Posts

Vinhos do Novo Mundo e Velho Mundo. Como diferenciar?

Um detalhe importante que define se um vinho tem ou não qualidade é a forma na qual o vinho expressa (ou não) seu terroir.

Para que o vinho possa ser considerado de qualidade, precisa expressar através das suas caraterísticas sensoriais sua procedência, sua origem. Para um melhor entendimento, o primeiro passo é dividir os vinhos entre Novo e Velho Mundos.

Para poder diferenciar os vinhos do Novo e Velho Mundos, a dica é sempre prestar muita atenção nos detalhes, principalmente no perfil aromático que, no caso dos vinhos do Velho Mundo, são mais frescos, mais equilibrados e austeros em relação aos aromas dos vinhos do Novo Mundo. Esses por sua vez possuem caraterísticas aromáticas mais exuberantes e maduras, com maior presença de aromas provenientes da madeira.

Os vinhos produzidos no Novo Mundo

Tomando como exemplo Mendoza (Argentina) e as regiões do vale central do Chile (Maipo, Cachapoal, Colchagua), o que caracteriza esses terroir’s é a média anual de temperaturas altas, com muitas horas de sol resultando em vinhos mais maduros se comparados com os dos países do Velho Mundo, possuindo uma graduação alcoólica maior.

Agora falando das diferenças gustativas, a acidez se destaca, já que os vinhos do Velho Mundo tem essa caraterística mais acentuada e muitas vezes melhor integrada, se comparada com os vinhos do Novo Mundo.

Vinhos do Novo Mundo e Velho Mundo. Como diferenciar

Vinhos do Novo Mundo e Velho Mundo. Como diferenciar?

 Os vinhos produzidos no Velho Mundo.

Quando falamos de países produtores do Velho Mundo, estamos nos referindo principalmente aos países europeus. Os vinhos produzidos nesses países são por motivos climáticos mais frescos, e possuem grandes e notórias diferenças aos produzidos no Novo Mundo. Os países que mais se destacam no Velho Mundo são: França, Espanha, Portugal, Itália e Alemanha, entre outros.

 

Elemento radioativo pode ajudar a identificar idade dos vinhos

Segundo cientistas, elementos radiativos que se encontram no ambiente desde 1945 – começo da era nuclear – vão auxiliar a identificar a idade dos vinhos

Uma técnica que identifica a idade dos vinhos a partir da identificação de elementos radioativos, como o césio-137, presentes no meio ambiente desde 1945, ano do primeiro teste de armas nucleares vem sendo desenvolvida nos últimos anos e ela pode tornar mais fácil a identificação das safras e autenticidade dos vinhos.

De acordo com o professor do departamento de engenharia nuclear da Universidade da Califórnia, Peter Hosemann, o césio-137 provem de testes nucleares e é depositado pelo solo, chegando às plantas e frutos através de suas raízes. “No caso do vinho, pequenas quantidades do elemento se introduzem nas uvas e ficam presas no líquido durante o processo de engarrafamento”, explicou. “Provavelmente, todo o vinho engarrafado depois de 1945 contém traços do elemento”, completou.

Elemento radioativo pode ajudar a identificar idade dos vinhos

Elemento radioativo pode ajudar a identificar idade dos vinhos

Pesquisadores da Agricultural University of Athens concordam com a eficácia dessa técnica. Tal visão está relatada em um artigo publicado em 2012 em que determinavam a origem geográfica dos alimentos ao analisar elementos raros presentes nos solos, como partículas radioativas.

De acordo com o artigo, as diferenças dos elementos de alimentos coletados de diferentes regiões têm sido correlacionadas, não só com as condições climáticas, mas também com as práticas culturais utilizadas nas vinhas, bem como nas tecnologias usadas no processo de vinificação.

Os cientistas estão otimistas com a técnica por conta de sua capacidade de auxiliar no combate à fraude de alimentos raros e bebidas. “A análise de isótopos como principal elemento torna o método muito robusto e à prova de falsificação, uma vez que uma modificação artificial é muito difícil”, explicou um artigo publicado na revista Food Chemistry.

 

Vinho Nederburg Manor House Syrah, 2009

País África do Sul
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2009
Uva 100% Shiraz
Teor Alcoólico 14,5
Tipo de Uva Tinta Syrah
Amadurecimento 12 a 14 meses em barricas de carvalho
Vinho Nederburg Manor House Syrah, 2009

Vinho Nederburg Manor House Syrah, 2009

 

Visual Vermelho Rubi com tons alaranjados
Olfativo Apresenta claras siais da evolução, muito complexos, especiarias, confeituras e algo de casis, e tabasco, sendo a grande parte desses aromas resultados da evolução do vinho na garrafa. Seus laque olfativo e de altíssima qualidade, e o bouquet tem uma grande fineza.
Gustativo Um alto nível também no paladar. Enche a boca de sabores, tem muita força e muito volumem e os taninos já estão absolutamente sedosos. É um vinho que possivelmente vai continuar melhorando na garrafa, mas que já está delicioso e harmônico, cativante e sedutor. Consegue misturar o estilo generoso e maduro dos vinhos do novo mundo, mas com uma pisca de sobriedade e elegância, lembrando também aos bons vinhos do Velo Mundo.
Dica de Harmonização Pernil de cordeiro com molho de hortelã e batata-doce.
Cabrito assado no forno ao molho de groselhas negras
Tournedos com cogumelos gratinados.
Temperatura de Serviço 16 graus
Potencial de Guarda 7 anos
Nome da Vinícola Nederburg
Enólogo Responsável Wilhelm Pienaar
Pontuação Winechef

Vinho Nederburg Manor House Syrah, 2009 - 91 pontos Winechef

Vinho Nederburg Manor House Syrah, 2009 – 91 pontos Winechef

 

Os 10 vinhos mais caros do mundo

Vinhos da Borgonha dominam a lista, mas Romanée-Conti não é o primeiro

Um dos mais populares sites de busca de vinho nos Estados Unidos, Winesearcher.com revelou uma lista com os 10 vinhos mais caros por ele catalogado. A lista foi feita baseada apenas em garrafas de 750 ml e na média de preço delas em cada lugar registrado, sem distinção de safra ou de preços em leilões, também retirando da equação valores extremos (muito altos e muito baixos).

O resultado mostra a força da Borgonha, que angariou oito das 10 primeiras posições. Aliás, no top 50, os borgonheses somam 37 vinhos. A disparidade entre tintos e brancos contudo é menor, com os tintos liderando na margem de seis para quatro. E para quem acha que Romanée-Conti certamente estaria no topo da lista, uma surpresa.

 Veja a lista Os 10 vinhos mais caros do mundo, segundo Winesearcher.com

 

Os 10 vinhos mais caros do mundo

Os 10 vinhos mais caros do mundo

 

10- Henri Jayer Vosne-Romanee

Preço médio: US$ 4.089 – máximo: US$ 9.611

9- Domaine Leroy Musigny Grand Cru

Preço médio: US$ 4.490 – máximo: US$ 33.621

8- Domaine Georges & Christophe Roumier Musigny Grand Cru

Preço médio: US$ 4.594 – máximo: US$ 15.972

7- Domaine de la Romanée-Conti Montrachet Grand Cru

Preço médio: US$ 4.682 – máximo: US$ 13.697

6- Joh. Jos. Prüm Riesling Wehlener Sonnenuhr Trockenbeerenauslese

Preço médio: $5,308 – máximo: US$11,537

5- Domaine Leflaive Montrachet Grand Cru

Preço médio: US$ 5.770 – máximo: US$ 11.476

4- Henri Jayer Cros Parantoux, Vosne-Romanée Premier Cru

Preço médio: US$ 6.376 – máximo: US$ 19.515

3- Egon Müller-Scharzhof Scharzhofberger Riesling Trockenbeerenauslese

Preço médio: US$ 6.478 – máximo: US$ 14.041

2- Domaine de la Romanée-Conti, Romaneée-Conti Grand Cru

Preço médio: US$ 12.738 – máximo: US$ 54.394

1- Henri Jayer Richebourg Grand Cru

Preço médio: US$ 16.325 – máximo: US$ 26.443

 

Veja esta degustaçao de vinhos de Winechef que inclui vinhos similares:

Degustação Grandes Terroirs da França

 

Lista completa dos 50 melhores restaurantes do mundo 2015

 

O ganhador do concurso que elege os 50 melhores restaurantes do mundo acaba de ser revelado, e como sempre traz muitas surpresas.

'World´s 50 Best Restaurants' 2015 logomarca

‘World´s 50 Best Restaurants’ 2015 logomarca

1. El Celler de Can Roca, Girona, Spain
2. Osteria Francescana, Modena, Italy
3. Noma, Copenhagen, Denmark
4. Central, Lima, Peru
5. Eleven Madison Park, New York, USA
6. Mugaritz, San Sebastián, Spain
7. Dinner by Heston Blumenthal, London, UK
8. Narisawa, Tokyo, Japan
9. D.O.M., São Paulo, Brazil
10. Gaggan, Bangkok, Thailand
11. Mirazur, Menton, France
12. L’Arpège, Paris, France
13. Asador Etxebarri, Atxondo, Spain
14. Astrid y Gastón, Lima, Peru
15. Steirereck, Vienna, Austria
16. Pujol, Mexico City, Mexico
17. Arzak, San Sebastián, Spain
18. Le Bernardin, New York, USA
19. Azurmendi, Larrabetzu, Spain
20. The Ledbury, London, UK
21. Le Chateaubriand, Paris, France
22. Nahm, Bangkok, Thailand
23. White Rabbit, Moscow, Russia
24. Ultraviolet by Paul Pairet, Shanghai, China
25. Fäviken, Järpen, Sweden
26. Alinea, Chicago, USA
27. Piazza Duomo, Alba, Italy
28. The Test Kitchen, Cape Town, South Africa
29. Nihonryori RyuGin, Tokyo, Japan
30. Restaurant Vendôme, Bergisch Gladbach, Germany
31. Restaurant Frantzén, Stockholm, Sweden
32. Attica, Melbourne, Australia
33. Aqua, Wolfsburg, Germany
34. Le Calandre, Sarmeola di Rubano, Italy
35. Quintonil, Mexico City, Mexico
36. L’Astrance, Paris, France
37. Biko, Mexico City, Mexico
38. Amber, Hong Kong, China
39. Quique Dacosta, Dénia, Spain
40. Per Se, New York, USA
41. Maní, São Paulo, Brazil
42. Boragó, Santiago, Chile
42 Tickets, Barcelona, Spain
44. Maido, Lima, Peru
45. Relæ, Copenhagen, Denmark
46. Restaurant André, Singapore
47. Alain Ducasse au Plaza Athénée, Paris, France
48. Schloss Schauenstein, Fürstenau, Switzerland
49. Blue Hill at Stone Barns, Pocantico Hills, USA
50. The French Laundry, Yountville, USA

Veja outra matéria sobre os 50 melhores restaurantes do mundo 2015

Concha y Toro é considerada a marca de vinhos mais poderosa do mundo

 

Concha y Toro é a líder e Gallo e Robert Mondavi aparecem logo atrás em lista feita por consultoria internacional

Um relatório anual da consultoria “Intangible Business” apontou a Viña Concha y Toro como a “marca de vinho mais poderosa do mundo”, no que é considerado o mais influente ranking da indústria de bebidas do mundo.

Na lista geral (que soma todos os tipos de bebidas alcoólicas), aliás, a vinícola chilena aparece em 21o lugar, subindo oito lugares em relação ao ano passado. “O reconhecimento internacional reforça a visibilidade global e a imagem que a marca Concha y Toro alcançou. É algo pelo qual temos trabalhado há anos. É uma grande conquista, não somente para a empresa, mas para o vinho chileno que cresce em importância na indústria do vinho mundial”, disse o CEO da vinícola, Eduardo Guilisasti.

A lista das empresas de vinho mais poderosas segue com a Gallo em segundo lugar, seguida por Robert Mondavi, Hardys e Barefoot, entre as cinco primeiras.

Logomarca vinicola Concha y Toro

Logomarca vinicola Concha y Toro

Confira abaixo a lista dos 12 primeiros lugares:

1- Concha y Toro
2- Gallo
3- Robert Mondavi
4- Hardys
5- Barefoot
6- Yellowtail
7- Sutter Home
8- Beringer
9- Jacobs Creek
10- Lindeman’s
11- Blossom Hill
12- Wolf Blass