Posts

Chá verde e vinho tinto podem barrar o Alzheimer

 

O vinho também tem benefícios contra o Alzheimer, revela importante estudo.

Substâncias presentes no chá verde e no vinho tinto têm o potencial de interromper um dos fatores responsáveis por desencadear a doença de Alzheimer, revelou um novo estudo da Universidade de Leeds, na Grã-Bretanha.

A partir de testes feitos em laboratórios, os autores da pesquisa descobriram que a EGCG, uma enzima encontrada no chá, e o resveratrol, presente no vinho, impedem que a proteína beta-amiloide, associada à doença, se ligue às células nervosas do cérebro e provoque a morte delas. Esses achados foram publicados recentemente periódico The Journal of Biological Chemistry.

A doença de Alzheimer é caracterizada por uma acumulação anormal da proteína beta-amoloide no cérebro. Juntas, essas proteínas formam um aglomerado tóxico e pegajoso que se liga a proteínas presentes na superfície das células nervosas do cérebro, podendo prejudicar o funcionamento dessas células e até leva-las à morte.

Nessa nova pesquisa, a equipe de especialistas investigou se o formato desses aglomerados — se em formato esférico preciso ou sem forma definida, por exemplo — interfere na capacidade de eles se encaixarem nas proteínas das células nervosas.

Chá verde e vinho tinto podem barrar o Alzheimer

Chá verde e vinho tinto podem barrar o Alzheimer

Estudos anteriores já haviam indicado que uma enzima encontrada no chá verde e o resveratrol, composto presente no vinho tinto, têm a capacidade de alterar a forma da beta-amiloide.

A partir desse dado, os cientistas formaram, em laboratório, aglomerados de beta-amiloide e juntaram essa substância a células cerebrais de humanos e de animais. Depois, a equipe adicionou extratos de vinho tinto e de chá verde em algumas dessas células. Segundo os autores, quando as substâncias dessas bebidas foram adicionadas às células, o formato do aglomerado de proteínas beta-amiloide de fato se alterou.

Além disso, eles observaram que, com a forma distorcida, o grupo de beta-amoloide não foi capaz de se ligar às proteínas da superfície das células nervosas e, assim, não danificaram tais células.

“Esse é um passo importante para aumentar nossa compreensão sobre a causa e a progressão da doença de Alzheimer”, diz Nigel Hooper, coordenador do estudo. “Não devemos pensar no Alzheimer como parte natural do envelhecimento, mas sim como uma doença para a qual acreditamos que um dia haverá cura. E é por meio de novas pesquisas como essa que desenvolveremos medicamentos capazes de barrar a doença.”

Loja de vinho americana defraudou clientes em 45 milhões de dólares

Pode parecer uma anedota, mas na verdade foi um pesadelo para muita gente: John Fox, um empresário de 66 anos, usou a sua loja de vinho Premier Cru, sedeada em Berkeley, Califórnia, para defraudar, ao longo de anos, os seus clientes.

John afirmava vender vinhos caros (especialmente europeus), cobrando à cabeça o seu preço, abaixo do que a concorrência conseguia. Depois bastava convencer os seus clientes de que os vinhos seriam entregues, quando estivessem prontos, de 6 a 24 meses mais tarde.

O problema é que Fox apenas encomendou alguns vinhos, em especial a fornecedores estrangeiros – aos quais, na sua maioria, não pagou. Quanto ao restante, nem fazia tenções de cumprir completamente os acordos com os seus clientes finais. Entre eles estavam vários milionários americanos e de outras nacionalidades. Em vez disso, John Fox andou anos a gastar parte desse dinheiro, cerca de 45 milhões de dólares (40 milhões de euros), até que o esquema, como é óbvio, acabou por rebentar.

 

Loja de vinho americana defraudou clientes em 45 milhões de dólares

Loja de vinho americana defraudou clientes em 45 milhões de dólares

 

Fox admitiu em tribunal as culpas no esquema fraudulento. O que é que fez ao dinheiro dos seus clientes? Pois bem, entre muitas outras despesas pessoais, comprou uma casa de luxo, uma série de dispendiosos carros  e subscreveu anuidades em famosos e caros clubes de golfe. Diz o tribunal que chegou mesmo a gastar 900.000 dólares em mulheres que conheceu via internet.

John Fox arrisca-se neste momento a levar uma pena de prisão que pode chegar aos 20 anos. A sentença será lida em Dezembro.

 

Fonte:  Revista de vinhos de Portugal

Veja Também:

 

 

 

Beber vinho deixa o casamento mais feliz

Conselho dos bons: se o casamento anda mal, invente umas noitadas de vinho com o parceiro. Casais que bebem pelo menos uma garrafa da bebida por semana são mais felizes do que os abstêmios. A dica é de uma pesquisa da Universidade de Otago, na Nova Zelândia.

Os pesquisadores perguntaram a 1,5 mil casais sobre consumo de álcool e felicidade no relacionamento. As mulheres que bebiam pelo menos um dia na semana com os maridos tinham 4 vezes mais chances de mostrar satisfação com o casamento, em comparação com quem não bebia. Entre os homens, a chance de ser feliz era 3 vezes superior a de quem nunca tomava vinho com o parceiro.

Mas não dá para exagerar na dose. Os casais mais felizes bebiam moderadamente – 91% se disseram muito satisfeitos com a vida a dois. O grupo mais infeliz, claro, era aquele composto por um beberrão e outro abstêmio – só em 46% dos casos a vida era satisfatória. Já entre os casais que nunca bebiam nada, 69% das pessoas eram felizes.

Os pesquisadores ainda não sabem justificar a relação entre vinho e felicidade. Mas dá para imaginar, né? Sem não houver exagero, você vai criar um momento a mais de prazer com o parceiro. Não tem como dar errado…

 

Beber vinho deixa o casamento mais feliz

Beber vinho deixa o casamento mais feliz

 

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

A lista com os vinhos vencedores do concurso Top Five Vitória Expovinhos 2016 foi revelada.

 

O evento foi realizado no Centro de Convenções de Vitória.

Os vinhos foram degustados degustaram totalmente as cegas.

Teve a honra de fazer parte por terceiro ano consecutivo, do painel de degustação.

Confira os TOP FIVE de cada categoria:

VINHOS ESPUMANTES

Vértice Millésime 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Cavas Hill Vintage 2008 (Pendés/Espanha) – Cantu
Cava Don Román NV (Penedés/Espanha) – Porto a Porto
Segura Viudas Reserva Heredad NV (Penedés/Espanha) – Qualimpor
Veuve Ambal Crémant de Bourgogne Grande Cuvée Brut NV (Borgonha/França) – World Wine

 

VINHOS BRANCOS VELHO MUNDO

QPA Branco Reserva DOC 2013 (Douro/Portugal) – Canto do Vinho
Château Latour Martillac Blanc 2012 (Graves/França) – Carone
Comendador Leonel Cameirinha Reserva Chardonnay 2013 (Alentejo/Portugal) – HC representações
Toques & Clochers Autan Limoux Chardonnay N/D (Languedoc/França) – Kanal distribuidora
Terra D’alter Telhas Branco 2011 (Alentejo/Portugal) – Obra Prima

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

 

VINHOS BRANCOS NOVO MUNDO

Siegel Gran Reserva Sauvignon Blanc 2015 (Leyda/Chile) – Canto do Vinho
Rayun Gran Reserva Chardonnay 2015 (Limarí/Chile) – Família Zanlorenzi
Penalolen Sauvignon Blanc 2015 (Maipo/Chile) – Kanal distribuidora
Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay 2013 (Vale dos Vinhedos/Brasil) – Miolo Wine Group
Marques de Casa Concha Chardonnay 2014 (Limarí – Chile) – VCT

 

VINHOS TINTOS VELHO MUNDO

Crochet 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Casabel 2013 (Lisboa/Portugal) – Aliança
Castelforte Valpolicella Ripasso NV (Veneto/Itália) – Kanal distribuidora
Crasto Superior Syrah 2013 (Douro/Portugal) – Qualimpor
Falesco Tellus Syrah 2013 (Lazio/Itália) – Winebrands

 

VINHOS TINTOS NOVO MUNDO

Apaltagua Colection Pinot Noir 2012 (Curicó/Chile) – Apaltagua
Siegel Single Vineyard Carmenère 2014 (Colchagua/Chile) – Canto do Vinho
AS3 Premium 2012 (Vale Central/Chile) – Olisur
Pizzato Verve 2012 (serra Gaúcha/Brasil) – Pizzato
Toro d’Oro Family Reserva CS 2014 (Curicó/Chile) – Reguingua

 

VINHOS DE SOBREMESA

Erasmo Late Harvest Torrontel 2009 (Maipo/Chile) – Carone
Château Grand Dousprat 2011 (Bordeaux/França) – Kanal distribuidora
Porto Coroa de Rei Colheita 1994 (Douro/Portugal) – Obra Prima
Messias 10 Anos (Douro/Portugal) – Porto a Porto
Taylor’s Tawny 20 anos (Douro/Portugal) – Qualimpor

 

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

O Diretor Geral da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), Jean-Marie Aurand, apresentou recentemente as informações mundiais sobre o mercado do vinho, uma tradição anual. Vejamos, por áreas de interesse, o que se passou em 2015, face ao ano anterior.

Área de vinha desce ligeiramente
A primeira constatação é que a área mundial de vinha desceu para 7.534 milhares de hectares (mha) em 2015, menos cerca de 7.000 hectares que em 2014. A superfície vitícola chinesa continua a aumentar (+ 34 mha) e confirma o segundo lugar mundial. A Nova Zelândia é outro país onde se está a plantar mais vinha. As maiores descidas vêm da Europa comunitária (- 26 mha entre 2014 e 2015). A Espanha continua à cabeça, com mais de um milhão de hectares, à frente da China (0,82 milhões ha) e França (0,78 milhões ha). Portugal está em 8º lugar, com 217 mil hectares. Cinco países detêm cerca de metade da área mundial de vinha.

Produção em alta
Em 2015, face ao ano anterior, a produção mundial de vinho (sem contar com mostos e sumos) aumentou de 2,2%: no total produziram-se 274,4 milhões de hectolitros (Mhl). Com um crescimento de 12% face a 2014, a Itália é o primeiro produtor mundial (49,5 Mhl), seguido pela França (47,5) e Espanha (37,2). Os Estados registaram elevadas produções pelo terceiro ano consecutivo (22,1 Mhl). No hemisfério sul, a produção regrediu na Argentina (13,4 Mhl) mas subiu no Chile (12,9 Mhl), e continua estável na Austrália (11,9 Mhl). A produção desceu ligeiramente na Africa do Sul (11,2 Mhl) e na China (11 Mhl).

 

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

OIV divulga estatísticas mundiais de 2015

Consumo estabilizado
Finalmente, o consumo mundial de vinho estabilizou depois da crise económica de 2008: a OIV estima uma cifra de 240 milhões de hectolitros em 2015, um ligeiro aumento face a 2014. Os Estados Unidos, com 31 Mhl, mantêm a primeira posição mundial. O consumo é relativamente estável em Itália (20,5 Mhl) e em Espanha (10 Mhl) mas continua a descer em França (27,2 Mhl). A China aumentou um pouco face a 2014, consumindo 16 Mhl de vinho em 2015. Os cinco países com maior consumo (Estados Unidos, França, Itália, Alemanha e China) representam metade do consumo mundial.

Import e export : EUA continua à frente
Em 2015, o comércio mundial de vinho aumentou 1,8 % em volume (104,3 Mhl) e sobretudo em valor (+ 10,6 %). Os principais exportadores em volume são a Espanha, Itália e França (respectivamente 24, 20 e 14 Mhl). Portugal vem em nono lugar, com 2,8 Mhl. Em valor o ranking muda mas os atores são os mesmos: aqui os três primeiros são a França, a Itália e a Espanha, com valores globais de 8.244, 5.353 e 2.641 milhões de euros, respectivamente. Portugal mantém o nono lugar, com 738 milhões de euros exportados.

A nível de importações, e por volume de vinho, o campeão mundial é a Alemanha, seguida do Reino Unido e dos Estados Unidos (15,1, 13,6 e 11 Mhl, respectivamente). Se falarmos em valor, os países que mais gastam a importar vinho são os Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

 

Vinho tinto combate células de gordura e ajuda a emagrecer

Quem é apaixonado por vinho vai adorar essa notícia

A novidade é que o vinho tinto segura o ponteiro da balança por causa de uma substância chamada piceatanol. Ela retarda a geração de células jovens de gordura e as impede de se transformar em células maduras. Essa conclusão é de um estudo feito por cientistas da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, divulgada na revista NOVA.

Outra pesquisa, realizada ao longo de 13 anos pelo Women’s Hospital Boston, também nos Estados Unidos, com 19.200 americanas, comprovou que mulheres que consomem uma taça de vinho tinto por dia engordam menos que as que não bebem.

O vinho tem compostos bioativos, como o resveratrol, molécula presente na casca de uvas pretas e rosadas (procure por Cabernet, Sauvignon, Merlot, Syrah e Carménère no rótulo), que previne doenças cardiovasculares e tem efeito anti-inflamatório. Uma taça ao dia, cerca de 80 calorias, é a medida. Mais do que isso, aí sim poderá comprometer sua dieta.

Vinho tinto combate células de gordura e ajuda a emagrecer

Vinho tinto combate células de gordura e ajuda a emagrecer

 

Veja Também!

 

 

 

Todo sobre o vinho verde

Com produtores ousados, o vinho verde, quebra tabus e conquista novos fãs além-mar

Campos frondosos no norte de Portugal, quase na fronteira com a Galícia espanhola, são a inspiração para o nome daquele que é conhecido como um dos vinhos mais emblemáticos do país. Fresquinho e levemente frisante, com teor alcoólico moderado, o vinho verde branco é um dos fermentados mais gastronômicos do mundo: combina como calor, vai bem com comida leve e com festa. Mas ele é muito mais do que um vinho clarinho. Aliás, essa é uma confusão comum: tintos, rosés e espumantes produzidos na região também recebem a denominação de vinho verde.

O termo vinho verde determina uma região de terras demarcadas já no começo do século 20. Situada no noroeste de Portugal, o lar do vinho verde tem Braga como cidade central e é delimitado pelo Rio Douro, ao sul, e pelo Rio Minho, ao norte, na fronteira coma Espanha. A oeste, a região é banhada pelo Oceano Atlântico, excelente terroir para o desenvolvimento das Acredita-se que a vegetação local exuberante tenha batizado a denominação de origem vinho verde, que data de 1949.

Vinho verde

Vinho verde

Outra vertente diz que esses vinhos são “verdes” porque não passam por estágio em madeira (embora alguns enólogos estejam fazendo boas experiências com maturação em carvalho). Seja qual for a origem do nome, erro é acreditar que assim são chamados por serem elaborados com uvas não maduras. “Pelo contrário, as uvas são colhidas no auge de sua maturação para a vinificação”, esclarece Bruno Almeida, enólogo da equipe de análise sensorial da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV).

O vinho verde branco quase todo mundo conhece: leve, refrescante, ácido, muito fácil de beber. O trabalho de alguns vinicultores e enólogos da região prova sua evolução. Aromas e sabores de castas típicas estão sendo valorizados em vinhos monovarietais (feitos de uma única variedade de uva) ou em cortes inesperados que conquistam nova legião de fãs. As inovações atingiram até as típicas bolhinhas desses vinhos, provenientes de uma leve injeção de gás carbônico, a chamada “agulha”: a injeção tem sido dispensada por alguns produtores interessados em revelar a autenticidade das uvas.

Vinho verde

Vinho verde

Para quem ama vinho verde ou quer conhecê-lo melhor, 2016 será um ano de delícias. A safra foi farta e vai garantir excelentes rótulos. “Podemos esperar vinhos com um ligeiro acréscimo de teor alcoólico e menos acidez, o que privilegiará o equilíbrio, a estrutura dos vinhos e sua longevidade”, diz o enólogo José Antas Oliveira, da empresa Viniverde. Com isso, ele quebra outro tabu sobre os verdes, o de que seria um tipo de vinho para consume imediato e com pouco potencial de guarda. Alguns rótulos têm vida longa, se bem conservados, e podem evoluir com o envelhecimento em garrafa.

 

 

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

Nos anos 30 do século XVII Kenelm Digby inventa a garrafa de vidro. Cinquenta anos depois, uma segunda revolução, com o desenvolvimento da rolha de cortiça.

As primeiras rolhas de cortiça eram cónicas e em 1680 D. Pérignon deu-lhes o lugar das rolhas de madeira no gargalo de uma garrafa com vinho espumante. Em 1830 surgem os equipamentos capazes de introduzir rolhas cilíndricas nos gargalos das garrafas e 60 anos depois são fabricados os primeiros aglomerados de cortiça. Em 1903 inventam-se as rolhas de duas peças, com a parte inferior de cortiça natural e a superior com aglomerado. Nos nossos dias, produzem-se rolhas de cortiça de diferentes tipos e dimensões – de cortiça natural, de aglomerado, mistas, cilíndricas, cónicas, para champanhe, de inserção manual, ‘twin top’, etc.

O nascimento da cápsula de rosca (screwcap) é bem mais recente. Em 1959, a companhia francesa La Bouchage Mécanique introduz o Stelcap-vin depois da Stelcap ter provado eficiência com espirituosos e licores. Em 1970, a Australian Consolidated Industries adquiriu os direitos de fabricação e a Stelcap foi rebaptizada por Stelvin. No entanto, o receio do fracasso junto dos preconceitos do consumidor manteve este ‘screwcap’ em ‘stand-by’ até começarem os problemas com a rolha de cortiça natural. A partir de 2000, o uso deste vedante começou a crescer exponencialmente e em 2004 calcula-se que cerca de 200 milhões de garrafas de vinho australiano foram seladas com cápsula roscada. O movimento contagiou a Nova Zelândia que forma em 2001 a New Zealand Screwcap Initiative. Nessa data, 1% dos vinhos neozelandeses usavam cápsula roscada. Em 2004 era já 70%.

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

 

 

Novidade: designer lança cafeteira despertador

Para quem ama uma boa xícara de café, nada melhor que uma feita na hora, fresquinha. E se você acordasse e, logo ao lado da cama – sem perder tempo – já tivesse um cafezinho pronto para saborear logo pela manhã?

Essa é a proposta do designer inglês Joshua Renouf, responsável pela The Barisieur, misto de cafeteira e despertador em um mesmo aparelho.

Feita em inox e madeira, The Barisieur é programada para aquecer a água na noite anterior à manhã em que a bebida será preparada.

Então, minutos antes de acordar, você já terá um café pronto – até mesmo o leite, que também pode ser aquecido na máquina.

É claro que uma boa dose de cuidado com a segurança esteve no projeto da cafeteira despertador de Joshua. A água, por exemplo, não é fervida com fogo, mas, sim, com esferas de aço inox – que recebem calor por indução

The Barisieur deve ser encomendado pelo site do designer inglês.

O produto já está momentaneamente esgotado – ainda que o preço pago pela inovação não seja tão reconfortante quanto o aroma de café pela manhã: em torno de R$1.700,00 a R$2.500,00.

Novidade: designer lança cafeteira despertador

Novidade: designer lança cafeteira despertador

 

Fonte: Revista Gosto

Jack Daniel’s lança café gourmet com sabor de whisky

Bebida promete harmonizar duas paixões: café e whisky

Que tal harmonizar cafe com um bom whisky? A tradicional marca acaba de lançar o Jack Daniel’s Gourmet Coffee, um café gourmet que contêm sabor de whisky em sua composição.

A bebida não tem graduação alcoólica, afirma a fabricante.

Em alguns lugares, o café é vendido num kit que vem com uma caneca personalizada da fabricante.

A novidade por enquanto não chegou no Brasil, mas já é possível encontrar o produto no site da Amazon.

Jack Daniel's lança café gourmet com sabor de whisky

Jack Daniel’s lança café gourmet com sabor de whisky

 

Veja também:

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa

Mulheres que bebem vinho tem uma vida sexual mais ativa