Posts

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

Esta autorização tem a ver com práticas enológicas, tal como a descreve o Regulamento Delegado da Comissão de 11 de Março de 2016, que publica o Boletim Oficial da União Europeia (UE). “O objectivo é acrescentar ativadores de fermentação maloláctica no final ou despois da fermentação alcoólica para facilitar a fermentação maloláctica”, indica o Regulamento. Ainda assim, o texto refere que os ativadores de fermentação maloláctica devem estar em conformidade com os requisitos do Codex Enológico Internacional, publicado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV).

No caso de os ativadores serem “celulose microcristalina”, devem cumprir as especificações estabelecidas no anexo do Regulamento UE 231/2012 da Comissão.

A autorização dos ativadores acontece depois de a OIV ter aprovado três novas práticas enológicas, entre as quais se encontra o uso destes ativadores e o tratamento de vinhos e mostos com “Glutationa” (um aditivo alimentar com propriedades antioxidantes, também conhecido como Glutatião). Contudo, sobre a “Glutationa”, a CE especifica que este “não figura atualmente na lista da União Europeia de aditivos alimentares autorizados, e por isso não pode ser autorizada como nova prática enológica na UE até ser incluída nessa lista; aparentemente, falta ainda uma decisão favorável da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar.

 

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

 

O vinho de Lula

O negócio de leilão de vinhos raros e caros, os chamados vinhos “blue chip”, está cada vez mais forte.

Só a Sotheby’s, considerada a maior no segmento, vendeu US$ 57,9 milhões (cerca de R$ 138 milhões) em leilões no ano passado.

Segundo o ranking da Sotheby’s de 2013, o Domaine de la Romanée-Conti — aquele que o Lula tomou para comemorar a vitória em 2002 — ficou no topo da lista dos dez mais vendidos, seguido de Lafite e Petrus.

Uma garrafa de 1,5 litro de Romanée-Conti, de 2009, pode chegar a R$ 89 mil numa loja de vinhos no Rio.

E mais…

O mais lance mais alto do ano foi de 167 mil dólares num lote de Château Petrus à Pomerol, de 1961, no leilão em Londres.

O vinho de Lula

O vinho de Lula

Guia Michelin: Alex Atala mantém 2 estrelas; veja os novos eleitos

A cerimônia de lançamento do tradicional Guia Michelin 2016, no Rio de Janeiro, foi concorrida e teve como principal notícia as 2 estrelas mantidas pelo D.O.M, de Alex Atala.

O restaurante é o único, dentre os brasileiros, a ser agraciado com mais de uma estrela.

O evento aconteceu no Hotel Belmond Copacabana Palace, e contou com a presença dos mais renomados chefs nacionais: Claude Troisgrois, Roberta Sudbrack e, claro, o maior expoente da cozinha brasileira atualmente, Alex Atala.

Outro endereço do chef, Dalva e Dito, também foi avaliado com uma estrela.

Já no Rio, Lasay, Mee, Olympe e Sudbrack mantiveram a única estrela que já sustentavam. Ingressou no seleto grupo o Eleven, do chef Joachim Koerper.

A seguir, confira a lista de restaurantes de São Paulo com uma estrela: Attimo, Fasano, Dalva e Dito, Jun Sakamoto, Huto, Esquina Mocotó, Kan Suke, Kosushi, Maní, Tête à Tête e Tuju.

 

Guia Michelin Alex Atala mantém 2 estrelas; veja os novos eleitos

Guia Michelin Alex Atala mantém 2 estrelas; veja os novos eleitos

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Vinhos podem mudar suas características de acordo com a música tocada.

Pesquisa do professor Charles Spence, da Universidade de Oxford, concluiu que as características do vinho são modificadas de acordo com a música do ambiente.

Após diversos estudos, Charles Spence pôde notar que alguns ritmos musicais faz com que pessoas sejam remetidas a diferentes sabores (doce, salgado, ácido ou amargo) quando provam vinho ouvindo determinada música.

Segundo o autor da pesquisa, notas de piano costumam estar associadas a aromas de damasco, frutas vermelhas e baunilha, já estilos mais pesados de rock (metal, por exemplo) remetem a aromas almiscarados. O autor também analisou instrumentos de sopro e concluiu que estes remetem à acidez.

Outro destaque foi notar que vinhos degustados às cegas, sob influência de estilos musicais variados, foram descritos como rótulos diferentes.

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Música estimula mudança de sabor do vinho

 

Fonte: Revista Adega

A Malbec além da Argentina

Malbec é uma uva muito interessante, seu vinho tem muitas virtudes, desde sua performance visual, aromática e gustativa com também seu excelente potencial de evolução.

O que é muito curioso é que na cabeça do consumidor essa uva está só e exclusivamente associada a vinhos Argentinos, o que é um grave erro, pois há vários outras regiões vitivinícolas do mundo que produzem vinhos com esta uva, tão ou mais interessantes que os próprios vinhos dos nossos “hermanos”.

Se tem a oportunidade, não deixem de experimentar um Malbec da sua terra natal, do Cahors na França, onde está uva utiliza o nome de Côt. Os vinhos de Cahors, quando trata-se dos bons ou os melhores produtores, podem entregar vinhos de extraordinário nível de qualidade.

Na América do Sul, além da argentina temos Chile, um pais produtor de Malbec de excelente níveis qualitativo, e o estilo que esta uva atinge nesse pais (principalmente por motivos climáticos), é bem mais próximo aos europeus, devido à influência da Cordilheira dos Andes e as brisas do oceano pacifico, que desenha vinhos atrativamente frescos, equilibrados sem excessos de madures.

A Malbec além da Argentina

A Malbec além da Argentina

 

A Malbec além da Argentina

A Malbec além da Argentina

Garrafas de ouro ganham destaque na indústria do vinho

A vinícola Rollan de By, em Médoc, lançou uma coleção de cinco vinhos com garrafas gravadas a ouro

A vinícola Rollan de By, em Médoc na região de Bordeaux, lançou sua mais nova coleção de vinhos com garrafas gravadas a ouro, seguindo o exemplo de dois outros Châteaus na região, o Mouton Rothschild e o Angélus.

A coleção, chamada de Or, conta com safras de 2010 e busca mostrar as variedades do “terroir” dentro da região e, além disso, traz cinco vinhos diferentes: o Rolan de By, o Tour Seran, o Greysac, o Haul Condissons e o La Rose de By.

O ouro está gravado no vidro preto das garrafas, e cada um dos cinco desenhos se inspira no próprio nome do vinho. A vinícola quer que os vinhos sejam objetos colecionáveis.

O Pauillac da Mouton Rothschild começou a tendência das garrafas de ouro em 2002, depois veio o Château Angélus lançando o seu grand vin no começo do ano. Cada um dos vinhos da coleção Or está sendo vendido por €199 (R$ 800).

Garrafas de ouro ganham destaque na indústria do vinho

Garrafas de ouro ganham destaque na indústria do vinho

 

 

Os países mais importantes e suas uvas emblemáticas

Como a qualidade do vinho depende diretamente da qualidade da uva, cada variedade precisa de condições climáticas específicas.

Se considerarmos que cada país e cada região possui suas próprias caraterísticas climáticas, isso vai explicar que, cada vez mais, seja frequente ter a especialização de uma determinada região (ou país) em um determinado tipo de uva.

Para que possa aprender qual é a uva emblemática de cada uma das principais regiões produtoras, veja essa lista abaixo:

 

Países do Novo mundo:

Chile: Carménère, Cabernet Sauvignon e Sauvignon Blanc

Argentina: Malbec

Austrália: Shiraz

Nova Zelândia: Sauvignon Blanc e Pinot Noir

Estados Unidos: Zinfandel e Pinot Noir

Sul África: Pinotage

Países do Velho mundo:

 

Os países mais importantes e suas uvas emblemáticas

Os países mais importantes e suas uvas emblemáticas

 

França:

Bordeaux Pomerol: Merlot

Bordeaux Paulliac: Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot

Bordeaux Saint-Émilion: Cabernet Franc

Bourgogne: Pinot Noir e Chardonnay

Champagne: Pinot Noir e Chardonnay

Cahors: Côt (Sinônimo de Malbec)

Vale do Rhône: Syrah

 

Itália:

Toscana: Sangiovese

Piemonte: Barbera

Abruzzo: Montepulciano

Campania: Aglianico

Sardegna: Garnacha Tinta (Cannonou)

Sicília: Nero D´Avola

Veneto: Corvina Veronese

 

Portugal:

Vinho Verde: Alvarinho e Loureiro

Douro: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca.

Dão: Touriga Nacional e Alfocheiro.

Bairrada: Baga

Alentejo: Trincadeira, Aragonez, Castelão, Alicante Bouschet e Touriga Nacional.

 

Espanha: Tempranillo

Alemanha: Riesling, Gewrtztraminer

 

Estudo de Harvard comprova que vinho tinto previne disfunção erétil

Mais de 50.000 homens foram incluídos no estudo.

Um estudo durante 40 anos feito por equipes de Harvard e da Universidade de East Anglia descobriu que homens de meia idade que bebiam vinho tinto e comiam frutos que são ricos em “flavonóides” eram 10% menos propensos a desenvolver disfunção erétil.

O vinho, assim como frutas, legumes e ervas, contêm altos níveis de flavonóides, as que são benéficas para a saúde.

O peso corporal, atividade física, a quantidade de cafeína consumida e tabagismo também foram considerados.

Um terço dos homens no estudo relataram que sofrem de disfunção erétil, mas aqueles cuja dieta era rica em antocianinas, flavonas e flavanonas eram menos propensos a desenvolver disfunção erétil.

Aqueles que permaneceram fisicamente ativos combinado com a dieta rica em flavonóides viu a taxa de disfunção erétil cair ainda mais.

O Professor Aedin Cassidy, da Universidade de East Anglia, explicou: “Nós examinamos seis principais tipos de flavonóides comumente consumidos e constatou que três em particular – antocianinas, flavanonas e flavonas – são benéficas.

“Os homens que consumiram regularmente alimentos ricos em flavonóides foram 10% menos propensos a sofrer de disfunção erétil”

 

Estudo de Harvard comprova que vinho tinto previne disfunção erétil

Estudo de Harvard comprova que vinho tinto previne disfunção erétil

 

Diferentes Maturações da Uva

 

Maturação Fisiológica

Corresponde ao momento em que a grainha está apta a germinar.

 

Maturação Técnica

Corresponde ao tamanho máximo da uva e à concentração máxima de açúcar acumulado ou mínima de acidez total.

 

Maturação Fenólica

Tem em conta a riqueza em antocianas, a qualidade e origem dos taninos e o grau extractibilidade ou dissolução destes compostos no mosto.

 

Maturação Aromática

Corresponde ao momento em que o teor de compostos aromáticos agradáveis é máximo e o teor de compostos aromáticos desagradáveis (verdes e herbáceos) é mínimo.

 

Maturação Enológica

Corresponde ao momento óptimo de vindima. É definida pelo enólogo e tem em conta não só as maturações descritas como, e principalmente, a prova das uvas.

 

Diferentes Maturações da Uva

Diferentes Maturações da Uva

 

Podridão Cinzenta, Doenças do Lenho e Infestantes

Podridão Cinzenta

Ocorre maioritariamente da floração ao fecho do cacho e depois da pinta, sempre que as condições climatéricas sejam favoráveis (chuva e/ou muita humidade e 18ºC. de temperatura). Ataca preferencialmente as uvas, os ataques às folhas e sarmentos são menos importantes. Pouco antes da pinta a sensibilidade ao fungo diminui para aumentar bruscamente assim que o açúcar se acumula no bago. Depois da pinta, em presença de humidade e fissuras na película das uvas, o fungo desenvolve-se rapidamente.

Na prevenção da doença está o pouco vigor vegetativo, o bom arejamento da copa e dos cachos e a manutenção de uvas com a película integra.

A aplicação da calda bordalesa é um bom preventivo pois estimula o engrossamento da película da uva.

Podridão Cinzenta, Doenças do Lenho e Infestantes

Podridão Cinzenta, Doenças do Lenho e Infestantes

Doenças do Lenho

Constituem uma ameaça crescente para o futuro da viticultura e a maioria não possui tratamento específico. Escoriose, Esca e Eutipiose são as mais comuns. A primeira pode ser tratada com fungicida, no período que vai do gomo de algodão às folhas livres, mas as duas últimas apenas com prevenção.

A poda é a operação mais importante na prevenção destas doenças. Podar primeiro as cepas afetadas, queimar as varas ou cepas afetadas, efetuar pouco cortes e de pequenas dimensões, não fazer podas precoces e principalmente desinfetar as tesouras de poda e as feridas da poda logo a seguir ao corte, são os princípios a respeitar.

 

Infestantes

Os herbicidas tendem a entrar em desuso. O enrelvamento é uma prática cada vez mais comum nas empresas. Habitualmente usa-se o glufosinato de amónio, um herbicida não residual ao qual se junta um pouco de ureia (azoto) para apressar a desinfestação. Só depois de mobiliza o solo e se efetua a sementeira de uma mistura entre leguminosas e gramíneas, com o objetivo de retirar ou promover o vigor na vinha. O enrelvamento protege os solos da erosão, facilita o arejamento e a frescura, incrementa a comunidade biótica, além de permitir a deposição natural de matéria orgânica quando se procede ao seu corte.

 

CONTINUA…