Posts

‘Guinness’: tabaqueiro elabora o charuto mais longo do mundo

 

O tabaqueiro cubano José Castelar, elaborou  o charuto mais longo do mundo

onhecido como ‘Cueto’, recebeu na Havana o certificado do ‘Livro Guinness dos Recordes’ por ter elaborado o charuto mais longo do mundo, com 81,80 metros, informa a imprensa oficial.

A embaixadora do Reino Unido em Cuba, Dianna Melrose, entregou o certificado a ‘Cueto’ numa cerimônia que teve a presença de diretores do setor turístico da ilha e do grupo empresarial Habanos S.A., entre outros convidados.

‘A conquista não é só de Cueto, mas também de Cuba e prestigia muito mais seu tabaco, reconhecido mundialmente por sua qualidade, além de contribuir para fomentar as vendas deste produto no exterior e atrair turistas’, disse Melrose à ‘Agência de Informação Nacional’.

Cueto demorou oito dias para confeccionar de forma totalmente artesanal o gigante tabaco, na Feira Internacional de Turismo FITCuba-2011 realizada em Havana.

O charuto foi então colocado ao longo de 12 abóbadas de um pavilhão da fortaleza colonial San Carlos de La Cabaña, onde o tabaqueiro solicitou o recorde do ‘Guinness’.

Para torcer o charuto, ‘Cueto’ usou folhas das plantações de Héctor Luis Prieto, vencedor do Prêmio Habano de 2007 como melhor ceifador da folha aromática na província cubana de Pinar del Río, considerada o berço do melhor charuto cultivado no mundo.

Esta é a quinta vez que ‘Cueto’ emplaca no ‘Guinness’ pela mesma façanha. A primeira vez foi em 2001, com a elaboração de um charuto de 11,04 metros de comprimento. Depois, fez um de 14,86 metros em 2003, um de 20,41 metros em 2005 e um de 45,38 metros em 2009.

O tabaqueiro revela que, para torcer os gigantescos charutos, precisa de boa matéria-prima, um local fechado, concentração, preparação física e até um médico e um massagista. Em sua opinião, o recorde do maior charuto do mundo deve sempre pertencer a Cuba.

'Guinness': tabaqueiro elabora o charuto mais longo do mundo

‘Guinness’: tabaqueiro elabora o charuto mais longo do mundo

 

Copyright Efe – Todos os direitos de reprodução e representação são reservados para a Agência Efe.

7 curiosidades históricas sobre vinhos

 

Inusitados, os episódios marcaram a trajetória de uma das bebidas mais estimadas do mundo

Que o vinho é muito apreciado, e precisa-se de muito tempo para entendê-lo, todos sabem, no entanto, ele também possui uma história muito antiga, e cheia de curiosidades pouco conhecidas. Selecionamos algumas delas, um tanto pitorescas:

 A expressão “brindar”

1- Originou-se na Roma antiga, quando o Senado ordenou ao imperador Augustus que fosse homenageado com um brinde a cada refeição. O costume começou com um pedaço de pão tostado, chamada pelos romanos de “tostus”, que eles colocavam na taça de vinho, para mascarar eventuais sabores desagradáveis da bebida. Virou costume, assim, que todo mundo em uma refeição levantasse sua taça, para uma pessoa que estivesse sendo homenageada.

 A garrafa de vinho mais antiga do mundo

2- Data do ano 325 a.C. e foi encontrada perto da cidade de Speyer, na Alemanha, em 1867. Acredita-se que é a garrafa não aberta mais velha do mundo. Ela possui cerca de 1,5 litro de bebida e foi descoberta durante uma escavação dentro de uma tumba de um homem pertencente à elite romana do século IV, que possuía dois sarcófagos, um com o corpo de um homem e o outro com o de uma mulher. É provável que o vinho tenha sido produzido na mesma região, diluído com uma mistura de ervas e preservado com uma grande quantidade de azeite espesso adicionado ao frasco para vedar o vinho, juntamente com um selo de cera quente.

O rei Tutancâmon, morto em 1352 d.C., várias garrafas de vinho tinto.

O rei Tutancâmon, morto em 1352 d.C., várias garrafas de vinho tinto.

A oenophobia

3-Embora não seja algo muito comum, muitas pessoas possuem medo de vinhos, esse transtorno é chamado de “oenophobia”, que caracteriza-se como “medo de vinho; ansiedade relacionada ao vinho”.

 A terra do vinho

4-Quando chegaram a América do Norte, os “vikings” nórdicos (exploradores) nomearam o continente como wine land”, ou seja, “terra do vinho”, devido à grande quantidade de videiras que acharam no local.

 O ato de falsificar vinhos

5- É ilegal desde 1.754 a.C., na antiga Mesopotâmia. O código de leis chamado de “Código de Hamurabi” é um dos mais antigos já decifrados atualmente. Ele possui 282 leis, uma das quais afirma que qualquer pessoa que fosse flagrada vendendo vinho fraudado deveria ser afogada em um rio, como meio de punição.

Vinho na tumba do menino-rei Tutancâmon

6-Em 1922, descobriu-se na tumba do menino-rei Tutancâmon, morto em 1352 d.C., várias garrafas de vinho tinto, rotuladas com o nome, safra, local e até o produtor dos vinhos. Os rótulos eram tão detalhados que podem ser comparados com os de hoje em dia.

Sete curiosidades históricas sobre vinhos

Sete curiosidades históricas sobre vinho

 A origem do simpósio

7-Você pode pensar que um simpósio é um encontro de acadêmicos ou profissionais para discutir sua profissão ou debater assuntos atuais, e você estaria certo, porém, também é uma desculpa para beber. O termo simpósio teve origem na Grécia antiga e significa, literalmente, “beber juntos”, refletindo o costume dos gregos de misturar vinho e discussões intelectuais. Simpósios geralmente eram realizados nas casas das pessoas, servia-se comida e vinhos, ao mesmo tempo em que ocorria uma discussão sobre política e filosofia. Eles eram frequentemente realizados para comemorar a introdução de jovens na sociedade aristocrática. Um simpósio era supervisionado por um “symposiarch”, uma versão antiga de um sommelier, que iria decidir  qual vinho seria servido na noite.

 

Fonte: Revista Adega.

 

A notabilidade dos vinhos Kosher

 

Mercado de produtos fabricados segundo as normas da dieta judaica ortodoxa movimenta US$ 600 milhões em todo mundo

As vinícolas têm bons motivos para olhar com atenção para o mercado de produtos Kosher, que movimenta anualmente 600 milhões de dólares em todo mundo, e são consumidos em países como Estados Unidos, Brasil, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Áustria, Argentina, Israel, Itália, Noruega e Polônia. O certificado Kosher é um documento emitido para atestar se os produtos fabricados por uma determinada empresa obedecem às normas específicas que regem a dieta judaica ortodoxa. Ele é mundialmente reconhecido e considerado sinônimo de controle máximo de qualidade.

O processo de emissão para um certificado Kosher depende da colaboração e total transparência nas informações que serão permutadas entre a empresa que fabrica o produto e a entidade judaica que emitirá o documento. Um produto Kosher, portanto, é considerado puro, pois é fabricado de acordo com as leis judaicas.

Para que receba o certificado Kosher, um vinho deve ser elaborado sob a supervisão de um rabino. Todos os produtos utilizados na produção devem ser Kosher, não é permitido que uma pessoa não judia manipule o vinho, de tal modo que toda a adega é selada, para evitar a contaminação.

A verdade é que, independentemente de monitoramento do vinho nos processos, os vinhos Kosher não possuem em qualquer fase da fabricação um elemento comum entre eles, como todos os outros vinhos, diferem-se à área de produção, variedade, produção e envelhecimento.

Vinhos Kosher

Vinhos Kosher

 

Nova levedura vai produzir vinhos menos alcoólicos

 

Pesquisadores encontraram levedura que pode baixar níveis alcoólicos sem produzir compostos indesejáveis

Uma pesquisa feita pelo French National Institute for Agricultural Research (INRA) em conjunto com o centro de pesquisa de leveduras, Lallemand Oenology, identificou uma levedura capaz de produzir vinhos com menor teor alcoólico.

A nova levedura, não-GMO Saccharomyces cerevisiae, é capaz de produzir vinhos com baixo teor alcoólico sem a presença de compostos indesejados. É a primeira da família cerevisiae a ser selecionada pela sua baixa conversão de açúcar em álcool.

Em um exemplo simples de sua capacidade de redução alcoólica, um vinho com teor de álcool em 15,8% ao entrar em contato com a S. cerevisae pode perder até 1,3% de seu teor total. Além disso, a levedura pode produzir mais glicerol, dando à bebida uma sensação de suavidade maior.

A levedura não produziu compostos como a acetonina, responsável por dar ao vinho alguns sabores indesejados.

Nova levedura vai produzir vinhos menos alcoólicos

Nova levedura vai produzir vinhos menos alcoólicos

Lançada mala de vinhos indestrutível

 

VinGaurdValise: Uma mala de vinhos classificada como “indestrutível”

A VinGaurdValise, a maleta de vinhos “indestrutível”, foi lançada recentemente e promete redefinir o transporte seguro e prático das garrafas de vinho.

O produto conta com uma superfície dura e resistente, além de uma espuma interna capaz de regular a temperatura e amortecer choques decorrentes do transporte.

A maleta pesa cerca de 20 kg quando equipada com uma dúzia de garrafas de vinho, fazendo com que ela esteja abaixo do limite de peso das principais companhias aéreas, como Air France, KLM, Alitalia, entre outras. Além disso, o produto conta com um diferencial interessante: Parte da espuma pode ser retirada caso o viajante decida incluir outros itens na mala e queira levar poucas garrafas.

Criada pelo designer Barry Wax, a VinGaurdValise demorou três anos para ser desenvolvida e hoje está sendo vendida por £150 (R$ 610).

Mala de vinhos indestrutível

Mala de vinhos indestrutível

Lançada taça que não derrama vinho

 

Uma empresa de design de São Francisco criou uma taça de vinho à prova de respingos e derramamento

Depois de quatro anos de pesquisas, a Superduperstudio, uma empresa de design de São Francisco, na Califórnia, anunciou ter criado uma taça de vinho à prova de respingos e derramamentos.

O projeto, chamado de Saturn, conta com uma extremidade curva acima de uma base menor em relação ao corpo do recipiente.

Em entrevista, um representante da empresa comentou a invenção: “Essas taças representam a nossa reinvenção da técnica italiana de produzir vidros, da qual nós nos apropriamos para prevenir manchas, respingos e derramamentos indesejados.

Quatro anos de pesquisas culminaram no Saturn, que é surpreendentemente leve e agradável de usar”. Segundo o representante, se a taça for derrubada ela cairá sobre a ampla borda curva e assim, não haverá respingos ou derramamentos.

O Saturn é moldado à mão antes de ser colocado em uma forma. Depois disso, é colocado em baixa temperatura para ser fortalecido. A taça, que tem capacidade para 175 ml, ainda não teve o preço revelado pelos fabricantes. Confira o vídeo para ver como ela funciona:

Lançada taça à prova de derramamento de vinho

Lançada taça à prova de derramamento de vinho

Terremoto golpeia regiões vitivinícolas de Chile

 

O devastador terremoto que sacudiu Chile ontem à noite, causou a evacuação de mais de um milhão de pessoas.

O epicentro fio na região vitivinícola de Coquimbo.

Até agora se tem informação do falecimento de 10 pessoas resultado do terremoto de 8,4 de magnitude, acontecido por volta das 20:00 horas de ontem (horário de Brasília e de Chile).

De acordo com os reportes, vários tsunamis tem chegado até as costas do norte e centro do pais, ameaçando os vinhedos mais próximos à costa.

A alerta de tsunami acaba de ser finalizada no Chile, no entanto, as autoridades de Havaí, Califórnia e Nova Zelândia estado de alerta, devido a que as ondas estão viajando a traves do oceano pacifico.

Enquanto o terremoto teve seu epicentro na região vinícola de Coquimbo, que contém os vales Elqui, Limari e Choapa, que danificou severamente aglomerações urbanas em toda a parte central do país, ao sul até o vale Bio-Bio.

Winechef está em contato com enólogos das regiões afetadas pelo terremoto, e informaremos novidades assim que o impacto do desastre possa ser avaliado.

Terremoto golpeia regiões vitivinícolas de Chile

Terremoto golpeia regiões vitivinícolas de Chile

Filho de Susana Balbo e seu projeto vitivinícola

 

Chango é o ultimo vinho que foi lançado pelo filho de Susana Balbo. É um blend elaborados com uvas de Cafayate e o Vale de Uco.

O projeto começou em 2010 como um proceso de descobrimento e espaço criativo. Atualmente seu porfolio esta formado por 4 vinhos e segundo o próprio autor, eles representam as 4 etapas mais significativas da vida dele.

Nesse contexto, o vinho Chango, safra 2013 representa sua infância em Cafayate. Fio elaborado a base de Malbec (65%) e Cabernet Sauvignon (15%) proventes do Altamira, no Vale de Uco, mais um 20% de Tannat de Cafayate.

“á intenção é fazer de cada uns dos vinhos tenham uma verdadeira expressão do terroir de origem, e que em cada uma das suas safras seja possivel distinguir a influencia producidad pelas diferencias climaticas entre cadauma das safras”, diz o enólogo José Lovaglio Balbo.

O vinho vem a complementar os outros trés rótulos da línea, que são os Chacra, Aggie y Templre.

Filho de Susana Balbo e seu projeto vitivinícola

Filho de Susana Balbo e seu projeto vitivinícola

Chineses falsificam vinho produzido por Angelina Jolie e Brad Pitt

A parceria entre a família Perrin de Chateau Beaucastel e o casal de atores Angelina Jolie e Brad Pitt começou em fevereiro de 2013, com a fabricação do Provence rosé Miraval 2012.

Na ocasião, as primeiras garrafas foram vendidas em poucas horas. O mesmo ocorreu com a safra 2013, que, no ano passado, chegou a ter lista de espera para a compra das 200.000 garrafas produzidas.

Em 2015, o vinho, que é uma mistura de Grenache, Carignan, Syrah e Rolle, recebeu proteção anticontrafação, para impedir o plágio dos rótulos, na forma de uma marca gravada no pé da garrafa de vidro. A medida é uma resposta dos produtores à ação de falsificadores.

Um dos produtores, Marc Perrin, disse que identificaram fraudes na China: “Notamos evidências de garrafas falsas sendo produzidas e distribuídas na China, assim, tivemos que agir rápido para combater as falsificações”.

Chineses falsificam vinho produzido por Angelina Jolie e Brad Pitt

Chineses falsificam vinho produzido por Angelina Jolie e Brad Pitt

 

 

Vinícola de SC aposta em vinho que já vem na taça

Villaggio grando, no Meio-Oeste, quer garantir que o produto seja servido em locais onde seja inconveniente guardar garrafas de vidro

vinícola Villaggio Grando, do Meio-Oeste catarinense, quer garantir que seu vinho chegue a aviões, navios, aeroportos, baladas e qualquer outro lugar onde for inconveniente guardar garrafas e taças de vidro. Para isso, inventou um produto que reúne a praticidade do copo e o sabor do vinho merlot.

Para o primeiro lote, a empresa, situada numa fazenda em Água Doce, está produzindo duas mil unidades do produto.  O lançamento será dia 23 de setembro, em São Paulo.

Cada taça de plástico tem 187 mililitros, cerca de 25% do conteúdo de uma garrafa. E o processo é feito de forma semiautomática, até o vinho ser lacrado com prazo de validade de um ano. Como é um produto inédito na América do Sul, os equipamentos de produção tiveram que ser manufaturados.

Vinícola de SC aposta em vinho que já vem na taça

Vinícola de SC aposta em vinho que já vem na taça

— A ideia nasceu na Argentina, depois de eu ver um pessoal na pista de dança bebendo vinho com garrafa e taça na mão — conta Alexandre Furniel, idealizador da criação e parceiro comercial da Villaggio Grando.

Com a ideia na cabeça, Furniel procurou o designer industrial Adriano de Lucca para desenvolver o conceito e as máquinas necessárias para a fabricação.

Agora a vinícola aposta no potencial do produto para ganhar espaço, em especial, como uma solução prática para ser oferecida no serviço de bordo durante viagens áreas.

— Foi a primeira coisa que pensei para o produto — conta Guilherme Grando, um dos administradores da empresa, destacando que também há espaço para inserir a solução de ter o vinho em taças, já pronto para o consumo, em casas noturnas.

O primeiro lote é apenas da variedade merlot, mas há planos de também oferecer ao mercado opções de vinho branco e rose.

Fonte: Diário Catarinense