Posts

Receita fácil de Salmão com molho de alcaparras

 

Para a noite especial, que tal preparar esta receita de Salmão com molho de alcaparras. É fácil e rápida de fazer…

Ingredientes

  • 200 g de filé de salmão
  • 1 dente de alho amassado
  • Sal a gosto
  • Pimenta do reino a gosto
  • 1 colher (sopa) de alcaparras
  • 1 colher (sobremesa) de cebolinha picadinha
  • 1 colher (sobremesa) de salsa picadinha
  • 2 colheres (sopa) de azeite de oliva
  • 1 colher (sopa) de suco de limão

Modo de preparo

  • Tempere o filé de salmão com sal, pimenta e alho e deixe tomar gosto.
  • Grelhe em frigideira com um fio de azeite ou asse envolto em papel alumínio em forno pré aquecido por 15 minutos.

Molho

  • Pique as alcaparras e misture com a cebolinha, a salsinha e o suco de limão.

Montagem

  • Transfira o salmão para o prato, e derrame delicadamente o molho sobre o
    filé grelhado.
  • Sirva com arroz integral e seleta de legumes, ou com arroz branco e brócolis.

 

Rendimento: 1 porção

 

Tempo de preparo: 20 minutos

Salmão com molho de alcaparras

Salmão com molho de alcaparras

Dicas para harmonizar vinhos com chocolate

 

A principal estrela da Páscoa, o chocolate, faz a alegria de crianças e adultos mas pode surpreender ao ser servida em combinação com vinhos.

As sobremesas a base de chocolate podem ficar mais requintadas, com charme especial e até um toque de romantismo quando harmonizadas de maneira correta com um bom vinho.

O segredo para harmonizar uma sobremesa a base de chocolate é fácil: Basta procurar vinhos que possuam alguma quantidade de açúcar residual natural presente.

“Se o chocolate servido for branco vamos harmonizar com vinhos doces brancos. Já se o chocolate for escuro vamos fazer a harmonia com vinhos tintos”,

Para surpreender e harmonizar uma sobremesa a base de chocolate branco a dica é combinar o doce com um Late Harvest para ter a sintonia perfeita. Nessa combinação, os sabores se multiplicam convertendo-se numa festa para os sentidos.

Já para quem prefere sobremesas a base de chocolate escuro a combinação perfeita deve ser feita com os vinhos do Porto. “De preferência aqueles que tem um nível de açúcar generoso, mais também uma fruta bem presente que equilibre os sabores. Uma harmonia extraordinária seria com o Porto Tawny.

O importante vai ser sempre procurar vinhos que tenham um estilo bem comercial, ou seja, com as caraterísticas olfativas entregadas pela madeira bem claras, esses aromas que geralmente se expressam com notas a chocolate, baunilha e canela, vão permitir que as harmonizações com chocolates sejam ótimas.

Pode tentar, que com certeza você vai a adorar.

 

Aprenda como harmonizar vinhos com chocolate

Aprenda como harmonizar vinhos com chocolate

 

Milagre moderno: água é ‘transformada’ em vinho em cidade italiana

Para religiosos ávidos por sinais de Deus bem que poderia ser um autêntico milagre.

E por que não chamar o caso de um “milagre moderno“? Tal qual a passagem bíblica, a cidade italiana de Marino viu a água ser transformada em vinho. Vinho branco – eu disse que se trata um milagre moderno. Na verdade, não houve qualquer intervenção divina. As torneiras da cidade começaram a liberar vinho por um erro de uma empresa responsável por um festival na localidade.

Todo ano, a pequena cidade montanhosa, conhecida pelo bom vinho que produz, realiza um festival que já dura 400 anos e que faz vinho jorrar de uma fonte no centro da cidade. Marino comemora a vitória em batalha contra os turcos.

Só que desta vez, os dutos das vinícolas locais foram conectados à rede de água de Marino, em vez de ligados à tradicional fonte da comemoração. Logo, para surpresa geral, as cozinhas das residências na cidadezinha já estavam com abundantes doses de vinho para servir.

“As pessoas daqui estão dizendo que se trata de um milagre”, disse o prefeito, Adriano Palozzi

Milagre moderno água é 'transformada' em vinho em cidade italiana

Milagre moderno água é ‘transformada’ em vinho em cidade italiana

 

Sangria de vinho branco

Ingredientes

 

500ml de vinho branco

50ml de licor de laranja

100ml de conhaque

75ml de refrigerante de limão

160g de laranja

120g de maçã verde

120g de maçã vermelha

Gelo em cubo a gosto

 

Sangria de vinho branco

Sangria de vinho branco

 

Modo de preparo

 

Descasque a laranja e reserve.

Corte as maçãs ao meio e depois em meia lua.

Coloque o vinho branco resfriado em uma jarra.

Adicione o conhaque e o refrigerante de limão.

Acrescente as frutas, o licor de laranja e mexa bem.

Por fim, coloque o gelo e sirva.

 

Os vinhos brancos

Os vinhos brancos muitas vezes são elaborados com uvas de cor branca, mas pode haver exceções, eles também podem ser elaborados com castas de cor escura. Isso devido ao suco de uva que é incoloro, por tanto é possível elaborar vinhos brancos com uvas escuras, mas é impossível elaborar vinhos tintos com uvas brancas, já que as antocianas, (pigmentos que aportam à cor) estão na pele da uva tinta.

As uvas para elaborar vinhos brancos

Existe uma grande quantidade de uvas que elaboram vinhos brancos, e cada um dos países se especializam em algum tipo delas, por exemplo, a Nova Zelândia e reconhecida pelos Sauvignon Blanc, já na Argentina pela Torrontés, Bourgogne, na França pela Chardonnay, e assim por diante. Além das três mencionadas, existem outras dez que são bem conhecidas mundialmente, tais como: Viogner, Riesling, Semillon, Gewrztraminer, Pinot Blanc, Roussanne, Marsanne, ect…

Os vinhos brancos

Os vinhos brancos

 

Como são elaborados os vinhos brancos

Cada uva tem sua própria caraterística em termos aromáticos e acidez, sendo este último um parâmetro muito importante, a maioria dos vinhos brancos são fermentados de forma diferente aos vinhos tintos. A fermentação é sem a presença da pele (as cascas), já que as mesmas poderiam entregar demasiados componentes herbáceos, sendo que essa caraterística sensorial é considerada um elemento que diminui a qualidade e a fineza do aroma, além de ser responsável do amargor. Claro que existem várias exceções, onde os vinhos brancos fermentam e até permanecem em contato com as cascas, esse é o caso de grande parte dos Chardonnay da Bourgogne e também de vinhos elaborados por essa uva em outras partes do mundo.

 

Temperaturas de serviço dos vinhos brancos

Normalmente os vinhos brancos se degustam a temperaturas frias, mas pode variar consideravelmente e depende unicamente do tipo de vinho em questão.

Por exemplo, os vinhos brancos mais simples, sem madeira e mais jovens, se recomenda beber a uma temperatura bem baixa, entre os 6º a 7º. Já no outro extremo, quando trata de um vinho branco de grande nível qualitativo, que foi estagiado em madeira, ou que já está evoluído, vai ser necessário degustá-lo a uma temperatura muito maior, entre os 12º a 13º. Dessa forma será possível apreciar todas as sutilezas e complexidades desse tipo de vinho.

 

É possível produzir vinho branco a partir de uvas tintas?

Sobre vinhos brancos, tintos e rosés

O líquido do vinho se origina da polpa da uva. A cor, assim como outros inúmeros aromas e sabores, vem da casca. Ou seja, em geral, uva branca faz vinho branco e uva tinta faz vinho tinto. Não dá pra produzir um vinho tinto somente com uva branca. Parece óbvio, mas, tradicionalmente, em algumas regiões da França e da Itália, usa-se uma pequena quantidade de uva branca na produção de vinho tinto. Ironicamente, alguns enólogos afirmam que a uva branca ajuda a fixar a cor da tinta!

Um vinho branco, pelo contrário, pode ser feito com uva tinta. Não é comum, mas porexemplo, os Champagnes “Blanc de Noirs” são elaborados com uvas tintas. Para isso ocorrer, basta que a fermentação não seja feita em contato com as cascas, que liberam os pigmentos.

 

É possível produzir vinho branco a partir de uvas tintas

É possível produzir vinho branco a partir de uvas tintas

 

O vinho rosado (ou rosé) pode ser feito basicamente de duas maneiras. Pela cuidadosa mistura de um vinho tinto e um branco ou pelo método de sangria, no qual se retira o mosto do contato com as cascas tintas após leve maceração, antes de liberar muito pigmento. A partir daí, vinifica-se como um branco.

Existem aproximadamente 9 mil castas de uva entre as vitis viniferas, apropriadas à produção de vinho, e as de mesa. Mas pode-se dizer que das quase 2 mil cepas adotadas no mundo vitivinícola, contam-se nos dedos as variedades utilizadas na enorme maioria dos vinhos produzidos hoje no mundo.

 

Vinhos tintos e taninos

Os vinhos tintos são elaborados obrigatoriamente com uvas que tem a casca escura, ou seja, tintas. Na casca das uvas encontramos células chamadas “antocianos”, que fazem parte da família dos polifenóis, e são responsáveis pela pigmentação dos vinhos.

Os taninos

Quando se trata de vinhos tintos, o entendimento desse elemento é substancial, tanto para a degustação quanto para a guarda de vinhos. Existem muitas definições, mas determinamos os taninos como a “coluna vertebral do vinho”, ou como seu “esqueleto”. Trata-se de um elemento determinante para a qualidade dos vinhos.

Os taninos são responsáveis pela longevidade dos vinhos. Se um vinho tem uma estrutura potente de taninos, irá certamente ter uma vida longa. Mas para isso também será preciso que ele tenha riqueza de outros elementos, principalmente acidez e frutosidade.

Sensorialmente os taninos se percebem na língua na forma de aspereza e rugosidade, e provocam um bloqueio nas glândulas salivares.

 

Vinhos tintos e taninos

Vinhos tintos e taninos

 

As uvas

Existem milhares de uvas tintas, sendo as mais interessantes e que produzem todos os vinhos comerciais do mundo as da família da “Vitis Vinifera”. A qualidade do vinho está diretamente relacionada à qualidade da uva, e isso explica a obsessão dos enólogos em descobrir os melhores terroirs.

Como são elaborados

Vinhos tintos sempre são elaborados em contato com a casca, já que se não tiver esse contato, o vinho ficaria com uma coloração clara. Os vinhos de uvas de qualidade inferior produzem vinhos de consumo mais rápido, vinhos mais simples. As melhores uvas produzem vinhos concentrados e saborosos, com grande potencial de envelhecimento em garrafas, que em casos excepcionais pode ser até de mais de meio século.

 

Ano novo dieta nova! Veja dicas para iniciar melhor o ano com uma boa alimentação

 

Ano novo, boa alimentação

As festas de Natal e Réveillon passaram, mas as calorias a mais que ingerimos nesse período permanecem, então nada melhor do que pensarmos em iniciar um ano novo com uma dieta leve e saborosa.

Em pleno verão frutos do mar combinam muito bem com o que queremos: pratos leves e deliciosos. Mas é importante tomarmos alguns cuidados na escolha, no armazenamento e no preparo.

O primeiro deles é nos certificarmos de que o produto que estamos adquirindo está realmente fresco. Algumas dicas nos ajudam bastante. Nesse caso, são elas:

  • Para o camarão, procure adquiri-los com casca e com cabeça, normalmente estão mais frescos nessa condição – pois com o tempo de gelo, como perdem a cabeça e escurecem a casca, são comercializados descascados;
  • Crustáceos devem ter um aspecto geral brilhante e úmido, com corpo em curvatura natural, rígida, artículos firmes e resistentes, carapaça bem aderente ao corpo; coloração própria à espécie, sem qualquer pigmentação estranha, olhos vivos e destacados, cheiro próprio e suave;
  • Quanto aos peixes, dê preferência por adquiri-los ainda inteiros, mas caso compre filetados ou em posta, procure observar se está com um tom amarelado nas extremidades. Esse sinal indica que já está armazenado há muito tempo e sem as suas melhores características.
Ano novo, dieta nova!

Ano novo, dieta nova!

  • Peixes:
    • Superfície do corpo limpa com relativo brilho metálico;
    • Olhos transparentes, brilhantes e salientes ocupando completamente as órbitas;
    • Guelras róseas ou vermelhas, úmidas e brilhantes, com odor natural, próprio e suave;
    • Escamas brilhantes, bem aderentes à pele e nadadeiras apresentando certa resistência aos movimentos provocados;
    • Carne firme, elástica, e de cor própria da espécie;
    • Os mariscos devem ser adquiridos de fornecedores com extrema credibilidade no mercado, pois sem dúvida é o que mais provoca danos a saúde devido a sua fragilidade. Deve-se observar se são produzidos em cativeiro ou de que região estão sendo retirados para se certificar de que estão foram colhidos em áreas não poluídas.
    Mariscos – Moluscos
    • Devem ser expostos à venda vivos, com valvas fechadas e com retenção de água incolor e límpida nas conchas;
    • Cheiro agradável e pronunciado;
    • Carne úmida e bem aderente à concha, de aspecto esponjoso, de cor cinzento-claros nas ostras e amareladas nos mexilhões.
    • Polvo e lula são comercializados congelados e frescos. O processo de congelamento do polvo facilita o seu cozimento, devido as suas fibras estarem mais macias, e, por sua vez, facilita o seu preparo.
    Polvo e Lula
    • Pele lisa e úmida;
    • Olhos vivos, salientes nas órbitas;
    • Carne consistente e elástica;
    • Ausência de qualquer pigmentação estranha à espécie;
    • Cheiro próprio.

    Após o preparo de pratos com frutos do mar, evite armazená-los para posterior reaquecimento, devido aos riscos de sobrevivência de microrganismos que causam doenças.

    A melhor forma de preparar peixes e frutos do mar é grelhar, assar e cozinhar no vapor. Dessa maneira você mantém suas propriedades nutricionais e seus benefícios para a saúde.

    Um erro comum é realizar um cozimento excessivo e perder a umidade natural e saborosa proporcionada pela gordura natural existente nos peixes. Por isso, procure preparar em temperaturas médias e por curto espaço de tempo.

    Ervas como manjericão, manjerona, coentro, louro e cebolinha, bem como especiarias como noz-moscada e cominho, combinam muito bem e dão aquele toque especial à sua receita.

    Compre produtos frescos e de qualidade, abuse dos temperos e da criatividade e comece o ano com novas receitas.

Fonte: Blog Vinhoemprosa

Frutos de mar. Branco o tinto?

 

Aprenda a harmonizar frutos de mar

A gastronomia é um mundo fascinante, cheio de detalhes, de cores, de aromas e sabores. Cada prato tem vida própria e representa o estilo do autor, da pessoa que o elaborou. Sentar frente a um prato visualmente agradável, bem decorado, colorido, com agradáveis aromas e bom sabor é uns dos maiores prazeres de um grande número de pessoas no mundo.

Estas pessoas que adoram a gastronomia são as mesmas que adoram também o vinho.  Já tiveram a oportunidade de provar um prato gostoso, de qualidade, delicioso, mas sem a companhia de uma taça de vinho? Dá a impressão que algo está faltando. Acho que é a magia da cumplicidade entre dois produtos que se complementam sublimemente.

Sobre a harmonização em si, felizmente existe em forma natural e espontânea uma relação sensorial que faz com que o vinho harmonize com a comida, e a probabilidade de que esta seja totalmente inexistente é muito baixa.

Para conseguir ter sucesso na hora de harmonizar um prato com uma garrafa de vinho é só usar a lógica e o senso comum em relação a cada um dos detalhes. Cores, aromas e sabores, tanto do prato como também do vinho com o qual queremos que nos acompanhe.

Ceviche

Ceviche

Por exemplo: vamos comer um fruto do mar, o qual logicamente sempre tem que ser o mais fresco possível, tipo um peixe branco (ex.: robalo). O preparo será com ele cru (ceviche), onde coloquemos só limão para acrescentar ao sabor e ao frescor. Neste caso, o correto é procurar um vinho que tenha as mesmas caraterísticas do prato, ou seja, se estamos falando de um produto do mar que tem que ser consumido o mais fresco possível também teremos que procurar um vinho que deva ser bebido o quanto antes.

Como este prato (ceviche) vai ter um sabor predominantemente cítrico, por causa do limão, temos que procurar vinhos que tenham estas mesmas características. Então, o vinho correto vai ser um branco, o mais jovem possível, que tenha uma marcada acidez e que não tenha passado por madeira.

Serão muitas opções para harmonizar um ceviche de maneira correta, independente da variedade da uva. Pode ser um Sauvingon Blanc, um Chenin Blanc, até um Torrontés, mas o importante é que tenha as caraterísticas destacadas anteriormente.

Então agora você já sabe. Frutos de mar crus, harmonizam maravilhosamente com vinhos brancos, frescos, sem madeira e o mais jovem possível.