Posts

O Almizcle nos vinhos: o aroma da secreção de uma glândula do ânus do cervo almizclero

 

O Almizcle quando está presente nos vinhos entrega um aroma hipnótico, perfeito e afrodisíaco

Um exemplo bem curioso trata-se de um aroma bem desconhecido, o “almíscar”, cuja descrição, na verdade, se refere ao aroma de uma secreção de uma glândula que está localizada perto do ânus do cervo almizclero macho (que é frequentemente usado na alta perfumaria, hoje em dia muito escasso e extremamente caro, conhecido com o nome comercial de “musk”). Este aroma é usado pelo cervo almizclero para chamar a atenção das fêmeas.

A fragrância faz parte da complexidade aromática de grandes vinhos, e se distingue pela sua fineza.

Tem uma grande particularidade, já que também ajuda a fixar os outros aromas mais voláteis do vinho por deduzir a evaporação dos outros componentes.

O aroma se acentua nestes vinhos quando eles chegam ao seu apogeu, e ele é realmente cativante, mas normalmente aparece misturado com outros muitos aromas também complexos.

 

Almizcle nos vinhos

Almizcle nos vinhos

 

 

Aromas animais: você gosta deles?

Quando falamos da qualidade aromática, precisamos sempre levar em conta que o primeiro requisito é que os aromas sejam agradáveis. Existem alguns aromas que fazem parte da exceção desta regra, ou seja, alguns aromas que, às vezes, na nossa vida cotidiana, são considerados desagradáveis; mas quando eles aparecem nos vinhos podem expressar um fator de qualidade e até de nobreza. Uma grande parte deste tipo de aroma provém da evolução do vinho na garrafa.

 Aromas animais:

Nesta categoria entra uma grande quantidade de notas olfativas da família dos “aromas animais”, que, como expliquei anteriormente, trata-se de aromas que quase sempre aparecem com a evolução do vinho na garrafa, mas também há outros que normalmente se associam ao próprio terroir (é o caso das notas animais dos vinhos tintos da Quebrada de Macul, na pré Cordilheira do Vale do Maipo, no Chile, onde a maior parte dos vinhos provenientes deste lugar desenvolve este tipo de aroma, inclusive na sua juventude). Estes aromas, porém, quando estão misturados com outras sensações perceptíveis pelo olfato, podem dar certa classe e originalidade ao aroma do vinho. Neste caso vai ser considerado um aroma muito nobre.

 Uvas com potencial de aromas animais:

Também no caso dos aromas animais, existem algumas variedades de uvas nas quais este aroma faz parte da própria tipicidade, ou seja, dos aromas primários que provém da variedade da uva. A Syrah de clima frio é o melhor exemplo. Estes vinhos sempre têm uma característica animal, bastante intensa e facilmente perceptível, que é considerada parte da tipicidade da uva. Se não acreditam, podem conferir ao provar o vinho Loma Larga Syrah, que é um Syrah que sempre está entre os melhores do Chile, e onde as notas animais se sentem com tanta claridade que as pessoas até ficam “assustadas” e não conseguem gostar do estilo, enquanto muitas outras (nas quais me incluo) amamos deste tipo de aromas. Neste caso as notas animais se percebem como “carne queimada” – é claro, acompanhadas de uma grande quantidade de outros aromas complexos, como cassis e groselhas pretas. Isso quer dizer que os aromas animais, quando estão aportando na complexidade de um vinho, podem obter um resultado maravilhoso.

Aromas animais

Aromas animais

 

Veja Também:

 

 

O polêmico aroma de petróleo nos vinhos. Você gosta?

 

O aroma a petróleo é considerado uns dos mais nobres quando se trata da uva Riesling

Por serem diferentes e talvez não muito agradáveis ao olfato humano (mas, sim, nos vinhos) é o caso das célebres e sempre aplaudidas notas de “petróleo”, ou “gasolina”, ou “pólvora”, que alguns vinhos podem ter.

No caso destas descrições, eles aparecem com muita frequência nos vinhos da uva Riesling principalmente quando se trata dos expoentes provenientes de solos calcários, que é o caso de muitos dos Riesling’s alemães, alsacianos e austríacos, mesmo que eles sejam jovens.

É um aroma que na nossa imaginação parece algo negativo, porque na realidade eles são, mas quando aparecem nos vinhos acompanhados de notas de mel, azahar e pétalas de rosas, Se dá uma experiência sensorial fabulosa, que é realmente estimulante.

Aromas a petroleo

Aromas a petroleo

Quando falamos de vinhos já evoluídos são quando estes tipos de aromas se manifestam na sua máxima magnitude. Eles aportam muita classe e identidade no vinho além de ser um diferenciador muito importante na hora de analisar a tipicidade da uva.

Se aparecer um dia a oportunidade de experimentar um vinho elaborado com a uva Riesling, mesmo que seja um de uma faixa de preço baixa, tentem buscar os aromas a petróleo, é muito provável que encontrem por ai, então vão entender o porquê que este aroma é considerado uns dos mais nobres da paleta olfativa dos vinhos.

Veja também:

 

 

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

 

Pesquisa revela o que já sabíamos: Mulher que bebe vinho, transa mais ( e melhor).

Muitas pesquisas já foram feitas relacionando o consumo moderado de bebidas alcoólicas com a prática sexual e com a melhoria da saúde. E agora mais um estudo, dessa vez feito pela Universidade de Florença, na Itália, comprovou que mulheres que consomem uma taça de vinho tinto diariamente têm uma vida sexual mais ativa do que aquelas que não bebe.

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

O estudo foi publicado no Journal of Sexual Medicine e consiste basicamente em uma pesquisa realizada com  800 mulheres, de idade entre 18 e 50 anos divididas em três grupos distintos de consumo: vinho tinto, bebidas alcoólicas em geral e abstêmias. Com base nesse universo foi feito um questionário com perguntas referentes ao interesse feminino por sexo. E o resultado já era esperado.

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Chamada de Índice de Função Sexual Feminina, concluiu-se  que as mulheres que consumiam uma ou duas taças de vinho foram as que mais mostraram desejo sexual. E as abstemias coitadas, perderam para as que ingeriam todo tipo de bebida alcoólica.

Os médicos que realizaram o estudo concluíram que possivelmente há uma ligação potencial entre a ingestão de vinho e uma sexualidade mais aflorada, suspeitando até que  os componentes químicos do vinho podem aumentar o fluxo de sangue nas zonas erógenas do corpo, beneficiando o estímulo da função sexual.

Veja também!

 

Ás incríveis similaridades que tem uma PARREIRA com uma MÃE

Dia das mães: uma homenagem da natureza para elas

Há uma METÁFORA, muito linda, que relaciona as mães com o vinho. No caso da parreira (e no caso a mãe) ela nasce, cresce e vive só com um objetivo: cuidar e alimentar seus filhos (os cachos de uva). Para abrigar seus filhos do sol ela utiliza suas folhas (para proteger do excesso de insolação) – o que é um claro gesto maternal de proteção e abrigo de mãe para filho, já que, se os grãos de uva forem expostos aos raios do sol direito, sem o abrigo das folhas, eles ficarão queimados e morrerão antes mesmo de poder chegar à plenitude da maturação.

Por isso é que, nas parreiras, é sempre necessário deixar parte de suas folhas (ou, dependendo da quantidade de insolação do lugar, até todas elas) para proteger o cacho de uva do excesso de exposição aos raios do sol.

No caso da alimentação dos cachos de uva, esta é também fornecida pela mãe (pela parreira). Através das raízes, a parreira faz um enorme esforço para procurar todos os nutrientes que existem no solo e que são imprescindíveis para que um cacho de uva consiga se desenvolver e crescer.

 

Ás incríveis similaridades que tem – metaforicamente falando – uma PARREIRA com uma MÃE

Ás incríveis similaridades que tem – metaforicamente falando – uma PARREIRA com uma MÃE

 

Assim, a parreira, com o passar dos anos, vai desenvolvendo raízes cada vez mais longas e quando já estiver em plenitude (mais ou menos aos 30 anos) terá raízes de aproximadamente 5 metros – assim, a alimentação dos cachos é melhor e a qualidade das uvas também irá melhorar, o que resultará em vinhos de maior qualidade.

Nesta metáfora, a mãe (parreira) deve ter uma quantidade exata de filhos (de cachos) que ela consiga alimentar; ou seja, normalmente são deixados apenas uns 4 cachos por cada planta, para que ela tenha a capacidade de poder alimentar corretamente a cada um de seus filhos… Se uma parreira tiver demasiados cachos, ela não será capaz de alimentar todos eles da forma correta, e aí muitos dos cachos (filhos) terão problemas de crescimento, de madures, e vão morrer antes de chegar à colheita – e, consequentemente, nunca irão produzir vinhos.

Ás incríveis similaridades que tem – metaforicamente falando – uma PARREIRA com uma MÃE

Ás incríveis similaridades que tem – metaforicamente falando – uma PARREIRA com uma MÃE

 

No que se refere à água, é a mesma metáfora. Através das raízes, a mãe busca água para seus filhos, que é fundamental para o desenvolvimento e sanidade dos cachos. Sem água, o cacho morre rapidamente; e se a agua está muito profunda no solo (a muitos metros de profundidade), a parreira vai desenvolver raízes ainda mais longas até conseguir chegar nestas fontes de água para poder acabar com a sede dos seus filhos e permitir que eles possam sobreviver.

Até que a parreira já atinge idade suficiente para não ter mais filhos (uvas), mas seu legado fica (inclusive as garrafas do vinho feito por suas uvas). E através das próprias sementes de seus frutos, nascerá uma nova planta, uma nova vida, e, assim como ela, irá perdurar por muitos anos dando continuidade à missão de sua (parreira) mãe.

Às mães, que dedicam suas vidas os filhos e à família, parabéns por seu dia!

 

 

Estudos investigam o conceito de mineralidade nos vinhos

 

Cientistas neozelandeses e franceses constatam tanto no olfato quanto no paladar o efeito mineral nos Sauvignon Blanc dos dois países

Em degustações de vinho, o termo mineralidade costuma ser citado. Ninguém sabe, no entanto, o que significa mineralidade, de onde ela vem ou se é só algo que se sente no paladar ao consumir um vinho. Essa dúvida serviu de ponto de partida para um projeto encabeçado por cientistas da Nova Zelândia e da França dispostos a entender melhor o que o conceito de mineralidade significa nos vinhos Sauvignon Blanc, e investigar as diferenças de percepção de mineralidade entre os dois países.

O resultado indica que o conceito de mineralidade é bem real, e a noção do que representa a mineralidade mostra-se parecida nos dois países. “Os resultados foram notórios, ficamos muito impressionados pelas similaridades que os dados mostraram entre os dois participantes”, disse a líder da pesquisa, Wendy Parr.

O estudo mostrou que esse fato foi o mais notável, devido às diferenças do estilo de produção do Sauvignon Blanc entre a Nova Zelândia e a França. Inevitavelmente, houve diferenças entre as percepções de mineralidade de cada participante, o que comprova outro estudo feito em 2013 sobre a mineralidade do vinho Burgundy Chardonnay. “Mineralidade é uma característica muito imprecisa, portanto, terá diferenças entre as pessoas”, considera Parr.

Os pesquisadores afirmaram que a falta de percepção de um sabor na degustação constantemente é associado à mineralidade, ou seja, quanto mais intenso for o sabor da uva no vinho, menos mineralidade esse vinho terá.

Notou-se nas pesquisas, também, que se pode sentir a mineralidade no olfato tanto como no paladar. Isso foi descoberto quando os pesquisadores avaliaram os vinhos somente pelo cheiro primeiro, e depois pelo gosto. Nos dois casos os profissionais perceberam características minerais.

Para Wendy Parr, o estudo não comprovou o que é mineralidade, no entanto, foi importante para demonstrar que o conceito de mineralidade é real, além de ser presente em diversos países produtores de vinhos.

Estudos investigam o conceito de mineralidade nos vinhos

Estudos investigam o conceito de mineralidade nos vinhos

Fonte: Revista Adega

Entenda o motivo dos aromas de eucaliptos nos vinhos

 

Se alguma vez você teve a oportunidade de degustar algum vinho Chileno ou Australiano, com certeza já se deparou com intensas notas de eucaliptos.

Na década dos 90 este aroma era muito procurado, já que fazia parte de uma grande quantidade de vinhos de alto nível elaborados em vários países do mundo. Como não lembrar das notas aromáticas características dos grandes vinhos chilenos daquela época, como o “Don Melchor” da Concha y Toro, o “Don Maximiano” da Errazuriz ou o “Gold” da vinícola Carmen. Todos eles eram top’s chilenos daquela época, e que hoje ainda continuam com níveis de qualidades do máximo nível… Mas as notas de eucaliptos têm desaparecido, só que não por acaso.

Outros exemplos, talvez ainda mais claros, são os das vinícolas da chamada “Quebrada de Macul”, no Maipo Alto, lugar onde estão localizadas as vinícolas Cousiño Macul, Aquitania e Domus. Todas elas produziam, e ainda produzem, vinhos excelentes e do mais alto nível, com notas de eucaliptos muito marcadas, mas que agora já quase nem se percebem.

Acontece que já ao final dos anos 90, as notas de eucaliptos “saíram de moda”, e muitos mercados declararam guerra aos vinhos com este tipo de aroma, argumentando que “careciam de elegância”.

Concordo, em parte, com este sentido. Quer dizer, as notas de eucaliptos são muito agradáveis, só que elas não podem dominar – mas, sim, complementar o espectro olfativo de um vinho.

Como e por que se produzem os aromas de eucaliptos nos vinhos?

Como e por que se produzem os aromas de eucaliptos nos vinhos?

•Porque se produzem os aromas de eucaliptos nos vinhos??

Hoje em dia já está comprovado que os aromas de eucaliptos, provém da moléculamonoterpeno 1,8-cineol que está presente em grandes quantidades das árvores de eucaliptos e que se transpassam através dos ventos que passam pelas árvores, e logo chegam aos vinhedos e seus cachos de uva. Assim, são os próprios grãos de uva, através da pruína, que está na pele da uva, os responsáveis de capturar estes componentes que logo passam para vinho.

O interessante é que, hoje, os consumidores gostam deste tipo de aroma, e as vinícolas tem extinguido quase que a totalidade destas árvores que estavam dentro dos seus vinhedos. Mas felizmente estes aromas ainda persistem.

Ultimamente está se pensando em outra hipótese que poderia colaborar para que este aroma ainda esteja presente nos vinhos, e trata-se das raízes das próprias árvores de eucaliptos que foram cortadas há décadas. Como as parreiras têm raízes muito profundas, assim como as raízes do eucalipto (ou tinham, no caso de falarmos de eucaliptos que já foram cortados), as raízes de ambos estão a uns 4 ou 5 metros abaixo da superfície, “abafadas”, então, o contato ainda existe e as notas de eucaliptos ainda estão aí – um pouco menos evidentes, mas estão aportando ainda hoje em muitos narizes fascinantes.

Se quiserem conhecer alguns vinhos que tenham este elemento fazendo parte do aroma podem começar pelos seguintes, que, além de ter este tipo de aroma característico, têm um excelente nível de qualidade:

 

 

Cientistas buscam prova química da existência do terroir

 

Alemães e franceses se uniram durante três anos em uma análise de uvas produzidas em vilas da Borgonha e dizem ter encontrado diferenças significativas entre uvas de lugares próximos

Pesquisadores franceses e alemães, de centros como o Instituto da Vinha e do Vinho e o Helmholtz Zentrum Muenchen, analisaram uvas e vinhos produzidos em duas vilas de Borgonha durante três anos para averiguar se há provas científicas da existência do que os vitivinicultores chamam de terroir.

Eles escolheram uvas e vinhos de Pinot Noir de duas vilas na Côte de Nuits: Flagey-Echézeaux e Vosne-Romanée, que ficam a menos de dois quilômetros de distância entre si.

Utilizando a tecnologia de espectrometria de massa de alta resolução, a equipe descobriu que as uvas e vinhos de ambas as vilas dispunham de uma “assinatura química distinta de condições ambientais… Tudo contribuindo para a identificação do chamado terroir”. No caso, por exemplo, havia diferenças claras na concentração fenólica, de ácidos e de açúcares entre as amostras das duas aldeias.

Flagey-Echézeaux-e-Vosne-Romanée

Flagey-Echézeaux-e-Vosne-Romanée

Diferente dos estudos anteriores que buscavam provar a existência do terroir, mas considerando uvas e vinhos de lugares muito distantes, este quer provar que é possível haver diferença de terroir em distâncias cada vez menores.

Durante os três anos de análise, então, eles puderam constatar que as variações nas safras realmente desempenham um papel importante na composição dos vinhos. As análises revelaram que mesmo se as safras têm o impacto mais significativo, as principais diferenças de terroirs são vistas em uvas da mesma safra.

Vinhos com aroma de Canela. Conheça a origem e os tipos de vinhos

 

Este é um aroma considerado um dos mais nobres e sempre está relacionado com a qualidade.

A canela procede de uma variedade de laurel e seu aroma se classifica dentro do grupo das especiarias.

A molécula característica da canela é o aldeído cinâmico. Sempre está acompanhada de outras moléculas, que entregam notas de cravo e de pimenta do reino. A canela algumas vezes aparece nos vinhos como aroma primário (que provém da própria uva) principalmente em vinhos elaborados a partir da uvas Syrah, Garnacha, Riesling e Gewürztraminer, mas também faz parte dos aromas terciários que são resultados da evolução do vinho dentro da garrafa.

É um aroma que também aparece com muita frequência em vinhos fortificados como os Portos e nos Brandies, quando estão bem evoluídos.

Vinhos com aroma de Canela. Conheça a origem e os tipos de vinhos

Vinhos com aroma de Canela. Conheça a origem e os tipos de vinhos

No novo mundo é comum que encontremos este aroma em vinhos das uvas já descritas anteriormente, principalmente quando provêm de climas cálidos, como são o caso do Vale de Colchagua, Cachapoal Centro e Aconcágua, no Chile e também em muitos vinhos de Mendoza, na Argentina.

A nível mundial, outros vinhos que merecem destaque são os vinhos licorosos elaborados a base de uva Moscatel, (Late Harvest) pois oferecem uma ampla gama aromática que mistura os aromas de frutas desidratadas, confeitadas, pacificadas mas que quase sempre estão acompanhadas por aromas de canela.

Nos vinhos licorosos elaborados com uvas botritizadas, tipo os franceses Sauternes e Barsac ou os húngaros Takaji, as notas de canela enobrecem as complexidades entregues pela botritis. 

Para completar esta breve matéria, detalhamos que as notas de canela possui uma magnifica evolução, seja em vinhos tintos ou brancos e sempre é considerada um aroma de alta qualidade, com a condição de que não seja unidimensional, ou seja, ele sempre deve estar acompanhados por outros tipos de aromas.

Quando for degustar vinhos, não use perfume

 

É uma das melhores dicas em relação á percepção sensorial.

Em degustações profissionais, é regra e muito clara e não pode, nem deve usar perfume para não encobrir os aromas dos vinhos.

Colocar perfume antes de uma degustação não só vai a atrapalhar os outros assistentes a degustação, mas vai atrapalhar principalmente a você mesmo, e é claro, os aromas dos perfumes ficam na “ponta do nariz”, então vai ser impossível poder detectar as sutilezas aromáticas de um vinho.

 

Já na vida cotidiana a regra é um pouco mais flexível, o seja, se vai sair para degustar uns vinhos com amigos, num winebar ou algo pelo estilo, pode colocar um perfume, mas este não pode ser demasiado intenso.

 

Também tenha muito cuidado na hora de lavar as mãos antes de uma degustação. Ponha atenção antes de colocar o sabonete, já que tem muitos deles que tem aromas de flores, limão, eucaliptos, ect.. Que são os mesmos aromas que estão em muitos vinhos, então, na hora de aproximar a taça de vinho no nariz, você não vai saber se esses aromas são do próprio vinho ou do sabonete que acaba de usar para lavar as mãos.

Uma dica simples: lavar só com agua.

Quando for degustar vinhos, não use perfume

Quando for degustar vinhos, não use perfume