lista, anote e se achar um desses vinhos por ai, provavelmente compartilhará a opinião (e tal vez até a pontuação), entregada por RP.

Robert Parker e os 50 melhores Carménère´s chilenos da história

Robert Parker e os 50 melhores Carménère´s chilenos da história

Robert Parker e os 50 melhores Carménère´s chilenos da história

SAFRA                                       VINHO                                                      PONTUAÇÃO

2003
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
97
2005
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
97
2007
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
96
2008
Concha y Toro Carmin de Peumo Carmenere Peumo Vineyard
95
2004
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
95
2006
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
94
2008
Antiyal Carmenere Alto del Maipo Valley
93
2005
Casa Silva Carmenere Micro Terroir
93
2008
Casa Silva Carmenere Micro Terroir
93
2007
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
93
2008
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
93
2005
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
93
2005
Arboleda Carmenere
92
2005
J & F Lurton Alka
92
2005
Santa Rita Carmenere Pehuen
92
2008
Terra Noble Carmenere Ca2 Costa
92
2011
Terrunyo Carmenere Peumo Vineyard
92
2007
Viu Manent Carmenere El Incidente
92+
2011
Antiyal Carmenere Vinedo Escorial
91
2005
Casa Silva Carmenere Los Lingues Estate
91
2009
Concha y Toro Carmenere Marques de Casa Concha
91
2007
Concha y Toro Carmenere Marques de Casa Concha
91
2009
De Martino Carmenere Alto de Piedra
91
2011
De Martino Carmenere Alto de Piedra
91
2007
De Martino Carmenere Alto de Piedra
91
2006
Errazuriz Carmenere Don Maximiliano Estate
91
2007
J & F Lurton Alka
91
2007
La Playa Axel Carmenere
91
2008
Montes Alpha Carmenere
91
2007
Montes Alpha Carmenere
91
2009
Montes Alpha Carmenere
91
2008
Santa Rita Carmenere Pehuen
91
2008
Terra Noble Carmenere Ca1 Andes
91
2009
Terra Noble Carmenere Ca2 Costa
91
2007
Undurraga Carmenere Founder’s Collection
91
2007
Vina Morande Carmenere Edicion Limitada
91
2008
Vina Ventisquero Queulat Gran Reserva
91
2010
Antiyal Carmenere Viñedo Escorial
90
2003
Apaltagua Grial Carmenere
90
2012
Apaltagua Carmenere Envero
90
2007
Caliterra Carmenere Tributo
90
2009
Caliterra Tributo Carmenere Single Vineyard
90
2009
Casa Silva Carmenere Reserva
90
2013
Casa Silva The Carmenere Project
90
2005
Casa Silva Carmenere Reserva
90
2011
Casa Tamaya T Carmenere
90
2009
Casa Tamaya Carmenere
90
2009
Casas del Bosque Carmenere Reserva
90
2007
Chono Carmenere Reserva
90
2009
Clos Ouvert Carmenere
90