Posts

Robert Parker: Ranking dos 50 melhores CARIGNAN do Chile

Robert Parker está premiando com altas pontuações estes tintos únicos no mundo

Os Carignan chilenos são diferentes, tem uma história fantástica para contar, e os produtores do vale do Maule estão fazendo um trabalho meticuloso e estratégico com esta uva, a que sem dúvida alguma, vai se transformar em pouco tempo na nova estrela da viticultura chilena.

Os Carignan possuem uma boca mediterrânea, e sua estrutura tânica uma matriz totalmente distinta ao que estamos acostumados com as outras variedades tintas. Poderíamos dizer que são menos estruturados e mais longos na boca. Integrados com uma alta acidez natural que lhes da maior frescor.

Estamos já preparando um post para os próximos dias com todos os detalhes relacionados a essa uva em mais uma entrevista com Andrés Sanchez, criador da agrupação VIGNO. Fique bem atento, e não demore em experimentar um vinho desses. A boa notícia é que a pesar dos excelentes níveis de qualidade que eles têm em ermos gerais, seus preços são bem mais em conta que outros vinhos que tem obtido a mesma pontuação e de similar qualidade.

Robert Parker Ranking dos 50 melhores CARIGNAN do Chile

Robert Parker Ranking dos 50 melhores CARIGNAN do Chile

Agora, deixamos abaixo um ranking com:

Os 50 melhores Carignan chilenos, segundo o crítico de vinhos Robert Parker:

 

SAFRA NOME DO VINHO PONTUAÇÃO
2010 Bravado Old Vines Dry Farmed Carignan 93
2009 Bodegas Re Vigno By Vina Roja 93
2011 Garage Wine Co Lot #34 Carignan 93
2007 Gillmore Hacedor de Mundos Carignan 93
2008 Gillmore Hacedor de Mundos Carignan 93
2011 Undurraga Vigno Carignan 93
2008 Bravado Tirso 92
2011 Garage Wine Co Lot #35 Carignan 92
2010 Gillmore Vigno Carignan 92
2010 Undurraga Vigno Carignan 92
2011 Undurraga Carignan T H 92
2010 Valdivieso Eclat Vigno Carignan 92
2008 Vina Canepa Genovino Carignan 92
2010 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 92
2011 Gillmore Vigno Carignan 91
2010 Louis-Antoine Luyt Empedrado Carignan 91
2012 Louis-Antoine Luyt Empedrado Carignan 91
2011 Luis Felipe Edwards 100 Cien Carignan 91
2009 Meli Carignan Dueno de la Luna 91
2005 Odfjell Odfjell 91+
2007 Santa Ema Amplus Carignan 91
2009 Vina Morande Vigno Carignan 91
2010 Vina Morande Vigno Carignan 91
2011 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 91
2009 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 91
2010 Crazy Wines Carignan T 90
2007 De Martino Carignan Single Vineyard 90+
2008 De Martino Vigno Carignan 90
2010 Garage Wine Co Lot 29 Carignan 90
2010 Garage Wine Co Lot 32 Carignan 90
2011 Garage Wine Co Vigno Old Vines Dry Farmed Carignan 90
2009 Gillmore Vigno Carignan 90
2008 Meli Carignan 90
2008 Odfjell Organic Orzada Carignan 90+
2008 Santa Ema Amplus Carignan 90
2009 Santa Ema Amplus Carignan 90
2009 Vina Canepa Genovino Carignan 90
2011 Vina Canepa Genovino Carignan 90
2007 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 90
2008 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 90+
2009 De Martino Single Vineyard El Leon Carignan 89
2011 Odfjell Carignan Orzada 89
2010 Rogue Vine El Insolente Single Vineyard Itata 89
2009 Undurraga Carignan T H 89
2004 Vina Morande Carignan Edicion Limitada 89
2009 Vina Morande Vigno Old Vines Dry Farmed Carignan 89
2011 Vina Villalobos Vinedo Silvestre Carignan 89
2012 Alcance Vigno Carignan 88
2011 Odfjell Vigno Carignan 88
2010 Odfjell Carignan Orzada 88

 

 

Vinho Triangle Reserva Carignan, 2010

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Uva 100% Carignan
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Carignan
Amadurecimento 12 Meses em barricas

 

Vinho Triangle Reserva Carignan, 2010

Vinho Triangle Reserva Carignan, 2010

 

Visual Vermelho rubi, muito concentrado com reflexos violetas.
Olfativo Outro grande vinho tinto da autoria da dupla de enólogos francesa, que também se responsabilizam pelo celebre Domus Aurea. Este particular Carignan representa o lado mais generoso desta uva cada vez mais famosa no Chile. É aromaticamente muito maduro, com notas a cerejas confeitadas e ameixas acompanhadas pelas notas defumadas aportadas na madeira.
Gustativo Entra no paladar de forma avassaladora, com uma concentração enorme, cheio de sabores e de charme. Seus taninos são compactos e apertam desde o passo de boca, mas há uma acidez também potente que consegue entregar o equilíbrio. É sem dúvida uns dos melhores expoentes chilenos nesta variedade de uva, delicioso para beber como está agora, mas o ideal é guardar, porque só vai continuar melhorando com o passar do tempo.
Dica de Harmonização Cordeiro ratatouille de verduras.
Carnes vermelhas assadas.
Bife de chorizo
Entrecôte grelhado na brasa.
Pontuação Winechef

Vinho Triangle Reserva Carignan, 2010 - 93 pontos Winechef

Vinho Triangle Reserva Carignan, 2010 – 93 pontos Winechef

Potencial de Guarda 10 anos
Nome da Vinícola Crazy Wines
Enólogo Responsável Jean-Pascal Lacaze / Rodolphe Bourdeau

 

Veja Também:

 

 

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012. Chile.

O Vinho Vik Anbordu Blend, 2012  é assinado por Patrick Vallet

Patrick, é responsável também dos excelentes Neyen (hasta a safra 2007) e fundador e ex-sócio da vinícola El Principal.

Este vinho está sendo lançado no Brasil nestes dias. Claro, a vinícola Vik produz vinhos de altíssima qualidade, então quando eu soube que este assemblage Anbordu tinha sido feito por esta vinícola e pelo próprio Patrick Valett achei interessante, ou melhor, fiquei curioso em degusta-lo.

Como podem ver na nota de degustação abaixo, o vinho é realmente interessante, tem algumas imperfeiçoes como todos os vinhos (ou como quase todos), mas é uma excelente aproximação aos vinhos chilenos de qualidade.

Como dica importante, sugiro decantar pelo menos uma hora, já que degustei o mesmo em diversos momentos, e quando colocamos direito na taça são as notas ervaceas proveniente dos Cabernet´s (Sauvignon e Franc) e o Carménère as que aparecem de imediato, então, pode deixar uma impressão de que o vinho é “vegetal”, mas é só uma primeira impressão.

Anbordu é um vinho que requer carinho e sobre todo paciência. Se você decanta e serve numa temperatura bem baixa (14 ou 16 graus), vai poder desfrutar de toda essa groselha negra e esse paladar delicioso. Realmente gostei desse vinho, então, se tiver a oportunidade de degusta-lo, acho que vão ter uma grata surpresa, igual como eu tive.

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012

Tipo Tinto
Safra 2012
Região  Millahue – Vale de Cachapoal
Uvas 60% Cabernet Sauvignon, 20% Syrah, 10% Cabernet Franc, 8% Carmenére e 2% Merlot
Teor Alcoólico 14,50%
Pontuação Winechef

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012 - 92 pontos Winechef

Vinho Vik Anbordu Blend, 2012 – 92 pontos Winechef

Amadurecimento 100% envelhecido por 24 meses em barrica de carvalho
Visual Linda cor, obscura e concentrada.
Olfativo Tem uma excelente performance olfativa. Começa com notas a fruta negra, cassis e com bastantes groselhas e suaves notas a ervas silvestres, lavanda e eucaliptus, as que logo começam a abrir deixando expressar os elementos aportados pela madeira. Logo apos as notas a cedro, cravo e amêndoas começam a tomar o protagonismo, mas sempre deixando os aromas primários provenientes das uvas que compõem o blend se expressar de forma clara.
Gustativo No paladar mantém um excelente nível, atacando a boca com uma fruta profunda e suculenta, sempre mantendo um estilo fresco, com a madeira bem presente, mas com uma fruta suficiente para equilibrar. Seu estilo está marcado pelas especiarias, generoso em álcool, com um leve toque de rusticidade e taninos de correta madures. Pode desfrutar desse vinho agora, ou guardar na sua adega porque certamente continuara melhorando nos próximos anos. Este é outro bom vinho assinado pelo já celebre enólogo Patrick Vallet, responsável também dos excelentes Neyen (hasta a safra 2007) e fundador e ex-sócio da vinícola El Principal.
Dica de Harmonização Excelente com caça de pena (faisão, perdiz).
Marreco assado com ameixas servido com repolho roxo e purê de batata Baroa.
Bisteca de porco na panela de pressão com repolho roxo.
Carré de cabrito em crosta de ervas.
Filé mignon com risoto de oito cogumelos.
Carne bovina cozida no vinho Tannat com especiarias.
Temperatura de Serviço 16ºC
Nome da Vinícola Viña Vik

 

 

 

 

Vinho Tamaya Winemaker Selection Syrah, 2007

A vinícola Tamaya fica situada no Vale do Limarí, a 400 quilômetros ao norte de Santiago do Chile e a 20 quilômetros do Oceano Pacífico.

Aqui apresentamos em detalhe uns dos vinhos mais destacados desse produtor:

País Chile
Propriedade da Vinícola 210 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2007
Uva 100% Syrah
Teor Alcoólico 13%
Tipo de Uva Tinta Syrah

 

Tamaya Winemaker Selection Syrah, 2007

Tamaya Winemaker Selection Syrah, 2007

 

Visual Linda coloração romã concentrada.
Olfativo Apresenta um aroma complexo e perfumado, em que as frutas negras, alcaçuz e framboesas se fundem aos tons de chocolate, cedro e ervas aromáticas, flores silvestres e suaves notas a couro e menta, tudo em uma sublime combinação, com muita diversidade aromática e notória complexidade.
Gustativo Impressiona na boca pela estrutura tânica bem integrada, muito saboroso, concentrado e mineral. Tem um nível de qualidade sobressaliente e está no nível dos melhores Syrah do Valle de Limarí, e – por que não dizer – entre os melhores do Chile.
Dica de Harmonização Paleta de cordeiro com ratatouille de frutas vermelhas
Lombo suíno assado com cogumelos silvestres
Magret de pato ao molho de ameixas e licor de cassis
Carnes de caça ao molho de trufas
Coq au vin, servida com legumes confitados
Temperatura de Serviço 16º
Enólogo Responsável José Pablo Martin / Rodolphe Bourdeau
Nome da Vinícola Tamaya
Pontuação Winechef

Vinho Tamaya Winemaker Selection Syrah, 2007 - 92 pontos Winechef

Vinho Tamaya Winemaker Selection Syrah, 2007 – 92 pontos Winechef

 

A uva Carignan, o segredo escondido do Chile

 

A uva Carignan renasce no  Chile.

Se falarmos de vinhos do Chile e de suas uvas mais importantes, teremos sempre que falar de Carménère, a uva já conhecida por todos e que foi e é (como é o Malbec para argentina) a bandeira da viticultura deste país. Mas o segredo é que tem outra uva que irá colocar o Chile novamente no topo da cena mundial. Essa é a fascinante Carignan.

A Carignan tem uma história fantástica, e sensorialmente possui características sobressalientes. Ela tem tudo o que é necessário para se converter na uva do futuro do vinho chileno, e tudo indica que nos próximos anos vai dar muito que falar. O certo e concreto é que seus vinhos são incrivelmente bons, e a modo de introdução nesta uva apresento e recomendo à continuação um deles, da vinícola Gillmore.

Gillmore é uma vinícola boutique, que só produz vinhos tintos, e que possui um selo muito particular com vinhos de muita personalidade.

Este “selo” que está em todos os seus vinhos, tanto aromático como gustativamente falando está representada no caso do aroma, com as suaves notas frescas de menta, alecrim, pinho, e em algumas safras até mesmo eucaliptos.

A uva Carignan, o segredo escondido do Chile

A uva Carignan, o segredo escondido do Chile

 Gillmore Carignan 2007 

Há chocolate em abundância, cereja, canela e outras especiarias doces. A melhor forma de explicar as características deste vinho é imaginar um bombom de cerejas recheado com menta… Uma delícia.

Impecável também a sua performance ao paladar. Ingressa na boca com um frescor impressionante e uma harmonia digna dos grandes vinhos, tudo em equilíbrio. Os taninos muito maduros, mas com a rusticidade que caracteriza esta uva. Este vinho, e outros fantásticos do vale do Maule, estão começando a demonstrar o enorme potencial desta uva. Um vinho muito escasso, delicioso e com uma relação de preço e qualidade difícil de superar.

Vinho Gillmore Carignan

Vinho Gillmore Carignan

 

Potencial de evolução

Como dado importante, gostaria de destacar o grande potencial de evolução que tem em geral os vinhos do vale do Maule. E, em particular, os vinhos desta vinícola. Ou seja, para quem gosta de vinhos mais elegantes e frescos, com graduações de álcool menores do que estamos acostumados com os vinhos do Novo Mundo. Os vinhos do Maule são, neste sentido, perfeitos e felizmente vão ao mesmo sentido do que os mercados mundiais – e também os paladares mais entendidos a nível nacional estão preferindo e exigindo vinhos menos maduros, menos pesados, menos cansativos, menos maquiados (madeira)… Estão preferindo vinhos opostos a estes estilos detalhados. Ou seja, vinhos mais francos e frutais, não muito maduros, sem excesso da madeira, mais frescos, mais puros, mais genuínos, onde se vá conseguir beber a garrafa toda.

Nas próximas semanas pretendo continuar falando sobre esta uva, porque tem muita informação interessante para entregar e muitas vinícolas do Chile estão começando a elaborar vinhos com ela. Até uma associação recentemente formada pretende resgatar e posicionar esta uva entre as uvas tops do Chile.

Comecei indicando este Carignan da Gillmore porque tenho absoluta certeza que logo após degustá-lo vai se apaixonar pelos vinhos desta bodega e desta uva. Para terminar, e só como informação complementar, Robert Parker entregou 93 pontos para duas safras deste vinho de maneira consecutiva (safra 2008 e 2009), o que é uma pontuação inacreditável para um vinho desta faixa de preço.

 

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

 

O segredo das Vinhas Velhas: Quanto maiores os tormentos, maior a velhice

Veja a primeira parte dessa matéria aqui

A modo de exploração da videira, a casta ou clone e qualidade do indivíduo vegetal e o seu habitat determinam a sua longevidade, produção e qualidade da mesma. O stress provocado por agressões ambientais e de exploração fragilizam a planta; a seca, o frio excessivo, os cortes da poda, o uso e abuso dos químicos de síntese são alguns dos atropelos que fazemos à espécie vegetal. Donde que uma vinha com 30 anos, submetida aos tormentos de uma exploração super intensiva pode ser velha e decrépita enquanto outra de 60 anos, com uma população saudável de indivíduos vegetais, que beneficiou de uma exploração menos intensiva, que não sofreu intoxicações com químicos de síntese e que teve as feridas da poda desinfetadas que impediram a contaminação viral e bacteriana, pode produzir quantidade com qualidade por muitos mais anos.

A casta e a sua origem terão também uma importante palavra a dizer na longevidade da cepa. Há castas muito mais resistentes aos atentados que lhe fazemos que outras. A globalização galopante e a promiscuidade varietal entre países e continentes pode também fazer mossa à perenidade da vinha. Por exemplo, é sabido que o Pinot Noir não gosta de viajar e é de aceitar que uma vinha velha de Pinot terá obviamente uma idade completamente diferente na Borgonha que no Oregon dos EUA.

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

Vinhas Velhas: Um conceito muito subjetivo

Quando um produtor de qualquer nova região nos diz que tem vinha velha devemos sempre perguntar: com que idade?

O conceito muda com a região de origem e os critérios do produtor. Numa região com um historial recente como é o caso da maior parte do Alentejo, uma vinha com 20 anos é considerada velha. Numa região com longo historial e rica em vinhas velhas e muito velhas, como o Douro, aceita-se que o produtor diga que o vinho vem de vinha velha se esta tiver pelo menos 40 ou 50 anos.

A questão de “quantos anos tem de ter uma vinha para ser velha” já era discutida pelos Romanos. E desde então ainda não se chegou a consenso.

Num pequeno inquérito feito pela Wines & Vines quanto à necessidade de legalizar o termo “Vinha Velha” para questões de rotulagem nas principais unidades produtivas na Califórnia (onde se encontra o maior área de vinha velha de Vitis vinifera), 71% dos inquiridos concordaram com a legalização do termo. Mas quando se pede a idade mínima para uma vinha poder ser considerada velha, 63% considera um mínimo de 50 anos de idade enquanto 28% são a favor de uma idade mínima de 20 anos. Quando questionados quanto à idade da vinha que fornece uvas para o seu(s) rótulo(s) de vinho de vinha velha, 39% afirma que a vinhas estão entre ao 15 e os 49 anos e 32% dão uma idade entre os 50 e os 80 anos.

A falta de consenso e de conceito é um dos entraves à plena validade do item na exploração do marketing. Além de que não podemos esquecer a habitual ausência de dados concretos: quantas vezes perguntamos a idade de uma vinha velha a um determinado produtor e ele responde: calculo que deva ter mais de 40, 50 ou mesmo 60 anos.

Contudo o conceito existe e é explorado por alguns produtores. E não há dúvida que encerra algo de mágico, porque para muitos (e não são assim tão poucos) quanto mais velha é a vinha mais sábia se torna.

Na verdade faltam estudos científicos que comprovem aquilo que todos sentem: existem vinhas velhas que produzem vinhos extraordinários mas também não é menos verdade que nem todas as vinhas velhas os produzem.

 

Jean Pascal-Lacaze, enólogo de Domus Aurea em entrevista exclusiva

 

Além do Domus Aurea, ele também elabora o vinho Peñalolen Azul

 
Não é segredo que gosto muito de Domus Aurea. Penso a mesma coisa que muitos outros amantes de vinho: que ele é um dos melhores vinhos tintos chilenos.

A forma na qual os vinhos desta vinícola conseguem expressar o terroir da Quebrada de Macul, nos pés do monte da Cordilheira dos Andes, pertinho do coração de Santiago, é algo alucinante! Como se o terroir estivesse gritando aos quatro ventos através dos aromas e sabores destes vinhos.

Mas se o Domus já é um vinho que oferece muita qualidade por um preço mais do que justo, a boa notícia é que existe outro vinho, da mesma família, até agora um tanto quanto desconhecido, no mesmo estilo que os outros estupendos vinhos elaborados por Jean Pascal e Rodolphe Bourdeau. Ele se chama “Azul”, é um assemblage extraordinário, e o melhor de tudo: está na inacreditável faixa dos R$ 150,00.

 

O vinho Peñalolen Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

O vinho Peñalolen Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

 

Então, frente a tanta curiosidade, fiz uma pequena entrevista com o enólogo Jean Pascal-Lacaze só para falar deste vinho. Vejam as suas respostas às minhas perguntas!

Quando nasceu o vinho Azul?

Azul nasceu no ano de 2008.

Qual é o significado deste nome?

O azul evoca algo superior. Na época dos reis, era a cor da virgem Maria e símbolo da majestade. Abundante no mar e no céu, mas é também um pigmento escasso, muito difícil de fabricar. O azul tem sido por muito tempo uma cor relacionada à nobreza e ao luxo. Em síntese, o Azul simboliza o infinito, o divino e o espiritual.

De qual vinhedo provêm as uvas de Azul?

As uvas provêm dum vinhedo localizado no vale do Maipo Alto, região que, por suas condições climáticas e terroir, oferece condições excepcionais para a produção de vinhos de alta qualidade.

Como foi realizado o trabalho na bodega em relação à fermentação alcoólica e à fermentação malolática?

A vinificação se realiza de maneira tradicional. As uvas são colhidas manualmente e os grãos selecionados cuidadosamente. Depois, quando chega à cuba de aço, é feita uma maceração por um período de 10 a 15 dias para favorecer a extração. Posteriormente é realizada a fermentação alcoólica.

Trabalha-se com leveduras selecionadas com um rigoroso controle de temperaturas. Uma vez terminada a fermentação alcoólica se procede ao traslado do vinho na barrica, as que são escolhidas de acordo com a personalidade de cada vinho, em particular, para conseguir manter a tipicidade do terroir no vinho final. Nas barricas é efetuada a fermentação malolática, processo que dura entre 20 e 30 dias.

O vinho Peñalolen  Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

O vinho Peñalolen Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

Como foi a guarda em barricas, quanto tempo, que tipos de madeiras e por quê?

A crianza é relativa, segundo os diferentes tipos de vinho. Depende claramente da variedade de uva e da arquitetura do vinho. Os mais estruturados irão à madeira nova para polir-se; outros menos prontos, às vezes, terão uma guarda em barricas de segundo uso. Algumas barricas dão no assamblage final volume e força; outras, profundidade e maior respeito pelo caráter inicial. Os tempos de estágio dos vinhos nas barricas variam dos 12 até os 20 meses. As barricas provêm de cinco ou seis tonelarias francesas diferentes, cada uma com sua própria filosofia.

As barricas são apenas de madeiras de bosques franceses com tostados médios e leves. As tábuas das barricas têm 36 meses de secas e calibradas em 27 mm.

Para Azul, especificamente, utilizou-se 20% de barricas novas com tostados médios, de madeira proveniente do centro da França, Tronçais e Nevers, por um período de 18 meses.

Qual foi a quantidade de garrafas produzidas em cada safra?

Para a colheita de 2010 foram produzidas 11.097 garrafas, e 30 garrafas Magnun (de 1,5L)

Como se diferença Azul dos outros vinhos da vinícola?

Especialmente, Azul é um vinho que recebe uma quantidade bem maior de Petit Verdot em seu assemblage. Isto lhe outorga certa austeridade no início, a qual se transforma com a evolução do vinho na garrafa, com muita elegância. A estrutura tânica é absolutamente marcada, o vinho é claramente pensado para a guarda. O desenho de Azul trata-se de um perfil muito mais vertical e profundo e uma já vista exuberância esférica. O conceito requer paciência para entregar seu máximo potencial e converter sua leve firmeza em uma elegância ainda maior.

 

Vinho Feteasca Neagra, um tesouro desconhecido da Romênia

 

O vinho Feteasca Neagra da Rômenia é fantástico

Todos nós sabemos que no Brasil os vinhos que tem maior sucesso entre os consumidores são os chilenos e argentinos, e isto é fácil de entender. São países muito próximos desde diferentes pontos de vista. Além disso, o estilo maduro e moderno e a inegável relação de preço e qualidade que os vinhos desses países oferecem são os segredos do sucesso e da preferência dos brasileiros.

Mas chega uma hora que queremos experimentar o diferente, algo para sair da “rotina”, e é ai que aparecem os vinhos europeus.

Porém o objetivo desta matéria não é falar sobre os vinhos do Velho Mundo (França, Itália, Espanha, ect..), e sim compartilhar com vocês um vinho de uma origem tão diferente quanto interessante. É um vinho da Romênia, sei que há muito poucos vinhos deste país no Brasil, então imagino que a grande maioria dos brasileiros não conhece um vinho dessa uva.

Procurei informação sobre a uva Feteasca Neagara, e não encontrei quase nada na internet, mas o pouco que encontrei deu para entender que se trata de uma uva pre-filoxerica, autóctone da Romênia, que está alcançando níveis interessantes de muita qualidade. Na Romênia ela acostuma ser vinificada como vinho seco, meio seco e até doce.

Deixo abaixo uma dica deste vinho que chegou esses dias na Buywine. Ele é tão delicioso quanto diferente:

Feteasca Neagra Private Reserve 2013

Feteasca Neagra Private Reserve 2013

 Ficha Técnica vinho Feteasca Neagra Private Reserva 2013. Bulgaria.

Tipo Tinto
Safra 2013
Volume 750ml
Pontuação Winechef

Winechef 92 Pontos

Winechef 92 Pontos

País Roménia
Uva 100% Feteasca Neagra
Teor Alcoólico 13%
Tipo de Uva Tinta Feteasca Neagra
Visual Impressionante cor cereja, com tons violáceos que evidenciam juventude.
Olfativo A fruta se mostra sem timidez, num estilo exuberante e generoso, começando com intensas notas frutais, que lembram baias silvestres, tipo groselhas e casis, as que logo dão passo as suaves notas a especiarias exóticas, canela, baunilha e cedro, aportadas pela guarda em madeira. É um nariz muito agradável e particularmente diferente, que com a oxigenação do vinho na taça só vá ficando cada vez encantador e mais sedutor.
Gustativo Na boca é ainda mais surpreendente, entrando no paladar com uma doçura de fruta fascinante e uma acidez vibrante e viva, que refresca e entrega a mineralidade num vinho de taninos já maduros, de um corpo delicadamente texturizado e com essa caraterística de frescura que encanta, que refresca e aprofunda a sensação de prazer. Ele é tão especial que é impossível não beber a garrafa toda, em resumo é um vinho extraordinário, diferente, pronto para beber, obrigatório para aqueles que gostam de descobrir novos horizontes sensoriais. Altamente recomendável.
Dica de Harmonização Carpaccio de vitela.
Tagliatelli de ervas com medalhão de mignon ao molho de Gorgonzola.
Gnocchi de batata doce ao molho pomodoro.
Medalhão de filé mignon e capeletti aos quatro queijos.
Lombo assado com alho e alecrim, com batata recheada com cream cheese philadephia.
Medalhão de mignon, em crosta de ervas aromáticas ao molho de vinho tinto.
Temperatura de Serviço 17º C
Potencial de Guarda 10 anos
Nome da Vinícola Cramele Halewood Wines Feteasca Neagra Private Reserve
País de Origem Roménia
Região Dealurile Munteniei

Onde comprar: www.buywine.com.br

 

Vinho Neyen Blend 2007 Apalta Chile

 

Vinho Neyen Espiritu de Apalta Blend 2007: Um dos meus favoritos ícones chilenos

Neyen é um dos vinhos ícones chilenos mais interessantes desse país. Desde sua primeira safra no ano 2002, ele sempre tem conseguido manter um altíssimo nível de qualidade e tem mantido o estilo elegante e moderno que o caracteriza, mas sempre acompanhado de uma grande concentração e muita profundidade de sabor.

Se você gosta de vinhos desses que não ficam faltando nada, este tinto a base da rainha das uvas tintas, a Cabernet Sauvignon, com um importante aporte da delicada Carménère, esse vinho pode ser uma grande opção.

Vinho Neyen Blend 2007 Apalta Chile

Vinho Neyen Blend 2007 Apalta Chile

Tipo Tinto
Safra 2007
Volume 750ml
Pontuação Winechef

Vinho Neyen Blend 2007 Apalta Chile - 93 pontos Winechef

Vinho Neyen Blend 2007 Apalta Chile – 93 pontos Winechef

País Chile
Região Colchagua
Sub-Região Apalta
Uva 70% Cabernet Sauvignon, 30% Carménère
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Amadurecimento 14 meses em barricas, 70% novas.
Visual Coloração rubi extraordinariamente intenso com reflexos violetas brilhantes.
Olfativo Envolvente perfil olfativo, com frutas negras maduras, figo seco, húmus e café. Impressiona com um caráter muito sedutor e ao mesmo tempo de grande complexidade, sobre fundo mineral e de finas especiarias exóticas e cedro, tudo em uma sublime combinação.
Gustativo É muito concentrado no paladar e muito fiel à sua origem: seu terroir de velhas parreiras no Vale de Apalta. O passo em boca demonstra taninos de fina granulação aliados ao frescor vivaz; a madeira faz-se notar, mas a fruta é que está em evidência e tem uma refinada estrutura tânica, com suculenta profundidade e um nível de qualidade que o coloca entre os melhores vinhos do Chile de todos os tempos. Desde o início, sempre tenho colocado este vinho entre meus favoritos do Chile, mas esta é uma safra sobressalente, a melhor que este vinho produziu até agora.
Dica de Harmonização Faisão assado ao forno com trufas negras.
Côte de boeuf servido com o melhor molho bernaise.
Escalope de lagosta com creme de cassis e perfume de trufas.
Tortelli de batata e cebola caramelizada, trufas negras e lascas de parmesão.
Ravióli de queijo fontina, parmesão e trufa negra fresca.
Magret de canard ao molho de jabuticaba e purê de batata com tomilho.
Tipo de Comida Carnes
Importador Vinos e Vinos
Temperatura de Serviço 17º
Potencial de Guarda 10 anos
Nome da Vinícola Neyen
Ano de Fundação da Vinícola 2002
Propriedade da Vinícola 125 Hectares
Enólogo Responsável Patrick Valette
País de Origem Chile