Posts

Robert Parker. Os 50 melhores Torrontés na historia de Argentina

 

Conheça as pontuações de Robert Parker para a uva branca emblemática de Argentina

Cada vez que falamos da uva Malbec, de maneira inconsciente aparece na nossa cabeça a Argentina. E como não, se esse país tem feito da Malbec uma verdadeira bandeira de batalha com a qual tem obtido grandes resultados no mundo todo, e particularmente no Brasil, justamente Argentina o país que os consumidores brasileiros dão preferência, perdendo só dos vinhos chilenos.

A uva Torrontés segundo Robert Parker

A Torrontés é uma variedade de uva branca de origem espanhola, da região Galiza, muito semelhante à Moscatel da qual possui parentesco.

A uva é cultivada também na Argentina, Portugal e Bulgaria e vários outros países que a cada dia vai ganhando maior popularidade a nível mundial.

Quando se trata de vinhos brancos argentinos é a Torrontés a que tem o total protagonismo. Seus vinhos são extraordinariamente exuberantes, de uma grande riqueza aromática o que faz que eles sejam inconfundíveis frente a outras variedades de uvas brancas.

Na Argentina existem diversos tipos de Torrontés. A Torrontés Riojano é de total qualidade, enquanto a Torrontés Sanjuanino e Torrontés Mendocino são inferiores.

Robert Parker. Os 50 melhores Torrontés na historia de Argentina

Robert Parker. Os 50 melhores Torrontés na historia de Argentina

Veja o ranking com as 50 mais altas pontuações de Robert Parker para os Torrontes na historia.

 

SAFRA  NOME DO VINHO  PONTOS
2013 Susana Balbo Susana Balbo Signature Torrontes Barrel Fermented 93
2010 Bodegas El Porvenir de Los Andes Torrontes Laborum 92
2009 Bodegas Etchart Torrontes Gran Linaje 92
2012 Domingo Molina Hermanos Torrontes 92
2012 Finca Las Nubes Torrontes 92
2009 Alta Vista Premium Torrontes 91
2013 Alta Vista Premium Torrontes 91
2011 Bodegas y Vinedos O Fournier Urban Uco Torrontes 91
2011 Coquena Torrontes 91
2010 Crios de Susana Balbo Torrontes 91
2009 Manos Negras Torrontes 91
2011 Susana Balbo Late Harvest Torrontes 91
2010 Susana Balbo Torrontes Late Harvest 91
2009 Accuro Torrontes 90
2011 Alta Vista Premium Torrontes 90
2006 Alta Vista Premium Torrontes 90
2006 Bodega Cicchitti Torrontes 90
2006 Bodega Colome Torrontes 90
2010 Bodega Monteviejo Festivo Torrontes 90
2011 Bodegas Callia Torrontes Reservado 90
2006 Bodegas El Porvenir de Los Andes Torrontes Laborum 90
2008 Bodegas Etchart Torrontes Gran Linaje 90
2010 Camino del Inca Torrontes 90
2010 Carinae Torrontes 90
2011 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2008 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2007 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2009 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2009 Familia Zuccardi Torrontes Serie A 90
2011 Familia Zuccardi Torrontes Serie A 90
2013 Familia Zuccardi Torrontes Serie A 90
2009 Felix Lavaque Don Rodolfo Torrontes 90
2010 Felix Lavaque Felix Torrontes 90
2010 Filus Torrontes 90
2011 Finca Domingo Torrontes 90
2007 Michel Torino Torrontes Don David 90
2012 Passionate Wines La Via Revolucionaria Torrontes Brutal 90
2009 Piattelli Vineyards Premium Torrontes 90
2009 Susana Balbo Torrontes Late Harvest 90
2010 Terrazas de Las Andes Reserva Torrontes 90
2011 Tilia Torrontes 90
2006 Tittarelli Reserva 90
2008 Tukma Torrontes Reserva 90
2011 Vines Of Mendoza Recuerdo Torrontes 90
2013 Bodega Colome Torrontes 89
2009 Bodega Colome Torrontes 89
2008 Bodega Colome Torrontes 89
2009 Bodega Monteviejo Festivo Torrontes 89
2008 Bodega Tapiz Zolo Torrontes 89
2007 Bodegas Etchart Torrontes Late Harvest 89

Sabe quando um vinho é “seco”?

 

O oposto a vinho seco não é “molhado”…

Esta é uma das palavras que mais usamos quando nos referimos aos vinhos, então pensei que seria uma boa ideia tentar explicar o que realmente isso significa, para você poder aprender o que é de fato um vinho seco.

A primeira coisa que devemos estar esclarecidos é de que o oposto a vinho seco não é “molhado” [risos], e, sim, doce.

Tudo depende do clima no qual o vinhedo está plantado. Assim, temos regiões mais cálidas, onde o sol tem maior luminosidade e a média de temperaturas de calor é maior. O resultado neste tipo de clima será de uma maior concentração de açúcar no grão de uva, o que logo após a fermentação se transformará em álcool. Então, a lógica é muito simples de se entender: climas mais cálidos significam vinhos com maior graduação alcoólica e, logicamente, climas mais frescos e frios produzem vinhos de teor alcoólico menor.

Depois que a uva alcança seu melhor grau de madures, ela será colhida, levada a bodega de vinificação e colocada em um recipiente, normalmente de aço, cimento e em alguns casos de madeira, e lá ele vai realizar a fermentação alcoólica (que consiste na transformação dos açúcares do mosto [suco de uva] em álcool). Quando as leveduras terminam de transformar todo o açúcar existente na uva, enfim teremos o vinho seco.

Sabe quando um vinho e “seco”

Sabe quando um vinho e “seco”

Em poucas palavras, seco significa “sem açúcar”. A verdade é que todos os vinhos tem uma pequena quantidade de açúcar, em torno de 2g por litro, devido que as leveduras nunca conseguem consumir a totalidade de açúcar, já que os próprios álcoois que elas transformaram a partir do açúcar do suco de uva as matam.

Os grandes vinhos de qualidade muita das vezes são secos, e quando não são, trata-se de vinhos de outras categorias, tais como Late Harvest, Amarone, Sauternes, Ice Wines, Espumantes e etc, mas essa é outra história e outros tipos de vinhos. Muitas vezes, graças ao bom trabalho do enólogo, os vinhos tem um aroma doce, muito intenso, mas isso é uma característica bem positiva e que expressa qualidade. Esses vinhos terão um perfil aromático frutado e levemente doce, mas na boca eles serão completamente secos.

No caso dos vinhos tintos existe uma grande confusão quando se fala dessa palavra (seco), já que muitas pessoas confundem quando os vinhos estão adstringentes no paladar, quando estão duros e ásperos, então usam a palavra seco para se referirem a esta sensação gustativa, mas está errado, já que seco, como acabamos de explicar, é uma palavra que define só os vinhos sem açúcar. Quando eles têm as características de adstringência, usa-se outro tipo de vocabulário, que veremos no próximo post.

Na hora de comprar uma garrafa de vinho a maneira para poder conferir se um vinho não é seco, é olhar o contrarrótulo já é obrigatório esse tipo de indicação com a frase “Vinho Meio Seco”.

 

Quanto tempo tem de barrica? É uma pergunta inteligente?

Como já devem ter entendido nos posts anteriores sobre este tema, a madeira entrega uma grande quantidade de elementos aromáticos ao vinho. Mas tem outro detalhe e talvez ainda mais importante, é que a madeira cumpre uma função fundamental na polimerização dos taninos durante o tempo em que este se encontra estagiando nas barricas.

Como é necessário ter um vinho de boa estrutura para colocar dentro de uma barrica, estes vinhos, quando estão jovens e ainda não passam em madeiras, normalmente tem uma grande concentração de taninos que estão firmes (duros) e estes precisam se polimerizar, unindo-os com os antocianos (responsáveis pela cor do vinho). Assim, estes taninos vão  suavizando-se e adquirindo uma textura mais macia. Este processo ocorre com a ajuda do oxigênio, que penetra através dos poros das barricas e o vinho fica em constante “interação” com ele.

Quanto tempo tem de barrica? É uma pergunta inteligente?

Quanto tempo tem de barrica? É uma pergunta inteligente?

Este estágio deve ser interrompido só quando o vinho estiver pronto, e o único calendário que indica e define este momento é a degustação, ou seja, não existe uma receita sobre o tempo ideal para que um vinho esteja dentro de uma barrica e este período varia muito entre os diferentes países e estilos que existem.

Em termos gerais uma uva de qualidade que produz um vinho ótimo consegue agüentar em uma barrica de tostado meio (sim, existem vários temas em relação ao tostado das tabuas das barricas, mais abordemos em detalhe este tema em uma próxima oportunidade) uns 18 a 20 meses, após este tempo a barrica começará a “tampar” a fruta com seus aromas e sabores tostados e doces.

É importante entender que um vinho pode ter a quantidade de meses ou anos que for de guarda dentro de uma barrica, que isto pode não significar nada em relação à qualidade do vinho final. Por isso tenha cuidado com as perguntas que os iniciantes costumam fazer, pensando que estão fazendo uma pergunta inteligente, e na verdade não passa de absoluto esnobismo, isso de “quanto tempo tem de barrica”.  Muitas vezes o vendedor vai falar qualquer coisa, só para responder a pergunta, mais mesmo sem entender também o que está falando.

Este mundo dos aromas vindos pelas madeiras é muito atrativo e tem muitas informações para quem gosta de vinho e é curioso por aprender. Aqui no nosso blog, você vai encontrar muitas respostas relacionadas aos tipos de aromas que os vinhos possuem.

Um bom exercício, só pra começar, é degustar os vinhos de mesma uva e vinícola juntos, sendo um varietal (sem madeira) e outro reserva. Aí vai dar para sentir as diferenças aportadas por elas.

Depois nos conte como foi a sua experiência!

As pontuações de Robert Parker para TODAS AS SAFRAS do vinho chileno Almaviva

 

Desde a primeira safra (1996) do vinho ícone chileno Almaviva até a última safra 2011.

O vinho Almaviva não precisa muita apresentação…

Quem alguma vez teve a oportunidade de degustar esse vinho, sabe que estamos falando de uns dos grandes vinho da Amarica Latina e sem exagero, uns dos vinhos que pode ser comparado com os melhores do mundo, e também não é exagero dizer que e o vinho chileno mais desejado dos vinhos chilenos no Brasil.

Apresentamos uma relação com todas as safras que tem sido até hoje pontuadas pelo crítico mais influente do mundo, Robert Parker. Esta publicação inclui a pontuação do Almaviva 2011, lançado no marcado recentemente.

Neste ranking abaixo os vinhos estão ordenados por pontuações, desde a nota mais alta até a nota mais baixa:

 

 Robert Parker  –  e notas para o Vinho Chileno Almaviva

 

Safra
Ranking
Pontuação
2003
Vinho Almaviva
95
2005
Vinho Almaviva
94
2007
Vinho Almaviva
93+
2002
Vinho Almaviva
93
2004
Vinho Almaviva
93
2011
Vinho Almaviva
93
2010
Vinho Almaviva
92
2001
Vinho Almaviva
92
1996
Vinho Almaviva
92
2006
Vinho Almaviva
92
2009
Vinho Almaviva
91
1997
Vinho Almaviva
91
1999
Vinho Almaviva
90
2008
Vinho Almaviva
90

 

Robert Parker  e rankings dos vinhos chilenos Almaviva

Robert Parker e rankings dos vinhos chilenos Almaviva

Neste ranking abaixo os vinhos estão ordenados por safra, desde a última safra pontuada (2011) até a primeira safra  (1996)

 Robert Parker  –  e notas para Vinho Chileno Almaviva

Tipo de Vinho
Nome
Safra
Pontuação
Vinho Tinto
Almaviva
2011
93
Vinho Tinto
Almaviva
2010
92
Vinho Tinto
Almaviva
2009
91
Vinho Tinto
Almaviva
2008
90
Vinho Tinto
Almaviva
2007
93+
Vinho Tinto
Almaviva
2006
92
Vinho Tinto
Almaviva
2005
94
Vinho Tinto
Almaviva
2004
93
Vinho Tinto
Almaviva
2003
95
Vinho Tinto
Almaviva
2002
93
Vinho Tinto
Almaviva
2001
92
Vinho Tinto
Almaviva
1999
90
Vinho Tinto
Almaviva
1997
91
Vinho Tinto
Almaviva
1996
92

 

 

 

O terroir segundo Alejandro Hernández, o padre da enologia chilena

 Por Prof. Alejandro Hernández

O terroir é um conceito da vitivinicultura europeia tradicional, especialmente francesa, usada para explicar os diferentes tipos e qualidades de seus vinhos de acordo com o local de procedência. O que se definiu na França em 1855 foram as Denominações de Origem e dentro dela foram classificadas as diferentes categorias de vinho baseadas na qualidade dos mesmos. Uma Denominação de Origem pode ter um ou vários terroirs.

Este conceito foi muito discutido pelos enólogos dos países do Novo Mundo, pois é muito difícil provar que a qualidade e a permanência no tempo de um vinho se devem às condições ecológicas do lugar, o cultivo da videira e às condições de vinificação, envelhecimento e armazenamento do vinho.

Em todo o caso, não há dúvidas de que o terroir é uma maneira apropriada para definir uma produção de qualidade para uma ou mais variedades de uva em lugares ou solos específicos.

Alex Ordenes, Edneia Benfica e Alejandro Hernandez.  Imagem de arquivo (janeiro 2010)

Alex Ordenes, Edneia Benfica e Alejandro Hernandez. Imagem de arquivo (janeiro 2010)

O terroir

É definido basicamente pela condição do terreno ou solo onde a videira é cultivada, ainda que, por sua vez, a videira esteja submetida às condições do clima do lugar; mas acima de tudo, nesse sistema se leva em conta o manejo ou cultivo das vinhas e a disponibilidade de água natural ou fornecida.

O clima do terroir é influenciado pelo clima do lugar, o mesoclima, e o clima em torno das vinhas, o microclima. Ele pode ser medido pela temperatura, pela quantidade de chuva, a intensidade da iluminação ou energia solar que está relacionada por sua vez à exposição do vinhedo à passagem do sol, ou rotação da terra.

No fator solo há a influência da geologia, que determina a origem do solo, o relevo ou topografia, que compreende a altitude, o aspecto (se está em um vale, uma encosta, um terreno de montanha, etc.) e finalmente a hidrologia que condiciona a disponibilidade e o movimento da água e seu aproveitamento pelas raízes da vinha; isso, por sua vez, depende das características físico-químicas do solo (estrutura, textura e composição mineral e orgânica).

Todas estas características do clima e do solo condicionam certa fertilidade natural do solo, que podem variar desde solos muito ricos, com fertilidade excessiva que impede a obtenção de um vinho de qualidade, até solos com deficiência em elementos nutritivos, que além de produzir pouco geram vinhos desequilibrados.

Parreiras velhas

Este conjunto de relações complexas afetará as variedades de videira que forem plantadas neste lugar. Obviamente existirão variedades que se adaptam muito bem, outras menos e algumas que não conseguem se desenvolver ou, se conseguem, não serão capazes de produzir vinhos de qualidade. O terroir é em si uma noção que indica uma certa tipicidade e individualidade que gera um vinho com características determinadas e repetíveis. O último não é uma norma fixa, pois os fatores do solo, de certo modo, podem ser modificados e porque as condições do clima não são controladas.

Em todo caso, a existência de uma vinha em um terroir determinado ou em uma área vinícola qualquer gera uma paisagem vinícola especial. Não há nenhum outro cultivo agrícola que apresente um maior atrativo e uma melhor adaptação à geografia do lugar que a vinha. Sua arquitetura organizada, a delimitação de seus vinhedos e o trabalho cuidadoso representam sempre uma contribuição à estética do lugar. A paisagem vinícola é um novo conceito muito mais fácil de captar e lembrar a descrição técnica do terroir. Porém ambos os conceitos podem entrar em harmonia para fazer com que a vinha e o vinho sejam mais atrativos.

No reino vegetal apenas o vinho permite ao homem compreender o sabor da terra, e a paisagem vinícola é o próprio ambiente no qual o vinho se produz.

• • • • • • • • • •

Alejandro Hernandez:

Enólogo da Universidade Católica do Chile, professor de enologia há 35 anos, tendo ensinado enologia a maioria dos enólogos chilenos mais conceituados na atualidade (Álvaro Espinoza, da Antiyal, ou o próprio Pablo Morandé foram alguns dos seus alunos). Alejandro Hernandez, nosso correspondente de enologia no Chile, nos enviou este artigo para o VinhoemProsa diretamente do Vale do Maipo, lugar onde está localizada a vinícola Portal del Alto, que é de sua propriedade.

Viagra é encontrado em álcool destilado

 
A polícia está investigando dois destiladores na Província de Guangxi, na Chine, sobre alegações de que eles adicionaram Viagra em garrafas de um álcool destilado (Baijiu).

Sildenafil, mais conhecido como medicamento anti-impotência “Viagra” foi encontrado recentemente em três produtos Baijiu, extraído de uma planta na cidade de Luizhou, província de Guangxi.

Conforme relatado pela Reuters, mais de 5.300 garrafas de álcool foram apreendidos pelos investigadores que também foram encontrados pacotes de Sildenafil na forma de pó.

O Liuzhou Food and Drug Administration disse que o pó foi adicionado a três diferentes tipos de Baijiu. Esta bebida e um espírito forte, e é a bebida mais popular da China.

Viagra é proibida como aditivo alimentar na China e não é adequado para pessoas com problemas cardiovasculares.

Não é z primeiro caso em que o Viagra foi adicionado ao licor Baijiu na China. No ano passado, um empresário de Hubei, centro da China foi detido pelo mesmo crime.

Viagra é encontrado em álcool destilado

Viagra é encontrado em álcool destilado

 

Fonte: Drink Business

Os 50 Melhores Pinot Noir chilenos para Robert Parker


De todos os países da América do Sul, é o Chile aquele que tem a preferência de pontuações para Robert Parker quando se trata da uva Pinot Noir.

Claramente há uma preferência por vinhos do vale de San Antonio, mas também aparecem na lista dos 50 melhores Pinot Noir alguns exemplares provenientes do Vale de Casablanca, de Cachapoal Alto e alguns outros do Vale de Limari.

O que fica muito evidente, é que os melhores Pinot Noir provem de climas frios, estes são os preferidos não só por Robert Parker, mas também por todos nós que apreciamos essa uva, conhecida como a que produz os vinhos mais elegantes do mundo.

50 Melhores Pinot Noir chilenos na historia para Robert Parker

50 Melhores Pinot Noir chilenos na historia para Robert Parker



Então veja a continuação da lista com os:

50 Melhores Pinot Noir chilenos na historia para Robert Parker

 

Safra Nome do Vinho Pontuação
2010 Calyptra Pinot Noir Gran Reserva 94
2006 Casa Marin Pinot Noir Litoral Vineyard 93
2004 Casa Marin Pinot Noir Litoral Vineyard 93
2011 Clos des Fous Latuffa Pinot Noir 93
2012 Matetic Pinot Noir EQ 93
2013 Montescano Refugio Pinot Noir 93
2011 Ventolerala Claro de Luna Pinot Noir 93
2009 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 92
2006 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 92
2004 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 92
2012 Cono Sur Pinot Noir Ocio 92
2005 Cono Sur Pinot Noir Ocio 92
2011 Leyda Pinot Noir Lot 21 92
2010 Leyda Pinot Noir Lot 21 92
2012 Maycas Pinot Noir San Julian 92
2012 Montescano Pinot Noir 92
2012 Tara Red Wine 1 Pinot Noir 92
2011 Vina Tabali Pinot Noir Talinay 92
2009 Bravado Sofia Pinot Noir 91
2012 Clos des Fous Subsollum Pinot Noir 91
2011 Cono Sur Pinot Noir Ocio 91
2005 Cono Sur Pinot Noir 20 Barrels 91
2012 Cono Sur Pinot Noir 20 Barrels Limited Edition 91
2013 Errazuriz Pinot Noir Aconcagua Costa 91
2006 Garces Silva Amayna Pinot Noir 91
2007 Garces Silva Amayna Pinot Noir 91
2013 House Casa del Vino Despechado Pinot Noir 91
2012 Leyda Pinot Noir Lot 21 91
2007 Leyda Pinot Noir Lot 21 91
2010 Leyda Pinot Noir Cahuil Vineyard 91
2011 Leyda Pinot Noir Cahuil Vineyard 91
2011 Ventolerala Pinot Noir 91
2011 Vina Aquitania Soldesol Pinot Noir 91
2009 Vina Tabali Pinot Noir Talinay 91
2011 Volcanes de Chile Tectonia Pinot Noir 91
2012 Arboleda Pinot Noir Aconcagua Costa 90
2011 Arboleda Pinot Noir Aconcagua Costa 90
2010 Bravado Sofia Pinot Noir 90
2013 Casa Marin Cartagena Pinot Noir 90
2008 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 90
2005 Casa Marin Cartagena Pinot Noir Estate Grown 90
2007 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 90
2012 Casa Silva Cool Coast Pinot Noir 90
2012 Casas del Bosque Pinot Noir Pequenas Producciones 90
2008 Cono Sur Pinot Noir 20 Barrels Limited Edition 90
2006 Cono Sur Pinot Noir Ocio 90
2010 Cono Sur Pinot Noir Ocio 90
2008 Errazuriz Pinot Noir Wild Ferment 90
2005 Garces Silva Amayna Pinot Noir 90
2012 Garcia Schwaderer Sofia Pinot Noir 90

 

Qual é a melhor taça para cada vinho?

Cada um com seus detalhes particulares. E tanta subjetividade merece uma atenção especial, afinal, a degustação de um bom vinho está em sentir seu aroma, observar sua cor e, por fim, saboreá-lo.

Um instrumento primordial é a taça. Tantas formas e tamanhos causam muitas dúvidas em quem aprecia o Néctar dos Deuses. A taça certa realça ainda mais as qualidades e características marcantes de cada tipo de vinho.

As primeiras dicas são: opte sempre pelas taças transparentes e, de preferência, de cristal. Por quê?

Parte do prazer em degustar um bom vinho também está em observar sua cor e tons – eles dizem muito sobre o vinho e sobre o que está por vir – por isso a importância da total transparência.

E o cristal permite que os aromas da bebida fiquem mais evidentes. Isso se dá pela presença e teor de chumbo (até 24%), metal utilizado em sua produção. O chumbo torna a espessura da taça mais fina, além de deixá-la delicada e com leveza. A porosidade do cristal também influencia, uma vez que as moléculas do vinho quebram-se no choque com a parede áspera da taça, liberando uma grande concentração de aromas – e tornando a degustação mais completa.

Qual é a melhor taça para cada vinho?

Qual é a melhor taça para cada vinho?

 

Tipos de taça

Existem quatro tipos básicos de taça de vinho.

Vinho tinto

Por precisar de espaço para que sejam percebidas melhor suas qualidades. Sendo assim, a taça é mais alta e com o bojo maior. E por essa característica – de precisa de espaço – é aconselhável que não se sirva muito, para que a bebida possa se aerar e abrir, desenvolvendo suas potencialidades.

Vinho branco

Um pouco menor do que a taça para tintos, para que o branco seja servido em uma menor quantidade e numa temperatura mais baixa. Sendo menor, o calor externo terá pouca influência na bebida. Essa taça também é indicada para vinhos rosés.

Vinho doce

Para que a bebida seja conduzida diretamente ao local certo da língua onde se sente o açúcar (a ponta da língua), é indicada uma taça mais baixa e com o bojo menor do que a para vinho branco. A quantidade servida também deve ser menor.

Vinho Espumante

Uma taça que mantenha as borbulhas da bebida por mais tempo, direcionando os aromas diretamente para o nariz. Nesse caso, aconselha-se a taça “flauta” ou “flute”.

 

Lista completa das medalha GRANDE OURO Concurso Mundial de Bruxelas – Edição Brasil 2015

 

 A lista de vinhos ganhadores do Concurso Mundial de Bruxelas que aconteceu o último fim de semana em São Paulo foi revelado,  e há muitas surpresas.

O júri esteve composto pelos líderes de opinião da cena local, a maioria de eles jornalistas especializados em vinhos e gastronomia.

O concurso contou com a participação de 419 rótulos, sendo 215 de vinhos e 204 de destilados. Desse total, 100 rótulos foram premiados com as medalhas “Gran Ouro”, “Ouro” e “Prata”, sendo 49 vinhos e 51 destilados.

Veja na lista abaixo quais são os vinhos que tiveram medalha de Grande Ouro, que é a categoria mais importante do concurso.

Concurso Mundial de Bruxelas – Edição Brasil 2015

Concurso Mundial de Bruxelas – Edição Brasil 2015

 

Lista de vinhos com medalha GRANDE OURO

 

Boscato Indústria Vinícola Anima Vitis 2005.Rio Grande do Sul

 

Peterlongo Espumante Branco Brut  Elegance. Rio Grande do Sul

 

Reserva Cabernet Sauvignon Panceri 2005. Santa Catarina

 

Casa Venturini Vinho Tinto Seco Tannat Reserva 2012. Rio Grande do Sul

 

Casa Perini Brut Rose. Rio Grande do Sul

 

Vinicola Santa Augusta Imortali. Santa Catarina

 

 

Winechef realiza degustação de vinhos em Manhuaçu

 

Há algumas semanas viajamos a Manhuaçu para realizar uma degustação de vinhos organizada pela confraria local Amigos do Vinho, liderada pelo entusiasta enófilo Frederico Majeski

Os Assistentes:

Me chamou muito a atenção o incrível nível de conhecimento das pessoas que participaram da degustação, todos muito interessados em aprender, em descobrir e em degustar com muita concentração e paixão cada uns dos 7 vinhos apresentados durante a degustação.

Winechef realiza degustação de vinhos em Manhuaçu

Winechef realiza degustação de vinhos em Manhuaçu

 

 OS vinhos da degustação GRANDES TINTOS DOS ANDES

Desde o início do projeto de degustações de Winechef, sempre pensamos em que os vinhos que fazem parte das distintas opções temáticas teriam que ser de muita qualidade, e isso foi  um dos detalhes que contribuiu para o sucesso do evento.

 

Essa é a relação dos vinhos apresentados no curso/degustação.

 GRANDES TINTOS DOS ANDES

Hubert Weber Cabernet Sauvignon 2006 ARGENTINA

Belasco de Baquedano Llama Roble Malbec 2012 ARGENTINA

Monteviejo Festivo Malbec 2011  ARGENTINA

Calcu Carménère Gran Reserva 2009 CHILE

Santa Ema Amplus Cabernet Sauvignon 2008 CHILE

Undurraga TH Carignan 2009 CHILE

Neyen Espiritu de Apalta Blend 2007 CHILE

Winechef realiza degustação de vinhos em Manhuaçu 4

 

Alex Ordenes e Edneia Benfica de Winechef na  degustação de vinhos em Manhuaçu

Alex Ordenes e Edneia Benfica de Winechef na degustação de vinhos em Manhuaçu

VEJA TODOS OS DETALHES DA DEGUSTAÇAO GRANDES TINTOS ANDINOS