Posts

Saber se sua garrafa  de vinho é falsificada agora é possível

Especialista em falsificações afirma: “Modo mais seguro de evitar fraudes em vinho já existe, mas não é usado”

Segundo Nick Bartman, códigos já existentes nas garrafas são o segredo para impedir as falsificações

Um experiente investigador de fraudes industriais, entre elas falsificação de vinhos, Nick Bartman, afirmou, em entrevista à revista Winespectator, que o modo mais seguro e eficaz de combater imitações fraudulentas em vinhos já existe, mas ainda não foi implementado pelos produtores do mundo. Segundo ele, o identificador mais eficaz de autenticidade já está no fundo de cada garrafa.

Ao observar atentamente uma garrafa de vinho, você verá, na base, pequenas insígnias, números e uma sequência estranha de pontos salientes moldados no vidro que parecem uma linguagem em Braile. Esses códigos são usados pelos fabricantes para rastrear as garrafas e seus respectivos lotes, caso apresentem algum problema. Esses números e símbolos revelam o fabricante, a região ou país, o molde utilizado, o volume de líquido contido no frasco, e a distância entre o topo do gargalo da garrafa e a parte superior do vinho.

Tem certeza que seus melhores vinhos não som falsificados

Tem certeza que seus melhores vinhos não som falsificados

Segundo Bartman, o mais importante, porém, é o código de pontos. “Há um número aproximado de 13 pontos em uma garrafa que proporcionam um código; as combinações de quantidade de pontos, as suas posições e espaçamentos podem variar”, explicou. Esse código pode ser rastreado.

Então, se houvesse um sistema para registrar quais vinhos são colocados em quais garrafas, a combinação de insígnias, números e pontos, juntamente com a complexidade de copiar a qualidade e a cor do vidro, seria uma forma de unir a garrafa, o vinho e a marca juntos de tal forma  que o transformaria em um “alvo em movimento” para os fraudadores.

Tem certeza que seus melhores vinhos não som falsificados

Tem certeza que seus melhores vinhos não som falsificados

“Isso torna o trabalho do falsificador quase impossível”, alega Bartman. Para a idéia funcionar, os fabricantes de garrafas devem compartilhar com seus clientes detalhes dos códigos nos lotes entregues. Na linha de engarrafamento dos produtor de vinhos, iriam ser gravadas as informações vinculadas a um lote específico e os rótulos utilizados. A informação pode ser armazenada numa base de dados que pode ser  acessada anos mais tarde.

Para Bartman, esse método, se implementado, seria o mais seguro já usado, pois torna o trabalho do falsificador muito completo e caro. “Os criminosos teriam que convencer um fabricante de garrafas de vidro a copiar um lote de garrafas. Isso torna o trabalho muito mais difícil, quase impossível”, alega, já que o custo dos moldes é proibitivo e replicar apenas um molde iria inundar o mercado com muitas garrafas semelhantes, acionando alarmes. Outro ponto é que a indústria das garrafas é dominado por empresas gigantes, que teriam muito a perder com a falsificação. “Para executar o crime perfeito, primeiro ele deve encontrar um fabricante  preparado para falsificar uma garrafa de um concorrente”, diz Bartman.

Saber si sua garrafa de vinho é falsificada agora é possível

Saber si sua garrafa de vinho é falsificada agora é possível

Especialistas elegem restaurante austríaco como a melhor carta de vinhos do mundo

A revista The World of Fine Wine criou uma lista das “Melhores Cartas de Vinhos” de restaurantes. O periódico classificou 750 restaurantes de todo o mundo com uma, duas ou até três estrelas de acordo com suas cartas de vinho.

A comissão de jurados foi formada por especialistas como Gerard Basset, Ch’ng Poh Tiong, Elin McCoy, Andrew Jefford, Francis Percival e Tom Stevenson, que avaliaram mais de quatro mil cartas de vinho até chegarem à lista final de cada categoria. Os juízes também deram o “Prêmio do Júri” para as listas que apresentavam forte especialidade em um determinado tipo de vinho.

O prêmio principal foi dado ao de hotel Viena, o Palais Coburg Residenz. Já o restaurante de Nova York, Hearth, ganhou o prêmio de Melhor Carta de Vinhos da América do Norte, enquanto o restaurante Petrus, do hotel Shangri-La, em Hong Kong, ganhou o mesmo prêmio relacionado à Ásia.

Palais Coburg Residenz

Palais Coburg Residenz

O restaurante brasileiro Taste-Vin, de Belo Horizonte, o australiano Royal Mail Hote e o sul-africano Rust foram reconhecidos por terem a melhor carta de vinhos nas suas determinadas regiões.

Nova York lidera os participantes como um bom destino de degustação por ter 36 restaurantes que receberam o status de três estrelas. Londres vem em seguida com 17 estabelecimentos premiados, à frente de cidades como São Francisco, Chicago, Melbourne e Sydney.

Para a juíza, Elin McCoy, foi impressionante a diversidade de vinhos que participaram da disputa e a quantidade de restaurantes que tinham semelhantes cartas de vinho. “Analisamos centenas, e havia uma enorme quantidade de vinhos semelhantes, até mesmo idênticos”, contou.

Para Elin, foi satisfatório observar que muitos estabelecimentos refletiam a filosofia de seus diretores. “O Hearth, por exemplo, apresentou uma atitude irreverente, e uma profundidade com Riesling. Já o Rouge Tomate, de Nova York, mostrou bons biodinâmicos e naturais entre seus vinhos”, comentou.

A juíza observou também que alguns restaurantes faziam menção à ideia do terroir para todos os vinhos presentes em sua carta de opções. “Por exemplo, Kaia-Kaipe em San Sebastian, Espanha, apresenta um bom tinto de Rioja, que, na minha opinião, merecia um prêmio especial”, confessou.

Um fator em especial, porém, assustou aos juízes do evento, o alto preço dos vinhos cobrado pelos restaurantes. “Alguns restaurantes estão cobrando cinco vezes mais do que o varejo”, contou Elin.

Apenas 200 cartas de vinho foram nomeadas com três estrelas
Outras imagens do Palais Coburg Residenz

 Uns dos salões do Palais Coburg Residenz
Uns dos salões do Palais Coburg Residenz

Uns dos salões do Palais Coburg Residenz

Vsita da adega de guarda de vinhos do Palais Coburg Residenz
Vsita da adega de guarda de vinhos do Palais Coburg Residenz

Vsita da adega de guarda de vinhos do Palais Coburg Residenz

Os melhores vinos do mundo estão na adega de guarda de vinhos do Palais Coburg Residenz

Os melhores vinos do mundo estão na adega de guarda de vinhos do Palais Coburg Residenz

Os melhores vinos do mundo estão na adega de guarda de vinhos do Palais Coburg Residenz

 

Harmonizando vinhos brancos

 

Harmonizando vinhos brancos com a gastronomia brasileira durante o verão

A gastronomia é um mundo fascinante, cheio de detalhes, de cores, de aromas e sabores. Cada prato tem vida própria e representa o estilo do autor, da pessoa que o elaborou. Sentar frente a um prato visualmente agradável, bem decorado, colorido, com agradáveis aromas e bom sabor é uns dos maiores prazeres de um grande número de pessoas no mundo.

Estas pessoas que adoram a gastronomia são as mesmas que adoram também o vinho.  Já tiveram a oportunidade de provar um prato gostoso, de qualidade, delicioso, mas sem a companhia de uma taça de vinho? Dá a impressão que algo está faltando. Acho que é a magia da cumplicidade entre dois produtos que se complementam sublimemente.

Sobre a harmonização em si, felizmente existe em forma natural e espontânea uma relação sensorial que faz com que o vinho harmonize com a comida, e a probabilidade de que esta seja totalmente inexistente é muito baixa.

Para conseguir ter sucesso na hora de harmonizar um prato com uma garrafa de vinho é só usar a lógica e o senso comum em relação a cada um dos detalhes. Cores, aromas e sabores, tanto do prato como também do vinho com o qual queremos que nos acompanhe.

HARMONIZANDO VINHOS BRANCOS

HARMONIZANDO VINHOS BRANCOS

Vinhos brancos e fruto do mar

Por exemplo: vamos a comer algum fruto do mar, o qual logicamente sempre tem que ser o mais fresco possível, tipo um peixe branco (ex.: robalo). O preparo será com ele cru (ceviche), onde coloquemos só limão para acrescentar ao sabor e ao frescor. Neste caso, o correto é procurar um vinho que tenha as mesmas caraterísticas do prato, ou seja, se estamos falando de um produto do mar que tem que ser consumido o mais fresco possível também teremos que procurar um vinho que deva ser bebido o quanto antes.

Como este prato (ceviche) vai ter um sabor predominantemente cítrico, por causa do limão, temos que procurar vinhos que tenham estas mesmas características. Então, o vinho correto vai ser um branco, o mais jovem possível, que tenha uma marcada acidez e que não tenha passado por madeira.

Serão muitas opções para harmonizar de maneira correta, independente da variedade da uva. Pode ser um Sauvingon Blanc, um Chenin Blanc, até um Torrontés, mas o importante é que tenha as caraterísticas destacadas anteriormente.

Top 100 Wine Spectator 2015: conheça do 10º até o 2º colocado entre os melhores vinhos do ano

Como cada ano a revista de vinhos Wine Spectator está divulgando a lista dos melhores 100 vinhos do ano 2015. Ate agora foram divulgados desde o decimo áte o segundo lugar.

Fique atento para conhece o melhor vinho do ano 2015, que sera divulgado entre amanhã dia 13 de novembro.

Veja a lista:

10° Lugar – Klein Constantia Vin de Constance 2009 – 95 pontos
10° Lugar – Klein Constantia Vin de Constance 2009 – 95 pontos

10° Lugar – Klein Constantia Vin de Constance 2009 – 95 pontos

9° Lugar – Clos Fourtet 1º Gran Cru Classé de St-Emilion 2012 – 94 pontos
9° Lugar – Clos Fourtet 1º Gran Cru Classé de St-Emilion 2012 – 94 pontos

9° Lugar – Clos Fourtet 1º Gran Cru Classé de St-Emilion 2012 – 94 pontos

8° Lugar – Masi Vaio Amaron Amarone dela Valpolicella Classico 2008 – 95 pontos
8° Lugar – Masi Vaio Amaron Amarone dela Valpolicella Classico 2008 – 95 pontos

8° Lugar – Masi Vaio Amaron Amarone dela Valpolicella Classico 2008 – 95 pontos

7° Lugar – Escarpment Kupe Single Vineyard Pinot Noir Martinborough 2013 – 95 pontos
7° Lugar – Escarpment Kupe Single Vineyard Pinot Noir Martinborough 2013 – 95 pontos

7° Lugar – Escarpment Kupe Single Vineyard Pinot Noir Martinborough 2013 – 95 pontos

6° Lugar – Aalto Tempranillo 2012 – 94 pontos
6° Lugar - Aalto Tempranillo 2012 – 94 pontos

6° Lugar – Aalto Tempranillo 2012 – 94 pontos

5° Lugar – Mount Eden Vineyards Chardonnay 2012 – 95 pontos
5° Lugar - Mount Eden Vineyards Chardonnay 2012 – 95 pontos

5° Lugar – Mount Eden Vineyards Chardonnay 2012 – 95 pontos

4° Lugar – il Poggione Brunello de Montalcino 2010 – 95 pontos
4° Lugar – il Poggione Brunello de Montalcino 2010 – 95 pontos

4° Lugar – il Poggione Brunello de Montalcino 2010 – 95 pontos

3° Lugar – Evening Land Pinot Noir Eola-Amity Hills Seven Springs Vineyard La Source 2012 – 90 pontos
3° Lugar – Evening Land Pinot Noir Eola-Amity Hills Seven Springs Vineyard La Source 2012 – 90 pontos

3° Lugar – Evening Land Pinot Noir Eola-Amity Hills Seven Springs Vineyard La Source 2012 – 90 pontos

2° Lugar – Quilceda Creek Cabernet Sauvignon 2012 – 96 pontos
2° Lugar – Quilceda Creek Cabernet Sauvignon 2012 – 96 pontos

2° Lugar – Quilceda Creek Cabernet Sauvignon 2012 – 96 pontos

Especialistas apontam quatro regiões improváveis de onde surgirão grandes vinhos

 

Turquia, China, Georgia e região de Finger Lakes nos Estados Unidos estão entre as mais promissoras

Você já experimentou um vinho feito da uva Öküzgözü?

Provavelmente não, mas talvez em um futuro próximo ela esteja em sua mesa. Esta variedade de nome esquisito é natural da Turquia, uma das regiões mais promissoras do mundo do vinho atualmente e que pode se tornar uma potência no futuro segundo especialistas. No entanto, além da Turquia, experts apontam ainda outras três regiões no mundo com grande potencial de crescimento: China, Geórgia e a área de Finger Lakes nos Estados Unidos. Todas até então pouco conhecidas pelos enófilos.

Segundo o jornalista especializado em vinhos, Gregory Dal Piaz, a Turquia deve se tornar um grande player no mercado do vinho nos próximos anos. O país já é o sexto maior produtor de uvas do mundo e, apesar de ser conhecido pelas uvas de mesa, isso está mudando. Além disso, os turcos já produzem 28 milhões de litros por ano, mas têm potencial para dobrar essa quantidade facilmente, invadindo o mercado global. Outra qualidade da vitivinicultura turca são as variedades indígenas, incluindo a Öküzgözü, que em personalidade e é fácil de agradar, lembrando um pouco da Dolcetto, italiana. Piaz acredita que, em pouco tempo, ela produzirá grandes vinhos.

Já a China está na mira dos grandes players mundiais há algum tempo. Em uma década, os chineses duplicaram o número de hectares plantados no país (de 300 para 600 mil), tornando-o o maior produtor de uvas do mundo. Uma das vantagens da China é que diversos grandes grupos do mundo do vinho, como LVMH e Domaine Baron de Rothschild, estão investindo bastante na produção local e criando um padrão de qualidade para a indústria chinesa.

Outras duas regiões que, apesar de bem menos badaladas, também estão sendo observadas de perto pelos especialistas são Finger Lakes nos Estados Unidos e a Geórgia. A área no nordeste norte-americano é conhecida por seus Riesling e agora tem recebido muito capital de investimento. Dois grandes produtores Paul Hobbs e Johannes Selbach, por exemplo, fizeram uma joint-venture para desenvolver vinhos no lago Seneca. Já a Geórgia, conhecida pelos vinhos “laranja” e a fermentação em ânforas, tem chamado a atenção por seus tradicionais vinhos Qvevri – fermentados no barro Qvevri. Esses vinhos são a porta entre o histórico e o moderno nesse país onde estão as raízes da vitivinicultura mundial.

Vinhos da China

Vinhos da China

 

Fonte: Revista Adega

Tirar a rolha antes para deixar o vinho respirar: Mito, Esnobismo o Necessidade?

 

Você é dessas pessoas que costumam tirar a rolha para que o vinho respire?

Você tem o costume de fazer isso e pensa que se não fizer vai “estragar sua garrafa de vinho”?

Este fato, de tirar a rolha da garrafa do vinho para que ele respire é uma das coisas mais “curiosas” que giram em torno deste assunto. Todo mundo faz isso. Nos restaurantes, muitos clientes que pedem um vinho solicitam de imediato tirar a rolha, “para que o vinho possa respirar”,  como se fosse algo obrigatório, que não se pode deixar de fazer e que tem uma importância relevante para que o vinho possa se expressar em plenitude.

O que mais me chama a atenção é que muitos profissionais que trabalham com vinho, sommeliers, garçons e etc., também gostam de fazer isto.

O que se acredita com o fato de tirar a rolha da garrafa um tempo antes de servir na taça é que o vinho vai melhorar, ou seja, vai “abrir” porque vai ficar alguns minutos em contato com o oxigênio – e assim vai quebrar as moléculas aromáticas e o vinho vai exprimir seus aromas de uma maneira melhor.

Tira a rolha antes para deixar o vinho respirar Mito, Esnobismo o Necessidade?

Tira a rolha antes para deixar o vinho respirar Mito, Esnobismo o Necessidade?

 

A oxigenação do vinho

A ideia é ótima, e, de fato, existem vinhos que ganham consideravelmente com a oxigenação dos aromas. O único problema é que esta oxigenação não existe só tirando a rolha do vinho. Acaba sendo um ato sem sentido, devido que, como a garrafa está cheia de vinho, a interação entre o oxigênio e o líquido não existe. Portanto, também não existe a oxigenação. Ou seja: uma perda de tempo.

Se você quer realmente oxigenar o vinho, o mais simples é abrir a garrafa e colocar o vinho em uma taça. Quanto maior for o contato da superfície do líquido com o oxigênio (e isso está relacionado com o tamanho da taça), mais rápido vai ser a oxigenação.

Mas cuidado. Não são todos os vinhos que ganham com a oxigenação e isso pode, inclusive, acontecer até o contrário, já que muitos deles perdem os aromas de maneira rápida. Portanto, o melhor é colocar o vinho na taça e beber imediatamente.

Existem ainda muitos detalhes em relação a este tema, mas vamos falar deles com mais profundidade nas matérias posteriores. Por enquanto, espero que pelo menos uma coisa fique clara: tirar a rolha da garrafa do vinho minutos antes de beber não adianta de nada…

 

 

Robert Parker. Os 50 melhores Torrontés na historia de Argentina

 

Conheça as pontuações de Robert Parker para a uva branca emblemática de Argentina

Cada vez que falamos da uva Malbec, de maneira inconsciente aparece na nossa cabeça a Argentina. E como não, se esse país tem feito da Malbec uma verdadeira bandeira de batalha com a qual tem obtido grandes resultados no mundo todo, e particularmente no Brasil, justamente Argentina o país que os consumidores brasileiros dão preferência, perdendo só dos vinhos chilenos.

A uva Torrontés segundo Robert Parker

A Torrontés é uma variedade de uva branca de origem espanhola, da região Galiza, muito semelhante à Moscatel da qual possui parentesco.

A uva é cultivada também na Argentina, Portugal e Bulgaria e vários outros países que a cada dia vai ganhando maior popularidade a nível mundial.

Quando se trata de vinhos brancos argentinos é a Torrontés a que tem o total protagonismo. Seus vinhos são extraordinariamente exuberantes, de uma grande riqueza aromática o que faz que eles sejam inconfundíveis frente a outras variedades de uvas brancas.

Na Argentina existem diversos tipos de Torrontés. A Torrontés Riojano é de total qualidade, enquanto a Torrontés Sanjuanino e Torrontés Mendocino são inferiores.

Robert Parker. Os 50 melhores Torrontés na historia de Argentina

Robert Parker. Os 50 melhores Torrontés na historia de Argentina

Veja o ranking com as 50 mais altas pontuações de Robert Parker para os Torrontes na historia.

 

SAFRA  NOME DO VINHO  PONTOS
2013 Susana Balbo Susana Balbo Signature Torrontes Barrel Fermented 93
2010 Bodegas El Porvenir de Los Andes Torrontes Laborum 92
2009 Bodegas Etchart Torrontes Gran Linaje 92
2012 Domingo Molina Hermanos Torrontes 92
2012 Finca Las Nubes Torrontes 92
2009 Alta Vista Premium Torrontes 91
2013 Alta Vista Premium Torrontes 91
2011 Bodegas y Vinedos O Fournier Urban Uco Torrontes 91
2011 Coquena Torrontes 91
2010 Crios de Susana Balbo Torrontes 91
2009 Manos Negras Torrontes 91
2011 Susana Balbo Late Harvest Torrontes 91
2010 Susana Balbo Torrontes Late Harvest 91
2009 Accuro Torrontes 90
2011 Alta Vista Premium Torrontes 90
2006 Alta Vista Premium Torrontes 90
2006 Bodega Cicchitti Torrontes 90
2006 Bodega Colome Torrontes 90
2010 Bodega Monteviejo Festivo Torrontes 90
2011 Bodegas Callia Torrontes Reservado 90
2006 Bodegas El Porvenir de Los Andes Torrontes Laborum 90
2008 Bodegas Etchart Torrontes Gran Linaje 90
2010 Camino del Inca Torrontes 90
2010 Carinae Torrontes 90
2011 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2008 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2007 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2009 Crios de Susana Balbo Torrontes 90
2009 Familia Zuccardi Torrontes Serie A 90
2011 Familia Zuccardi Torrontes Serie A 90
2013 Familia Zuccardi Torrontes Serie A 90
2009 Felix Lavaque Don Rodolfo Torrontes 90
2010 Felix Lavaque Felix Torrontes 90
2010 Filus Torrontes 90
2011 Finca Domingo Torrontes 90
2007 Michel Torino Torrontes Don David 90
2012 Passionate Wines La Via Revolucionaria Torrontes Brutal 90
2009 Piattelli Vineyards Premium Torrontes 90
2009 Susana Balbo Torrontes Late Harvest 90
2010 Terrazas de Las Andes Reserva Torrontes 90
2011 Tilia Torrontes 90
2006 Tittarelli Reserva 90
2008 Tukma Torrontes Reserva 90
2011 Vines Of Mendoza Recuerdo Torrontes 90
2013 Bodega Colome Torrontes 89
2009 Bodega Colome Torrontes 89
2008 Bodega Colome Torrontes 89
2009 Bodega Monteviejo Festivo Torrontes 89
2008 Bodega Tapiz Zolo Torrontes 89
2007 Bodegas Etchart Torrontes Late Harvest 89

As pontuações de Robert Parker para TODAS AS SAFRAS do vinho chileno Almaviva

 

Desde a primeira safra (1996) do vinho ícone chileno Almaviva até a última safra 2011.

O vinho Almaviva não precisa muita apresentação…

Quem alguma vez teve a oportunidade de degustar esse vinho, sabe que estamos falando de uns dos grandes vinho da Amarica Latina e sem exagero, uns dos vinhos que pode ser comparado com os melhores do mundo, e também não é exagero dizer que e o vinho chileno mais desejado dos vinhos chilenos no Brasil.

Apresentamos uma relação com todas as safras que tem sido até hoje pontuadas pelo crítico mais influente do mundo, Robert Parker. Esta publicação inclui a pontuação do Almaviva 2011, lançado no marcado recentemente.

Neste ranking abaixo os vinhos estão ordenados por pontuações, desde a nota mais alta até a nota mais baixa:

 

 Robert Parker  –  e notas para o Vinho Chileno Almaviva

 

Safra
Ranking
Pontuação
2003
Vinho Almaviva
95
2005
Vinho Almaviva
94
2007
Vinho Almaviva
93+
2002
Vinho Almaviva
93
2004
Vinho Almaviva
93
2011
Vinho Almaviva
93
2010
Vinho Almaviva
92
2001
Vinho Almaviva
92
1996
Vinho Almaviva
92
2006
Vinho Almaviva
92
2009
Vinho Almaviva
91
1997
Vinho Almaviva
91
1999
Vinho Almaviva
90
2008
Vinho Almaviva
90

 

Robert Parker  e rankings dos vinhos chilenos Almaviva

Robert Parker e rankings dos vinhos chilenos Almaviva

Neste ranking abaixo os vinhos estão ordenados por safra, desde a última safra pontuada (2011) até a primeira safra  (1996)

 Robert Parker  –  e notas para Vinho Chileno Almaviva

Tipo de Vinho
Nome
Safra
Pontuação
Vinho Tinto
Almaviva
2011
93
Vinho Tinto
Almaviva
2010
92
Vinho Tinto
Almaviva
2009
91
Vinho Tinto
Almaviva
2008
90
Vinho Tinto
Almaviva
2007
93+
Vinho Tinto
Almaviva
2006
92
Vinho Tinto
Almaviva
2005
94
Vinho Tinto
Almaviva
2004
93
Vinho Tinto
Almaviva
2003
95
Vinho Tinto
Almaviva
2002
93
Vinho Tinto
Almaviva
2001
92
Vinho Tinto
Almaviva
1999
90
Vinho Tinto
Almaviva
1997
91
Vinho Tinto
Almaviva
1996
92

 

 

 

Montes Spring Harvest Sauvignon Blanc 2015

 

A vinícola Montes lançou no Chile sua última novidade, um Sauvignon Blanc chamado Spring Harvest2015

O principal diferencial do vinho é que este foi o primeiro vinho disponível no mercado chileno da colheita 2015.

A uva provem dos vinhedos que a vinícola possui no vale de Leyda e a colheita foi com um mês de antecedência em relação com os outros Sauvignon Blanc chilenos. O objectivo da vinícola foi produzir um vinho extremamente frutado, moderno e de rápido consumo.

A estratégia principal da bodega foi produzir este Spring Harvest para poder chegar no começo da primavera no mercado europeu, assim aproveitar esta estação que é a de maior consumo de vinhos brancos, espumante e roses.

Montes Spring Harvest Sauvignon Blanc 2015

Montes Spring Harvest Sauvignon Blanc 2015

 

 

Os 50 Melhores Pinot Noir chilenos para Robert Parker


De todos os países da América do Sul, é o Chile aquele que tem a preferência de pontuações para Robert Parker quando se trata da uva Pinot Noir.

Claramente há uma preferência por vinhos do vale de San Antonio, mas também aparecem na lista dos 50 melhores Pinot Noir alguns exemplares provenientes do Vale de Casablanca, de Cachapoal Alto e alguns outros do Vale de Limari.

O que fica muito evidente, é que os melhores Pinot Noir provem de climas frios, estes são os preferidos não só por Robert Parker, mas também por todos nós que apreciamos essa uva, conhecida como a que produz os vinhos mais elegantes do mundo.

50 Melhores Pinot Noir chilenos na historia para Robert Parker

50 Melhores Pinot Noir chilenos na historia para Robert Parker



Então veja a continuação da lista com os:

50 Melhores Pinot Noir chilenos na historia para Robert Parker

 

Safra Nome do Vinho Pontuação
2010 Calyptra Pinot Noir Gran Reserva 94
2006 Casa Marin Pinot Noir Litoral Vineyard 93
2004 Casa Marin Pinot Noir Litoral Vineyard 93
2011 Clos des Fous Latuffa Pinot Noir 93
2012 Matetic Pinot Noir EQ 93
2013 Montescano Refugio Pinot Noir 93
2011 Ventolerala Claro de Luna Pinot Noir 93
2009 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 92
2006 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 92
2004 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 92
2012 Cono Sur Pinot Noir Ocio 92
2005 Cono Sur Pinot Noir Ocio 92
2011 Leyda Pinot Noir Lot 21 92
2010 Leyda Pinot Noir Lot 21 92
2012 Maycas Pinot Noir San Julian 92
2012 Montescano Pinot Noir 92
2012 Tara Red Wine 1 Pinot Noir 92
2011 Vina Tabali Pinot Noir Talinay 92
2009 Bravado Sofia Pinot Noir 91
2012 Clos des Fous Subsollum Pinot Noir 91
2011 Cono Sur Pinot Noir Ocio 91
2005 Cono Sur Pinot Noir 20 Barrels 91
2012 Cono Sur Pinot Noir 20 Barrels Limited Edition 91
2013 Errazuriz Pinot Noir Aconcagua Costa 91
2006 Garces Silva Amayna Pinot Noir 91
2007 Garces Silva Amayna Pinot Noir 91
2013 House Casa del Vino Despechado Pinot Noir 91
2012 Leyda Pinot Noir Lot 21 91
2007 Leyda Pinot Noir Lot 21 91
2010 Leyda Pinot Noir Cahuil Vineyard 91
2011 Leyda Pinot Noir Cahuil Vineyard 91
2011 Ventolerala Pinot Noir 91
2011 Vina Aquitania Soldesol Pinot Noir 91
2009 Vina Tabali Pinot Noir Talinay 91
2011 Volcanes de Chile Tectonia Pinot Noir 91
2012 Arboleda Pinot Noir Aconcagua Costa 90
2011 Arboleda Pinot Noir Aconcagua Costa 90
2010 Bravado Sofia Pinot Noir 90
2013 Casa Marin Cartagena Pinot Noir 90
2008 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 90
2005 Casa Marin Cartagena Pinot Noir Estate Grown 90
2007 Casa Marin Pinot Noir Lo Abarca Hills 90
2012 Casa Silva Cool Coast Pinot Noir 90
2012 Casas del Bosque Pinot Noir Pequenas Producciones 90
2008 Cono Sur Pinot Noir 20 Barrels Limited Edition 90
2006 Cono Sur Pinot Noir Ocio 90
2010 Cono Sur Pinot Noir Ocio 90
2008 Errazuriz Pinot Noir Wild Ferment 90
2005 Garces Silva Amayna Pinot Noir 90
2012 Garcia Schwaderer Sofia Pinot Noir 90