Posts

Vinho bate iogurte em padrões de saúde

 

Cientistas anunciaram a descoberta de uma bactéria probiótica saudável no vinho.

A boa notícia animou os amantes da bebida. A má notícia é que o processo de adição de sulfitos no vinho pode acabar com essas bactérias, o que significa que os produtores terão que isolar os probióticos antes de adicionarem os sulfitos ou que os apreciadores terão que se conformar em beber o vinho sem a adição desses componentes.

Pesquisadores espanhóis isolaram 11 bactérias diferentes do vinho, incluindo o Lactobacillus encontrado no iogurte e outros tipos usados no processo de fermentação das uvas.

“Até agora o que se pensava era que os laticínios traziam a melhor parte dos probióticos, e,  por causa dessa certeza, o vinho não foi estudado nesse aspecto”, declarou Dolores Gonzáles, cientista da Universidade de Madrid. Entretanto, nos relatórios da pesquisa não foi esclarecido se os melhores probióticos são produzidos no vinho branco ou no vinho tinto.

 

Vinho bate iogurte em padrões de saúde

Vinho bate iogurte em padrões de saúde

 

Os probióticos são organismos vivos essenciais para a manutenção do funcionamento do sistema digestivo no corpo humano, e, além disso, podem conter propriedades que previnem o câncer e abaixem o nível de colesterol no sangue.

Em quantidades moderadas de consumo, o vinho não possui probióticos suficientes que façam a diferença no organismo. O que os pesquisadores sugerem com o estudo é que esses probióticos sejam extraídos da bebida e distribuídos separadamente.

Veja outra interessante matéria relacionada:

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

 

 

Como saber quando guardar ou beber uma garrafa de vinho?


Todos gostamos de guardar vinhos, mais será que eles estão melhorando o já estragaram…

A enorme maioria dos vinhos produzidos atualmente pode e deve ser bebida em um prazo de até três anos. A enologia moderna evoluiu de modo a permitir que vinhos jovens não sejam mais “imbebíveis”. Antigamente guardavam-se os vinhos jovens que tinham muito tanino e “amarravam” a boca com sua adstringência.

Os Bordeaux levavam 20 anos para “amaciar” os taninos. Técnicas como microoxigenação e uso de barricas, entre outras, aceleram este processo. Mas isto não quer dizer que alguns não melhorem muito se você aguardar mais uns anos. Algumas pessoas – e eu me incluo neste rol –  preferem vinhos mais evoluídos. Mesmo aqueles de que não se espera muito surpreendem. Para evoluir bem, um vinho precisa ter uma quantidade interessante de um dos seguintes componentes conservantes: álcool, açúcar, taninos ou acidez (exemplo: o Vinho do Porto, que tem mais açúcar e álcool do que um vinho tranquilo).

Um vinho seco, seja branco ou tinto, jovem, leve, macio, sem muita acidez ou tanino, não vai ter estrutura para evoluir com os anos. Por outro lado um vinho jovem com muito tanino, álcool e acidez não é necessariamente desequilibrado. É muito tudo! É um exagero ao paladar. Para que o vinho possa realmente ganhar com a guarda e o passar do tempo, vai depender muito do armazenamento e da conservação. Importante saber que na maioria das vezes os brancos secos são menos longevos do que os tintos.

Se o vinho estiver bem armazenado, protegido da luz, do excesso de calor e das mudanças bruscas de temperatura, abra quando der vontade.

Dica: para saber se o precioso líquido passou do ponto, o principal sinal é a quantidade de líquido no recipiente. Ponha a garrafa contra a luz e observe o nível do vinho. Se estiver abaixo do “ombro” da garrafa, houve vazamento ou evaporação. Este contato com o ar é fatal. Leva à oxidação e o vinho perde o brilho, o vigor. Serve para cozinhar e olhe lá. Mas prove antes para ter certeza.

Como saber quando guardar ou beber uma garrafa de vinho

Como saber quando guardar ou beber uma garrafa de vinhoarmaznar

 

Estudo comprova que beber vinho emagrece

 

Um estudo americano da Universidade do Oregon descobriu que um químico presente nas uvas tintas abranda o crescimento de células gordas existentes no corpo humano.

Os apreciadores de vinho tinto têm agora mais uma boa razão para o seu consumo. Depois de um estudo com a duração de dez semanasinvestigadores da Universidade do Oregon, nos E.U.A., descobriram que consumir vinho tinto com moderação pode ajudar a combater a obesidade e desordens metabólicas como gordura no fígado, melhorando a saúde de pessoas com excesso de peso.

A presença de ácido elágico nas uvas muscadine, usadas principalmente para produzir vinhos tintos secos, “reduziram dramaticamente o crescimentos de células gordas existentes” nos ratos usados no estudo, além de também diminuírem a formação de novas células gordas. O efeito pode ser obtido consumindo as uvas no seu estado natural ou transformadas em vinho.

A uva muscadine (rotundifolia do Vitis) é nativa do sul dos E.U.A. e bastante cultivada desde o século XV- Esta uva tem uma composição química diferente da maioria das uvas pretas porque é mais rica em antocianinas. Este químico, responsável pela cor da uva, é um antioxidante poderoso, que contém até mais 10 vezes antioxidantes que outros alimentos ricos em antioxidantes tais como as groselhas. Também já foi estudado o seu uso para o combate de cancro. O interessante é que no Brasil temos muitos vinhos elaborados a partir de uvas ricas em antocianinas, é o caso, por exemplo, das uvas Carménère , Tannat, Syrah, Malbec, Aspirant Bouchet entre varias outras.

Estudo comprova que beber vinho emagrece

Estudo comprova que beber vinho emagrece

Neil Shay, um dos bioquímicos responsáveis pelo estudo, explicou que fígado humano e células gordas desenvolvidas no laboratório foram expostos ao extrato de quatro químicos naturais encontrados nas uvas muscadine. Um dos químicos, o ácido elágico, provou ser particularmente eficaz no combate à gordura. No entanto, o cientista alerta para o facto de estes químicos não serem um milagre para a perda de peso: “Não descobrimos que estes componentes melhoram o peso corporal. Mas se tivesse de desenvolver uma dieta para reduzir a gordura acumulada no fígado, incluiria estas uvas.”

Shay explicou que o objetivo desta investigação é guiar o público na escolha de alimentos que trazem benefícios de saúde específicos como aumentar as funções metabólicas. O estudo foi publicado na edição do mês de janeiro do “Journal of Nutritional Biochemistry” (Jornal de Bioquímica Nutricional).

Estudo comprova que beber vinho emagrece

Estudo comprova que beber vinho emagrece

 

Dois estudos comprovam: chocolate, café e vinho tinto fazem bem à saúde

Estudos realizados por investigadores da Bélgica e Holanda comprovam que o chocolate, o café e o vinho tinto são benéficos para os intestinos

Um grupo de investigadores da Bélgica e da Holanda realizou vários estudos que comprovam que o vinho tinto, o chocolate e o café aumentam a diversidade de bactérias nos intestinos, o que por sua vez é benéfico para a saúde.

Os resultados foram publicados na revista Science. Os cientistas analisaram milhares de amostras de fezes de voluntários e mapearam as espécies de bactérias existentes nos intestinos, associando-as a fatores do estilo de vida.

O primeiro estudo, dirigido por Jeroen Raes, do Instituto de Biotecnologia de Flandres, na Bélgica, analisou amostras de cerca de 1100 voluntários e concluiu que a quantidade de bactérias presentes no intestino está fortemente relacionada com a dieta, divergindo consoante o país.

Por outro lado, a investigação liderada por Cisca Hutternhower, da Universidade de Groningen’s na Holanda, diretamente relacionada com o primeiro estudo, apresentou resultados semelhantes: alguns laticínios como a manteiga e o iogurte aumentam a diversidade de espécies no intestino, assim como o café, o chocolate e o vinho tinto, enquanto os alimentos de alto teor calórico e alguns medicamentos (anti-histamínicos, hormonas e anti-inflamatórios), têm o efeito oposto, segundo Alexandra Zhernakova, da Universidade de Groningen, citada pelo The Washington Post.

Os alimentos que aumentam a diversidade de micróbios no intestino são benéficos para a saúde, no entanto devem ser consumidos com moderação.

Dois estudos comprovam: chocolate, café e vinho tinto fazem bem à saúde

Dois estudos comprovam: chocolate, café e vinho tinto fazem bem à saúde

 

Veja também:

 

 

Estudo revelou que efeito bactericida do vinho pode ser benéfico à saúde bucal

As pesquisas odontológicas sempre sugeriram que o vinho, devido à sua acidez, pode corroer o esmalte dos dentes, prejudicando a saúde bucal. Contudo, um novo estudo mostra que o vinho tinto pode também combater doenças periodontais (infecto-inflamatórias que acometem a gengiva entre outros tecidos).

A pesquisa publicada no Journal of Agricultural and Food Chemistry afirma que o vinho tinto tem propriedades antimicrobianas.

Para este estudo, os pesquisadores das universidades de Madrid e Zurique usaram um modelo de biofilme com uma colônia de microorganismos que se assemelham aos da placa dentária humana. A isso, eles acrescentaram cinco espécies de bactérias que podem causar doenças. Uma vez que os polifenóis são conhecidos por combater bactérias, os cientistas aplicaram vinho tinto, vinho tinto sem álcool, vinho tinto com extrato de semente de uva, água e uma solução de etanol a 12%.

Os resultados revelaram o vinho tinto com adição de extrato de semente de uva como o agente antibacteriano mais eficaz, pois combate três das cinco espécies de bactérias. O vinho tinto, com ou sem álcool, mostrou-se eficaz contra duas das estirpes.

Os dentes são especialmente suscetíveis a bactérias. Uma vez que um microorganismo se fixa em um dente, produz altos níveis de ácido que, ao longo do tempo, desmineralizam os dentes e podem levar a doenças. Para combater isso, os cientistas vêm procurando uma aplicação antimicrobiana eficaz com o mínimo de efeitos secundários possíveis. Basta lembrar que alguns remédios existentes podem mascarar alguns sabores.

Fonte imagem: Google.

Fonte imagem: Google.

 

Veja Também:

 

Você quer emagrecer? uma taça de vinho antes de dormir e a solução

 

O jantar terminou e é hora de ir dormir, mas você tem ainda uma sensação de fome? Parece que alguns encontraram a solução: um copinho de vinho! Esta notícia incomum vem do Daily Mail, que menciona uma certa Linda Monk, de 47 anos, que perdeu 3 quilos em 3 semanas graças a um copinho de vinho tomado no lugar de um lanche antes de dormir.

Parece um paradoxo, mas no seu caso um copo de vinho no fim da noite tirou qualquer outra  vontade de lambiscar (caramelos, biscoitos, chocolate…) como era seu hábito.

Segundo testemunho, é o da Samantha Merrit, de 40 anos, que explica que “as calorias não parecem ter um impacto na balança. Eu posso renunciar a uma sobremesa sem problemas e desfrutar 1 a 2 copos de vinho 4 noites por semana”. O vinho tem outra vantagem: ajuda a adormecer e reduz o stress.

Você quer emagrecer uma taça de vinho antes de dormir e a solução

Você quer emagrecer uma taça de vinho antes de dormir e a solução

Trata-se de conselhos que não são uma novidade e foram tirados em 2010 de Tim Ferriss no livro The 4-hour Body (“4 Horas Por Semana , o Corpo” – em Portugal e ainda sem título no Brasil). Ferriss aconselha um copo de vinho para eliminar os desejos de lambiscar à noite, e portanto evitar abandonar a dieta e frustar a renúncia à qual é submetido para emagrecer.

Antes disto, um estudo conduzido pela Universidade de Harvard com um grupo de 20.000 mulheres: foi observado que aquelas que bebiam meia garrafa de vinho por dia tinham menor risco de desenvolver a obesidade com relação às outras.

Um copinho de vinho antes de dormir faz emagrecer mais rápido

Um copinho de vinho antes de dormir faz emagrecer mais rápido

 

Veja também:

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Apreciadores de vinho possuem Q.I. mais alto

23

Estudo feito nos EUA comparou hábitos de jovens e traçou uma relação entre consumo de bebida e inteligência

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Indiana nos Estados Unidos analisou hábitos de jovens e traçou um perfil dos grupos de acordo com o consumo. O trabalho comparou consumidores de vinho com apreciadores de cerveja e abstêmios, ou seja, pessoas que não ingerem nada de bebida alcoólica.

O resultado mostrou que os consumidores de vinho apresentavam níveis de Q.I. (Quocientes de Inteligência) mais altos, possuíam superiores níveis de instrução e, por isso, eram as pessoas mais saudáveis do grupo.

“As pessoas com alto Q.I, pertencentes a um alto nível socioeconômico mais alto e que têm boa instrução são geralmente mais saudáveis do que aquelas que não possuem essas características”, disse June Reinisch, líder do estudo.

preciadores de vinho possuem Q.I. mais alto

preciadores de vinho possuem Q.I. mais alto

 

Fonte: Revista Adega.

Produtor francês mistura vinho e refrigerante

 
Chatêau en Bordeaux cria rótulo mais doce com sabor cola para expandir seu mercado

Procurando uma maneira de atrair o público jovem e feminino, a Hausmann Famille, que faz parte da Château en Bordeaux, lançou o Rouge Sucette, vinho feito com uma dose de refrigerante de cola, 75% de uvas, e açúcar, de forma a atrair mais jovens e mulheres para o mercado de vinhos.

O produto foi pensado para resolver o problema de queda de consumo de vinhos na França, que caiu muito. Em 1980, mais da metade dos adultos tomavam vinho diariamente, atualmente, o número é de apenas 17%, além do fato do número de pessoas que nunca bebem vinho ter aumentado em 38% nesse tempo. O Rouge Sucette, que significa pirulito vermelho, é mais barato que o vinho.

O mercado de vinhos com outros sabores não é novidade para os franceses. Na França é possível encontrar vinhos com sabor de toranja e vinhos brancos com maracujá.

Rouge Sucette

Rouge Sucette

Malbec World Day 2015 é hoje

 
O “MWD” nasceu na Argentina e foi realizado pela primeira vez no dia 17 de abril de 2011. O evento que se consagra a cada ano, já ganhou a devida visibilidade em sua primeira edição, e teve 72 eventos em 45 cidades de 36 países, mas não parou por aí.

O Malbec World Day vem conseguindo uma enorme visibilidade mundial graças ao apoio do ministério de relações exteriores da Argentina.  Hoje são mais de 40 representações da Argentina ao redor do mundo, que trabalham ano a ano na repercussão que este evento tem hoje nos meios internacionais.

O crescimento do evento acontece de forma contínua. Na edição de 2012, por exemplo, foram realizados mais de 142 eventos em 68 cidades de 43 países ao redor do mundo. As comemorações mais importantes foram nos Estados Unidos com atividades nas cidades de Nova York, Washington, Los Angeles e Seattle. Além disso, cidades do Canadá, como Ottawa, Toronto, Victoria y Vancouver foram destaques importantes para a difusão do evento. Também teve grande repercussão e, países como Reino Unido, Holanda, Colômbia, Peru, México, Costa Rica, Brasil, claro, Argentina seu país de origem.

Malbec World Day

Malbec World Day

Na edição do ano 2013, com formato mais consolidado, foram realizados 106 eventos em 76 cidades de 50 países.  Isso totalizou mais de 1,5 milhões de pessoas participantes das comemorações. Uma oportunidade para mais de 300 vinícolas argentinas presentarem orgulhosos rótulos de vinhos Malbec.

Nas comemorações do ano passado o tema foi: “Malbec Making Noise”, algo como “Malbec fazendo barulho” – um jeito moderno de dizer que o Malbec pode ser um vinho versátil, agitar e agradar praticamente o mundo inteiro.

E para esta nova versão do ano 2015 o tema é “Light, Câmara, Malbec” se espera que seja o maior evento até agora o que vai ser celebrado em mais de 60 cidades ao redor do mundo.

Para saber tudo sobre as celebrações do Malbec World Day, veja este link:

http://malbecworldday.com/events/

Os melhores Malbec da Argentina estão nas degustações de Winechef. Confira!