Posts

Como deve ser um vinho de qualidade?

 

Sempre nos perguntamos quando um vinho é realmente bom.

Ou então, como é o vinho ideal? A resposta sempre está relacionada com o gosto pessoal de cada pessoa, é claro… Mas, na verdade, o gosto é algo que muda constantemente, na medida em que vamos nos aprofundando cada vez mais no tema – neste caso, o vinho.

Quando as pessoas começam a se interessar pelo mundo dos vinhos, geralmente são os vinhos mais simples os que são da preferência, e até muitas vezes os que têm algo de açúcar, ou os que têm aromas mais “adocicados” (a maioria das vezes aportados pela madeira), mas esse gosto pessoal começa a mudar na medida em que a pessoa começa a entender melhor sobre a degustação.

Em pouco tempo, os vinhos fáceis, adocicados, com muita madeira, etc., que num princípio pareciam ser vinhos bons, agora já não são mais do nosso agrado. Isso porque através do estudo, da prática e da degustação, as pessoas conseguem aguçar os sentidos e perceber aromas e sabores que antes não percebiam. Ai é o momento que as preferências e gostos começam também a mudar.]

Os vinhos com aromas e sabores doces

É natural que as pessoas gostem de aromas e sabores doces, e não do amargo, por exemplo. Essa é a razão que motiva as vinícolas a trabalhar estilos de vinhos onde, dependendo do desenvolvimento e do gosto do mercado em questão (que tem a ver com a evolução deste), vai ser o proprietário, o departamento de marketing e o próprio enólogo que vão definir o estilo do vinho de acordo com esse tipo de consumidor, e irão utilizar todas as ferramentas que existem em uma bodega para elaborar um vinho que seja do gosto deste mercado.

Seguindo a lógica, os mercados mais desenvolvidos (como Inglaterra, por exemplo) optam por vinhos que não têm muita madeira, vinhos mais frescos, e que têm a expressão do terroir, etc.. Os mercados mais novos, que tem menor conhecimento (como China, por exemplo), garantem vendas e sucesso, além de começarem a elaborar e exportar vinhos mais “maquiados”, que sejam mais fáceis de entender e, portanto, de vender. Vinhos mais maduros, com a presença das notas de baunilha e especiarias doces provenientes da madeira de forma mais marcada, porque é isto o que o público que começa a consumir vinhos consegue – mais facilmente – distinguir e apreciar.

 

Von Siebenthal Toknar, 2010

Von Siebenthal Toknar, 2010

 

Sobre o Terroir:

Mas, como deve ser um vinho de qualidade? São muitas, mas muitas as condições, no entanto, irei me referir a uma que é, talvez, a mais importante e que está relacionada com a forma na qual o vinho (para ser considerado um vinho de qualidade) tem que ser. Ele tem que expressar seu terroir, sua origem, ou seja, só através dos seus aromas e seus sabores, ele deve nos dizer de onde vem, e essa característica não está atribuída a todos os vinhos, poucos são os que têm a capacidade de expressar, e isso deveria ser regra…

O enólogo da Universidade Católica de Chile, professor de enologia por mais de 40 anos da maioria dos enólogos chilenos mais conceituados na atualidade (Álvaro Espinoza da Antiyal ou o próprio Pablo Morandé foram alguns dos seus alunos), Alejandro Hernandez, em conversa com Winechef define para nós o conceito de Terroir:

“O terroir é em si uma noção que indica certa tipicidade e individualidade que gera um vinho com características determinadas e repetíveis. O último não é uma norma fixa, pois os fatores do solo, de certo modo, podem ser modificados e porque as condições do clima não são controladas.”

Terroir

 

Clima e solo

Como Don Alejandro define claramente, o conceito de terroir está ligado à tipicidade e individualidade de um vinho, resultado da junção de seu clima e do seu solo, entre vários outros fatores que interferem no resultado final. Tal como defini no começo da matéria, de maneira natural começamos com vinhos mais fáceis e simples, e logo passamos por várias etapas para, não em muito tempo de estrada, chegar a esta onde começamos a conseguir distinguir a origem do vinho.

Esta etapa é muito interessante, talvez seja a melhor, e aqui o vinho além de ser agradável, bom ou excelente, ele deve nos entregar informação do seu passado, da sua infância, do seu terroir, e aqui é onde realmente podemos saber e dimensionar a qualidade de um vinho. Sem terroir não há qualidade.

 

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

A partir de hoje você vai começar a conhecer uvas que voçê nunca imaginou…

Muita gente está acostumada a conhecer os vinhos pelos nomes de suas uvas. Isso, obviamente, não é um sacrilégio, apesar de ser um pouco de preconceito. Especula-se que todo enófilo que se preze conhece Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc e até Carménère – que ultimamente ganhou mais exposição no Brasil devido a uma enxurrada de vinhos varietais à base dessa especial cepa francesa, que fez fama no Chile.

É lógico que vinhos elaborados a partir das castas citadas acima são, em sua maioria, excepcionais. A partir, por exemplo, da Cabernet Sauvignon e da Pinot Noir, temos os mais badalados, procurados, caros e requisitados vinhos do mundo, principalmente os provenientes da França. A Borgonha, com exclusividade na Pinot Noir em seus tintos, e Bordeaux, com a Cabernet Sauvignon liderando os famosos cortes, são religiões entre os mais apaixonados por grandes vinhos.

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

Nem tudo que é bom é Cabernet Sauvignon

Sendo assim, para fugir do óbvio, nesta edição decidimos dedicar tempo às desconhecidas castas que produzem vinhos muito especiais e alguns até excepcionais. Ou seja, vamos quebrar o paradigma de que, para bebermos um grande vinho, é necessário que ele seja produzido a partir de uma uva “famosa”.

Sendo assim, decidimos escolher algumas castas desconhecidas da maioria dos apreciadores do líquido de Baco (que tivessem produtos disponíveis no mercado nacional) e abordá-las para os nossos apaixonados leitores. Como é bom saber que existem infinitas uvas mundo afora produzindo vinhos especiais.

Então fiquem atentos que a partir de hoje você vai começar a conhecer uvas que você nunca imaginou…

 

Veja Também:

 

 

Barolo e Barbaresco, o reino da uva Nebbiolo

O Piemonte é uma região grande, no norte ocidental de Itália, a 60 quilômetros da costa mediterrânica ocidental. Abarca inúmeras Denominações de Origem, entre as quais se encontram as de Barolo e de Barbaresco, as mais famosas.

As duas DO’s, Barolo e Barbaresco, são vizinhas, repartem a mesma casta tinta, a Nebbiolo, e os seus vinhos têm características muito similares: côr rubi/alaranjada, relativamente pouco intensa, acidez alta e taninos poderosos. Na verdade, em prova cega, é muito difícil distingui-los, mas as diferenças existem, sobretudo na lei: Barbaresco exige dois anos de envelhecimento antes de sair para o mercado, enquanto que em Barolo se exigem três. Este ano extra de envelhecimento ajuda os vinhos de Barolo a suavizarem os seus taninos, que dizem ser mais potentes que os de Barbaresco por causa da natureza dos seus solos (mais calcário e mais marga que em Barbaresco).

 

Barolo e Barbaresco, o reino da casta Nebbiolo

Barolo e Barbaresco, o reino da casta Nebbiolo

 

Ambas são regiões pequenas. Barolo com perto de 1.800 hectares e Barbaresco com perto de 700. A produção está em concordância, registando-se uma média de produção nos últimos 5 anos de cerca de 11 milhões de garrafas em Barolo e 4 milhões em Barbaresco.

Mas o interessante é que não há muitos produtores de grande escala. O grosso da produção provém de pequenas explorações (há quase 1.300 produtores registados entre as duas regiões) com produções em concordância (não ultrapassam as 20.000 garrafas).

O campo está cheio de suaves colinas ondulantes onde, aliás, estão implantadas praticamente todas as vinhas. As colinas são fundamentais nesta região de clima continental, pois aumentam a exposição solar, o que é crítico para a maturação da Nebbiolo, uma casta muito tardia e que precisa amadurecer muito bem para perder os aromas vegetais. Em geral, colhe-se já bem entrado o mês de Outubro.

 

 

Uva Carménère: o emblema do Chile

 

Parece que foi ontem… Foi no ano 1994 que aconteceu o fato que mudaria a história do vinho do Chile. O ampelógrafo Jean-Michel Boursiquot descobriu que a maior parte da Merlot dos vinhedos chilenos, na verdade, não era tal variedade – e, sim, Carménère (ou Grande Vidure, sinônimo que esta uva tem em seu lugar de origem, Bordeaux), a variedade extinta na França após a terrível praga da filoxera, ao final do século XIX.

E tinha sido um pouco antes, no ano de 1993, que outro ampelógrafo, o também francês Claude Valet, tinha já deixado antecedentes de que existia uma variedade de uva misturada com a Merlot (mas ele, ingenuamente, pensou que se tratava da Cabernet Franc).

Lembro de ter participado de muitas discussões e degustações nos meados dos anos 90 (pouco depois desta importante descoberta de Jean Michel), onde se pretendia chegar a uma conclusão a respeito do futuro desta uva, onde, principalmente, se questionava o real potencial de qualidade que ela tinha e as estratégias que se pretendiam seguir para a introdução destes vinhos no mundo. Além deste, o grande problema nesse momento era identificar e separar no vinhedo, já que a Carménère e a Merlot estavam, literalmente, misturadas

Já são passados quase 20 anos, e a Carménère hoje goza de um rol preponderante no portfolio dos vinhos chilenos, ao ponto de ser considerada a variedade emblemática deste país – e no último cadastro, sua superfície já superava os 10 mil hectares plantados, o que é um número muito significativo considerando que a totalidade de superfície de variedades de uva para a produção de vinhos finos está ao redor dos 120 mil hectares.

A chave do sucesso desta uva que em poucos anos já conquistou o mundo todo está na excelente adaptação que ela encontrou no Chile, e, independentemente do lugar, ela tem conseguido vinhos de altos níveis de qualidade em diferentes regiões.

As condicionantes que esta exige para produzir vinhos de qualidade são:

Uva Carménère o emblema do Chile

Uva Carménère o emblema do Chile

O clima:

A Carménère é uma casta que tem um ciclo de maturação lento, pois precisa de bastante (mas não em excesso) sol e de temperaturas mais elevadas, razão pela qual nunca conseguiu se adaptar, por exemplo, ao vale de Casablanca ou outras regiões de climas frios, e os que tentaram terminaram por desistir e arrancar o enxerto das plantações por outras variedades mais apropriadas para esse tipo de clima.

Baixo rendimento por planta:

Outro elemento importante, e que todo enólogo que trabalha com esta uva tem muito claro, é a incapacidade desta variedade para produzir bons níveis de qualidade quando é exigida a produzir altos níveis de rendimento por Hectare.

Neste momento a Carménère mostra seu lado ruim, e, na verdade, não é só a Carménère, mas também acontece algo parecido com muitas outras variedades da família das Cabernet, seja a Cabernet Sauvignon ou Cabernet Franc.

Quando estas variedades produzem muitos quilos de uvas por hectare, se desenvolve um aroma herbáceo característico, frequentemente descrito como pimentão verde (aromas piracínicos), que é um aroma claramente desagradável e que alguns Carménère’s (principalmente os que estão na base da pirâmide qualitativa) têm.

E o problema é ainda maior, já que na evolução na garrafa estes aromas de pimentão verde vão cada vez mais se acentuando e transformando, terminando em aromas confusos e cada vez mais desagradáveis.

O potencial qualitativo da uva:

Deste outro ponto de vista, onde estão os Carménère’s que foram perfeitamente adaptados às condições climáticas do lugar, onde o rendimento de quilos de uva por hectare é moderado, de acordo com o equilíbrio da planta, o resultado é bem diferente.

Os Carménère’s quando são de boa qualidade podem deixar apaixonados até os mais exigentes. Esta uva, além de ter uma cor maravilhosamente vermelha escura, tipo carmim (alguns falam que este é o motivo do nome da uva Carménère… da cor Carmim), seus aromas são bastante atraentes.

E quando se trata de Carménère perfeita e corretamente madura, além das frutas negras, amoras e cerejas que fazem parte do portfolio aromático, também aparecem formando parte dos aromas primários (aromas provenientes de forma natural da uva) notas de especiarias, chocolate, que acrescentam à qualidade e diversidade olfativa, e aumentam o seu caráter sedutor.

Se compararmos com a maioria das outras uvas tintas, a grande diferença e, talvez a maior virtude da Carménère, está na sua incrível textura que os vinhos provenientes dela oferecem na boca. Os Carménère’s são macios como seda, e esta uva geralmente se associa ao lado feminino, por sua delicadeza e suavidade.

A uva Pinot Noir: Os vinhos mais elegantes do mundo

Os vinhos da uva Pinot Noir são fascinantes.  Mágicos e extremadamente delicados

A Pinot Noir é considerada a uva mais difícil de cultivar e de difícil adaptação, mas também é considerada como a uva que produz os vinhos mais elegantes do mundo, sem deixar de mencionar que desta uva provém os vinhos com borbulhas mais interessantes do mundo todo, os Champagnes.

Esta uva tem uma grande diferenciação com as outras tintas nobres: ela não pode ser misturada com outras uvas (exceto nos Champagnes) tintas, já que, como a sua maior virtude é sua sutileza, fazendo parte de um blend ficam ocultadas atrás da opulência e potência das outras uvas tintas.

Ela é considerada a uva “branca” dentro das tintas, e, deste ponto de vista, ela sempre está no extremo da macies e é o contraponto da uva Cabernet Sauvignon. Ao servi-la, ela se expressa melhor em baixas temperaturas; e quando se trata de Pinot Noir frutados, varietais (sem madeira) e simples, muitas vezes devem ser servidas à mesma temperatura que alguns vinhos brancos, ou seja, em torno dos 12°C – o que comparada com a Cabernet Sauvignon, que é servida na faixa dos 17°C ou 18°C, é uma diferença muito marcante.

A uva Pinot Noir Os vinhos mais elegantes do mundo

A uva Pinot Noir Os vinhos mais elegantes do mundo

O clima da uva Pinot Noir

Em termos climáticos, a Pinot Noir necessita, obrigatoriamente, de climas frios e secos, já que sua pele é muito fina e é altamente sensível às enfermidades provocadas pela umidade (como, por exemplo, a Botrytis Cinerea), razão pela qual tem sido muito difícil sua adaptação às outras regiões fora de seu berço, que é a maravilhosa Bourgogne.

Quando plantada em climas calorosos, seus vinhos são muito desequilibrados e falhos de acidez e seus aromas e sabores são extremamente maduros, lembrando a marmelada, o que, no caso desta uva, é considerado um fator negativo.

Uma característica importante da uva Pinot Noir é que ela tem uma mínima concentração de antocianinas (pigmento/cor) nas células da sua pele, portanto seus vinhos sempre têm um aspecto visual claro e algumas vezes quase rosado, o que por outro lado ajuda na sua característica e fama de produzir os vinhos mais sedosos e suaves do mundo – isto se deve aos seus taninos de textura muito aveludada, muito delicados.

Vinhos da bourgogne

Vinhos da bourgogne

A uva Pinot Noir fora da Bourgogne

Fora da Bourgogne, a Pinot Noir tem conseguido excelentes resultados nos Estados Unidos, onde Napa e Sonoma (em Califórnia) e Oregon são as regiões que mais se destacam. Em Nova Zelândia podem também se encontrar vinhos elaborados com uva Pinot Noir de altíssimo nível, principalmente os que provêm de Malborough, região vitivinícola localizada na parte norte da ilha do sul.

No caso da América do Sul, o Chile é o país que tem demostrado o maior avanço qualitativo com esta uva, e que tem ganhado grande destaque na última década. Isto principalmente devido à procura de climas mais frescos com influência marítima, o que favorece ao crescimento e à qualidade dos vinhos desta uva. Casablanca, localizada na metade do caminho entre Santiago e Valparaiso, é uma região já consagrada e com mais de uma dezena de produtores que têm tido muito sucesso com esta uva.

Já algo mais perto do oceano pacífico, na região de San António, se encontra alguns dos Pinot Noir de maior qualidade deste país, o que se diferencia por seu caráter extremamente fresco e mineral. A mais recente região localizada a 400 quilômetros ao norte de Santiago, o Vale de Limarí, está também se destacando como um lugar muito interessante para a produção de grandes Pinot Noir.

A Argentina mesmo já tem se destacado com vinhos elaborados com esta uva e, embora que Mendoza seja considerada sua região emblemática já consolidada no mundo e amplamente conhecida pela Malbec, não tenha um clima apropriado para a produção desta uva (que gosta do frio). Os resultados na região do Rio Negro, na Patagônia Argentina, também são muito alentadores.

A uva Pinot Noir no Brasil

No Brasil, os produtores e vinícolas locais também têm manifestado certo interesse por esta variedade, e embora que todos concordem, nas dificuldades e alto custo de investimento em investigações, os resultados obtidos até agora no Rio Grande do Sul e na Serra Catarinense sugerem um futuro promissor.

 

Veja Também:

 

 

A uva Carignan, o segredo escondido do Chile

 

A uva Carignan renasce no  Chile.

Se falarmos de vinhos do Chile e de suas uvas mais importantes, teremos sempre que falar de Carménère, a uva já conhecida por todos e que foi e é (como é o Malbec para argentina) a bandeira da viticultura deste país. Mas o segredo é que tem outra uva que irá colocar o Chile novamente no topo da cena mundial. Essa é a fascinante Carignan.

A Carignan tem uma história fantástica, e sensorialmente possui características sobressalientes. Ela tem tudo o que é necessário para se converter na uva do futuro do vinho chileno, e tudo indica que nos próximos anos vai dar muito que falar. O certo e concreto é que seus vinhos são incrivelmente bons, e a modo de introdução nesta uva apresento e recomendo à continuação um deles, da vinícola Gillmore.

Gillmore é uma vinícola boutique, que só produz vinhos tintos, e que possui um selo muito particular com vinhos de muita personalidade.

Este “selo” que está em todos os seus vinhos, tanto aromático como gustativamente falando está representada no caso do aroma, com as suaves notas frescas de menta, alecrim, pinho, e em algumas safras até mesmo eucaliptos.

A uva Carignan, o segredo escondido do Chile

A uva Carignan, o segredo escondido do Chile

 Gillmore Carignan 2007 

Há chocolate em abundância, cereja, canela e outras especiarias doces. A melhor forma de explicar as características deste vinho é imaginar um bombom de cerejas recheado com menta… Uma delícia.

Impecável também a sua performance ao paladar. Ingressa na boca com um frescor impressionante e uma harmonia digna dos grandes vinhos, tudo em equilíbrio. Os taninos muito maduros, mas com a rusticidade que caracteriza esta uva. Este vinho, e outros fantásticos do vale do Maule, estão começando a demonstrar o enorme potencial desta uva. Um vinho muito escasso, delicioso e com uma relação de preço e qualidade difícil de superar.

Vinho Gillmore Carignan

Vinho Gillmore Carignan

 

Potencial de evolução

Como dado importante, gostaria de destacar o grande potencial de evolução que tem em geral os vinhos do vale do Maule. E, em particular, os vinhos desta vinícola. Ou seja, para quem gosta de vinhos mais elegantes e frescos, com graduações de álcool menores do que estamos acostumados com os vinhos do Novo Mundo. Os vinhos do Maule são, neste sentido, perfeitos e felizmente vão ao mesmo sentido do que os mercados mundiais – e também os paladares mais entendidos a nível nacional estão preferindo e exigindo vinhos menos maduros, menos pesados, menos cansativos, menos maquiados (madeira)… Estão preferindo vinhos opostos a estes estilos detalhados. Ou seja, vinhos mais francos e frutais, não muito maduros, sem excesso da madeira, mais frescos, mais puros, mais genuínos, onde se vá conseguir beber a garrafa toda.

Nas próximas semanas pretendo continuar falando sobre esta uva, porque tem muita informação interessante para entregar e muitas vinícolas do Chile estão começando a elaborar vinhos com ela. Até uma associação recentemente formada pretende resgatar e posicionar esta uva entre as uvas tops do Chile.

Comecei indicando este Carignan da Gillmore porque tenho absoluta certeza que logo após degustá-lo vai se apaixonar pelos vinhos desta bodega e desta uva. Para terminar, e só como informação complementar, Robert Parker entregou 93 pontos para duas safras deste vinho de maneira consecutiva (safra 2008 e 2009), o que é uma pontuação inacreditável para um vinho desta faixa de preço.

 

Felipe García e sua mulher Constanza Schwaderer Enólogos do Ano no Chile

 

Na categoria enólogo do ano, o reconhecimento foi para um casal, trata-se de Felipe García e sua esposa Constanza Schwaderer, ambos jovens enólogos, porém com uma ampla trajetória na cena vitivinícola chilena.

Na semana passada no restaurante Quintral, que fica localizado no bairro Lastarria em Santiago do Chile, foram entregues os reconhecimentos que realizam o Círculo de Cronistas Gastronómicos y del Vino, que tem como finalidade destacar o melhor de cada ano referente a vinho e gastronomia.

Nas últimas décadas, ambos trabalharam em conhecidas vinícolas chilenas e hoje produzem seus próprios vinhos, num projeto pessoal que ao princípio chamava-se de Bravado Wines, mas que recentemente mudou de nome, a agora tem um nome que é ainda é mais pessoal, levando os sobrenomes de cada um, Garcia é o sobrenome de Felipe e Schwaderer é o sobrenome de Constanza.

Felipe García e sua mulher Constanza Schwaderer Enólogos do Año no Chile 2015

Felipe García e sua mulher Constanza Schwaderer Enólogos do Año no Chile 2015

No Brasil é possível encontrar alguns dos vinhos do casal, todos eles muito interessantes e diferentes.  Sendo que o diferencial desses enólogos foi procurar terroirs pouco conhecidos para a elaboração dos seus vinhos. Um exemplo é o vinho Facundo, é um tinto que mistura uvas da região Itala, Maule e Lolol (na parte costeira do Vale de Colchagua).

Só para ter uma ideia da qualidade dos vinhos, o Carignan (García e Schwaderer Vigno 2010) tem a maior pontuação para Robert Parker de todos os produzidos no Chile.

Destacando outros vinhos do casal, existe um branco elaborado a base da uva Sauvignon Blanc proveniente do vale de Casablanca que tem o nome de Marina, e um Pinot Noir e Syrah também do Casablanca que tem o nome de Sofia.

Se tiverem a oportunidade de degustar alguns destes vinhos, tenho certeza que a sensação vai ser surpreendente, vão adorar!

Onde comprar:

García e Schwaderer Facundo

http://www.buywine.com.br/vinho-bravado-wine-facundo-2009/p

 García e Schwaderer Vigno Carignan

http://www.buywine.com.br/vinho-bravado-wine-vigno-2009/p