Posts

O Míldio: o mais temível dos parasitas da uva

 

A videira está sujeita ao ataque de inúmeras doenças ou pragas das quais deve ser protegida.

 Fungos, vírus, bactérias, vermes, ácaros, afídeos… são nomes de ameaças que pairam sobre a vinha durante o ciclo vegetativo. As condições climatéricas influenciam muito o modo e intensidade do ataque, mas a condução da vinha, a sua sanidade, a qualidade da prevenção e a casta (cuja resistência a doenças e pragas é variada), determinam também a gravidade da ocorrência.

A fase principal de tratamentos desenrola-se num período de tempo relativamente curto: desde o gomo de algodão ao fecho do cacho, ou seja nos primeiros 3 meses do ciclo vegetativo. O Verão longo, quente e seco, características principais do clima mediterrânico, não exige habitualmente tratamentos entre o fecho do bago e o pintor (momento em que os bagos ganham cor); e a partir daqui a proximidade da vindima limita a aplicação da maioria dos produtos de tratamento.

 

O Míldio o mais temível dos parasitas da uva

O Míldio o mais temível dos parasitas da uva

O Míldio

Pela frequência, pelo longo período de atividade/viabilidade e pelos prejuízos que provoca, o míldio é o mais temível dos parasitas fúngicos. A chuva/humidade e o calor são determinantes no seu crescimento. Regiões vitícolas quentes e secas na Primavera/Verão raramente têm problemas com a doença.

O fungo ataca todas as partes verdes da planta em particular as folhas (é nas folhas também que hiberna). A capacidade fotossintética da planta diminui, o desenvolvimento das uvas sofre atrasos e desequilíbrios e pode haver perda parcial ou total da produção. Os sintomas surgem com pequenas manchas amareladas na página superior das folhas (mancha de óleo – infecções primárias), enquanto na inferior, após a incubação, surgem as frutificações do fungo, de aspecto esbranquiçado e macio, que disseminam a doença (infecções secundárias).

A prevenção da doença é muito importante: solos bem drenados, sem poças de água, vigor equilibrado, o interior da videira bem arejado, varas contaminadas eliminadas na poda, os “ladrões” da planta retirados e infestantes controladas, são alguns dos meios. O tratamento deve ser também essencialmente preventivo. O recurso a curativos só em situações de erros técnicos no tratamento preventivo ou na impossibilidade da sua realização.

Em anos chuvosos, o míldio pode ser uma ameaça constante. Nas regiões húmidas a luta contra o míldio é incontornável e em anos chuvosos os tratamentos podem ultrapassar a dezena. A calda bordalesa continua a ser o tratamento clássico e biológico. Para além desta existe toda uma gama de outros produtos químicos de contato, penetrantes e sistémicos que devem ser escolhidos em função das necessidades e diagnóstico da gravidade ou risco epidemiológico da doença.

CONTINUA…

Austrália busca prestígio internacional

País vai investir 35 milhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento para aumentar a competitividade de seus vinhos no mercado global

Os australianos querem conquistar o mundo. Acabam de lançar um programa que prevê o investimento 35 milhões de dólares australianos nos próximos cinco anos em pesquisa, desenvolvimentos e mercado para impulsionar a demanda e o preço dos vinhos do país.

O objetivo é aumentar a competitividade deles no mercado mundial. O nome do programa é “Plano Estratégico da Autoridade da Uva e do Vinho da Austrália para 2015 até 2020”.

“O nosso objetivo no longo prazo é que o país seja reconhecido como um dos maiores produtores de vinho do mundo e acreditamos que é hora de ajustar o foco para os nossos vinhos finos, para mostrar o que os torna especiais, de modo que nosso objetivo, de tornar os vinhos australianos em mercadorias prósperas, seja atingido”, disse Brian Walsh, um dos criadores do plano.

vinho

Austrália busca prestígio internacional

Austrália busca prestígio internacional

Susana Balbo, produtora de vinhos de Mendoza quer ser parlamentar

Candidata à deputada nacional, Susana Balbo, dona da Dominio del Plata, promete melhorar indústria dos vinhos na Argentina

Susana Balbo, fundadora da vinícola Dominio del Plata, de Mendoza, na Argentina, quer entrar para a política.

A empresária se candidatou a uma vaga como parlmentar. Como deputada nacional, ela espera eliminar os obstáculos enfrentados pela indústria de vinhos da Argentina, alegando que eles colocam em risco os meios de subsistência, e não deixam o país competir efetivamente com outras nações produtoras de vinho.

Ela é candidata pelo partido de centro-direita Propuesta Republicana (PRO) como membro do parlamento para a região de Mendoza. Como bandeiras, Balbo se propõe a combater a corrupção, as desigualdades sociais e melhorar produtividade do setor vitivinícola no país. “Há tantas oportunidades na Argentina que não evoluíram nos últimos 20 anos, é um enorme desafio”, comentou ela, mostrando a ambição de “melhorar o nível de tomada de decisões sobre a economia regional, para obter o apoio do governo nacional para a promover a indústria de vinho, e para ter melhores acordos internacionais”.

Susana Balbo, produtora de vinhos de Mendoza quer ser parlamentar

Susana Balbo, produtora de vinhos de Mendoza quer ser parlamentar

Em termos de valor econômico da indústria do vinho, Balbo calcula que o setor responda por 11% do PIB (Produto Interno Bruto) da Argentina. Ela observou, ainda, que a indústria do vinho emprega diretamente 100 mil pessoas, e beneficia indiretamente 200.000 pessoas.

Balbo critica duramente o atual governo e diz que as autoridades “estão mentindo para as pessoas dizendo que a inflação é de 10%, quando é de 27% ou mesmo 30%”, o que estaria levando os produtores a tomarem decisões erradas.

“Há uma enorme crise”, ressaltou a empresária-candidata. “A inflação está tomando todo o nosso lucro, os preços de uva são baixos e as vinícolas estão cheias de vinho”. Segundo sua plataforma, a promessa é ajudar os produtores a fazer vinhos de boa qualidade, e decidir o foco que querem tomar com a sua produção: fazer vinho, vender uvas frescas ou produzir uvas passas. Ela acredita que, dessa forma, pode ajudá-los a se tornarem mais eficientes e terem lucro.

Além dessse objetivo central, Balbo quer estabelecer acordos de livre comércio para a Argentina. “Nosso vizinho Chile tem 120 acordos de comércio livre e não temos nenhum”, ela comentou, defendendo ainda melhorias de saúde, educação e uso da água em áreas ruruais.

Se eleita pela primeira vez na ronda preliminar da votação em 9 de agosto, e depois das eleições gerais em 25 de agosto, Balbo terá de conciliar os deveres parlamentares com as operações da Dominio del Plata. “Eu acho que posso fazer as duas coisas”.