Posts

O extremo sul do vinho chileno

Com o aquecimento global, as regiões produtoras do mundo todo começam a procurar novos terroirs. Na maioria das vezes, a procura é por lugares com maior altitude devido ao benefício que isso proporciona no ciclo vegetativo da uva, ou seja, os vinhedos em altitude produzem uva com menor grau de açúcar.

Com essas condições a possibilidade de contar com uma matéria prima de melhor qualidade é muito maior, e finalmente se traduzirá em vinhos mais frescos, mais equilibrados, com um teor alcoólico menor.

No caso da realidade chilena, cada vez mais as vinícola estão apostando em regiões que tem a influência da altitude, já é bastante normal ver vinhedos no pé do monte da Cordilhera dos Andes. Há aproximadamente 10 anos também existe procura por vinhedos perto das frescas brisas do oceano pacifico.

As regiões  do extremo sul deste pais tem ganho muita notoriedade, e muitas das grandes vinícolas já tem começado um investimento, e até agora os resultados são extremadamente interessantes.

 

O extremo sul do vinho chileno

O extremo sul do vinho chileno

 

Veja as 3 regiões do extremo sul chileno:

 

Vale de Itata

O setor mais ao norte dos 3 vales da Região Sul. Itata, não é um novato no mundo do vinho. Alguns dos primeiros vinhedos foram plantados próximo à cidade portuária de Concepción durante os tempos coloniais. Hoje em dia, a região é uma mistura de novo e velho com seus novos vinhedos posicionados verticalmente lado a lado com os arbustos das videiras antigas, fornecendo assim muitas oportunidades de exploração e crescimento.

 

Vale de Bío Bío

Dias quentes e noites frias trazem uma temporada de amadurecimento longa. Porém, a pluviosidade mais alta, os ventos fortes e os extremos em geral do Bio Bio trazem condições mais desafiadoras que aquelas das regiões mais ao Norte do Chile. Produzir vinho no Bio Bio requer mais paciência, técnica e coragem do que nos outros vales. No entanto, alguns poucos ousados se arriscaram e investiram em novas plantações de variedades de clima frio como Sauvignon Blanc, Chardonnay e Pinot Noir. Os primeiros resultados mostraram que os esforços estão sendo recompensado com vinhos excitantes com uma acidez naturalmente fresca.

Vale de Malleco

Malleco é atualmente a denominação mais ao sul do Chile, apesar de vinhedos experimentais terem sido plantados muito mais ao sul em Osorno. A área provou ser excepcional para o Chardonnay, e experimentos com Pinot Noir são promissores, apesar da alta pluviosidade e uma temporada de amadurecimento mais curta tornem a área muito arriscada para quase todas as outras variedades.

 

O extremo sul do vinho chileno

O extremo sul do vinho chileno

 

Analisis sensorial e potencial de guarda dos vinhos produzidos com a uva Malbec

Os vinhos da uva Malbec em detalhe

Visualmente eles são muito atrativos devido a uma alta concentração de antocianina (pigmentos, corantes) na sua pele (da uva tinta), o que se expressa em cores vivas e escuras.

Os aromas dos Malbec’s são quase sempre muito expressivos, com um marcante perfil olfativo, e seus aromas vão desde as frutas negras silvestres, tipo mirtilo, até estilos mais “vermelhos” e maduros, onde, com frequência, aparecem as notas a framboesas maduras e cerejas, e as inconfundíveis notas a ameixa seca que se repetem em inúmeros Malbec’s Argentinos.

Os vinhos produzidos com a uva Malbec super maduros, alcoólicos e enjoativos:

Existe um estilo de Malbec que está em pleno retrocesso (felizmente), que são esses vinhos super maduros, evidentemente alcoólicos e de paladares muitas vezes pesados e enjoativos – o que se explica, principalmente, pelas condições climáticas de Mendoza, de onde, em alguns verões (pouco antes da colheita), a temperatura pode chegar até os 40°C, o que prejudica bastante a madures correta da uva ao final de sua etapa. Mas os produtores já estão cientes disto e estão procurando novas regiões, cada vez mais frescas, amparadas pela altitude dos pés do monte da Cordilheira dos Andes, o que tem resultado em vinhos mais frescos e equilibrados.

Analisis sensorail e potencial de guarda dos vinhos produzidos com a uva Malbec

Analisis sensorail e potencial de guarda dos vinhos produzidos com a uva Malbec

O potencial de envelhecimento dos vinhos produzidos com a uva Malbec:

Os Côt’s franceses, dentre muitas outras uvas tintas (e também brancas), tem um potencial excelente de envelhecimento e muitas vezes conseguem seu apogeu em uma ou duas décadas. No caso dos Malbec’s argentinos, o tempo de potencial de envelhecimento é um pouco menor, mas quando se trata dos melhores expoentes desta uva podem ultrapassar facilmente os 10 anos – sempre lembrando que devem ser vinhos equilibrados e não ultra maduros, já que neste caso este estilo de vinho carece de acidez, componente que é imprescindível para que o vinho possa ter uma vida longa e uma evolução correta na garrafa.

Se gosta desta uva, ou até mesmo se nunca a provou, deixo em seguida uma lista de excelentes exemplos nas distintas categorias. Espero que vocês aprovem minha seleção:

 

Chile: A terra prometida da Malbec

Uma grande parte dos apaixonados por vinhos gostam da concentração e da majestosa potência e profundidade que os Malbec´s oferecem. E como não gostar?

Depois de algum tempo, ou talvez até alguns anos de experiência, quando nosso paladar começa a se aguçar, entendemos que os vinhos que mais nos entregam prazer são aqueles que têm de tudo: muita cor, que são ricos e complexos aromaticamente, e que na boca são concentrados e cheios de sabores e matizes.

Os Malbec’s têm essa graça. Produzem vinhos de muita complexidade, da cabeça aos pés, de grandes virtudes que deleitam nossos sentidos,  e o que é ainda mais importante: de altíssimos níveis de qualidade. Sem dúvida, a Argentina tem feito um trabalho extraordinário na última década com esta uva, não só do ponto de vista qualitativo, mas também pelo grande sucesso que tem conseguido ao posicionar esta uva entre as melhores do mundo.

De forma silenciosa, o Chile, há mais de duas décadas, tem trabalhado esta variedade com um sucesso notável, mas pela grande associação que existe entre uva/país, ou seja, Malbec/Argentina, os exemplares chilenos têm passado quase desapercebidos.

Se tentarmos comparar os Malbec’s destes dois países (os de bons níveis de qualidade), eles se diferenciam em termos generais no estilo. Enquanto os Malbec’s argentinos são extremamente maduros e densos, os chilenos têm um estilo mais fresco e elegante. Isto se explica de maneira simples, devido às condições climáticas diferenciadoras entre ambas as regiões produtoras. Mendonça é muito mais cálida que o Vale Central no Chile, isto explica por que as uvas “Malbec mendocinas” conseguem uma concentração de açúcar maior que as chilenas, o que, no final, se transforma em um potencial alcoólico maior.

Mas agora, pensando que os consumidores do mundo todo estão cada vez mais preferindo vinhos de estilos mais frutados, com menor graduação de álcool, parece que o Chile vai ter uma grande oportunidade – e não só com os Malbec’s, mas também com as outras uvas tintas.

No caso da Argentina, a resposta a esta demanda foi procurar altitude plantando novos vinhedos em áreas que antes não tinham sido exploradas, já que, como sabemos, a medida que subimos o pé de monte da Cordilheira dos Andes, o clima vai ficando mais fresco, obtendo uma maturação mais equilibrada, onde a acidez consegue ficar até o último momento (hora da colheita da uva), e isso significa que terá uma uva de maior qualidade e que, finalmente, irá resultar em vinhos menos alcoólicos, mais elegantes e frescos.

No caso do Chile, os resultados dos vinhedos que estão influenciados pela costa do Pacífico são realmente interessantes, e o melhor exemplo disso é o extraordinário Malbec da vinícola Loma Larga, que consegue expressar de maneira clara esta ideia de vinhos tintos de climas frescos, onde, além da grande concentração e potência, se consegue sempre manter uma frescura, o que também está relacionado com o potencial de guarda destes vinhos. Até onde se conhece é excelente, podendo-se manter e melhorar por mais de uma década.

Quem alguma vez provou este vinho (e os outros tintos desta vinícola) sabe do que estou falando. E os que ainda não tiveram a possibilidade (e se gostam mesmo desta uva) deem-se a oportunidade, que tenho certeza que não vão se arrepender. Outro Malbec de Chile fantástico é o elaborado pela Perez Cruz, mas tenha cuidado porque no rótulo diz “Côt”, que é o nome original da uva, que é o utilizado ainda na sua terra natal Cahors.

Chile: A terra prometida da uva Malbec

Chile: A terra prometida da uva Malbec

 

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Um Syrah chileno sólido, denso e estruturado!

País Chile
Volume 750ml
Tipo Tinto
Safra 2012
Sub-Região Vale de Colchagua
Uva 95% Syrah, 4% Cabernet Sauvignon e 1% Carménère
Teor Alcoólico 14,6%
Tipo de Uva Tinta Syrah
Amadurecimento 100% em barricas por 12 meses

 

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

Vinho Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013

 

Visual De cor vermelha rubi com profundos reflexos violetas.
Olfativo Com uma extraordinária tipicidade da uva e com caraterísticas marcantes que refletem de maneira impecável seu terroir, do vale de Colchagua. Vinho de uma deliciosa e rica gama aromática, muito complexo, exibindo aroma sedutor de caixa de especiarias, nítidos cassis e groselha preta, couro com um fundo de cedro e tabaco.
Gustativo No paladar possui uma magnifica concentração, com muita extração da fruta, muito agradável. Com taninos firmes, estruturados e acidez intensa que acentua e realça os sabores de mirtilo, amora, cassis e groselhas, mais os elementos da família das especiarias vindos do envelhecimento em barris de carvalho. É um vinho de extraordinária qualidade, para apreciar agora ou para guardar por mais um longo tempo.
Dica de Harmonização É um vinho de muita força e concentração, que para harmonizar vai precisar de pratos de muita personalidade, principalmente gastronomia a base de carnes vermelhas e carnes de caça.
Temperatura de Serviço 16 ºC
Potencial de Guarda 5 anos
Pontuação Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

Cono Sur Reserva Especial Syrah 2013- 91 pontos Winechef

 

O som do vinho em música

Chama-se “Coils on Malbec” e é um disco.

Mas a referência à mais afamada casta da Argentina não é uma liberdade artística.

O disco, que resulta da cooperação entre dois compositores, o argentino Alan Courtis e o norte-americano Cyrus Pireh, transfere para música a variação electromagnética do vinho.

As sessões de gravação decorreram em Outubro de 2013, em Buenos Aires, o que explica a opção pela casta Malbec, e o material foi depois trabalhado em estúdio durante os dois anos seguintes.

O resultado final, com o selo da editora Shinkoyo, é um LP em vinil translúcido de cor púrpura produzido na República Checa.

Só tem duas faixas: “Coils on Malbec”, no lado A; e “Malbec on Coils”, no lado B.

 

Coils on Malbec

Coils on Malbec

 

A Pinot Noir fora da Bourgogne

Fora da Bourgogne, a Pinot Noir tem conseguido excelentes resultados nos Estados Unidos, onde Napa e Sonoma (em Califórnia) e Oregon são as regiões que mais se destacam. Em Nova Zelândia podem também se encontrar vinhos elaborados com uva Pinot Noir de altíssimo nível, principalmente os que provêm de Malborough, região vitivinícola localizada na parte norte da ilha do sul.

No caso da América do Sul, o Chile é o país que tem demostrado o maior avanço qualitativo com esta uva, e que tem ganhado grande destaque na última década. Isto principalmente devido à procura de climas mais frescos com influência marítima, o que favorece ao crescimento e à qualidade dos vinhos desta uva. Casablanca, localizada na metade do caminho entre Santiago e Valparaiso, é uma região já consagrada e com mais de uma dezena de produtores que têm tido muito sucesso com esta uva.

Já algo mais perto do oceano pacífico, na região de San Antonio, se encontra alguns dos Pinot Noir de maior qualidade deste país, o que se diferencia por seu caráter extremamente fresco e mineral. A mais recente região localizada a 400 quilômetros ao norte de Santiago, o Valle de Limarí, está também se destacando como um lugar muito interessante para a produção de grandes Pinot Noir.

A Pinot Noir fora da Bourgogne

A Pinot Noir fora da Bourgogne

A Argentina mesmo já tem se destacado com vinhos elaborados com esta uva e, embora que Mendoza seja considerada sua região emblemática já consolidada no mundo e amplamente conhecida pela Malbec, não tenha um clima apropriado para a produção desta uva (que gosta do frio). Os resultados na região do Rio Negro, na Patagônia Argentina, também são muito alentadores.

No Brasil, os produtores e vinícolas locais também têm manifestado certo interesse por esta variedade, e embora que todos concordem, nas dificuldades e alto custo de investimento em investigações, os resultados obtidos até agora no Rio Grande do Sul e na Serra Catarinense sugerem um futuro promissor.

Veja Também:

Qual é seu Côt favorito? Mas… Você sabe o que é Côt?

Caso você tenha algum amigo que goste desta uva, esta é a oportunidade de fazer uma brincadeira. Faça-o degustar este Malbec chileno sem entregar informação sobre a origem. O mais provável é que seu convidado fique maravilhado pelo vinho, mas creia que trate de um dos tops argentinos. Sim, o Chile também produz Malbec’s de alto nível, e, de fato, em várias ocasiões, concursos da América do Sul, na categoria Malbec  muitas vezes são os chilenos que ficam com o ouro.

Só por lembrar de uma ocasião: há alguns anos atrás, participando de uma importante Guia sulamericana (Austral Spectator), o vinho que ficou em primeiro lugar nesta categoria, para a surpresa de todos, lembrando que esta guia é elaborada por especialistas argentinos com degustadores convidados da maioria dos países da América do Sul, incluindo enólogos brasileiros, foi o vinho Viu 1, da vinícola chilena Viu Mannet.

Não quero dizer que os Malbec’s chilenos sejam superiores que os argentinos, até porque o gosto é algo particular e cada um pode (e deve) ter sua própria opinião, mas existem vinhos excelentes desta uva no Chile e penso que muitas pessoas concordam comigo. Como não lembrar do fantástico Malbec de Colchagua da vinícola Viu Manent, o Viu 1? Ou do estupendo e fresco Loma Larga Malbec? E tantos outros.

Vinicola Pérez Cruz

Vinicola Pérez Cruz

Este exemplar de Perez Cruz Côt Limited Edition é uma versão de Malbec muito particular. É tão sólido que parece uma rocha já bem polida, que não deixa ninguém indiferente. Sabe aqueles tintos que dá para beber com uma “colher”? Assim é este da Perez Cruz, bem Malbec, bem masculino, mas sempre com os traços que identificam sua terra, as encostas da cordilheira Dos Andes.

Aqui podem ver uma análise sensorial mais completa desse vinho . Se tem a oportunidade de provar, não vai se arrepender…

Perez Cruz Côt Limited Edition 2010

“Se abre com tons frescos, dominados pelas notas de menta e eucalipto, muito recorrentes em vários vinhos desta bodega. Tem também abundantes aromas de especiarias que lembram canela e baunilha, as quais se envolvem com características de groselha negra, framboesas e cassis, tudo em uma interessante combinação e de um sobressaliente nível qualitativo.

É enorme na boca, dotado por muita glicerina, álcool e taninos, formando um conjunto muito interessante e de grande suculência e concentração. Tem uma incrível maciez graças a seu ótimo nível de madurez. É muito convincente e uma ótima proposta de Malbec chileno (ou Côt, sinônimo que Perez Cruz usa e que é o nome correto da variedade de origem francesa, Cahors).

Ao nível dos melhores Malbec’s dos dois lados da Cordilheira do Andes.”

 

Perez Cruz Côt Limited Edition 2010

Perez Cruz Côt Limited Edition 2010

 

A Malbec além da Argentina

Malbec é uma uva muito interessante, seu vinho tem muitas virtudes, desde sua performance visual, aromática e gustativa com também seu excelente potencial de evolução.

O que é muito curioso é que na cabeça do consumidor essa uva está só e exclusivamente associada a vinhos Argentinos, o que é um grave erro, pois há vários outras regiões vitivinícolas do mundo que produzem vinhos com esta uva, tão ou mais interessantes que os próprios vinhos dos nossos “hermanos”.

Se tem a oportunidade, não deixem de experimentar um Malbec da sua terra natal, do Cahors na França, onde está uva utiliza o nome de Côt. Os vinhos de Cahors, quando trata-se dos bons ou os melhores produtores, podem entregar vinhos de extraordinário nível de qualidade.

Na América do Sul, além da argentina temos Chile, um pais produtor de Malbec de excelente níveis qualitativo, e o estilo que esta uva atinge nesse pais (principalmente por motivos climáticos), é bem mais próximo aos europeus, devido à influência da Cordilheira dos Andes e as brisas do oceano pacifico, que desenha vinhos atrativamente frescos, equilibrados sem excessos de madures.

A Malbec além da Argentina

A Malbec além da Argentina

 

A Malbec além da Argentina

A Malbec além da Argentina