Posts

Resultados Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

A cidade de Bento Gonçalves (RS) sediou entre os dias 4 e 7 de abril de 2017, a 15ª edição brasileira do CONCOURS MONDIAL DE BRUXELLES; o mais importante concurso de vinhos e destilados do mundo. A competição avaliou apenas amostras brasileiras, com o objetivo de revelar os melhores rótulos e projetá-los no mercado internacional. Alex Ordenes, editor de Winechef formou parte do jurado.

 

Veja os resultados da categoria “Vinhos”.

 

VINHOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE GRANDE OURO:

 

Aracuri Merlot Aliprandini e Meyer 2012

Aurora Reserva Merlot Vinícola Aurora 2016

Garibaldi Moscatel Espumante Cooperativa Vinícola Garibaldi

Milantino Gran Vino Milantino 2008

Miolo Millésime Brut Miolo Wine Group 2012

Moscatel Espumante Vinícola Panceri 2016

Quinta da Orada Corte Casa Marques Pereira 2012

Panceri Brut Sauvignon Blanc Vinícola Panceri 2016

Peruzzo Merlot 2012 Vinícola Peruzzo 2012

Raízes Sauvignon Blanc Casa Valduga 2014

Rio Sol Brut Branco Premium VitiVinícola Santa Maria

Salton Desejo Merlot Vinhos Salton 2011

San Michele Barone Vinícola San Michele 2015

San Michele Tridentum Vinícola San Michele 2014

Settimana in Cantina Merlot Vinícola Zanella 2013

Sfera Merlot Vinícola Arbugeri 2011

Torii Cabernet Sauvignon Vinícola Hiragami 2013

Victoria Geisse Extra Brut Vintage Gran Reserva Vinícola Geisse

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2005

Wine Club Franco Italiano (corte) Vinícola Franco Italiano 2014

 

Resultados Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

Resultados Concurso Mundial de Bruxelas, edição Brasil, 2017

VINHOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE OURO:

 

Casa Pedrucci Brut Rosé Vinícola Pedrucci 2015

Casa Pedrucci Reserva Brut Vinícola Pedrucci 2014

Casa Venturini Chardonnay Reserva Casa Venturini 2016

Don Guerino Sinais Moscato Giallo Vinícola Don Guerino 2016

Don Guerino Sinais Riesling Vinícola Don Guerino 2016

Habitat Alta Gama Don Bonifácio Lote 2

Identidade Marselan Casa Valduga 2013

Imortali Vinícola Santa Augusta 2012

Rio Sol Brut Branco VitiVinícola Santa Maria

Rio Sol Gran Reserva Touriga Nacional Vitivinícola Santa Maria 2014

Rio Sol Premium VitiVinícola Santa Maria 2013

Salton Paradoxo Brut Vinhos Salton

San Michele Riserva Vinícola San Michele 2013

San Michele Maso Alto Vinícola San Michele 2014

Torii Merlot Vinícola Hiragami 2013

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2008

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2011

Villa Europa Merlot VE Spa do Vinho/Harvest 2012

Zanella Brut Vinícola Zanella

Zanella Merlot Vinícola Zanella 2012

 

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 - 15º Edição Brasil

Concurs Mondial de Bruxelles 2017 – 15º Edição Brasil

 

VINHOS QUE RECEBERAM MEDALHAS DE PRATA:

 

Aracuri Pinot Noir Aliprandini e Meyer 2016

Brandina Assemblage Marco Antonio Carbonari 2013

Casa Pedrucci Reserva Nature Vinícola Pedrucci 2014

Cave Amadeu Rosé Brut Vinícola Geisse

Milantino Reserva Cabernet Sauvignon Milantino 2012

Quinta Don Bonifácio Brut Rosé Don Bonifácio

Rio Sol Syrah VitiVinícola Santa Maria 2015

Rio Sol Gran Reserva Alicante Bouschet VitiVinícola Santa Maria 2014

RioBravo Brut Vinícola Mioranza 2016

Salton Classic Malbec Vinhos Salton 2015

San Michele Brut 18 Meses Vinícola San Michele 2015

Torii Cabernet Sauvignon Vinícola Hiragami 2008

 

Diferentes tipos de solos do mundo

CHÂTEAUNEUF-DU-PAPE, FRANÇA

Imagine o fundo de um aquário, com aquelas rochas arredondadas, lisas. Pois esse é o cenário mais comumente encontrado nas vinhas em Châteauneuf-du-Pape. Essas pedrinhas ovais chegaram ao vale do Rhône após enchentes seculares ocorridas na última Idade do Gelo. E se encarregam de reter o calor do sol para depois, durante a noite, transferir a energia às vinhas. O resultado são vinhos ricos, encorpados, quase picantes. E com generosa quantidade de álcool.

 

MOSEL, ALEMANHA

A ardósia abunda no solo de Mosel absorve o calor do sol e reflete às vinhas, garantindo uma melhor maturação das uvas. Além disso, é altamente porosa. De quebra, garante uma mineralidade que só faz bem à casta rainha da região: a Riesling. E se há uma uva no mundo que reflete com precisão o que o solo oferece, essa cepa é a Riesling. Não por acaso, o solo de Mosel é considerado um dos mais importantes na viticultura mundial.

 

DOURO, PORTUGAL

O vinho que nasce do Douro é um sobrevivente. A região é rica em granito. Mas o maciço de xisto dividido em camadas verticais por baixo da superfície permite que a umidade se infiltre no solo, e ainda oferece espaço para que as raízes se infiltrem mais profundamente em busca de nutrientes. O resultado é um vinho robusto, encorpado, forte. Trocando em miúdos, um sobrevivente.

 

COONAWARRA, AUSTRÁLIA

A festejada Terra Rossa, de Coonawarra, na Austrália, é basicamente uma combinação única de eventos. A área – que já foi um litoral – tem solo calcário sobre a parte superior de uma base de arenito. O calcário secou ao longo de milênios e a desintegração do solo quando começou a erodir provocou depósitos de ferro em seu interior, gerando oxidação e criando as tonalidades de laranja e vermelho na terra, rica em nutrientes e minerais, com boa drenagem. Um solo que descobriu-se perfeito para a Cabernet Sauvignon.

Coonawarra, na Austrália

Coonawarra, na Austrália

 

 

BORGONHA, CHAMPANHE E VALE DO LOIRE, FRANÇA

Uma bacia pedra calcária de marga se alonga por essas três regiões francesas: o solo kimmeridgian. É certo que cada pedaço de terra tem a sua particularidade, o que ajuda a tornar vinhos vizinhos tão distintos, diferentes. Mas a base está toda lá. Um solo argilo-calcário, repleto de quartzo, zircão e de nutrientes gerados dos fósseis de moluscos de eras passadas. E é na raiz desse solo que mora muito da explicação da qualidade, da fineza e da singularidade de cada um dos (bons) vinhos dessas regiões.

 

PRIORATO, ESPANHA

Uma mistura de ardósia escura e quartzito, rochosa e altamente porosa, com uma enorme capacidade de drenagem e que permite às raízes cavar até 25 metros na rocha atrás de bolsões de água e de nutrientes. Esse é o famoso llicorella, solo dominante no Priorato, e uma das razões para a fama dos vinhos da região.

 

MENDOZA, ARGENTINA

Concentração é o sobrenome do vinho argentino. E tal característica é reflexo direto da combinação solo/geografia. As altitudes elevadas, somadas à mistura de areia, granito, xisto e depósitos aluviais transformam o solo de Mendoza em um ambiente único para crescimento das uvas. A ajuda do clima, com muito sol durante o dia, e temperaturas baixas durante a noite, completam o quadro e geram vinhos ricos em resveratrol.

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010

País Argentina
Propriedade da Vinícola 80 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Sub-Região Agrelo
Uva 100% Cabernet Sauvignon
Teor Alcoólico 14%
Tipo de Uva Tinta Cabernet Sauvignon
Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010

 

Visual Vermelho-púrpura intenso e vivaz.
Olfativo Revela um aroma complexo e perfumado, em que as frutas negras, cassis e groselhas se fundem aos tons de chocolate e canela, aportados pelo estágio em barricas. Exibe um caráter típico e correspondente à variedade de uva, destacando-se por seu perfil olfativo, de extrema fineza, onde todos os elementos estão perfeitamente integrados.
Gustativo Belo equilíbrio na boca, resultado de seus taninos que se advertem perfeitamente integrados ao conjunto. Consegue unir concentração, elegância e modernidade sem perder o sentido de sua origem, mantendo plenamente as virtudes que tipificam os vinhos tintos da Argentina. Um excelente vinho tinto, que oferece muitos atributos por um preço razoável.
Dica de Harmonização Churrasco de carnes vermelhas.
Carne de panela com farofa.
Bisteca de porco grelhada ao molho de amoras.
Pratos a base de carne.
Bife largo grelhado, com gratinado de batatas ao bacon.
Ossobuco de cordeiro com arroz à milanesa.
Filé mignon malpassado ao molho de vinho reduzido.
Temperatura de Serviço 15°
Potencial de Guarda 6 anos
Pontuação Winechef

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010 - 91 pontos Winechef

Vinho Lamadrid Cabernet Sauvignon Classico, 2010 – 91 pontos Winechef

Ano de Fundação da Vinícola 1959
Enólogo Responsável Héctor Durigutti

Viña Una Hectárea Balance 2008

Balance da vinícola Una Hectárea é um tinto a base de Cabernet Sauvignon, com um leve aporte de Cabernet Franc e uma pisca de Syrah.

As uvas que deram vida a este vinho provem de vinhedos localizados no pé de monte da Cordilheira dos Andes, no no Alto Maipo, mais especificamente de Chada. Muito perto desse vilarejo, estão vários dos melhores terroirs dessa região, destacando entra as mais importantes as vinícolas Perez Cruz, Santa Rita, Antiyal, entra outras.

Balance pertencesse a mesma vinícola que produz o já prestigiosos e afamados Una Hectárea Amir, Una Hectárea Sultan e Una Hectárea Puro Instinto.

O responsável pela elaboração desses vinhos foi o enólogo chileno Felipe Garcia, quem tem na sua autoria junto com a sua esposa Constanza Scwhaderer alguns outros grande tintos chilenos, também de reconhecimento mundial, tais como: Garcia Scwhaderer Facundo, Garcia Scwhaderer Marina, Garcia Scwhaderer Sofia e um Carignan que teve a máxima pontuação de todos os existentes nesse pais para o crítico Robert Parker.

Viña Una Hectárea Balance 2008. Um autêntico vinho de Autor chileno

Viña Una Hectárea Balance 2008.

 

Tipo Tinto
Safra 2008
Volume 750ml
Pontuação Winechef 

Viña Una Hectárea Balance 2008 - 91 pontos Winechef

Viña Una Hectárea Balance 2008 – 91 pontos Winechef

País Chile
Região Maipo Alto
Sub-Região Chada
Uva 90% Cabernet Sauvignon, 8% Cabernet Franc e 2% Syrah
Teor Alcoólico 14,8%
Tipo de Uva Tinta Cabernet Sauvignon
Amadurecimento 14 meses em barrica de 1° uso, (toneleria taransaud)
Visual Coloração vermelho rubi profundo com bordas alaranjadas.
Olfativo No nariz é intenso, muito sedutor e com uma boa dose de complexidade, desenvolvendo aromas que lembram frutas vermelhas como groselha, framboesa, cereja vermelha, mas com notas florais misturadas com cassis – tudo remarcado em um fundo fresco que lembram zimbro e eucalipto e já começando e entregar aromas terciários produto da evolução do vinho na garrafa.
Gustativo É oleosamente “texturizado” no palato, com doçura extraordinária e glicerina, devido a uma perfeita madures de taninos, os que se advertem suaves e delicados. Um final de boca viscoso, em várias camadas de sabores. É um Cabernet (Sauvignon e Franc) com grandes qualidades, muita tipicidade e uma excelente relação custo/benefício.
Dica de Harmonização Pernas de coelho ao vinho.
Côte de boeuf grillé.
Javali ao molho de frutas vermelhas e purê de batatas.
Cordeiro em crosta de cogumelos selvagens.
Lombo de porco desossado envolto na sua própria gordura.
Pato assado com molho de ameixa.
Massas com molhos condimentados e queijos maduros.
Escalopes de pato grelhados.
Lombo em crosta de azeitona.
Costelinhas de porco fritas.
Tipo de Comida Carnes vermelhas e carnes de caça maior
Importador  Terramatter Impotadora
Temperatura de Serviço 16º
Potencial de Guarda 8 anos desde sua colheita
Nome da Vinícola Una Hectárea
Ano de Fundação da Vinícola 2008
Produções Limitadas Vinhos de Autor
Enólogo Responsável Felipe Garcia
Proprietário Marcio Moualla

 

Château Mouton Rothschild revela rótulo para safra de 2012

17

Château Mouton Rothschild revelou um novo rótulo “catalão” para a safra de 2012

A Château Mouton Rothschild revelou um novo rótulo para a safra de 2012 do seu grand vin. O desenho é do artista Miguel Barcelo e foi o último comissionado especialmente pela Baronesa Philippine de Rothschild, que morreu em agosto deste ano. O novo rótulo apresenta traços da cultura catalã, e segundo o artista, foi inspirado no próprio emblema da empresa Mouton.

O artista, Miguel Barcelo, nasceu em Majorca na Espanha e obteve grande destaque nas duas últimas décadas. Seus trabalhos já foram exibidos no Museu de Arte Moderna de Paris em 1996, e no Museu do Louvre em 2004. Em 2008, Barcelo foi responsável pela criação e pela pintura do teto do Palácio das Nações Unidas, em Geneva.

Grandes artistas já ilustraram os rótulos da Mouton, como Salvador Dali, Pablo Picasso e Andy Warhol. O último artista, antes de Barcelo, foi o francês Guy de Rougemont, para a safra de 2011.

Vinho Château Mouton Rothschild 2012

Vinho Château Mouton Rothschild 2012

 

 

 

 

Analisis sensorail e potencial de guarda dos vinhos produzidos com a uva Malbec

Os vinhos da uva Malbec em detalhe

Visualmente eles são muito atrativos devido a uma alta concentração de antocianina (pigmentos, corantes) na sua pele (da uva tinta), o que se expressa em cores vivas e escuras.

Os aromas dos Malbec’s são quase sempre muito expressivos, com um marcante perfil olfativo, e seus aromas vão desde as frutas negras silvestres, tipo mirtilo, até estilos mais “vermelhos” e maduros, onde, com frequência, aparecem as notas a framboesas maduras e cerejas, e as inconfundíveis notas a ameixa seca que se repetem em inúmeros Malbec’s Argentinos.

Os vinhos produzidos com a uva Malbec super maduros, alcoólicos e enjoativos:

Existe um estilo de Malbec que está em pleno retrocesso (felizmente), que são esses vinhos super maduros, evidentemente alcoólicos e de paladares muitas vezes pesados e enjoativos – o que se explica, principalmente, pelas condições climáticas de Mendoza, de onde, em alguns verões (pouco antes da colheita), a temperatura pode chegar até os 40°C, o que prejudica bastante a madures correta da uva ao final de sua etapa. Mas os produtores já estão cientes disto e estão procurando novas regiões, cada vez mais frescas, amparadas pela altitude dos pés do monte da Cordilheira dos Andes, o que tem resultado em vinhos mais frescos e equilibrados.

Analisis sensorail e potencial de guarda dos vinhos produzidos com a uva Malbec

Analisis sensorail e potencial de guarda dos vinhos produzidos com a uva Malbec

O potencial de envelhecimento dos vinhos produzidos com a uva Malbec:

Os Côt’s franceses, dentre muitas outras uvas tintas (e também brancas), tem um potencial excelente de envelhecimento e muitas vezes conseguem seu apogeu em uma ou duas décadas. No caso dos Malbec’s argentinos, o tempo de potencial de envelhecimento é um pouco menor, mas quando se trata dos melhores expoentes desta uva podem ultrapassar facilmente os 10 anos – sempre lembrando que devem ser vinhos equilibrados e não ultra maduros, já que neste caso este estilo de vinho carece de acidez, componente que é imprescindível para que o vinho possa ter uma vida longa e uma evolução correta na garrafa.

Se gosta desta uva, ou até mesmo se nunca a provou, deixo em seguida uma lista de excelentes exemplos nas distintas categorias. Espero que vocês aprovem minha seleção:

 

Susana Balbo, produtora de vinhos de Mendoza quer ser parlamentar

Candidata à deputada nacional, Susana Balbo, dona da Dominio del Plata, promete melhorar indústria dos vinhos na Argentina

Susana Balbo, fundadora da vinícola Dominio del Plata, de Mendoza, na Argentina, quer entrar para a política.

A empresária se candidatou a uma vaga como parlmentar. Como deputada nacional, ela espera eliminar os obstáculos enfrentados pela indústria de vinhos da Argentina, alegando que eles colocam em risco os meios de subsistência, e não deixam o país competir efetivamente com outras nações produtoras de vinho.

Ela é candidata pelo partido de centro-direita Propuesta Republicana (PRO) como membro do parlamento para a região de Mendoza. Como bandeiras, Balbo se propõe a combater a corrupção, as desigualdades sociais e melhorar produtividade do setor vitivinícola no país. “Há tantas oportunidades na Argentina que não evoluíram nos últimos 20 anos, é um enorme desafio”, comentou ela, mostrando a ambição de “melhorar o nível de tomada de decisões sobre a economia regional, para obter o apoio do governo nacional para a promover a indústria de vinho, e para ter melhores acordos internacionais”.

Susana Balbo, produtora de vinhos de Mendoza quer ser parlamentar

Susana Balbo, produtora de vinhos de Mendoza quer ser parlamentar

Em termos de valor econômico da indústria do vinho, Balbo calcula que o setor responda por 11% do PIB (Produto Interno Bruto) da Argentina. Ela observou, ainda, que a indústria do vinho emprega diretamente 100 mil pessoas, e beneficia indiretamente 200.000 pessoas.

Balbo critica duramente o atual governo e diz que as autoridades “estão mentindo para as pessoas dizendo que a inflação é de 10%, quando é de 27% ou mesmo 30%”, o que estaria levando os produtores a tomarem decisões erradas.

“Há uma enorme crise”, ressaltou a empresária-candidata. “A inflação está tomando todo o nosso lucro, os preços de uva são baixos e as vinícolas estão cheias de vinho”. Segundo sua plataforma, a promessa é ajudar os produtores a fazer vinhos de boa qualidade, e decidir o foco que querem tomar com a sua produção: fazer vinho, vender uvas frescas ou produzir uvas passas. Ela acredita que, dessa forma, pode ajudá-los a se tornarem mais eficientes e terem lucro.

Além dessse objetivo central, Balbo quer estabelecer acordos de livre comércio para a Argentina. “Nosso vizinho Chile tem 120 acordos de comércio livre e não temos nenhum”, ela comentou, defendendo ainda melhorias de saúde, educação e uso da água em áreas ruruais.

Se eleita pela primeira vez na ronda preliminar da votação em 9 de agosto, e depois das eleições gerais em 25 de agosto, Balbo terá de conciliar os deveres parlamentares com as operações da Dominio del Plata. “Eu acho que posso fazer as duas coisas”.

 

Os melhores Cabernet Sauvignon do Ano, segundo Descorchados 2015

 
Veja a lista de vinhos dos primeiros 13 colocados na categoria de uva Cabernet Sauvignon na última versão de Guia de Vinhos Descorchados, do periodista chileno Patricio Tapia.

Cono Sur Silencio Cabernet Sauvignon 2010. Vale do Maipo / 96 pontos
Santa Rita Casa Real Cabernet Sauvignon 2011. Vale do Alto Maipo / 96 pontos
Aquitania Lazuli Cabernet Sauvignon 2006. Vale do Maipo – Macul / 95 pontos
Calcu Futa Cabernet Sauvignon 2010. Vale de Colchagua / 95 pontos
Calcu Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2012. Colchagua Andes / 94 pontos
Cono Sur 20 Barrels Cabernet Sauvignon 2011. Vale do Maipo Alto- Pirque / 94 pontos
Miguel Torres Manso de Velasco Cabernet Sauvignon 2010 – Vale de Cúrico / 94 pontos
Santa Carolina Piedras Pizarras Cabernet Sauvignon 2013 – Alto Cahcapoal / 94 pontos
Santa Carolina Luis Pereira Cabernet Sauvignon 2012 – Alto Maipo / 94 pontos
Santa Rita Cerro 93 Cabernet Sauvignon 2013 – Alto Maipo / 94 pontos
Tres Palacios Cholqui Cabernet Sauvignon 2012 – Vale do Maipo / 94 pontos
Viñedos Chadwick Cabernet Sauvignon 2012 – Alto Maipo / 94 pontos

 

Cono Sur Silencio Cabernet Sauvignon 2010. Vale do Maipo / 96 pontos - entre os melhores Cabernet Sauvignon do Ano, segundo Descorchados 2015

Cono Sur Silencio Cabernet Sauvignon 2010. Vale do Maipo / 96 pontos – entre os melhores Cabernet Sauvignon do Ano, segundo Descorchados 2015

Xylo, a última obra de Hubert Weber. “Blend Super Preço da Argentina” em Descorchados.

Foi uma extraordinária surpresa a chegada deste vinho na BuywineHubert Weber mais uma vez nos surpreende com um vinho exemplar, de alta qualidade e excelente relação preço-qualidade. Com esse currículo insuperável, foi classificado pelo Guia de VinhosDescorchados 2013 como o melhor blend da Argentina na categoria que todos nós adoramos – “Super Preço”.  Xylo aparece como o “Blend Super Preço da Argentina”, isso para começar…

Sua cor está levemente evoluída, mas com um lindo tom cereja.  No nariz, o aroma dominante é de cerejas vermelhas, que aparecem com muita nitidez à medida que o vinho começa a abrir na taça. Acompanham outros aromas da mesma família, cherris, marrosquinos, ou seja, um cenário bem frutado, tão agradável que dá vontade de ficar só sentindo o aroma por vários minutos. Além da deliciosa frutosidade, também há algum tons terrosos, tipo “sois boi” (terra úmida), corteça (casca) de árvore, suaves e delicados tons de lavanda e menta, que só enriquecem mais um nariz cativante.

A performance olfativa é excelente, mas é no paladar onde este vinho mostra seus melhores atributos.  Seu corpo é meio e, particularmente, delicado, seus taninos são suaves como a seda, mostrando uma textura que se desliza no paladar. As notas da fruta soam mais uma vez intensas, principalmente as cerejas, aportando magia num vinho fresco e juvenil, que com certeza vai apaixonar muitos paladares brasileiros.  O único problema deste vinho é que e ele é viciante…e a taça fica vazia sem que a gente perceba, parece que o vinho se evapora na taça…. Como dica, recomendo sempre ter uma outra garrafa a mão.