Posts

A Pinot Noir fora da Bourgogne

Fora da Bourgogne, a Pinot Noir tem conseguido excelentes resultados nos Estados Unidos, onde Napa e Sonoma (em Califórnia) e Oregon são as regiões que mais se destacam. Em Nova Zelândia podem também se encontrar vinhos elaborados com uva Pinot Noir de altíssimo nível, principalmente os que provêm de Malborough, região vitivinícola localizada na parte norte da ilha do sul.

No caso da América do Sul, o Chile é o país que tem demostrado o maior avanço qualitativo com esta uva, e que tem ganhado grande destaque na última década. Isto principalmente devido à procura de climas mais frescos com influência marítima, o que favorece ao crescimento e à qualidade dos vinhos desta uva. Casablanca, localizada na metade do caminho entre Santiago e Valparaiso, é uma região já consagrada e com mais de uma dezena de produtores que têm tido muito sucesso com esta uva.

Já algo mais perto do oceano pacífico, na região de San Antonio, se encontra alguns dos Pinot Noir de maior qualidade deste país, o que se diferencia por seu caráter extremamente fresco e mineral. A mais recente região localizada a 400 quilômetros ao norte de Santiago, o Valle de Limarí, está também se destacando como um lugar muito interessante para a produção de grandes Pinot Noir.

A Pinot Noir fora da Bourgogne

A Pinot Noir fora da Bourgogne

A Argentina mesmo já tem se destacado com vinhos elaborados com esta uva e, embora que Mendoza seja considerada sua região emblemática já consolidada no mundo e amplamente conhecida pela Malbec, não tenha um clima apropriado para a produção desta uva (que gosta do frio). Os resultados na região do Rio Negro, na Patagônia Argentina, também são muito alentadores.

No Brasil, os produtores e vinícolas locais também têm manifestado certo interesse por esta variedade, e embora que todos concordem, nas dificuldades e alto custo de investimento em investigações, os resultados obtidos até agora no Rio Grande do Sul e na Serra Catarinense sugerem um futuro promissor.

Veja Também:

Diga-me: “quanta madeira tu gostas, que direi quem tu és”.

A madeira nos vinhos tem relação direita com a maturidade do consumidor.

É muito normal que todos nós comecemos preferindo, nos primeiros anos de aprendizado, vinhos bem marcados pela madeira, sobre maduros e bastantes exuberantes, para logo ir mudando nossos gostos e preferências de maneira gradativa, até encontrar (descobrir) nosso verdadeiro gosto.

Quase sempre temos uma clara consciência dos aromas (e sabores) que são entregues pela madeira. Aos que não conseguem, começaremos a identificar e preferir os primeiros desta categoria, que são denominados de “aromas primários”, (que provem da própria uva).

Dito de outra forma, na medida em que vamos aprofundando nossos conhecimentos vamos deixando de lado vinhos muito “mascarados pela madeira” ou “excessivamente maquiados” e vamos preferindo vinhos mais elegantes, mais equilibrados, com menos madeira ou que, em termos gerais, provoca que estes tenham um maior nível de qualidade.

A madeira excessiva é um inimigo da acidez, e esta é fundamental para dar equilíbrio ao vinho uma vez que ele esta evoluído. Pelo tanto, vinhos de maior equilíbrio, podem ter uma vida mais longa, enquanto os vinhos pesados e com muita madeira terão uma péssima evolução.

Com os mercados importadores de vinho acontece algo parecido. Por exemplo, os marcados mais desarrolhados e evoluídos, como os países europeus, principalmente Inglaterra, tem um gosto muito diferente aos mercados mais novos, como são os mercados asiáticos e africanos, onde estão começando a beber vinhos.

Vinho com madeira

Vinho com madeira

Pelo tanto uma bodega na hora de colocar um vinho dentro de uma barrica sempre tem que ter claro para que tipo de consumidor esta elaborando os seus vinhos.

No caso do primeiro exemplo (Inglês) estes consumidores possuem muita experiência, pois o vinho faz parte da cultura. Este tipo de consumidores exigem vinhos de qualidade, e a concorrência é enorme, já que no mercado estão disponíveis vinhos do mundo todo. Há mais de uma década os ingleses estão preferindo vinhos sem (ou quase nada) de madeira, só a suficiente. Então não vai adiantar importar um vinho excessivamente madeirado, que o mercado vai com certeza rejeitar.

Já para mercados mais novos, que começam a mostrar interesse por vinhos de qualidade, normalmente se procura elaborar vinhos bem maduros, com bastante madeira, lembrando sempre que a madeira também entrega uma grande quantidade de aromas doces, principalmente a baunilha e alguns da família dos “chocolates”, então, é muito mais fácil seduzir um consumidor principiante com um vinho com aromas de especiarias, baunilha e chocolate do que com um vinho de aromas mas distantes.

Colocando o consumidor brasileiro neste exemplo anterior, ele está em uma espécie de transição entre os tipos de consumidores mencionados, ou seja, tem uma grande quantidade de consumidores que estão começando a beber vinhos, e que ainda preferem que estes tenham um pouquinho de açúcar (os conhecidos vinhos suaves), com notas aromáticas e gustativas aportadas pela madeira bem evidentes.

No mercado brasileiro também há uma grande quantidade de consumidores que preferem os vinhos secos, sem muita madeira, e a cada dia este publico está se multiplicando. Aí que vem o interesse de muitos países produtores, a fim de ganhar presença neste mercado, além das ótimas expectativas de aumento do consumo que esta prevista para os próximos anos.

Tente encontrar o seu perfil e encontre o vinho certo para você! Seja com madeira ou sem, o vinho é sem dúvida uma bebida fascinante. Não é mesmo?

 

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

A lista com os vinhos vencedores do concurso Top Five Vitória Expovinhos 2016 foi revelada.

 

O evento foi realizado no Centro de Convenções de Vitória.

Os vinhos foram degustados degustaram totalmente as cegas.

Teve a honra de fazer parte por terceiro ano consecutivo, do painel de degustação.

Confira os TOP FIVE de cada categoria:

VINHOS ESPUMANTES

Vértice Millésime 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Cavas Hill Vintage 2008 (Pendés/Espanha) – Cantu
Cava Don Román NV (Penedés/Espanha) – Porto a Porto
Segura Viudas Reserva Heredad NV (Penedés/Espanha) – Qualimpor
Veuve Ambal Crémant de Bourgogne Grande Cuvée Brut NV (Borgonha/França) – World Wine

 

VINHOS BRANCOS VELHO MUNDO

QPA Branco Reserva DOC 2013 (Douro/Portugal) – Canto do Vinho
Château Latour Martillac Blanc 2012 (Graves/França) – Carone
Comendador Leonel Cameirinha Reserva Chardonnay 2013 (Alentejo/Portugal) – HC representações
Toques & Clochers Autan Limoux Chardonnay N/D (Languedoc/França) – Kanal distribuidora
Terra D’alter Telhas Branco 2011 (Alentejo/Portugal) – Obra Prima

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

 

VINHOS BRANCOS NOVO MUNDO

Siegel Gran Reserva Sauvignon Blanc 2015 (Leyda/Chile) – Canto do Vinho
Rayun Gran Reserva Chardonnay 2015 (Limarí/Chile) – Família Zanlorenzi
Penalolen Sauvignon Blanc 2015 (Maipo/Chile) – Kanal distribuidora
Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay 2013 (Vale dos Vinhedos/Brasil) – Miolo Wine Group
Marques de Casa Concha Chardonnay 2014 (Limarí – Chile) – VCT

 

VINHOS TINTOS VELHO MUNDO

Crochet 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Casabel 2013 (Lisboa/Portugal) – Aliança
Castelforte Valpolicella Ripasso NV (Veneto/Itália) – Kanal distribuidora
Crasto Superior Syrah 2013 (Douro/Portugal) – Qualimpor
Falesco Tellus Syrah 2013 (Lazio/Itália) – Winebrands

 

VINHOS TINTOS NOVO MUNDO

Apaltagua Colection Pinot Noir 2012 (Curicó/Chile) – Apaltagua
Siegel Single Vineyard Carmenère 2014 (Colchagua/Chile) – Canto do Vinho
AS3 Premium 2012 (Vale Central/Chile) – Olisur
Pizzato Verve 2012 (serra Gaúcha/Brasil) – Pizzato
Toro d’Oro Family Reserva CS 2014 (Curicó/Chile) – Reguingua

 

VINHOS DE SOBREMESA

Erasmo Late Harvest Torrontel 2009 (Maipo/Chile) – Carone
Château Grand Dousprat 2011 (Bordeaux/França) – Kanal distribuidora
Porto Coroa de Rei Colheita 1994 (Douro/Portugal) – Obra Prima
Messias 10 Anos (Douro/Portugal) – Porto a Porto
Taylor’s Tawny 20 anos (Douro/Portugal) – Qualimpor

 

Esqueça o Rosé, a nova moda é vinho Laranja

Se gosta da textura acentuada do vinho tinto e da frescura do vinho branco, chegou o vinho laranja: o melhor dos dois mundos que já está a fazendo muito sucesso.

Tem textura como o vinho tinto e é refrescante como o vinho branco. O vinho cor de laranja – também conhecido como o anti-rosé –, junta o melhor dos dois mundos…

A tonalidade pode variar de um alaranjado mais suave até a um tom de cobre profundo, mas o sabor nada tem a ver com laranjas: o aroma é semelhante ao das nectarinas (como os pêssegos). É feito com as mesmas uvas usadas na produção de vinho branco, mas com uma diferença substancial: no vinho branco as cascas são removidas durante o processo de fermentação, e no vinho laranja estas são mantidas. O resultado? Um vinho com uma textura pronunciada, mas suave e refrescante – ideal para uma tarde de calor depois da praia.

Os vinhos laranja são também conhecidos como vinhos “de contato” – já que a pele das uvas entra em contacto com as bagas, durante a produção. Mas há também quem os trate por “anti-rosé”, isto, porque a sua produção é “inversa” à destes vinhos. No rosé são utilizadas uvas vermelhas e as cascas são removidas logo no inicio da produção; e no vinho laranja são usadas uvas brancas com pele, que conferem à bebida uma textura mais densa.

Esqueça o Rosé, a nova moda é vinho laranja

Esqueça o Rosé, a nova moda é vinho laranja

 

Veja também:

 

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

Esta autorização tem a ver com práticas enológicas, tal como a descreve o Regulamento Delegado da Comissão de 11 de Março de 2016, que publica o Boletim Oficial da União Europeia (UE). “O objectivo é acrescentar ativadores de fermentação maloláctica no final ou despois da fermentação alcoólica para facilitar a fermentação maloláctica”, indica o Regulamento. Ainda assim, o texto refere que os ativadores de fermentação maloláctica devem estar em conformidade com os requisitos do Codex Enológico Internacional, publicado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV).

No caso de os ativadores serem “celulose microcristalina”, devem cumprir as especificações estabelecidas no anexo do Regulamento UE 231/2012 da Comissão.

A autorização dos ativadores acontece depois de a OIV ter aprovado três novas práticas enológicas, entre as quais se encontra o uso destes ativadores e o tratamento de vinhos e mostos com “Glutationa” (um aditivo alimentar com propriedades antioxidantes, também conhecido como Glutatião). Contudo, sobre a “Glutationa”, a CE especifica que este “não figura atualmente na lista da União Europeia de aditivos alimentares autorizados, e por isso não pode ser autorizada como nova prática enológica na UE até ser incluída nessa lista; aparentemente, falta ainda uma decisão favorável da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar.

 

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

Comissão Europeia autoriza ativadores de fermentação “maloláctica”

 

O vinho de Lula

O negócio de leilão de vinhos raros e caros, os chamados vinhos “blue chip”, está cada vez mais forte.

Só a Sotheby’s, considerada a maior no segmento, vendeu US$ 57,9 milhões (cerca de R$ 138 milhões) em leilões no ano passado.

Segundo o ranking da Sotheby’s de 2013, o Domaine de la Romanée-Conti — aquele que o Lula tomou para comemorar a vitória em 2002 — ficou no topo da lista dos dez mais vendidos, seguido de Lafite e Petrus.

Uma garrafa de 1,5 litro de Romanée-Conti, de 2009, pode chegar a R$ 89 mil numa loja de vinhos no Rio.

E mais…

O mais lance mais alto do ano foi de 167 mil dólares num lote de Château Petrus à Pomerol, de 1961, no leilão em Londres.

O vinho de Lula

O vinho de Lula

Guia Michelin: Alex Atala mantém 2 estrelas; veja os novos eleitos

A cerimônia de lançamento do tradicional Guia Michelin 2016, no Rio de Janeiro, foi concorrida e teve como principal notícia as 2 estrelas mantidas pelo D.O.M, de Alex Atala.

O restaurante é o único, dentre os brasileiros, a ser agraciado com mais de uma estrela.

O evento aconteceu no Hotel Belmond Copacabana Palace, e contou com a presença dos mais renomados chefs nacionais: Claude Troisgrois, Roberta Sudbrack e, claro, o maior expoente da cozinha brasileira atualmente, Alex Atala.

Outro endereço do chef, Dalva e Dito, também foi avaliado com uma estrela.

Já no Rio, Lasay, Mee, Olympe e Sudbrack mantiveram a única estrela que já sustentavam. Ingressou no seleto grupo o Eleven, do chef Joachim Koerper.

A seguir, confira a lista de restaurantes de São Paulo com uma estrela: Attimo, Fasano, Dalva e Dito, Jun Sakamoto, Huto, Esquina Mocotó, Kan Suke, Kosushi, Maní, Tête à Tête e Tuju.

 

Guia Michelin Alex Atala mantém 2 estrelas; veja os novos eleitos

Guia Michelin Alex Atala mantém 2 estrelas; veja os novos eleitos

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Vinhos podem mudar suas características de acordo com a música tocada.

Pesquisa do professor Charles Spence, da Universidade de Oxford, concluiu que as características do vinho são modificadas de acordo com a música do ambiente.

Após diversos estudos, Charles Spence pôde notar que alguns ritmos musicais faz com que pessoas sejam remetidas a diferentes sabores (doce, salgado, ácido ou amargo) quando provam vinho ouvindo determinada música.

Segundo o autor da pesquisa, notas de piano costumam estar associadas a aromas de damasco, frutas vermelhas e baunilha, já estilos mais pesados de rock (metal, por exemplo) remetem a aromas almiscarados. O autor também analisou instrumentos de sopro e concluiu que estes remetem à acidez.

Outro destaque foi notar que vinhos degustados às cegas, sob influência de estilos musicais variados, foram descritos como rótulos diferentes.

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Música estimula mudança de sabor do vinho

 

Fonte: Revista Adega

A Malbec além da Argentina

Malbec é uma uva muito interessante, seu vinho tem muitas virtudes, desde sua performance visual, aromática e gustativa com também seu excelente potencial de evolução.

O que é muito curioso é que na cabeça do consumidor essa uva está só e exclusivamente associada a vinhos Argentinos, o que é um grave erro, pois há vários outras regiões vitivinícolas do mundo que produzem vinhos com esta uva, tão ou mais interessantes que os próprios vinhos dos nossos “hermanos”.

Se tem a oportunidade, não deixem de experimentar um Malbec da sua terra natal, do Cahors na França, onde está uva utiliza o nome de Côt. Os vinhos de Cahors, quando trata-se dos bons ou os melhores produtores, podem entregar vinhos de extraordinário nível de qualidade.

Na América do Sul, além da argentina temos Chile, um pais produtor de Malbec de excelente níveis qualitativo, e o estilo que esta uva atinge nesse pais (principalmente por motivos climáticos), é bem mais próximo aos europeus, devido à influência da Cordilheira dos Andes e as brisas do oceano pacifico, que desenha vinhos atrativamente frescos, equilibrados sem excessos de madures.

A Malbec além da Argentina

A Malbec além da Argentina

 

A Malbec além da Argentina

A Malbec além da Argentina

Garrafas de ouro ganham destaque na indústria do vinho

A vinícola Rollan de By, em Médoc, lançou uma coleção de cinco vinhos com garrafas gravadas a ouro

A vinícola Rollan de By, em Médoc na região de Bordeaux, lançou sua mais nova coleção de vinhos com garrafas gravadas a ouro, seguindo o exemplo de dois outros Châteaus na região, o Mouton Rothschild e o Angélus.

A coleção, chamada de Or, conta com safras de 2010 e busca mostrar as variedades do “terroir” dentro da região e, além disso, traz cinco vinhos diferentes: o Rolan de By, o Tour Seran, o Greysac, o Haul Condissons e o La Rose de By.

O ouro está gravado no vidro preto das garrafas, e cada um dos cinco desenhos se inspira no próprio nome do vinho. A vinícola quer que os vinhos sejam objetos colecionáveis.

O Pauillac da Mouton Rothschild começou a tendência das garrafas de ouro em 2002, depois veio o Château Angélus lançando o seu grand vin no começo do ano. Cada um dos vinhos da coleção Or está sendo vendido por €199 (R$ 800).

Garrafas de ouro ganham destaque na indústria do vinho

Garrafas de ouro ganham destaque na indústria do vinho