Posts

Os vinhos brancos

Os vinhos brancos muitas vezes são elaborados com uvas de cor branca, mas pode haver exceções, eles também podem ser elaborados com castas de cor escura. Isso devido ao suco de uva que é incoloro, por tanto é possível elaborar vinhos brancos com uvas escuras, mas é impossível elaborar vinhos tintos com uvas brancas, já que as antocianas, (pigmentos que aportam à cor) estão na pele da uva tinta.

As uvas para elaborar vinhos brancos

Existe uma grande quantidade de uvas que elaboram vinhos brancos, e cada um dos países se especializam em algum tipo delas, por exemplo, a Nova Zelândia e reconhecida pelos Sauvignon Blanc, já na Argentina pela Torrontés, Bourgogne, na França pela Chardonnay, e assim por diante. Além das três mencionadas, existem outras dez que são bem conhecidas mundialmente, tais como: Viogner, Riesling, Semillon, Gewrztraminer, Pinot Blanc, Roussanne, Marsanne, ect…

Os vinhos brancos

Os vinhos brancos

 

Como são elaborados os vinhos brancos

Cada uva tem sua própria caraterística em termos aromáticos e acidez, sendo este último um parâmetro muito importante, a maioria dos vinhos brancos são fermentados de forma diferente aos vinhos tintos. A fermentação é sem a presença da pele (as cascas), já que as mesmas poderiam entregar demasiados componentes herbáceos, sendo que essa caraterística sensorial é considerada um elemento que diminui a qualidade e a fineza do aroma, além de ser responsável do amargor. Claro que existem várias exceções, onde os vinhos brancos fermentam e até permanecem em contato com as cascas, esse é o caso de grande parte dos Chardonnay da Bourgogne e também de vinhos elaborados por essa uva em outras partes do mundo.

 

Temperaturas de serviço dos vinhos brancos

Normalmente os vinhos brancos se degustam a temperaturas frias, mas pode variar consideravelmente e depende unicamente do tipo de vinho em questão.

Por exemplo, os vinhos brancos mais simples, sem madeira e mais jovens, se recomenda beber a uma temperatura bem baixa, entre os 6º a 7º. Já no outro extremo, quando trata de um vinho branco de grande nível qualitativo, que foi estagiado em madeira, ou que já está evoluído, vai ser necessário degustá-lo a uma temperatura muito maior, entre os 12º a 13º. Dessa forma será possível apreciar todas as sutilezas e complexidades desse tipo de vinho.

 

Você sabia que o Cognac tem origem na destilação de vinhos brancos?

Um dos símbolos da França, a bebida se apropria da cor e dos aromas do carvalho

Produto da destilação de vinhos brancos, o Cognac é uma bebida que, durante longa permanência em barricas, se apropria da cor e dos aromas que o carvalho lhe transfere.

O VSOP, por exemplo, amadurece em barricas por cinco anos ou mais. O carvalho usado é de alta porosidade e com pouco tanino. Consequentemente, as perdas por evaporação nesse período de amadurecimento são impressionantes. Os recintos de estocagem são o habitat de um fungo que vive das emanações alcoólicas das barricas. Elas são tão intensas que se perde um volume de Cognac por ano equivalente ao que se consome dessa bebida na França.

 

Vinho básico

Ainda que um Cognac legítimo tenha a complexidade de um grande vinho, seus precedentes nada têm de extraordinários. São pouco alcoólicos e muito ácidos, originados da uva Ugni Blanc, cultivada em área delimitada, em solo calcário e clima temperado e chuvoso.

A delimitação da área deu-se em 1938 quando a denominação Cognac foi subdividida nas seis áreas atuais. Isso ocorreu às vésperas da Segunda Grande Guerra, quando a bebida já possuía um longo rastro na história.

Você sabia que o Cognac tem origem na destilação de vinhos brancos?

Você sabia que o Cognac tem origem na destilação de vinhos brancos?

O sal destrói!

Em tempos passados, nos séculos XIV e XV, os vinhedos em torno de Cognac, no oeste da França, originavam vinhos populares, ácidos e pouco alcoólicos, requisitados pelos marinheiros dos navios que aportavam para carregar o sal da Charente, perto de Cognac. Não demorou para que as barricas de tais vinhos passassem a desembarcar no norte da Europa como complemento de carga dos navios que transportavam sal, também em barricas. Essa condição mercantil prosperou de tal forma que começou a faltar espaço, nos porões, para o vinho. Surge, então, a idéia de destilar o vinho para que ele ocupe um volume menor.

No século XVII os holandeses instalam os primeiros alambiques na Charente, aperfeiçoados pelos franceses que introduzem a dupla destilação. Em conseqüência do atraso nos embarques, percebe-se que o destilado se beneficia com o estacionamento em barricas de carvalho e que pode ser consumido puro. Estava descoberto o Cognac como o conhecemos hoje.

A Filoxera destrói!

Durante o século XVII, o mercado de Cognac é organizado. São criados escritórios de representação em várias cidades que coletam a bebida de diversas fontes e encarregam-se de colocá-la na Holanda, na Inglaterra e, posteriormente, na América e no Extremo Oriente. Criam-se paralelamente as indústrias conexas: garrafas, caixas, rolhas, impressos.

Por volta de 1875, porém, a praga da Filoxera, na Charente, destrói quase todo o vinhedo. Falta Cognac no mundo e quem se beneficia disso é o uísque, uma aguardente da Escócia que passa a comandar o mercado de destilados.

Uva Ugni Blanc

Uva Ugni Blanc

 

Delimitação

A reconstituição do vinhedo da Charente vai se dar trinta anos mais tarde com o recurso à enxertia. Antes disso, o geólogo Henri Coquand havia caracterizado os solos da região em torno de Cognac, entre La Rochelle e Angoulême.

Com base nos estudos de Coquand, realiza-se a delimitação, em 1909, da área exclusiva do Cognac. A partir daí foram reconhecidos os três crus de Cognac, denominados Champagne, Borderie e Bois.

O Cognac tem, então, condições para se constituir em uma Denominação de Origem Controlada, o que acontece em 1936. Dois anos depois, as três áreas são subdivididas nas áreas de cultivo atuais: Grande Champagne, Petite Champagne, Les Borderies, Fins Bois, Bons Bois e Bois à Terroirs.

Ainda que não seja obrigatório, as garrafas de certos Cognacs têm estampado, no rótulo, um desses nomes.

Nos dias de hoje
No rótulo da garrafa de Cognac é obrigatório constar o nome da Denominação (Cognac ou Eau-de-Vie des Charentes), o conteúdo (ml ou cl) e o teor alcoólico (40% mínimo).

É facultativa a menção à sub-região (Grande Champagne, Fins Bois etc…) e à designação de envelhecimento (VS ou Very Special, VSOP ou Very Superior Old Pale, ou Napoleon X.O.). Nesses formatos, o Cognac é importado por cerca de 160 países do mundo e tido como produto de alta qualidade, símbolo da França e de sua arte do bem viver.

 

Milagre moderno: água é ‘transformada’ em vinho em cidade italiana

Para religiosos ávidos por sinais de Deus bem que poderia ser um autêntico milagre.

E por que não chamar o caso de um “milagre moderno“? Tal qual a passagem bíblica, a cidade italiana de Marino viu a água ser transformada em vinho. Vinho branco – eu disse que se trata um milagre moderno. Na verdade, não houve qualquer intervenção divina. As torneiras da cidade começaram a liberar vinho por um erro de uma empresa responsável por um festival na localidade.

Todo ano, a pequena cidade montanhosa, conhecida pelo bom vinho que produz, realiza um festival que já dura 400 anos e que faz vinho jorrar de uma fonte no centro da cidade. Marino comemora a vitória em batalha contra os turcos.

Só que desta vez, os dutos das vinícolas locais foram conectados à rede de água de Marino, em vez de ligados à tradicional fonte da comemoração. Logo, para surpresa geral, as cozinhas das residências na cidadezinha já estavam com abundantes doses de vinho para servir.

“As pessoas daqui estão dizendo que se trata de um milagre”, disse o prefeito, Adriano Palozzi

Milagre moderno água é 'transformada' em vinho em cidade italiana

Milagre moderno água é ‘transformada’ em vinho em cidade italiana

 

Jerez lança garrafa de 10.000 euros

São apenas 100 garrafas daquele que será o mais exclusivo Jerez, chamado Versos. O vinho foi lançado pelo produtor Barbadillo e tem mais de 125 anos. Muito mais não se sabe. A única coisa que se sabe é que foi oferecido, ainda em casco, no batizado de Manuel Barbadillo, em 1891 e dizia-se já na altura, que era “muito velho”.

A família manteve o casco, do qual foi bebendo e atestando com outros Jerez menos antigos. Manuel Barbadillo, com uma história famosa na empresa e na região, faleceu em 1986 e chegou a altura da família o homenagear com o Versos. A garrafa é de cristal (fabricada pela portuguesa Atlantis) e o preço aproximado de cada garrafa rondará os 10.000 euros.

Este lançamento trouxe alguma onda de esperança na região de Jerez, já que vinhos deste preço ajudam a levantar a notoriedade e prestígio de uma região. Recorde-se que o vinho de Jerez tem sofrido vários reveses na última década, baixando substancialmente as vendas em todos os grandes mercados de exportação (Reino Unido, Holanda, Alemanha, EUA).

O único segmento que se ‘salvou’ foi o dos topos de gama, cujas vendas chegaram mesmo a crescer. Mas este segmento, já se calcula, é o mais pequeno, em termos de volume total.

 

Jerez Versos1891

Jerez Versos 1891

 

Temperaturas ideais para degustar um vinho branco

Degustar um vinho numa temperatura errada pode estragar até os melhores rótulos.

Veja como isto funciona com os vinhos brancos.

Sabemos que vinho branco se bebe gelado e que o tinto é na temperatura ambiente… Será que é isso mesmo?

O mais comum em relação a este tema é encontrar tabelas que falam que tal tipo de uva se bebe a tal temperatura. Mas já se perguntaram como pode isso ser possível (e estar certo) se dentro de uma mesma variedade de uva temos inúmeros tipos de vinhos, de diferentes países, idades e estilos?

A primeira coisa que precisa estar esclarecida é a ideia de que servir um vinho a uma temperatura específica e certa é para que o vinho possa mostrar seus atributos da melhor maneira possível. Portanto, o objetivo é dar uma ajuda para ressaltar as caraterísticas positivas que o vinho tem (e não as características negativas).

É verdade que os vinhos brancos devem ser bebidos frios, mas a diferença de temperatura não vai depender da uva e, sim, do estilo de vinho, já que é possível termos, com uma mesma uva, um vinho onde a diferença ideal de temperatura pode ser de até 5°C – ou talvez até mais.

Sauvingon Blanc de uma região fresca

Por exemplo: um Sauvingon Blanc de uma região fresca, que seja jovem, leve e varietal (sem estágio em madeira), vai precisar de uma temperatura muito fresca (7°C) para poder mostrar todos os seus encantos. Ao contrário, um Sauvignon Blanc elaborado como “Late Harvest” (vinhos de sobremesas), evoluído, elegante, oleoso e estruturado, vai ser melhor degustado a uma temperatura muito maior, (12°C) e assim acontece com a maioria das uvas. Ou seja, a temperatura ideal depende do estilo do vinho – e não da uva que o origina.

Sempre falando de vinhos brancos, o que temos que fazer é diferenciar em termos de concentração e complexidade. Assim, os vinhos mais leves e simples vão ser bebidos no limite do frescor (6°C). Na medida em que a concentração, a estrutura e a complexidade vão aumentando, aumenta-se também a temperatura de serviço.

Vinhos brancos de corpo médio com estágio em madeira, medianamente jovens (1 a 2 anos de idade), precisam de uma temperatura intermediária (no contexto dos vinhos brancos), isto é, uns 9°C. Já os brancos mais densos, viscosos e concentrados, que foram estagiados em madeira e que estão evoluídos, precisam de uma temperatura muito mais cálida para mostrar todos os seus atributos (12°C).

Temperaturas ideais para degustar um vinho branco

Temperaturas ideais para degustar um vinho branco

Outras dicas sobre as temperaturas nos vinhos brancos:

Para os vinhos mais leves e frescos, se a ideia é refrescar e realçar a acidez do paladar (a acidez e o gás carbônico presentes em vinhos brancos jovens) sempre será recomendável optar por temperaturas muito baixas. Mas isto vai depender também da temperatura do lugar que vamos beber o vinho, assim como também da quantidade de vinho que vamos colocar na taça. Sempre será melhor servir o vinho branco em taças menores que as usadas em vinhos tintos, e o mais importante: em quantidades menores, deixando o restante do vinho em um balde com água e gelo.

Quando vamos beber vinhos brancos de regiões cálidas, onde a graduação alcoólica é elevada, é muito recomendável procurar o extremo da temperatura fresca (6°). Estes vinhos normalmente são o que, tecnicamente, se denominam “planos” (carentes de acidez). Portanto, a baixa temperatura vai ocultar o álcool e ressaltar a acidez, e o vinho vai parecer um pouco mais equilibrado.

Do contrário, um vinho sem acidez e com uma graduação alcoólica elevada (14 ou mais graus), se for servido a mais de 8°C vai se expressar aromaticamente agressivo e desequilibrado (o álcool vai até irritar ao nariz), e ao paladar vai ser também absolutamente desequilibrado, dando uma sensação de “queimar” a boca.

Então agora já sabe… Fique de olho com a temperatura, porque alguns graus a mais ou a menos fazem a diferença entre beber um vinho bom e um nem tanto.

 

Cinco coisas que você não sabia sobre o vinho branco

 

Dúvidas que você sempre quis esclarecer, mas teve vergonha de perguntar

 

O vinho branco pode ser produzido com uvas do vinho tinto 

Sim, também se produz vinho branco com uvas tintas. O pigmento está presente na casca da uva e o tempo que o mosto permanece em contato com ela é que determina a intensidade da cor. No caso dos brancos não existe este contato. Um exemplo clássico são os espumantes produzidos com as uvas de vinho tinto pinot noir e pinot meunier.

 

 A uva branca mais famosa do mundo é a chardonnay

Ela produz vinhos mais encorpados, seu sabor varia do mais delicado e mineral, como os rótulos produzidos em Chablis, na França, até a sabores mais fortes, como fabricados na Califórnia, EUA.

 

O vinho branco possui vários estilos

Doce, seco, ultradoce, meio seco, dependendo da uva e da região, as possibilidades entre os vinhos brancos são inúmeras.

 

Um dos vinhos mais cobiçados do mundo é branco

A famosa vinícola francesa Château d’Yquem produz Sauternes (vinhos brancos de sobremesa), que são considerados um dos melhores vinhos doces do mundo.

 

Existem uvas brancas pouco conhecidas

Furmint e Hárslevelu são utilizadas na Hungria para a produção do nobre vinho doce Tokaji. Loureiro é utilizada na produção dos vinhos verdes portugueses. Apesar do nome, são brancos, jovens, com bastante frescor e levemente frisante. Garganega é a italiana mais famosa do Vêneto.

A uva branca mais famosa do mundo é a Chardonnay

A uva branca mais famosa do mundo é a Chardonnay

 

 

Oídio: O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

 
O oídio hiberna nos gomos da planta ou na superfície da mesma. A partir dos 15ºC e 25% de humidade torna-se ativo. Todas as partes verdes da planta são atacadas. Nas folhas surgem umas manchas de tom verde oleoso. Na página inferior um pó cor de cinza esbranquiçada (esporos) exibe a instalação do fungo.

Sem tratamento os tecidos morrem, os pequenos bagos rebentam e a podridão cinzenta acaba por destruir parte ou a totalidade da colheita. É mais estimulado pela densidade da copa da videira que pela humidade do ar. A luz solar direta inibe a germinação dos esporos.

A prevenção cultural faz-se eliminando (à poda) varas com cleistotecas (pontos negros onde hibernam os esporos sexuais do fungo), promovendo o arejamento da videira e evitando o vigor excessivo.

 

Oídio O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

Oídio O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

 

A luta contra o oídio tem habitualmente calendário fixo. É necessário proteger a vinha desde a floração até ao fecho dos cachos.

A doença é controlada desde 1854 com a aplicação de enxofre. Existem duas formas: o enxofre molhável e o enxofre em pó (a primeira tende a ser a mais utilizada e de preferência só até à floração). Na luta química, existe um número variado de fungicidas que inibem a germinação do fungo e/ou bloqueiam a formação dos apressórios necessários à penetração do fungo na planta.

Em situações de emergência, que são vulgares, existe o permanganato de potássio que é um detergente que “lava” a doença da planta. Depois da limpeza a videira está muito exposta a ataques, donde que, se deve aplicar a proteção de enxofre ou fungicida orgânico.

Veja: Míldió

 

A notabilidade dos vinhos Kosher

 

Mercado de produtos fabricados segundo as normas da dieta judaica ortodoxa movimenta US$ 600 milhões em todo mundo

As vinícolas têm bons motivos para olhar com atenção para o mercado de produtos Kosher, que movimenta anualmente 600 milhões de dólares em todo mundo, e são consumidos em países como Estados Unidos, Brasil, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Áustria, Argentina, Israel, Itália, Noruega e Polônia. O certificado Kosher é um documento emitido para atestar se os produtos fabricados por uma determinada empresa obedecem às normas específicas que regem a dieta judaica ortodoxa. Ele é mundialmente reconhecido e considerado sinônimo de controle máximo de qualidade.

O processo de emissão para um certificado Kosher depende da colaboração e total transparência nas informações que serão permutadas entre a empresa que fabrica o produto e a entidade judaica que emitirá o documento. Um produto Kosher, portanto, é considerado puro, pois é fabricado de acordo com as leis judaicas.

Para que receba o certificado Kosher, um vinho deve ser elaborado sob a supervisão de um rabino. Todos os produtos utilizados na produção devem ser Kosher, não é permitido que uma pessoa não judia manipule o vinho, de tal modo que toda a adega é selada, para evitar a contaminação.

A verdade é que, independentemente de monitoramento do vinho nos processos, os vinhos Kosher não possuem em qualquer fase da fabricação um elemento comum entre eles, como todos os outros vinhos, diferem-se à área de produção, variedade, produção e envelhecimento.

Vinhos Kosher

Vinhos Kosher

 

Vinho branco também previne doenças cardíacas

 

Estudo na Itália sugere que não é só o tinto que possui benefícios para a saúde

Pesquisas sempre mostraram que o consumo de vinho tinto oferece benefícios para a saúde, por conter altas concentrações de polifenóis, uma substância antioxidante.

Como os polifenóis estão presentes nas cascas das uvas, e como os vinhos tintos são feitos da maceração das uvas inteiras, ou seja, com cascas, os tintos ganharam maior atenção da área da saúde. Um novo estudo da Universidade de Turim em parceria com o Hospital de Versília, porém, sugere que o vinho não precisa ser tinto para ser saudável.

As pesquisas mostraram que o álcool presente nas bebidas já possui benefícios cardiovasculares, reduzindo riscos de infarto e derrame.

Além disso, o vinho branco também possui polifenóis, que fazem os vasos sanguíneos produzirem mais óxido nítrico, baixando a pressão sanguínea e prevenindo doenças cardiovasculares, diabetes e doenças crônicas nos rins. Moderadamente, portanto, o vinho branco também pode tornar sua dieta mais saudável.

Vinho branco também previne doenças cardíacas

Vinho branco também previne doenças cardíacas