Posts

Vinho Sottano Reserva de Familia Malbec 2009

Este tinto da safra 2009, o irmão menor de Judas, está passando por um belíssimo momento.

Tenho degustado várias garrafas desta safra nos últimos anos e a tendência agora é a atingir seu melhor momento.

As ultimas garrafas tem sido as melhores, já estão os taninos redondos, mas sempre com essa profundidade e concentração.

Vinho Sottano Reserva de Familia Malbec 2009 - Winechef 92 Pontos

Vinho Sottano Reserva de Familia Malbec 2009 – Winechef 92 Pontos

Segue a nota de degustação do Vinho Sottano Reserva de Familia Malbec 2009

 

VISUAL Vermelho rubi profundo com nuances alaranjados.
OLFATIVO Abundantes notas de frutos negros, como cassis, groselhas pretas, cerejas e amora, mas tudo em uma versão tipo “marmeladas” ou em compota. Está na madures extrema, resultando um vinho com características muito particulares, guloso, sedutor. Estão também presentes notas de cedro, defumados e grafite, aportados pela madeira e suaves notas de regaliz e menta que estão aportando frescura a um aroma muito diverso, de grande tipicidade e qualidade.
GUSTATIVO No paladar é um vinho maduro, oleoso, com taninos firmes e presentes, gloriosamente frutado, viscoso, com muita glicerina, de corpo inteiro, denso e sedutor. Um Malbec excelente, masculino, que pode ser bebido agora, mas que se beneficiará com a guarda em garrafa por alguns anos.
PONTUAÇÃO
Vinho Sottano Reserva de Familia Malbec 2009 - 92 pontos Winechef

Vinho Sottano Reserva de Familia Malbec 2009 – 92 pontos Winechef

 

 

Vinho Borandes Blend, 2013

Veja em detalhe o vinho chileno Borandes 2013

Borandes é um vinho de Autor, de limitadíssima produção, que estreia o Brasil com sua primeira safra. É uma das melhores surpresas dos últimos tempos, por ser um vinho de muita personalidade, equilíbrio, fresco e o mais importante, de excelente profundidade.

Altamente recomendável!!!

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2013
Uva 70% Cabernet Sauvignon, 24% Carménèree 6% Cabernet Franc
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Assemblage
Amadurecimento 10 Anos
Vinho Borandes Blend, 2013

Vinho Borandes Blend, 2013

 

Visual Cor vermelho rubi intenso com reflexos brilhantes.
Olfativo Este vinho encanta e cativa, principalmente pela forma elegante de mostrar seus aromas. Primeiro mostra uma generosa quantidade de fruta negra silvestre e madura, tipo mirtilhos, groselha negra e muito cassis, que com a oxigenação do vinho na taça vão lentamente deixando o protagonismo para elementos também muito agradáveis e ainda mais complexos como cedro, especiarias e alguns tons de lavanda, e um leve mentolado que faz do aroma uma experiência muito agradável.
Gustativo Na boca mantém um altíssimo nível, e sempre um destacável equilíbrio, mostrando todos seus componentes de maneira proporcional. Tem uma riqueza notável, e seus taninos são de uma textura compacta, onde é definido a granulação, o que promete que vai continuar melhorando muito nos próximos 5 ou 10 anos. É uma das melhores surpresas dos últimos tempos, por ser um vinho de muita personalidade, equilíbrio, fresco e o mais importante, de excelente profundidade. Altamente recomendável.
Dica de Harmonização Tournedos com cogumelos gratinados.
Confit de pato na manteiga com sálvia e alho.
Cordeiro em crosta de cogumelos selvagens.
Ragu de ossobuco acompanhado de risoto de parmesão.
Codornas ao forno com legumes e frutas secas.
Temperatura de Serviço 17ºC
Potencial de Guarda 10 Anos
Nome da Vinícola Visionary Wines
Pontuação Winechef

Vinho Borandes Blend, 2013 - 93 pontos Winechef

Vinho Borandes Blend, 2013 – 93 pontos Winechef

Região Vale Central

 

Onde comprar: ?

DOMUS VINI 

Château Mouton Rothschild revela rótulo para safra de 2012

17

Château Mouton Rothschild revelou um novo rótulo “catalão” para a safra de 2012

A Château Mouton Rothschild revelou um novo rótulo para a safra de 2012 do seu grand vin. O desenho é do artista Miguel Barcelo e foi o último comissionado especialmente pela Baronesa Philippine de Rothschild, que morreu em agosto deste ano. O novo rótulo apresenta traços da cultura catalã, e segundo o artista, foi inspirado no próprio emblema da empresa Mouton.

O artista, Miguel Barcelo, nasceu em Majorca na Espanha e obteve grande destaque nas duas últimas décadas. Seus trabalhos já foram exibidos no Museu de Arte Moderna de Paris em 1996, e no Museu do Louvre em 2004. Em 2008, Barcelo foi responsável pela criação e pela pintura do teto do Palácio das Nações Unidas, em Geneva.

Grandes artistas já ilustraram os rótulos da Mouton, como Salvador Dali, Pablo Picasso e Andy Warhol. O último artista, antes de Barcelo, foi o francês Guy de Rougemont, para a safra de 2011.

Vinho Château Mouton Rothschild 2012

Vinho Château Mouton Rothschild 2012

 

 

 

 

Jean Pascal-Lacaze, enólogo de Domus Aurea em entrevista exclusiva

 

Além do Domus Aurea, ele também elabora o vinho Peñalolen Azul

 
Não é segredo que gosto muito de Domus Aurea. Penso a mesma coisa que muitos outros amantes de vinho: que ele é um dos melhores vinhos tintos chilenos.

A forma na qual os vinhos desta vinícola conseguem expressar o terroir da Quebrada de Macul, nos pés do monte da Cordilheira dos Andes, pertinho do coração de Santiago, é algo alucinante! Como se o terroir estivesse gritando aos quatro ventos através dos aromas e sabores destes vinhos.

Mas se o Domus já é um vinho que oferece muita qualidade por um preço mais do que justo, a boa notícia é que existe outro vinho, da mesma família, até agora um tanto quanto desconhecido, no mesmo estilo que os outros estupendos vinhos elaborados por Jean Pascal e Rodolphe Bourdeau. Ele se chama “Azul”, é um assemblage extraordinário, e o melhor de tudo: está na inacreditável faixa dos R$ 150,00.

 

O vinho Peñalolen Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

O vinho Peñalolen Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

 

Então, frente a tanta curiosidade, fiz uma pequena entrevista com o enólogo Jean Pascal-Lacaze só para falar deste vinho. Vejam as suas respostas às minhas perguntas!

Quando nasceu o vinho Azul?

Azul nasceu no ano de 2008.

Qual é o significado deste nome?

O azul evoca algo superior. Na época dos reis, era a cor da virgem Maria e símbolo da majestade. Abundante no mar e no céu, mas é também um pigmento escasso, muito difícil de fabricar. O azul tem sido por muito tempo uma cor relacionada à nobreza e ao luxo. Em síntese, o Azul simboliza o infinito, o divino e o espiritual.

De qual vinhedo provêm as uvas de Azul?

As uvas provêm dum vinhedo localizado no vale do Maipo Alto, região que, por suas condições climáticas e terroir, oferece condições excepcionais para a produção de vinhos de alta qualidade.

Como foi realizado o trabalho na bodega em relação à fermentação alcoólica e à fermentação malolática?

A vinificação se realiza de maneira tradicional. As uvas são colhidas manualmente e os grãos selecionados cuidadosamente. Depois, quando chega à cuba de aço, é feita uma maceração por um período de 10 a 15 dias para favorecer a extração. Posteriormente é realizada a fermentação alcoólica.

Trabalha-se com leveduras selecionadas com um rigoroso controle de temperaturas. Uma vez terminada a fermentação alcoólica se procede ao traslado do vinho na barrica, as que são escolhidas de acordo com a personalidade de cada vinho, em particular, para conseguir manter a tipicidade do terroir no vinho final. Nas barricas é efetuada a fermentação malolática, processo que dura entre 20 e 30 dias.

O vinho Peñalolen  Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

O vinho Peñalolen Azul é elaborado por Jean Pascal-Lacaze, enólogo responsavel também do Domus Aurea

Como foi a guarda em barricas, quanto tempo, que tipos de madeiras e por quê?

A crianza é relativa, segundo os diferentes tipos de vinho. Depende claramente da variedade de uva e da arquitetura do vinho. Os mais estruturados irão à madeira nova para polir-se; outros menos prontos, às vezes, terão uma guarda em barricas de segundo uso. Algumas barricas dão no assamblage final volume e força; outras, profundidade e maior respeito pelo caráter inicial. Os tempos de estágio dos vinhos nas barricas variam dos 12 até os 20 meses. As barricas provêm de cinco ou seis tonelarias francesas diferentes, cada uma com sua própria filosofia.

As barricas são apenas de madeiras de bosques franceses com tostados médios e leves. As tábuas das barricas têm 36 meses de secas e calibradas em 27 mm.

Para Azul, especificamente, utilizou-se 20% de barricas novas com tostados médios, de madeira proveniente do centro da França, Tronçais e Nevers, por um período de 18 meses.

Qual foi a quantidade de garrafas produzidas em cada safra?

Para a colheita de 2010 foram produzidas 11.097 garrafas, e 30 garrafas Magnun (de 1,5L)

Como se diferença Azul dos outros vinhos da vinícola?

Especialmente, Azul é um vinho que recebe uma quantidade bem maior de Petit Verdot em seu assemblage. Isto lhe outorga certa austeridade no início, a qual se transforma com a evolução do vinho na garrafa, com muita elegância. A estrutura tânica é absolutamente marcada, o vinho é claramente pensado para a guarda. O desenho de Azul trata-se de um perfil muito mais vertical e profundo e uma já vista exuberância esférica. O conceito requer paciência para entregar seu máximo potencial e converter sua leve firmeza em uma elegância ainda maior.

 

Tirar a rolha antes para deixar o vinho respirar: Mito, Esnobismo o Necessidade?

 

Você é dessas pessoas que costumam tirar a rolha para que o vinho respire?

Você tem o costume de fazer isso e pensa que se não fizer vai “estragar sua garrafa de vinho”?

Este fato, de tirar a rolha da garrafa do vinho para que ele respire é uma das coisas mais “curiosas” que giram em torno deste assunto. Todo mundo faz isso. Nos restaurantes, muitos clientes que pedem um vinho solicitam de imediato tirar a rolha, “para que o vinho possa respirar”,  como se fosse algo obrigatório, que não se pode deixar de fazer e que tem uma importância relevante para que o vinho possa se expressar em plenitude.

O que mais me chama a atenção é que muitos profissionais que trabalham com vinho, sommeliers, garçons e etc., também gostam de fazer isto.

O que se acredita com o fato de tirar a rolha da garrafa um tempo antes de servir na taça é que o vinho vai melhorar, ou seja, vai “abrir” porque vai ficar alguns minutos em contato com o oxigênio – e assim vai quebrar as moléculas aromáticas e o vinho vai exprimir seus aromas de uma maneira melhor.

Tira a rolha antes para deixar o vinho respirar Mito, Esnobismo o Necessidade?

Tira a rolha antes para deixar o vinho respirar Mito, Esnobismo o Necessidade?

 

A oxigenação do vinho

A ideia é ótima, e, de fato, existem vinhos que ganham consideravelmente com a oxigenação dos aromas. O único problema é que esta oxigenação não existe só tirando a rolha do vinho. Acaba sendo um ato sem sentido, devido que, como a garrafa está cheia de vinho, a interação entre o oxigênio e o líquido não existe. Portanto, também não existe a oxigenação. Ou seja: uma perda de tempo.

Se você quer realmente oxigenar o vinho, o mais simples é abrir a garrafa e colocar o vinho em uma taça. Quanto maior for o contato da superfície do líquido com o oxigênio (e isso está relacionado com o tamanho da taça), mais rápido vai ser a oxigenação.

Mas cuidado. Não são todos os vinhos que ganham com a oxigenação e isso pode, inclusive, acontecer até o contrário, já que muitos deles perdem os aromas de maneira rápida. Portanto, o melhor é colocar o vinho na taça e beber imediatamente.

Existem ainda muitos detalhes em relação a este tema, mas vamos falar deles com mais profundidade nas matérias posteriores. Por enquanto, espero que pelo menos uma coisa fique clara: tirar a rolha da garrafa do vinho minutos antes de beber não adianta de nada…

 

 

Primeiro Château Lafite de Rothschild chinês esta pronto

 

15 anos depois da primeira de Rothschild tentativa de se inserir no país, primeiro vinho de um dos mais famosos produtores de Bordeaux fica pronto

O primeiro vinho da Domaine Barons Lafite – detentor do famoso Château Lafite, em Bordeaux – produzido na China enfim está pronto. “Nada mal”, atestou o diretor do grupo Christopher Salin.

Château Lafite de Rothschild na China

“No ano passado, tivemos a primeira colheita da produção Lafite na China. O produto não é ruim, mas não é bom – mas nada comparado ao que é consumido localmente – que é muito ruim”, disse Salin, que completou: “Meu presidente disse que Lafite é ‘bebível'”.

Sabedor que a adaptação da produção vinícola de uma região para outra é feita em longo prazo, o diretor aposta: “Vamos ver nos próximos 100 anos, se teremos sucesso ou não”. O projeto da DBR na China começou em 2008, quando foi acordado uma parceria com a CITIC East China Group. Dessa forma, as primeiras vinícolas foram instaladas em Penglai, na província de Shandong.

A propriedade chamada de Penglai Estate DBR-CITIC surgiu 15 anos após a primeira tentativa de Lafite em produzir vinhos na China. Tal tentativa foi cancelada devido à falta de informação quanto ao clima local na época. Agora, em contrapartida, Salin afirmou: “Temos nossa própria estação meteorológica, e de acordo com o nosso estudo, a China deve ser um bom lugar”.

Estudos posteriores do solo chinês mostraram que as variedades Cabernet Sauvignon e Syrah poderiam ser plantadas no local. Lafite também cultiva na China, Merlot, Cabernet Franc e Marselan, um cruzamento da Cabernet Sauvignon com a Grenache. Todos os clones vieram da França.

Além de propriedades em Bordeaux e agora na China, Lafite tem terras no Chile e na Argentina.

Château Lafite de Rothschild chinês

Château Lafite de Rothschild chinês

 

Principele R, o vinho da Romênia que cativou Brasil

Há dias que todos os vinhos parecem iguais…mais ai aparecem vinhos como esse aqui, que era um absoluto mistério, mas agora já faz parte dos meus vinhos favoritos.

Esse é o vinho oficial da The Royal House que é o palácio do governo da Romênia, e é elaborado sob a supervisão do próprio governante da Romênia, o Principe Radu (por isso o ”R” no nome) que quis ter um vinho da mais alta qualidade possível, que representasse o país perante os chefes de estado visitantes no palácio.

Principele R, o vinho da Romênia que cativou Brasil

Principele R, o vinho da Romênia que cativou Brasil

 

País Romênia
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2011
 Nome da Vinícola  Halewood Wines
Uva 100% Feteasca Neagra
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Feteasca Neagra
Amadurecimento Amadureceu por 18 meses em barrica novas de carvalho francês.
Visual Vermelho Rubi
Olfativo Esse vinho que fermentou em barricas de carvalho, mesmo lugar onde posteriormente estagio por 18 meses nos apresenta um nariz digno de muitos elogios. Os aromas que provem das finas madeiras mostram toda sua forma na medida que o vinho cai na taça. Há intensas notas a cedro, cravo e fumaça, as que com o passar dos minutos começam a misturar-se com tons mais complexos provenientes da uva. É um nariz de um nível qualitativo enorme, original e sedutor, que está em plena evolução e vai precisar ainda de 5 a 10 anos para poder atingir sua plenitude, onde seguramente alcançará um buquê ainda mais interessante.
Gustativo No paladar surpreende mais uma vez com sabores muito envolventes e de considerável concentração e profundidade. Tem taninos de excelente qualidade, muito compacto e sedosos e totalmente integrados no conjunto. Sua acidez e deliciosamente refrescante, e os sabores muito intensos, resultando num vinho extraordinariamente saboroso e diferente. Em resumem, um grande vinho grego, que oferece aromas e sabores de grande originalidade, pelo tanto é recomendável apreciar com muita calma a atenção, já que vinhos com a qualidade desse, não encontramos todo dia. É imprescindível a decantação.
Dica de Harmonização Magret de marreco ao molho de vinho tinto
Ragoût de rabada com mousseline de cará e cebolas crocantes
Jarret de vitela assado
Mignon em crosta de vitelo
Lombo de cordeiro com purê e molho de pimenta verde
Carré de Borrego
Temperatura de Serviço 17º C
Potencial de Guarda 15 anos
Pontuação Winechef 

Principele R 2011 - 93 pontos Winechef

Principele R 2011 – 93 pontos Winechef

 

Château Angelus comemora primeiro Grand Cru Classe ‘A’ com garrafa dourada

 

Garrafa da safra 2012, a primeira desde a promoção do Château para a principal categoria de vinhos de Saint-Émilion, será especial

Durante a Vinexpo Hong Kong, os proprietários do Château Angelus, Stephanie e Hubert de Bouard, divulgaram que a primeira safra com o status Premier Grand Cru Classe ‘A’ de Saint-Émilion terá garrafas estampadas a ouro.

A safra 2012 foi a primeira com o novo status de Premier Grand Cru Classe ‘A’, pois a propriedade foi promovida à principal categoria de vinhos de Saint-Émilion depois de uma reclassificação recente da região. Com isso, a propriedade aumentou em 30% o preço de lançamento do exemplar como parte de uma estratégia de reposicionamento da marca, após a reclassificação.

Apesar da promoção, Stephanie comentou que Angelus passou os últimos dois anos tentando reequilibrar suas vendas globais, e constatou que a Ásia, agora em crise para os vinhos de Bordeaux, contabilizava até 50% das vendas anuais da propriedade. Então, ela reforçou que agora a estratégia seria aumentar as vendas na América do Norte e Europa. “Um vinho famoso deve ser forte em todos os mercados importantes”, disse.

Contudo, quando questionado sobre a recente campanha en primeur 2013, que resultou na queda de cerca de 8% do preço em relação ao lançamento da safra 2012, chegando a € 165, Hubert informou que a propriedade tinha vendido 40 mil garrafas das 50 mil que foram destinadas a negociantes. Château produziu cerca de 60 mil garrafas no ano. De Bouard disse que não iria descrever a campanha como um sucesso, mas disse que estava satisfeito, dado o contexto da safra.

Château Angelus comemora primeiro Grand Cru Classe ‘A’ com garrafa dourada

Château Angelus comemora primeiro Grand Cru Classe ‘A’ com garrafa dourada

 

 

Vinho Feteasca Neagra, um tesouro desconhecido da Romênia

 

O vinho Feteasca Neagra da Rômenia é fantástico

Todos nós sabemos que no Brasil os vinhos que tem maior sucesso entre os consumidores são os chilenos e argentinos, e isto é fácil de entender. São países muito próximos desde diferentes pontos de vista. Além disso, o estilo maduro e moderno e a inegável relação de preço e qualidade que os vinhos desses países oferecem são os segredos do sucesso e da preferência dos brasileiros.

Mas chega uma hora que queremos experimentar o diferente, algo para sair da “rotina”, e é ai que aparecem os vinhos europeus.

Porém o objetivo desta matéria não é falar sobre os vinhos do Velho Mundo (França, Itália, Espanha, ect..), e sim compartilhar com vocês um vinho de uma origem tão diferente quanto interessante. É um vinho da Romênia, sei que há muito poucos vinhos deste país no Brasil, então imagino que a grande maioria dos brasileiros não conhece um vinho dessa uva.

Procurei informação sobre a uva Feteasca Neagara, e não encontrei quase nada na internet, mas o pouco que encontrei deu para entender que se trata de uma uva pre-filoxerica, autóctone da Romênia, que está alcançando níveis interessantes de muita qualidade. Na Romênia ela acostuma ser vinificada como vinho seco, meio seco e até doce.

Deixo abaixo uma dica deste vinho que chegou esses dias na Buywine. Ele é tão delicioso quanto diferente:

Feteasca Neagra Private Reserve 2013

Feteasca Neagra Private Reserve 2013

 Ficha Técnica vinho Feteasca Neagra Private Reserva 2013. Bulgaria.

Tipo Tinto
Safra 2013
Volume 750ml
Pontuação Winechef

Winechef 92 Pontos

Winechef 92 Pontos

País Roménia
Uva 100% Feteasca Neagra
Teor Alcoólico 13%
Tipo de Uva Tinta Feteasca Neagra
Visual Impressionante cor cereja, com tons violáceos que evidenciam juventude.
Olfativo A fruta se mostra sem timidez, num estilo exuberante e generoso, começando com intensas notas frutais, que lembram baias silvestres, tipo groselhas e casis, as que logo dão passo as suaves notas a especiarias exóticas, canela, baunilha e cedro, aportadas pela guarda em madeira. É um nariz muito agradável e particularmente diferente, que com a oxigenação do vinho na taça só vá ficando cada vez encantador e mais sedutor.
Gustativo Na boca é ainda mais surpreendente, entrando no paladar com uma doçura de fruta fascinante e uma acidez vibrante e viva, que refresca e entrega a mineralidade num vinho de taninos já maduros, de um corpo delicadamente texturizado e com essa caraterística de frescura que encanta, que refresca e aprofunda a sensação de prazer. Ele é tão especial que é impossível não beber a garrafa toda, em resumo é um vinho extraordinário, diferente, pronto para beber, obrigatório para aqueles que gostam de descobrir novos horizontes sensoriais. Altamente recomendável.
Dica de Harmonização Carpaccio de vitela.
Tagliatelli de ervas com medalhão de mignon ao molho de Gorgonzola.
Gnocchi de batata doce ao molho pomodoro.
Medalhão de filé mignon e capeletti aos quatro queijos.
Lombo assado com alho e alecrim, com batata recheada com cream cheese philadephia.
Medalhão de mignon, em crosta de ervas aromáticas ao molho de vinho tinto.
Temperatura de Serviço 17º C
Potencial de Guarda 10 anos
Nome da Vinícola Cramele Halewood Wines Feteasca Neagra Private Reserve
País de Origem Roménia
Região Dealurile Munteniei

Onde comprar: www.buywine.com.br

 

Vinho Sakar safra 1991: O Petrus da Bulgária chegou ao Brasil

 

O vinho Sakar é uma joia rara da Bulgária elaborado a base da uva Merlot, ao igual que o Petrus de Pomerol.

Muitas vezes tenho me perguntado sobre o que é, para mim, um vinho de qualidade? Parece ser uma pergunta muito simples, mas, só parece. Já que, é difícil definir este conceito.

Os apreciadores de vinho costumam afirmar que “um vinho de qualidade é aquele vinho que você gosta”.  Poderia concordar com tal afirmação, mas para ser sincero, não concordo totalmente, e o motivo é muito óbvio e compreensível. As pessoas comumente se interessam e se iniciam no mundo do vinho graças àqueles  vinhos “suaves”, levemente doces ou frisantes, o que não são necessariamente vinhos ruins. Todos concordamos, porém, que logo ao aprender um pouco mais sobre o que é realmente um vinho de qualidade, nos afastamos imediatamente deste estilo e passamos a preferir e consumir vinhos secos.

Vinho de qualidade:

Como veremos a seguir, para um vinho ser considerado “de qualidade”, dever que ter muitos atributos. Primeiro temos que considerar o equilíbrio entre seus diversos componentes: o álcool, a acidez, a fruta, a harmonia com o aporte da madeira, e, no caso dos tintos, temos que considerar também, a qualidade dos taninos e a forma como estes estão integrados ao conjunto (no vinho). Outro elemento absolutamente importante, é o sentido de origem que um vinho de qualidade esta obrigado a ter. O seja, às cegas (degustar sem ver o rótulo) um vinho deveria expressar seu lugar de origem, seu terroir. E, assim, outros vários requisitos que um vinho deve possuir para ser considerado de qualidade.

Estou fazendo essa longa introdução para apresentar um vinho que degustei há uns dias atrás e que me deixou agradavelmente surpreendido:

Vinho Sakar safra 1991. Bulgária

Vinho Sakar safra 1991 O Petrus da Bulgária chegou ao Brasil

Vinho Sakar safra 1991 O Petrus da Bulgária chegou ao Brasil

Este vinho tem, sem dúvida, um excelente nível de qualidade (mas isso, muitos outros vinhos do mundo também tem). A diferencia deste Sakar em relação a muitos outros vinhos de qualidade que tenho degustado, está em sua idade e na forma como ele conseguiu aguentar estes mais de 20 anos.

Antes de abrir a garrafa estava repleto de dúvidas. Mas, felizmente, depois que o vinho abriu na taça, que seus aromas se revelaram, e, principalmente, depois de fazer a análise gustativa, fiquei absolutamente convencido.

Agora, para terminar este breve post, só quero dizer que um vinho tinto para realmente ser considerado um vinho de qualidade, tem que ter a capacidade de evolução, já que, é ai que está a magia nos vinhos. O melhor desta bebida é justamente isso, a complexidade que podem alcançar com a evolução do vinho na taça. Atualmente, 95% dos vinhos tintos que estão no mercado não conseguem durar mais de 3 anos. Ai se justifica a máxima popular que diz: “assim como o vinho, quanto mais velho melhor”. Sim, neste caso, tem acontecido o que diz o ditado.