Posts

Quando for degustar vinhos, não use perfume

 

É uma das melhores dicas em relação á percepção sensorial.

Em degustações profissionais, é regra e muito clara e não pode, nem deve usar perfume para não encobrir os aromas dos vinhos.

Colocar perfume antes de uma degustação não só vai a atrapalhar os outros assistentes a degustação, mas vai atrapalhar principalmente a você mesmo, e é claro, os aromas dos perfumes ficam na “ponta do nariz”, então vai ser impossível poder detectar as sutilezas aromáticas de um vinho.

 

Já na vida cotidiana a regra é um pouco mais flexível, o seja, se vai sair para degustar uns vinhos com amigos, num winebar ou algo pelo estilo, pode colocar um perfume, mas este não pode ser demasiado intenso.

 

Também tenha muito cuidado na hora de lavar as mãos antes de uma degustação. Ponha atenção antes de colocar o sabonete, já que tem muitos deles que tem aromas de flores, limão, eucaliptos, ect.. Que são os mesmos aromas que estão em muitos vinhos, então, na hora de aproximar a taça de vinho no nariz, você não vai saber se esses aromas são do próprio vinho ou do sabonete que acaba de usar para lavar as mãos.

Uma dica simples: lavar só com agua.

Quando for degustar vinhos, não use perfume

Quando for degustar vinhos, não use perfume

 

Segundo pesquisa, é preciso combinar vinho com exercícios físicos para colher benefícios à saúde

 

Consumo de vinho precisa estar ligado à prática de exercícios físicos para ter efeito benéfico

De acordo com estudo tcheco, efeitos benéficos do vinho são sentidos apenas quando combinados com prática regular de exercícios

Desfrutar um copo de vinho no jantar combinado à prática de exercícios físicos pode ser a solução para diminuir as chances de contrair doenças cardiovasculares, de acordo com estudos realizados por cientistas tchecos da Unversidade de Palacky.

A pesquisa liderada pelo professor Milos Taborsky monitorou 146 pessoas com uma leve ou moderada possibilidade de contrair doenças cardíacas durante um ano. Na análise, metade dos voluntários consumiram vinho branco (Chardonnay-Pinot) e metade vinho tinto (Pinot Noir), sendo que as mulheres foram autorizadas a ingerir 200 ml da bebida e os homens, 300.

No geral, não houve alteração nos níveis de colesterol “bom” entre os que apenas beberam vinho tinto ou branco, mas resultados “positivos e contínuos” foram observados entre aqueles que, além de consumir a bebida, exercitavam-se regularmente. “Descobrimos que o consumo moderado de vinho só tem efeito protetor nas pessoas que se exercitam. Tanto tinto quanto branco tiveram resultados semelhantes”, apontou Taborsky.

“Nosso estudo mostrou que a combinação do consumo moderado de vinho com exercícios físicos regulares melhora os marcadores de aterosclerose, sugerindo que esta combinação proteja as pessoas contra doenças cardiovasculares“, afirmou Taborsky.

Vinho com exercícios físicos

Vinho com exercícios físicos

Descoberta de adega de 3.700 anos de idade explica a origem do vinho

O vinho é bem antigo e provavelmente surgiu onde hoje está Israel. Isso é o que indica a descoberta de uma adega de 3.700 anos de idade na cidade de Tel Kabri. Qual era o gosto do vinho do passado? Relatos variam de “medicinal” para “toques de canela”.

Wall Street Journal e o The New York Times publicaram reportagens com a história de uma equipe da Universidade George Washington, nos Estados Unidos, que encontrou 40 jarras de 90cm de altura contendo o que um dia foi vinho. O vinho em si não foi preservado, mas testes em laboratórios com resíduos orgânicos mostraram que o líquido provavelmente era aquele fermentado feito a partir de uvas que conhecemos.

Mas por que nos importamos com isso? Antes disso, a coleção mais velha de vinhos encontrada estava no Egito, na tumba do Faraó Escorpião I. Essa coleção em particular é datada de cerca de 3.000 a.C., mas a questão aqui é que o Egito não é um lugar do planeta onde uvas crescem naturalmente. Cientistas por muito tempo acreditaram que as uvas eram provenientes dos cananeus que ficavam próximos ao mar um pouco mais ao norte. E essa nova descoberta corrobora essa tese.

Descoberta de adega de 3.700 anos de idade explica a origem do vinho

Descoberta de adega de 3.700 anos de idade explica a origem do vinho

Uma parte interessante da descoberta é que os cientistas conseguiram descobrir como era o gosto dos vinhos antigos. “Doce, forte e medicinal”, disseram ao WSJ:

Os cientistas se concentraram em fragmentos próximos à base das jarras, que ficaram em contato com o vinho armazenado e absorveram um pouco dele. Eles extraíram os resíduos orgânicos presos nos poros e analisaram quimicamente. Andrew Koh, um arqueólogo da Universidade Brandeis, disse que descobriu uma assinatura reveladora de ácido tartárico, componente chave em uvas. Ele também encontrou traços de compostos que sugerem que outros ingredientes podem ter sido adicionados ao vinho, incluindo mel, menta e ervas.

E a equipe pode ter muito mais a descobrir – alguns dias antes da escavação terminar, outro par de portas foi encontrada na adega, e acredita-se que elas podem levar a mais vinhos. Infelizmente, aquela história de “o vinho fica melhor com o tempo” só deve durar por um milênio ou um pouco mais. [WSJ]

Vinho branco também previne doenças cardíacas

 

Estudo na Itália sugere que não é só o tinto que possui benefícios para a saúde

Pesquisas sempre mostraram que o consumo de vinho tinto oferece benefícios para a saúde, por conter altas concentrações de polifenóis, uma substância antioxidante.

Como os polifenóis estão presentes nas cascas das uvas, e como os vinhos tintos são feitos da maceração das uvas inteiras, ou seja, com cascas, os tintos ganharam maior atenção da área da saúde. Um novo estudo da Universidade de Turim em parceria com o Hospital de Versília, porém, sugere que o vinho não precisa ser tinto para ser saudável.

As pesquisas mostraram que o álcool presente nas bebidas já possui benefícios cardiovasculares, reduzindo riscos de infarto e derrame.

Além disso, o vinho branco também possui polifenóis, que fazem os vasos sanguíneos produzirem mais óxido nítrico, baixando a pressão sanguínea e prevenindo doenças cardiovasculares, diabetes e doenças crônicas nos rins. Moderadamente, portanto, o vinho branco também pode tornar sua dieta mais saudável.

Vinho branco também previne doenças cardíacas

Vinho branco também previne doenças cardíacas

Consumo de vinho ajudar a reduzir perda de visão

 

 Segundo pesquisa norte-americana, consumo moderado pode reduzir risco de deficiência visual em longo prazo

Uma pesquisa da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, sugere que o consumo moderado de vinho pode reduzir o risco de deficiência visual em longo prazo. Liderados pelo Dr. Ronald Klein, do Departamento de Oftalmologia do Wisconsin e Ciências Visuais, os pesquisadores analisaram, por 20 anos, os olhos de 6 mil pessoas com leve deficiência visual entre 43 e 84 anos e fizeram uma relação com seus hábitos de vida.

Na fase inicial do estudo, os participantes fizeram uma medição da sensibilidade de cada olho, orientada pela quantidade de letras e números não identificados pelos voluntários. Percebe-se que, durante um período de 20 anos, essas pessoas costumaram perder, em média, a capacidade de ler 6,6 letras (segundo o critério adotado pelos pesquisadores).

Ao comparar os estilos de vida, porém, houve diferenças e o consumo de álcool pareceu diminuir o prejuízo à visão. Apesar de apenas 11% dos abstêmios terem apresentando deficiência ao longo do tempo, o número entre os que consumiam pequenas quantidades de álcool ocasionalmente foi bem menor, com 4,8%, assim como para o consumidores regulares, com 3,6%.

Mais interessante ainda foi quando a pesquisa focou no vinho. O estudo mostrou que a deficiência afetou 7,8% daqueles que não consomem a bebida, apenas 4% dos que a bebem ocasionalmente, e 2,7% dos que degustam regularmente.

O estilo de vida também influencia nas chances de se contrair uma deficiência visual. Por exemplo, aqueles que eram fisicamente ativos tinham menos chance de desenvolver uma complicação visual, ao passo que os fumantes tiveram mais facilidade em contraí-la. “Estilos de vida como fumar, beber e praticar exercícios físicos estão diretamente associados com o desenvolvimento de doenças visuais em longo prazo”, afirmou Klein.

É certo que fazer exercícios regularmente, não fumar e ter uma dieta equilibrada resultam em uma melhor saúde ocular. Mas quanto ao consumo de vinho, ainda são necessárias mais pesquisas para averiguar se sua ingestão, por si só, já é suficiente para reduzir as chances de perda da visão.

vinho pode ajudar a reduzir perda de visão

Vinho pode ajudar a reduzir perda de visão

Aos 102 anos, gêmeos mais velhos do mundo dão dicas para viver muito

 

‘Comer pouco, beber vinho e não ir atrás de mulher’ são segredos, contam.

Belgas tomam vinho todo dia e nunca foram casados.

Comer com moderação, beber uma taça de bom vinho todos os dias e evitar ir atrás de mulheres são os segredos de uma vida longa, afirmam os belgas Pieter e Paulus Langerock, os gêmeos mais velhos do mundo.

Nascidos em 8 de julho de 1912, os irmãos viveram juntos a maior parte de suas vidas e até hoje mal saem um do lado do outro. Eles dividem quarto em um asilo nos arredores da cidade de Ghent, na Bélgica.

“Não há muitos conselhos que eu possa dar. Não desperdice seu tempo fazendo hora, não coma demais e não corra atrás de mulheres”, diz Paulus, alternando francês e holandês, os principais idiomas do país, assim como um dialeto local.

Depois de uma longa carreira como juízes em meados do século 20, os dois homens de 102 anos preferem falar francês e serem conhecidos como Pierre e Paul.

Aos 102 anos, gêmeos mais velhos do mundo dão dicas para viver muito

Aos 102 anos, gêmeos mais velhos do mundo dão dicas para viver muito

Ambos tomam uma taça de vinho todos os dias.

“Dê-nos um Bordeaux, mas de boa qualidade”, diz Paulus a sua enfermeira na casa de repouso para onde os dois se mudaram há apenas três anos.

Nenhum dos dois se casou e eles sempre desaprovaram as escolhas um do outro de potenciais companheiras ao longo dos anos. “Sim, Paulus é meu melhor amigo. Estamos sempre juntos”, diz Pieter.

Apesar de serem os gêmeos mais velhos do mundo ainda vivos, faltam mais três anos para eles quebrarem o recorde dos irmãos americanos Glen e Dale Moyer, que viveram até os 105 anos.

Reconhecidos como gêmeos mais velhos do mundo, os irmãos belgas Paulus e Pieter Langerock brindam no abrigo Ter Venne em Sint-Martens-Latem. Companheiros, eles nunca tiveram esposas. Para eles, um dos segredos da longevidade é ‘não ir atrás de mulher’ (Foto: Yves Herman/Reuters)

 

Esta com gripe?…então beba vinho, diz estudo da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia!

 

Estudos apontam que flavonoides do vinho ajuda a diminuir em 33% a contração de infecções no sistema respiratório.

Pesquisa realizada na Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, aponta que pessoas que consomem vinhos estão menos vulneráveis à gripe.

De acordo com Andrea Braakhuis, autora do estudo, isso se deve a um elemento encontrado em grande quantidade no vinho tinto: flavonoide; composto químico que ajuda a diminuir em 33% a contração de infecções no sistema respiratório.

“Isso significa que, se você costuma ficar gripado três vezes no ano, isso pode ser diminuído para apenas duas”, relata Andrea.

Ainda segundo o estudo, a ingestão dos flavonoides não precisa ser em alta quantidade para obter o “efeito protetor”, a partir de 0,2 grama – quantidade existente numa taça de vinho – já é possível constatar o resultado.

Esta com gripe...tome vinho diz estudo da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia!

Esta com gripe…tome vinho diz estudo da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia!academia parker 

 

Fonte: Revista Adega.

O consumo de vinho aumenta a qualidade do esperma

Estudos de cientistas poloneses constataram que homens que consomem vinho diariamente e de forma moderada tem esperma mais forte

O papel do estilo de vida a dotado pelas pessoas e sua influência na saúde reprodutiva humana é uma área de debate na literatura científica. Agora, um novo estudo publicado na última edição da Systems Biology in Reproductive Medicine promete suscitar ainda mais polêmica.

Uma equipe de pesquisadores do Nofer Institute of Occupational Medicine em Lodz, Polônia, descobriu que os homens que bebem vinho até três vezes por semana produziram um esperma mais forte do que os que não consumiam. Tal conclusão contradiz pesquisas recentes feitas no Reino Unido, que descobriram que determinadas escolhas de estilo de vida, como consumo de álcool e tabaco, não alteravam a saúde do esperma.

No estudo polonês, foi constatado que homens que consomem vinho diariamente e de forma moderada tem um esperma mais forte, com “caudas” mais poderosas. Ou seja, esses espermatozoides são potencialmente melhores nadadores, o que aumenta as chances de fertilização. Ainda de acordo com a pesquisa, ter mais momentos de lazer, consumir café fraco e usar cuecas samba-canção também melhoram o vigor reprodutivo do homem.

A pesquisa, contudo, mostrou que utilizar o telefone celular por mais de 10 anos pode prejudicar a saúde do esperma. “Os resultados sugerem que os fatores de estilo de vida podem, sim, afetar a qualidade do esperma”, afirmam os pesquisadores.

Consumo de vinho aumenta a qualidade do esperma

Consumo de vinho aumenta a qualidade do esperma

 

Vinhedos da Toscana sofrem com tempestades de granizo

 

Vinhedos da Toscana são atacados por intensas chuvas de granizos

Enquanto produtores do resto da Europa desfrutam de um verão “indiano”, na Itália o granizo fez um retorno indesejável

Tempestades violentas e repentinas arrasaram os vinhedos da região norte da Toscana, entre Florença e Lucca. O fenômeno provocou milhões de dólares em prejuízo aos produtores, que já sofriam com uma colheita reduzida. Segundo Francesco Miari Fulcis, presidente da Confagricoltura Toscana, uma organização de agricultores, cerca de 22.000 toneladas de uva foram perdidas com os fortes ventos, raios, granizo e até um tornado que passou pela região na última sexta-feira.

Os danos causados se deram principalmente na área de Montalbano, mas também em Empolese Valdelsa, Vinci, Cerreto Guidi, Scandicci, Signa e Carmignano. Fulcis ainda declarou que os danos aos vinhedos contabilizam cerca de 25 milhões de dólares. Segundo ele, houve também danos estruturais às vinhas, que ficaram em pedaços com a tempestade.  Além disso, carros e casas ficaram destruídos devido à queda de árvores e de pedras grandes de granizo.

Na Europa, muitas regiões viticultoras estão se beneficiando de um ótimo verão para as safras, contudo tempestades de granizo como essa continuam intermitentemente a arrasar as colheitas.

Vinhedos da Toscana

Vinhedos da Toscana

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Uol