Deputados derrubam redução do IPI do vinho

Deputados derrubam redução do IPI do vinho

O setor vitivinícola da Serra acordou nesta quarta-feira com uma má notícia.

A tão esperada redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos vinhos foi derrubada no Congresso. A votação ocorreu na noite desta terça-feira (20).

Os parlamentares aprovaram o veto que mantém a alíquota em 10%. Apesar da maioria dos deputados federais votar pela derrubada, que permitiria que o IPI hoje em 10% diminuísse para 6% e 5% gradativamente, não houve os mais de 250 votos suficientes para reverter a decisão. 

Na abertura da Festa da Uva deste ano, o então ministro do Trabalho e Desenvolvimento Social, Miguel Rossetto, prometeu que a redução da alíquota sobre os vinhos viria por meio de um decreto. Porém, a Receita Federal barrou a decisão e foi nisso que muitos deputados se basearam na hora de votar agora.

O diretor executivo do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Carlos Paviani, acompanhou a votação em Brasília e disse que, apesar da articulação de deputados gaúchos e da região da Uva e Vinho, como Pepe Vargas (PT) e Mauro Pereira (PMDB), é muito difícil reverter um veto ainda mais com as mudanças recentes. “A alegação dos governistas é que no dia em que estavam aprovando um déficit do governo federal de R$ 170 bilhões, não seria adequado aprovar a redução do IPI. Mas, na verdade, esta é uma adequação de um aumento que foi exagerado”.

Conforme Paviani, se a diminuição do imposto fosse aprovada, o vinho brasileiro poderia oferecer preços mais competitivos, já que o IPI representa 10% do faturamento da vinícola no mercado e 4% no preço final de um vinho.  Agora, o Ibravin pretende apresentar na próxima semana um estudo para o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC), para buscar uma nova negociação da redução da alíquota por meio de decreto.

 

Deputados derrubam redução do IPI do vinho

Deputados derrubam redução do IPI do vinho

 

Fonte: Journal Gaúcho

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *