Posts

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

País Chile
Propriedade da Vinícola 210 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Uva 100% Carménère
Teor Alcoólico 13%
Tipo de Uva Tinta Carmenere
Amadurecimento 12 meses em barricas de carvalho francês, sendo 25% de primeiro uso.

 

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010

 

Visual Rubi de média concentração, luminoso.
Olfativo Possui aromas mentolados e frutados como de frutas vermelhas maduras, terra úmida e frutas silvestres pequenas, mais suaves notas a menta, tudo em uma grata combinação e evidenciando uma alta complexidade e abundante presencia de aromas terciarios, produto da evolução do vinho na garrafa.
Gustativo Na boca é saboroso e suculento, com boa amplitude e alta concentração. Taninos suaves e doces, sedutora fruta e todo perfeitamente integrado num vinho de alta qualidade e que já atingiu seu ponto máximo de evolução. Surpreende também por um delicioso e longuíssimo final.
Dica de Harmonização Lasanha caseira à bolonhesa.
Almôndegas de carne com molho de vinho e castanhas.
Salmão marinado em sake com molho de cogumelos frescos.
Goulash de carne.
Cassoulet de frutos do mar.
Pimentão vermelho assado e confitado em azeite de castanhas.
Temperatura de Serviço 15º
Pontuação Winechef  

Vinho Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010- 92 pontos Winechef

Vinho Tamaya Gran Reserva Winemaker Select Carménère, 2010- 92 pontos Winechef

Nome da Vinícola Tamaya
Ano de Fundação da Vinícola 2003
Enólogo Responsável José Pablo Martin / Rodolphe Bourdeau

 

Chile: A terra prometida da Malbec

Uma grande parte dos apaixonados por vinhos gostam da concentração e da majestosa potência e profundidade que os Malbec´s oferecem. E como não gostar?

Depois de algum tempo, ou talvez até alguns anos de experiência, quando nosso paladar começa a se aguçar, entendemos que os vinhos que mais nos entregam prazer são aqueles que têm de tudo: muita cor, que são ricos e complexos aromaticamente, e que na boca são concentrados e cheios de sabores e matizes.

Os Malbec’s têm essa graça. Produzem vinhos de muita complexidade, da cabeça aos pés, de grandes virtudes que deleitam nossos sentidos,  e o que é ainda mais importante: de altíssimos níveis de qualidade. Sem dúvida, a Argentina tem feito um trabalho extraordinário na última década com esta uva, não só do ponto de vista qualitativo, mas também pelo grande sucesso que tem conseguido ao posicionar esta uva entre as melhores do mundo.

De forma silenciosa, o Chile, há mais de duas décadas, tem trabalhado esta variedade com um sucesso notável, mas pela grande associação que existe entre uva/país, ou seja, Malbec/Argentina, os exemplares chilenos têm passado quase desapercebidos.

Se tentarmos comparar os Malbec’s destes dois países (os de bons níveis de qualidade), eles se diferenciam em termos generais no estilo. Enquanto os Malbec’s argentinos são extremamente maduros e densos, os chilenos têm um estilo mais fresco e elegante. Isto se explica de maneira simples, devido às condições climáticas diferenciadoras entre ambas as regiões produtoras. Mendonça é muito mais cálida que o Vale Central no Chile, isto explica por que as uvas “Malbec mendocinas” conseguem uma concentração de açúcar maior que as chilenas, o que, no final, se transforma em um potencial alcoólico maior.

Mas agora, pensando que os consumidores do mundo todo estão cada vez mais preferindo vinhos de estilos mais frutados, com menor graduação de álcool, parece que o Chile vai ter uma grande oportunidade – e não só com os Malbec’s, mas também com as outras uvas tintas.

No caso da Argentina, a resposta a esta demanda foi procurar altitude plantando novos vinhedos em áreas que antes não tinham sido exploradas, já que, como sabemos, a medida que subimos o pé de monte da Cordilheira dos Andes, o clima vai ficando mais fresco, obtendo uma maturação mais equilibrada, onde a acidez consegue ficar até o último momento (hora da colheita da uva), e isso significa que terá uma uva de maior qualidade e que, finalmente, irá resultar em vinhos menos alcoólicos, mais elegantes e frescos.

No caso do Chile, os resultados dos vinhedos que estão influenciados pela costa do Pacífico são realmente interessantes, e o melhor exemplo disso é o extraordinário Malbec da vinícola Loma Larga, que consegue expressar de maneira clara esta ideia de vinhos tintos de climas frescos, onde, além da grande concentração e potência, se consegue sempre manter uma frescura, o que também está relacionado com o potencial de guarda destes vinhos. Até onde se conhece é excelente, podendo-se manter e melhorar por mais de uma década.

Quem alguma vez provou este vinho (e os outros tintos desta vinícola) sabe do que estou falando. E os que ainda não tiveram a possibilidade (e se gostam mesmo desta uva) deem-se a oportunidade, que tenho certeza que não vão se arrepender. Outro Malbec de Chile fantástico é o elaborado pela Perez Cruz, mas tenha cuidado porque no rótulo diz “Côt”, que é o nome original da uva, que é o utilizado ainda na sua terra natal Cahors.

Chile: A terra prometida da uva Malbec

Chile: A terra prometida da uva Malbec

 

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Um Syrah chileno sólido, denso e estruturado!

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2012
Sub-Região Vale de Colchagua
Uva 95% Syrah, 4% Cabernet Sauvignon e 1% Carménère
Teor Alcoólico 14,6%
Tipo de Uva Tinta Syrah
Amadurecimento 100% em barricas por 12 meses

 

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

 

Visual De cor vermelha rubi com profundos reflexos violetas.
Olfativo Com uma extraordinária tipicidade da uva e com caraterísticas marcantes que refletem de maneira impecável seu terroir, do vale de Colchagua. Vinho de uma deliciosa e rica gama aromática, muito complexo, exibindo aroma sedutor de caixa de especiarias, nítidos cassis e groselha preta, couro com um fundo de cedro e tabaco.
Gustativo No paladar possui uma magnifica concentração, com muita extração da fruta, muito agradável. Com taninos firmes, estruturados e acidez intensa que acentua e realça os sabores de mirtilo, amora, cassis e groselhas, mais os elementos da família das especiarias vindos do envelhecimento em barris de carvalho. É um vinho de extraordinária qualidade, para apreciar agora ou para guardar por mais um longo tempo.
Dica de Harmonização É um vinho de muita força e concentração, que para harmonizar vai precisar de pratos de muita personalidade, principalmente gastronomia a base de carnes vermelhas e carnes de caça.
Temperatura de Serviço 16 ºC
Potencial de Guarda 5 anos
Pontuação Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

 

Concurso Carménère al mundo 2016

Na sua quinta versão, esse concurso chileno, que é organizado pela associação Nacional de engenheiros agrônomos de Chile (ANAIE) outorgou um total de 33 medalhas de ouro, sendo reconhecido como o melhor vinho da competição o Founder´s Collection 2013, da vinícola Undurraga.

 

Veja todas as medalhas de Ouro

Alchemysta Alchemy Carmenère 2015
Apaltagua Envero Gran Reserva 2014
Apaltagua Grial 2012
Arboleda Arboleda Carmenère 2014
Canepa Finisimo Gran Reserva Carmenère 2015
Carmen Carmen Gran Reserva Grande Vidure 2014
Casa Bauza Ensamblaje 2014
Casa Bauzá Presumido 2014
Casa Silva Altura 2009
Casa Silva Carmenere Reserva Cuvée  2015
Casa Silva Carmenère Malbec Reserva Cuvée 2015
Casa Silva Carmenère Syrah Reserva Cuvée 2015
Concha y Toro Casillero del diablo Reserva Privada Carmenère 2014
Cremaschi Furlotti Vénere 2013
Chocalán Carmenere reserva 2014
De Martino Armida 2009
Dely Verdugo Jara Dely 2016
Errazuriz Kai 2013
Estampa La Cruz  2012
Koyle Gran Reserva Carmenère 2013
La Rosa Cornellana Gran Reserva 2014
La Rosa La Capitana Barrel Reserve 2014
Maipo Gran Devoción
Maipo Vitral Carmenère 2015
Morandé Morandé Gran Reserva Carmenère 2012
Ravanal Ravanal MR 2014
Requingua Toro de Piedra Carmenère Cabernet Sauvignon 2014
San Pedro 1865 Single Vineyard Carmenère 2015
Siegel Wines Crucero Colection Carmenère 2015
Siegel Wines Unique Selection 2013
Terranoble Lahuen 2013
Undurraga Founders Collection Carmenère 2013
Ventisquero Vertice Carmenère Syrah 2012
Concurso Carménère al mundo 2016 - júri

Concurso Carménère al mundo 2016 – júri

William Cole Mirador Selection Carménère, 2010

Propriedade da Vinícola 130 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Uva 100% Carménère
Teor Alcoólico 13,60%
Tipo de Uva Tinta Carménère
Amadurecimento 7 meses em barricas francesas.

 

 William Cole Mirador Selection Carménère, 2010

William Cole Mirador Selection Carménère, 2010

 

Visual Vermelho rubi intenso com toques violetas.
Olfativo Com todo o charme que diferencia esta uva, reconhecida como o emblema do Chile, este fiel exponente entrega de forma muito direita as características que definem esta variedade. Notas muito intensas a cerejas e amoras maduras, entrelaçadas com as notas a especiarias, pimentão vermelho, café, chocolate e baunilha, tudo em um contexto simples e ao mesmo tempo muito agradável.
Gustativo No paladar seduz com sua entrada suave e delicada, taninos corretamente maduros e muito bem integrados, que não agridem devido a sua textura macia. Um corpo médio e uma intensa frutuosidade contribuem para desenhar um paladar harmonioso e agradável, muito balanceado no seu nível e no seu estilo. Excelente vinho, principalmente considerando seu modesto preço.
Dica de Harmonização Panelinha de sururu com batatas e farofa de manteiga de garrafa.
Risotto primavera de camarão, com pimentão vermelho e espargos.
Filé mignon com molho de amoras e purê de amêndoas.
Salmão ao molho de couve-flor.
Raviolini de camarões e lagostins ao molho de champignon trufado.
Temperatura de Serviço 14°
Potencial de Guarda 7 anos
Nome da Vinícola William Cole
Ano de Fundação da Vinícola 1999
Pontuação Winechef
William Cole Mirador Selection Carménère, 2010 - 91 pontos Winechef

William Cole Mirador Selection Carménère, 2010 – 91 pontos Winechef

 

Dois estudos comprovam: chocolate, café e vinho tinto fazem bem à saúde

Estudos realizados por investigadores da Bélgica e Holanda comprovam que o chocolate, o café e o vinho tinto são benéficos para os intestinos

Um grupo de investigadores da Bélgica e da Holanda realizou vários estudos que comprovam que o vinho tinto, o chocolate e o café aumentam a diversidade de bactérias nos intestinos, o que por sua vez é benéfico para a saúde.

Os resultados foram publicados na revista Science. Os cientistas analisaram milhares de amostras de fezes de voluntários e mapearam as espécies de bactérias existentes nos intestinos, associando-as a fatores do estilo de vida.

O primeiro estudo, dirigido por Jeroen Raes, do Instituto de Biotecnologia de Flandres, na Bélgica, analisou amostras de cerca de 1100 voluntários e concluiu que a quantidade de bactérias presentes no intestino está fortemente relacionada com a dieta, divergindo consoante o país.

Por outro lado, a investigação liderada por Cisca Hutternhower, da Universidade de Groningen’s na Holanda, diretamente relacionada com o primeiro estudo, apresentou resultados semelhantes: alguns laticínios como a manteiga e o iogurte aumentam a diversidade de espécies no intestino, assim como o café, o chocolate e o vinho tinto, enquanto os alimentos de alto teor calórico e alguns medicamentos (anti-histamínicos, hormonas e anti-inflamatórios), têm o efeito oposto, segundo Alexandra Zhernakova, da Universidade de Groningen, citada pelo The Washington Post.

Os alimentos que aumentam a diversidade de micróbios no intestino são benéficos para a saúde, no entanto devem ser consumidos com moderação.

Dois estudos comprovam: chocolate, café e vinho tinto fazem bem à saúde

Dois estudos comprovam: chocolate, café e vinho tinto fazem bem à saúde

 

Veja também:

 

 

A uva Carménère. Cada dia mais chilena!

Os melhores Carménère’s chilenos nunca estão sozinhos.

Embora esta uva tenha conseguido muito sucesso na sua versão mono-varietal (uma variedade), é, acompanhada por outras uvas, ela tem realmente conseguido sua consagração e reconhecimento.

Por exemplo, dos três vinhos chilenos que até hoje alcançaram a histórica pontuação (97 pontos) para a revista Wine Advocate (Robert Parker), dois deles (da Von Siebenthal e da Concha y Toro) têm sido vinhos onde a Carménère ocupa 90% da mescla.

Outra uva que acompanha o caso do vinho de Von Siebenthal (o Tatay de Cristóbal) é a Petit Verdot, que aporta estrutura e acidez; no caso do vinho da Concha y Toro (Carmín de Peumo) são as uvas Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc, que aportam também estrutura no caso da primeira e elegância no caso da segunda.

Concha y Toro Carmín de Peumo. Un dos melhores Carménère’s chilenos

Concha y Toro Carmín de Peumo. Un dos melhores Carménère’s chilenos

E como não incluir o estupendo Clos Apalta? Também um blend, mas que tem a uva Carménère como sua base.

É impressionante tudo o que esta uva tem alcançado em tão pouco tempo, e, sem dúvida, nos próximos anos acontecerão alguns fatos importantes, que se espera que ajude ainda mais na imagem e na consagração a nível mundial da Carménère.

Estão trabalhando novos estilos, agora acompanhada com a outra grande novidade do Chile, que é e uva Carignan, enxertando parreiras velhas de uvas “pais”, buscando novos terroir’s onde esta uva possa alcançar bons níveis de acidez de maneira natural (sem ter que fazer correções de acidez, que é uma necessidade desta uva já que tem uma acidez muito baixa).

Enfim, nos próximos anos continuarão aparecendo Carménère’s cada vez melhores – e esta uva se tornará cada dia mais chilena. Já que além deste país, não tem outro onde tenha este protagonismo, embora que já tenha plantações desta uva em muitas outras partes do mundo (França, Itália, china, Uruguai, argentina e até no Brasil).

Ficou com vontade de degustar um bom Carménère?

Veja a primeira parte dessa matéria

Veja aqui alguns dos melhores do Chile

 

 

Vinho chileno pode interromper Tour de France

O presidente do Sindicato dos Viticultores do Aude, Frédèric Rouanet, promete barrar o percurso do Tour de France, a mais importante corrida de bicicletas do mundo, quando passar pelo departamento localizado no sul da França.

O motivo de tal cólera é que o vinho chileno Cono Sur é o patrocinador oficial da competição. “É inconcebível que um vinho estrangeiro patrocine o Tour de France. Não precisa ser um vinho do Aude, mas tem de ser francês. O vinho é um símbolo nacional e o Tour é o símbolo do ciclismo no mundo”, concluiu.

O contrato foi assinado em 2014 para as edições 2015, 2016 e 2017 do Tour de France, mas a marca só pode aparecer nas etapas internacionais, pois a legislação francesa, lei Evin, impede que bebidas sejam associadas ao esporte.

Vinho chileno pode interromper Tour de France

Vinho chileno pode interromper Tour de France

Ainda em 2014 quando ainda não era patrocinador oficial teve sua marca exposta nas três etapas do Reino Unido e o grupo Cono sur viu suas vendas aumentarem de 10% na terra da Rainha Elizabeth.

O alerta de Rouanet é tardio e não deve canelar o contrato com os organizadores do Tour de France. Mas criou polêmica internacional e ele promete barrar a etapa local, 13 de julho, quando a corrida deverá passar por Carcassonne, a capital do departamento do Aude.  

 

Fonte: Conexão Francesa – Jornal do Brasil

 

Antiyal Carménère, 2010

Antiyal Carménère, 2010: Extraordinário nível de qualidade, entre os melhores  Carménère´s do Chile

 

País Chile
Propriedade da Vinícola 8 Hectares
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2010
Sub-Região Maipo Alto
Uva 100% Carménère
Teor Alcoólico 14,50%
Tipo de Uva Tinta Carménère
Amadurecimento 14 meses em barricas
Antiyal Carménère, 2010

Antiyal Carménère, 2010

 

Visual Coloração vermelho rubi com tons violetas.
Olfativo Seduz pelo olfato rico e complexo a especiarias, chocolate ao leite e frutas negras maduras, cerejas e pimentão assado, enobrecidas por alcaçuz, ervas e uma grande tipicidade da uva emblemática do Chile: a Carménère, o “Grande Vidure” que é o sinônimo desta uva e que Álvaro Espinoza (proprietário e enólogo de Antiyal) usava para denominar os vinhos que naquela época ele elaborava com a vinícola Carmen (nos começos dos anos 90s), inclusive antes desta uva ser descoberta no Chile (1994).
Gustativo Na boca é um vinho espetacular, muito saboroso e sedutor. Tem um intenso ataque, entrando no paladar com uma textura macia, mas ao mesmo tempo enche de sabores, com frutas negras maduras com ainda maior nitidez, tudo amparado por uma ótima acidez mantendo um destacável frescor. É um Carménère de extraordinário nível de qualidade, entre os melhores do Chile (então podemos falar entre os melhores do mundo, já que “quase” só o Chile produz vinhos mono varietais desta variedade de uva).
Dica de Harmonização Bacalhau assado com molho bechamel.
Cauda de lagosta grelhada com molho de vinho de uva Carménère.
Peixe assado ao molho de côco.
Filé de truta grelhada com molho de ervas.
Peru assado recheado com frutas secas, ao molho de cogumelo.
Filé ao molho de pimentão vermelho e cassis com arroz de parmesão.
Pernil suíno assado com molho de ameixa.
Faisão assado ao molho de frutas vermelhas e arroz trufado.
Temperatura de Serviço 16º
Potencial de Guarda 8 anos
Nome da Vinícola Antiyal
Ano de Fundação da Vinícola 1996
Tipo de vinho Vinho de Autor, Vinho Biodinâmico, Vinho Orgânico
Enólogo Responsável Alvaro Espinoza
Pontuação Winechef

Vinho Antiyal Carménère, 2010 - 94 pontos Winechef

Vinho Antiyal Carménère, 2010 – 94 pontos Winechef

 

A Festa da vindima do vale de Colchagua – Chile 2015 está chegando

 

Se esta pensando em viajar para o Chile não pode deixar de participar da festa da vindima do vale de Colchagua.

Com 16 anos de historia, a festa da vindima do vale de Colchagua anuncia uma nova e imperdível versão da festa do vinho mais importante de todas as que são realizadas neste país.

Com a participação das 13 vinícolas que fazem parte da Associação de vinícolas do vale de Colchagua e contando com a organização da Municipalidade de Santa Cruz, essa festa promete cativar novamente com grandes novidades.

 Este imperdível panorama está programado para a sexta feira dia 6, sábado 7 e domingo 8 de março de 2015, na Plaza de Armas da cidade de Santa Cruz, onde os assistentes a feria poderão degustar em total mais de 150 vinhos das seguintes vinícolas:

 Festa da vindima do vale de Colchagua - Chile 2015

Festa da vindima do vale de Colchagua – Chile 2015

Vinícolas Participantes: 

Vinícola Bisquertt
Vinícola Casa Silva
Vinícola Casa Lapostolle
Vinícola Montes
Vinícola Los Vascos
Vinícola Montgras
Vinícola Santa Cruz
Vinícola Siegel
Vinícola Santa Helena
Vinícola Viu Manent
Vinícola Luis Felipe Edwards

Mais Iinfo: