Posts

Graham’s 90: um brinde muito especial à Rainha Isabel II

Para celebrar os 90 anos da Rainha Isabell II de Inglaterra, a Graham’s acaba de lançar uma edição limitada de 500 garrafas, numeradas à mão, do Vinho do Porto Graham’s 90. Trata-se de um lote único de vinhos do Porto muito velhos (1912, 1924 e 1935) que envelheceram nas Caves da Graham’s desde princípios do século XX.

A família Symington, proprietária da Graham’s, efetuou uma meticulosa seleção nas suas caves para chegar a este Graham’s 90. E Johnny Symington, um dos administradores da empresa, explica porquê: “O Vinho do Porto há séculos que faz parte dos momentos de celebração de um sem-número de instituições britânicas, particularmente nos momentos de brindar em banquetes reais e de Estado, e noutras comemorações históricas.

Nessa perspectiva, pareceu-nos apropriado marcar este momento importante. Sabíamos que teríamos de criar algo de muito especial para homenagear os 90 anos de Sua Majestade e o seu longo reinado. Julgamos que o conseguimos com este Graham’s 90, o qual nos foi possível engarrafar por autorização especial do Instituto dos Vinhos do Porto e Douro.”

Este Porto excepcional e magnificamente apresentado será disponibilizado no Reino Unido em parceria exclusiva com a Berry Brothers & Rudd, fornecedor oficial do Palácio de Buckingham, a partir do dia 30 de Março de 2016.

Um número muito restrito de garrafas será destinado a Portugal. O Graham’s 90 não será repetido depois de vendidas estas 500 garrafas, dada a extrema raridade de vinhos deste género nas caves da família.

Graham’s 90: um brinde muito especial à Rainha Isabel II

Graham’s 90: um brinde muito especial à Rainha Isabel II

 

Os vinhos brancos

Os vinhos brancos muitas vezes são elaborados com uvas de cor branca, mas pode haver exceções, eles também podem ser elaborados com castas de cor escura. Isso devido ao suco de uva que é incoloro, por tanto é possível elaborar vinhos brancos com uvas escuras, mas é impossível elaborar vinhos tintos com uvas brancas, já que as antocianas, (pigmentos que aportam à cor) estão na pele da uva tinta.

As uvas para elaborar vinhos brancos

Existe uma grande quantidade de uvas que elaboram vinhos brancos, e cada um dos países se especializam em algum tipo delas, por exemplo, a Nova Zelândia e reconhecida pelos Sauvignon Blanc, já na Argentina pela Torrontés, Bourgogne, na França pela Chardonnay, e assim por diante. Além das três mencionadas, existem outras dez que são bem conhecidas mundialmente, tais como: Viogner, Riesling, Semillon, Gewrztraminer, Pinot Blanc, Roussanne, Marsanne, ect…

Os vinhos brancos

Os vinhos brancos

 

Como são elaborados os vinhos brancos

Cada uva tem sua própria caraterística em termos aromáticos e acidez, sendo este último um parâmetro muito importante, a maioria dos vinhos brancos são fermentados de forma diferente aos vinhos tintos. A fermentação é sem a presença da pele (as cascas), já que as mesmas poderiam entregar demasiados componentes herbáceos, sendo que essa caraterística sensorial é considerada um elemento que diminui a qualidade e a fineza do aroma, além de ser responsável do amargor. Claro que existem várias exceções, onde os vinhos brancos fermentam e até permanecem em contato com as cascas, esse é o caso de grande parte dos Chardonnay da Bourgogne e também de vinhos elaborados por essa uva em outras partes do mundo.

 

Temperaturas de serviço dos vinhos brancos

Normalmente os vinhos brancos se degustam a temperaturas frias, mas pode variar consideravelmente e depende unicamente do tipo de vinho em questão.

Por exemplo, os vinhos brancos mais simples, sem madeira e mais jovens, se recomenda beber a uma temperatura bem baixa, entre os 6º a 7º. Já no outro extremo, quando trata de um vinho branco de grande nível qualitativo, que foi estagiado em madeira, ou que já está evoluído, vai ser necessário degustá-lo a uma temperatura muito maior, entre os 12º a 13º. Dessa forma será possível apreciar todas as sutilezas e complexidades desse tipo de vinho.

 

Entenda o motivo dos aromas de eucaliptos nos vinhos

 

Se alguma vez você teve a oportunidade de degustar algum vinho Chileno ou Australiano, com certeza já se deparou com intensas notas de eucaliptos.

Na década dos 90 este aroma era muito procurado, já que fazia parte de uma grande quantidade de vinhos de alto nível elaborados em vários países do mundo. Como não lembrar das notas aromáticas características dos grandes vinhos chilenos daquela época, como o “Don Melchor” da Concha y Toro, o “Don Maximiano” da Errazuriz ou o “Gold” da vinícola Carmen. Todos eles eram top’s chilenos daquela época, e que hoje ainda continuam com níveis de qualidades do máximo nível… Mas as notas de eucaliptos têm desaparecido, só que não por acaso.

Outros exemplos, talvez ainda mais claros, são os das vinícolas da chamada “Quebrada de Macul”, no Maipo Alto, lugar onde estão localizadas as vinícolas Cousiño Macul, Aquitania e Domus. Todas elas produziam, e ainda produzem, vinhos excelentes e do mais alto nível, com notas de eucaliptos muito marcadas, mas que agora já quase nem se percebem.

Acontece que já ao final dos anos 90, as notas de eucaliptos “saíram de moda”, e muitos mercados declararam guerra aos vinhos com este tipo de aroma, argumentando que “careciam de elegância”.

Concordo, em parte, com este sentido. Quer dizer, as notas de eucaliptos são muito agradáveis, só que elas não podem dominar – mas, sim, complementar o espectro olfativo de um vinho.

Como e por que se produzem os aromas de eucaliptos nos vinhos?

Como e por que se produzem os aromas de eucaliptos nos vinhos?

•Porque se produzem os aromas de eucaliptos nos vinhos??

Hoje em dia já está comprovado que os aromas de eucaliptos, provém da moléculamonoterpeno 1,8-cineol que está presente em grandes quantidades das árvores de eucaliptos e que se transpassam através dos ventos que passam pelas árvores, e logo chegam aos vinhedos e seus cachos de uva. Assim, são os próprios grãos de uva, através da pruína, que está na pele da uva, os responsáveis de capturar estes componentes que logo passam para vinho.

O interessante é que, hoje, os consumidores gostam deste tipo de aroma, e as vinícolas tem extinguido quase que a totalidade destas árvores que estavam dentro dos seus vinhedos. Mas felizmente estes aromas ainda persistem.

Ultimamente está se pensando em outra hipótese que poderia colaborar para que este aroma ainda esteja presente nos vinhos, e trata-se das raízes das próprias árvores de eucaliptos que foram cortadas há décadas. Como as parreiras têm raízes muito profundas, assim como as raízes do eucalipto (ou tinham, no caso de falarmos de eucaliptos que já foram cortados), as raízes de ambos estão a uns 4 ou 5 metros abaixo da superfície, “abafadas”, então, o contato ainda existe e as notas de eucaliptos ainda estão aí – um pouco menos evidentes, mas estão aportando ainda hoje em muitos narizes fascinantes.

Se quiserem conhecer alguns vinhos que tenham este elemento fazendo parte do aroma podem começar pelos seguintes, que, além de ter este tipo de aroma característico, têm um excelente nível de qualidade:

 

 

Analise olfativa do vinho

 

 No mundo dos vinhos não existe outra coisa que seja mais importante do que isto.

Ter um bom nariz. Mas isto não tem nada a ver com a parte estética, nem também com o tamanho deste órgão do sistema respiratório, mas, sim, com a capacidade de poder sentir, identificar e expressar os aromas que os vinhos entregam.

Para aqueles que estão começando, a boa notícia é que o olfato (aplicado à degustação) é um sentido que todos podem educar, da mesma maneira que educamos os outros sentidos, como, por exemplo, a vista para as artes como a pintura ou quando educamos o ouvido para aprender idiomas ou para a música.

O olfato é, sem dúvidas, o sentido mais importante, até mais importante que o paladar. Ele é muito mais exato e preciso, e consegue distinguir milhares de aromas diferentes. A primeira coisa que precisamos entender é que nossa capacidade e qualidade gustativa estarão sempre ligadas à nossa análise olfativa. Portanto, quanto melhor é nossa análise olfativa, melhor será nossa degustação, e, consequentemente, melhor conseguiremos apreciar os aromas que os vinhos exalam e tirar o melhor de cada garrafa.

Do contrário, não adianta comprar garrafas caras, vinhos de boa qualidade, ou até mesmo deixá-lo vinhos evoluir na garrafa durante anos para desenvolver aromas mais complexos, já que, se não temos a capacidade de perceber os aromas, identificá-los, classificá-los e desfrutá-los do jeito certo, nada do anterior teria sentido.

Aromas frutados nos vinhos

Aromas frutados nos vinhos

Então, por onde começar?

O nosso principal objetivo vai ser poder armazenar no nosso cérebro (na nossa memória olfativa) a maior quantidade de aromas possível, mas não basta deixá-los guardados. Precisamos tê-los sempre “à mão”, ou seja, deve ficar muito clara a informação olfativa, de maneira que toda vez que a gente se exponha a este aroma de novo, seremos capazes de reconhecê-los.

A dica é tentar extrair ao máximo os aromas que estão no nosso dia-a-dia, já que só desta maneira vamos realmente melhorar nosso “nariz”, e melhorar a nossa degustação.

A intensidade aromática:

Uma garrafa de vinho, para ser considerada de qualidade, deve ter aromas intensos, mas com a condição que estes sejam agradáveis. Para poder saber sobre a qualidade dos aromas é muito simples – já que está naturalmente relacionada às sensações que são agradáveis e às que não são. Por exemplo, as notas de flores e de frutas são consideradas aromas muito agradáveis nos vinhos, e elas realmente são também muito agradáveis na nossa vida cotidiana.

Mas os aromas de “esgoto”, podre, vinagre e muitos outros que são para nós absolutamente desagradáveis, quando aparecem nos vinhos (que de fato aparecem muitas vezes) são considerados, como podem imaginar, também desagradáveis.

E aí não importa se o vinho tem uma alta intensidade, já que o que estará entregando será algo ruim. Portanto, o que importa primeiro é a qualidade do aromas por sobre a intensidade aromática.

 

5 erros comuns que as pessoas cometem ao beber vinho

Não, não se tratam de regras tacanhas sobre como você deve ou não apreciar a bebida. Apenas dicas para tornar sua experiência melhor – e mais simples

O vinho é uma bebida fascinante. Mas é apenas uma bebida. Não precisamos estudar muito pra desfrutá-la. Precisamos apenas beber. E, se possível, com um pouquinho de atenção. Ou seja, degustar. Bebemos muito pouco vinho no Brasil, há pouca tradição, e a imagem do vinho se tornou algo complicado e elitista. Não caia nessa.

Umas poucas dicas podem ajudar a evitar erros, descomplicar e lhe dar mais prazer quando você bebe um vinho. Aqui vai um passo a passo, desde a escolha da garrafa até o que fazer com as sobras.

1 – Quanto mais caro melhor

A ilusão do valor das coisas está entranhada em nossa mente criada no capitalismo. Não racionalizamos leis de oferta e procura, valor de marca, marketing, etc., seja para comprar um jeans ou uma garrafa de vinho. Mais caro deve ser melhor, acreditamos. Estudos provam que, nas degustações, o vinho divulgado como o mais caro leva melhores notas, mesmo que a informação seja falsa. Por isso degustações sérias são feitas às cegas. Nem sempre um vinho de R$ 300 é cinco vezes melhor do que um de R$ 60. Assim como um que custa R$ 5 mil dificilmente é dez vezes melhor do que um de R$ 500.

 

2 – Ih! Tem tampa de rosca…

O preconceito contra a tampa de rosca já foi maior. Há quem reclame da falta de glamour. Mas, na prática, a tampa de rosca pode ser a melhor opção para vinhos brancos, pensados para serem bebidos jovens. Mercados como Nova Zelândia, Austrália e mesmo Espanha e Portugal apostam nisso faz tempo. Nunca desista de comprar um vinho somente porque ele usa este tipo de vedação. Melhor a rosca que uma rolha estragada.

 

5 erros comuns que as pessoas cometem ao beber vinho

5 erros comuns que as pessoas cometem ao beber vinho

 

3 – Rolha partida? Puxe, não empurre.

O sempre frustrante momento em que descobrimos que o saca-rolhas trouxe apenas um pedaço da rolha para fora! Justo quando o vinho em questão é aquele tão bem guardado e tão aguardado. O impulso básico é empurrar o resto para dentro e ver o que dá, mas… Melhor tentar com calma, delicadeza e paciência retirar a parte restante pelos meios disponíveis. No limite, se algum pedaço de farelo de rolha cair no vinho, use um coador de papel e repasse o conteúdo em um decanter. Acredite: jogando a rolha dentro da garrafa, suas chances de ter um vinho polvilhado por partículas é maior.

4 – “Decanter em tudo! É chic”. 

Nem todo vinho precisa ser aberto com muita antecedência. A prática de abrir a garrafa meia hora antes tampouco faz muita diferença. Dizemos que o vinho precisa respirar quando os aromas estão muito tímidos e contidos. O ideal nesses casos é passar o líquido para um decanter ou mesmo uma jarra e girar vigorosamente para que entre em contato com o oxigênio e permita uma liberação dos elementos mais voláteis. Se for degustar com calma, o mais interessante é constatar esta transformação no próprio copo. Sentir que um vinho fechado vai se abrindo aos poucos com apenas algumas giradas e goles. E que o restinho no fundo do copo traz aromas muito interessantes e inexistentes no início.

 

5 – Servir em taça molhada? Não.

Um resto de água na taça não mata ninguém, mas dilui o vinho. Pode deixar gosto de cloro. Ou, pior ainda, daquele detergente cujo resíduo não sai no enxágue. Seque sempre os recipientes com pano limpo seco.
 

Suco Verde para emagrecer

 

Veja a receita do Suco Verde

Agora sim acabou o carnaval, e provavelmente todos esses dias de folia deixaram o organismo um pouquinho “contaminado”. Então, chegou a hora de mudar nossos hábitos matinais e acrescentar este delicioso suco, que além de ser bem gostoso vai deixar nosso corpo pronto para o próximo feriado prolongado, ajudando também a emagrecer.

Detalhe dos ingredientes do Suco Verde

Água de coco                                    

Água de coco tem ação diurética, potássio (transmissão nervosa, contração da musculatura cardíaca, função renal), sódio (essencial para distribuição orgânica de água e volume sanguíneo), magnésio (contrações musculares e transmissões de impulsos nervosos), ferro (prevenção da anemia, neutralização de radicais tóxicos), zinco (imunidade, fertilidade e reprodução, apetite e paladar), cálcio, vitamina C (antioxidante, imunidade, cicatrização).

 Melão

Melão é rico em fibras, potássio, vitamina A e C (antioxidantes – prevenção de danos celulares), ação diurética, ferro, cálcio, fósforo.

Couve

Couve tem ferro, vitamina C, vitamina A, cálcio, fibras, ácido fólico (prevenção da anemia e de má formação fetal), magnésio, potássio.

 Linhaça Dourada

Linhaça dourada possui fibras, ômega 3 (redução do colesterol e dos triglicerídeos, prevenção de doenças cardiovasculares – aterosclerose), ação anti-inflamatória, melhora a imunidade.

Pepino

Pepino é rico em fibras (dão saciedade), ação diurética (por ser rico em água, ajuda a eliminar toxinas), potássio (contração do músculo cardíaco, transmissão nervosa), propriedades anti-inflamatórias.

Suco Verde para emagrecer

Suco Verde para emagrecer

 

Ingredientes (1 porção)

1 copo de água de coco (do coco mesmo, bem fresquinha)

1 fatia de melão

1 folha de couve

1 rodela de pepino de 1 dedo (com casca)

1 colher (de sopa) de linhaça (usei a dourada)

 

Modo de Preparo

Coloque no liquidificador a água de coco, a folha de couve bem lavada e rasgada, o pepino e a linhaça.

Bata bem e beba na hora.

 

Observações:

  • Só bata na hora que for beber.
  • Não coe
  • Não adoce

 

Com menu de R$ 1.500, restaurante na Suíça é o ‘novo’ melhor do mundo

Esqueça o dinamarquês Noma, o espanhol El Celler de Can Roca, o italiano Osteria Francescana e até o paulistano D.O.M. Vem da Suíça, de uma pequena cidade próxima a Lausanne, o mais novo melhor restaurante do mundo.

No sábado (12), os organizadores do prêmio “Mil mesas de exceção”, guia criado pela França em oposição ao ranking de 50 melhores restaurantes da revista britânica “Restaurant”, divulgaram o top 10 de sua primeira edição.

Ficou com o restaurante do Hôtel de Ville de Crissier o primeiro lugar. A casa é comandada, desde 2012, pelo chef franco-suíço Benoît Violier, 44, em parceria com sua mulher, Brigitte. Ao jornal americano “The New York Times”, ele disse que sentiu “uma enorme responsabilidade” com o prêmio.

Restaurant de l'Hôtel de Ville, Crissier (Suíça)

Restaurant de l’Hôtel de Ville, Crissier (Suíça)

Segundo ele, o sucesso do restaurante, de cerca de 50 lugares, deve-se à consistência: a casa detém três estrelas do guia “Michelin” há 20 anos e seu maître, Louis Villeneuve, está no cargo há cerca de 40.

Os menus podem custar até 390 francos suíços (R$ 1.530)

TOP 10

A lista das “Mil mesas de exceção” é uma iniciativa da Atout France, instituição de diplomacia e promoção turística da França.

Com custo estimado em € 300 mil (R$ 1,2 milhão), bancado por patrocinadores como a Nestlé e a Moët Hennessy, o ranking foi feito por um sistema de computador que analisou e compilou dados de cerca de 200 guias gastronômicos (como “Michelin”, “Gault&Millau” e “Zagat”), sites colaborativos a exemplo do TripAdvisor, avaliações de críticos gastronômicos e mesmo listas como a da “Restaurant” –englobando um universo de 92 países.

Entre os mil restaurantes selecionados, os países mais representados devem ser Japão (mais de 120 locais), França (117) e Estados Unidos (115).

A lista final será divulgada em uma cerimônia na próxima quinta-feira (17), em Paris, por enquanto, só se conhece o top 10, divulgado no último sábado, no qual se confirmou o favoritismo de Japão e França; cada país teve três casas no topo do ranking.

Destacam-se ainda a presença de casas que estão na lista da “Restaurant”, como o Per Se, de Nova York (EUA), no segundo lugar, e o Celler de Can Roca, na Espanha (6).

Com menu de R$ 1.500, restaurante na Suíça é o 'novo' melhor do mundo

Com menu de R$ 1.500, restaurante na Suíça é o ‘novo’ melhor do mundo

Veja abaixo o top 10.

1: Restaurant de l’Hôtel de Ville, Crissier (Suíça)

2: Per Se, Nova York (EUA)

3: Kyo Aji, Tóquio (Japão)

4: Guy Savoy, Paris (França)

5: Schauenstein, Fürstenau (Suíça)

6: El Celler de Can Roca, Girona (Espanha)

7: Kyubei, Tóquio (Japão)

8: Maison Troisgros, Roanne (França)

9: Auberge du Vieux Puits, Fontjoncouse (França)

10: Joël Robuchon, Tóquio (Japão)

 

Fonte: Uol

Sabe o que é a acidificação dos vinhos? E os ácidos tartáricos e málico?

 

O Ácido tartárico, Ácido láctico e vários outros ácidos presentes no vinho.

Acidificação

Operação regulamentada, segundo as zonas de produção, que permite aumentar a acidez natural do mosto e dos vinhos, quando é insuficiente. A normativa da União Europeia só autoriza esta correção quando não vai junto da chaptalização simultânea. Utiliza-se o ácido tartárico e, em pequenas proporções, o ácido cítrico.

Acidímetro: 

Instrumento usado na medição da acidez total.

Ácido:

Substância constitutiva dos vinhos. Há muitos ácidos que se detectam facilmente na prova: o tartárico, o málico, o cítrico, o acético. Existem também muitos outros ácidos nos vinhos (succínico, galacturónico, etc.). O excesso de ácido acético caracteriza os vinhos picados ou envinagrados.

Ácido acético: 

Vinagre, que é um ácido acético diluído.

Ácido ascórbico: 

Ou vitamina C, quando adicionado ao mosto durante a vinificação, juntamente com o dióxido de enxofre, impede a oxidação e ajuda a manter frescos os vinhos brancos.

Ácido cítrico: 

Ácido constitutivo dos vinhos que proporciona acidez fresca. Por vezes pode ser atacado pelas bactérias da fermentação maloláctica.

Ácido láctico:

Resulta da decomposição do ácido málico. Forma-se durante as fermentações alcoólica e maloláctica. Dá suavidade ao vinho.

Ácido málico:

Está presente em muitas frutas, como a maçã. O ácido málico dá frescura ao vinho, provém da uva e diminui durante a maturação em garrafa ou quando se realiza a fermentação maloláctica.

Ácido sórbico: 

Aditivo muito utilizado nas indústrias alimentar e de bebidas para neutralizar leveduras e bolores. Cheira excessivamente a folhas de gerânio pisadas para quem é muito sensível.

Ácido tartárico:

Acido orgânico que existe na uva e consequentemente no vinho. Principal ácido do vinho, parcialmente combinado com a potasa.

Ácido Tartárico

Ácido Tartárico

 

Temperaturas ideais para degustar um vinho branco

Degustar um vinho numa temperatura errada pode estragar até os melhores rótulos.

Veja como isto funciona com os vinhos brancos.

Sabemos que vinho branco se bebe gelado e que o tinto é na temperatura ambiente… Será que é isso mesmo?

O mais comum em relação a este tema é encontrar tabelas que falam que tal tipo de uva se bebe a tal temperatura. Mas já se perguntaram como pode isso ser possível (e estar certo) se dentro de uma mesma variedade de uva temos inúmeros tipos de vinhos, de diferentes países, idades e estilos?

A primeira coisa que precisa estar esclarecida é a ideia de que servir um vinho a uma temperatura específica e certa é para que o vinho possa mostrar seus atributos da melhor maneira possível. Portanto, o objetivo é dar uma ajuda para ressaltar as caraterísticas positivas que o vinho tem (e não as características negativas).

É verdade que os vinhos brancos devem ser bebidos frios, mas a diferença de temperatura não vai depender da uva e, sim, do estilo de vinho, já que é possível termos, com uma mesma uva, um vinho onde a diferença ideal de temperatura pode ser de até 5°C – ou talvez até mais.

Sauvingon Blanc de uma região fresca

Por exemplo: um Sauvingon Blanc de uma região fresca, que seja jovem, leve e varietal (sem estágio em madeira), vai precisar de uma temperatura muito fresca (7°C) para poder mostrar todos os seus encantos. Ao contrário, um Sauvignon Blanc elaborado como “Late Harvest” (vinhos de sobremesas), evoluído, elegante, oleoso e estruturado, vai ser melhor degustado a uma temperatura muito maior, (12°C) e assim acontece com a maioria das uvas. Ou seja, a temperatura ideal depende do estilo do vinho – e não da uva que o origina.

Sempre falando de vinhos brancos, o que temos que fazer é diferenciar em termos de concentração e complexidade. Assim, os vinhos mais leves e simples vão ser bebidos no limite do frescor (6°C). Na medida em que a concentração, a estrutura e a complexidade vão aumentando, aumenta-se também a temperatura de serviço.

Vinhos brancos de corpo médio com estágio em madeira, medianamente jovens (1 a 2 anos de idade), precisam de uma temperatura intermediária (no contexto dos vinhos brancos), isto é, uns 9°C. Já os brancos mais densos, viscosos e concentrados, que foram estagiados em madeira e que estão evoluídos, precisam de uma temperatura muito mais cálida para mostrar todos os seus atributos (12°C).

Temperaturas ideais para degustar um vinho branco

Temperaturas ideais para degustar um vinho branco

Outras dicas sobre as temperaturas nos vinhos brancos:

Para os vinhos mais leves e frescos, se a ideia é refrescar e realçar a acidez do paladar (a acidez e o gás carbônico presentes em vinhos brancos jovens) sempre será recomendável optar por temperaturas muito baixas. Mas isto vai depender também da temperatura do lugar que vamos beber o vinho, assim como também da quantidade de vinho que vamos colocar na taça. Sempre será melhor servir o vinho branco em taças menores que as usadas em vinhos tintos, e o mais importante: em quantidades menores, deixando o restante do vinho em um balde com água e gelo.

Quando vamos beber vinhos brancos de regiões cálidas, onde a graduação alcoólica é elevada, é muito recomendável procurar o extremo da temperatura fresca (6°). Estes vinhos normalmente são o que, tecnicamente, se denominam “planos” (carentes de acidez). Portanto, a baixa temperatura vai ocultar o álcool e ressaltar a acidez, e o vinho vai parecer um pouco mais equilibrado.

Do contrário, um vinho sem acidez e com uma graduação alcoólica elevada (14 ou mais graus), se for servido a mais de 8°C vai se expressar aromaticamente agressivo e desequilibrado (o álcool vai até irritar ao nariz), e ao paladar vai ser também absolutamente desequilibrado, dando uma sensação de “queimar” a boca.

Então agora já sabe… Fique de olho com a temperatura, porque alguns graus a mais ou a menos fazem a diferença entre beber um vinho bom e um nem tanto.

 

Aprenda como harmonizar vinhos brancos

 

Que vinho acompanha um ceviche de robalo?

A gastronomia é um mundo fascinante, cheio de detalhes, de cores, de aromas e sabores. Cada prato tem vida própria e representa o estilo do autor, da pessoa que o elaborou. Sentar frente a um prato visualmente agradável, bem decorado, colorido, com agradáveis aromas e bom sabor é uns dos maiores prazeres de um grande número de pessoas no mundo.

Estas pessoas que adoram a gastronomia são as mesmas que adoram também o vinho.  Já tiveram a oportunidade de provar um prato gostoso, de qualidade, delicioso, mas sem a companhia de uma taça de vinho? Dá a impressão que algo está faltando. Acho que é a magia da cumplicidade entre dois produtos que se complementam sublimemente.

Sobre a harmonização em si, felizmente existe em forma natural e espontânea uma relação sensorial que faz com que o vinho harmonize com a comida, e a probabilidade de que esta seja totalmente inexistente é muito baixa.

Para conseguir ter sucesso na hora de harmonizar um prato com uma garrafa de vinho é só usar a lógica e o senso comum em relação a cada um dos detalhes. Cores, aromas e sabores, tanto do prato como também do vinho com o qual queremos que nos acompanhe.

Aprenda como harmonizar vinhos brancos

Aprenda como harmonizar vinhos brancos

Vinhos e Frutos do mar

Por exemplo: vamos comer um fruto do mar, o qual logicamente sempre tem que ser o mais fresco possível, tipo um peixe branco (ex.: robalo). O preparo será com ele cru (ceviche), onde coloquemos só limão para acrescentar ao sabor e ao frescor.

Neste caso, o correto é procurar um vinho que tenha as mesmas caraterísticas do prato, ou seja, se estamos falando de um produto do mar que tem que ser consumido o mais fresco possível também teremos que procurar um vinho que deva ser bebido o mais jovem possível.

Como este prato (ceviche) vai ter um sabor predominantemente levemente cítrico, por causa do limão, temos que procurar vinhos que tenham estas mesmas características. Então, o vinho correto vai ser um branco, o mais jovem possível, que tenha uma marcada acidez e que não tenha passado por madeira.

Serão muitas opções para harmonizar de maneira correta, independente da variedade da uva. Pode ser um Sauvingon Blanc, um Chenin Blanc, até um Torrontés, mas o importante é que tenha as caraterísticas destacadas anteriormente.

Ceviche de Robalo Winechef

Ceviche de Robalo Winechef