Posts

Os barris usados e seu efeito no vinho

É bom lembrar que faz toda a diferença o fato do barril ser novo ou usado

Os novos passam uma gama de aromas e sabores – já vistos – ao vinho, enquanto os que têm alguns anos de uso são quase inertes, permitindo apenas a micro-oxigenação. As empresas que buscam o toque de carvalho em seus vinhos usam apenas barris novos ou de primeiro uso, no máximo, segundo ou terceiro, raramente quarto uso. Depois de utilizados, normalmente, os barris são vendidos para outros fins que não a vinicultura. Isso encarece muito o processo, pois um barril francês de bom tanoeiro pode custar ? 1 mil, e um barril americano dificilmente sai por menos de US$ 500.

Um ponto fundamental para o uso de barris usados pela segunda ou demais vezes é sua higiene. Eles devem ser perfeitamente limpos, mas não podem ser esterilizados. Os Brettanomyces – tipo de levedura, apelidado de “Bret”, que pode contaminar barris e transmitir aromas defeituosos aos vinhos, lembrando mofo e dando toques animais desagradáveis à bebida – são perigosos e precisam ser monitorados constantemente.

Outro aspecto da madeira usada é detectado na parede de um tonel antigo, onde podem acumular-se cristais de tartarato. Esta substância aparece nos vinhos engarrafados sobre forma de pequenos cristais brilhantes insípidos e inodoros.

Quando ainda estão nos barris, estes cristais podem impermeabilizar a madeira, evitando a evaporação do vinho; impedir a impregnação de sabor de madeira no vinho, o que provavelmente seja a intenção do enólogo; e ajudar a precipitar os cristais de tartarato do vinho novo. É possível fazer uma raspagem nos barris usados para retirar eventuais cristais, limpá-los, desmontá-los, efetuar nova tosta e montar de novo.
No entanto, este processo é trabalhoso e o efeito jamais será o de um barril novo.

 

Como o carvalho altera aromas e sabores do vinho?

Como o carvalho altera aromas e sabores do vinho?

 

Os chips

Como já mencionamos, barris de carvalho são custosos e têm impacto direto do preço final de uma garrafa. A conta é simples: um barril de US$ 600 novo, que comporta 225 litros ou 300 garrafas, encarecerá o vinho, na origem, em US$ 2. Se este valor for multiplicado cerca de três vezes por impostos e taxas, só o barril significará US$ 6, ou cerca de R$ 18, no preço de prateleira de uma garrafa. É fácil deduzir, então, que vinhos de menos de R$ 30 ou R$ 40 dificilmente passarão sequer perto de barris novos.

A alternativa barata para dar aquele gostinho de carvalho ao vinho é o uso dos chamados chips. Retalhos de madeira, aduelas, serragem, todas as sobras de carvalho podem ser aproveitadas e colocadas em contato com o vinho em vários momentos. Existe a possibilidade de usar os chips desde a fermentação até o vinho pronto. É usado colocar pedaços da madeira ou mesmo saquinhos de chá gigantes, contendo serragens de carvalho em tanques de inox.

Chips

Chips

 

Dependendo do país e da região, este artifício é ilegal e, geralmente, não é admitido pelos produtores. Na Austrália, a prática é permitida e muito comum nos vinhos mais baratos, enquanto em Bordeaux e na Borgonha é proibido, por exemplo.

O que nos interessa saber é quais os efeitos dos chips. Naturalmente simulam o barril de carvalho, passando aromas de madeira ao vinho, mas sem mesma qualidade e sem a microoxigenação, que dará complexidade e longevidade. Geralmente isso funciona bem para vinhos muito simples, de consumo imediato, o que realmente pode ganhar ao receber este aporte de aroma e sabor.

Chips, no entanto, jamais se prestarão à produção de vinhos de maior qualidade, estrutura, complexidade e, sobretudo, de longa guarda, pois os aromas de carvalho dados por este método tendem a se perder depois de alguns meses do vinho engarrafado.

O mesmo vinho pode ser elaborado em barris de tipos diferentes?

Em relação as barricas de carvalho é bom lembrar que cada vinho pode ser elaborado de uma maneira diferente: sem nenhum contato com madeira, amadurecido em barris 100% novos, ou mesmo amadurecidos em um mix de barris novos e usados, de diferentes tipos de carvalho, de diversas idades e tamanhos.

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

A lista com os vinhos vencedores do concurso Top Five Vitória Expovinhos 2016 foi revelada.

 

O evento foi realizado no Centro de Convenções de Vitória.

Os vinhos foram degustados degustaram totalmente as cegas.

Teve a honra de fazer parte por terceiro ano consecutivo, do painel de degustação.

Confira os TOP FIVE de cada categoria:

VINHOS ESPUMANTES

Vértice Millésime 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Cavas Hill Vintage 2008 (Pendés/Espanha) – Cantu
Cava Don Román NV (Penedés/Espanha) – Porto a Porto
Segura Viudas Reserva Heredad NV (Penedés/Espanha) – Qualimpor
Veuve Ambal Crémant de Bourgogne Grande Cuvée Brut NV (Borgonha/França) – World Wine

 

VINHOS BRANCOS VELHO MUNDO

QPA Branco Reserva DOC 2013 (Douro/Portugal) – Canto do Vinho
Château Latour Martillac Blanc 2012 (Graves/França) – Carone
Comendador Leonel Cameirinha Reserva Chardonnay 2013 (Alentejo/Portugal) – HC representações
Toques & Clochers Autan Limoux Chardonnay N/D (Languedoc/França) – Kanal distribuidora
Terra D’alter Telhas Branco 2011 (Alentejo/Portugal) – Obra Prima

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

Lista completa de vencedores do prêmio Top Five 8ª Vitória Expovinhos 2016

 

VINHOS BRANCOS NOVO MUNDO

Siegel Gran Reserva Sauvignon Blanc 2015 (Leyda/Chile) – Canto do Vinho
Rayun Gran Reserva Chardonnay 2015 (Limarí/Chile) – Família Zanlorenzi
Penalolen Sauvignon Blanc 2015 (Maipo/Chile) – Kanal distribuidora
Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay 2013 (Vale dos Vinhedos/Brasil) – Miolo Wine Group
Marques de Casa Concha Chardonnay 2014 (Limarí – Chile) – VCT

 

VINHOS TINTOS VELHO MUNDO

Crochet 2012 (Douro/Portugal) – Adega Alentejana
Casabel 2013 (Lisboa/Portugal) – Aliança
Castelforte Valpolicella Ripasso NV (Veneto/Itália) – Kanal distribuidora
Crasto Superior Syrah 2013 (Douro/Portugal) – Qualimpor
Falesco Tellus Syrah 2013 (Lazio/Itália) – Winebrands

 

VINHOS TINTOS NOVO MUNDO

Apaltagua Colection Pinot Noir 2012 (Curicó/Chile) – Apaltagua
Siegel Single Vineyard Carmenère 2014 (Colchagua/Chile) – Canto do Vinho
AS3 Premium 2012 (Vale Central/Chile) – Olisur
Pizzato Verve 2012 (serra Gaúcha/Brasil) – Pizzato
Toro d’Oro Family Reserva CS 2014 (Curicó/Chile) – Reguingua

 

VINHOS DE SOBREMESA

Erasmo Late Harvest Torrontel 2009 (Maipo/Chile) – Carone
Château Grand Dousprat 2011 (Bordeaux/França) – Kanal distribuidora
Porto Coroa de Rei Colheita 1994 (Douro/Portugal) – Obra Prima
Messias 10 Anos (Douro/Portugal) – Porto a Porto
Taylor’s Tawny 20 anos (Douro/Portugal) – Qualimpor

 

Esqueça o Rosé, a nova moda é vinho Laranja

Se gosta da textura acentuada do vinho tinto e da frescura do vinho branco, chegou o vinho laranja: o melhor dos dois mundos que já está a fazendo muito sucesso.

Tem textura como o vinho tinto e é refrescante como o vinho branco. O vinho cor de laranja – também conhecido como o anti-rosé –, junta o melhor dos dois mundos…

A tonalidade pode variar de um alaranjado mais suave até a um tom de cobre profundo, mas o sabor nada tem a ver com laranjas: o aroma é semelhante ao das nectarinas (como os pêssegos). É feito com as mesmas uvas usadas na produção de vinho branco, mas com uma diferença substancial: no vinho branco as cascas são removidas durante o processo de fermentação, e no vinho laranja estas são mantidas. O resultado? Um vinho com uma textura pronunciada, mas suave e refrescante – ideal para uma tarde de calor depois da praia.

Os vinhos laranja são também conhecidos como vinhos “de contato” – já que a pele das uvas entra em contacto com as bagas, durante a produção. Mas há também quem os trate por “anti-rosé”, isto, porque a sua produção é “inversa” à destes vinhos. No rosé são utilizadas uvas vermelhas e as cascas são removidas logo no inicio da produção; e no vinho laranja são usadas uvas brancas com pele, que conferem à bebida uma textura mais densa.

Esqueça o Rosé, a nova moda é vinho laranja

Esqueça o Rosé, a nova moda é vinho laranja

 

Veja também:

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Vinhos podem mudar suas características de acordo com a música tocada.

Pesquisa do professor Charles Spence, da Universidade de Oxford, concluiu que as características do vinho são modificadas de acordo com a música do ambiente.

Após diversos estudos, Charles Spence pôde notar que alguns ritmos musicais faz com que pessoas sejam remetidas a diferentes sabores (doce, salgado, ácido ou amargo) quando provam vinho ouvindo determinada música.

Segundo o autor da pesquisa, notas de piano costumam estar associadas a aromas de damasco, frutas vermelhas e baunilha, já estilos mais pesados de rock (metal, por exemplo) remetem a aromas almiscarados. O autor também analisou instrumentos de sopro e concluiu que estes remetem à acidez.

Outro destaque foi notar que vinhos degustados às cegas, sob influência de estilos musicais variados, foram descritos como rótulos diferentes.

 

Música estimula mudança de sabor do vinho

Música estimula mudança de sabor do vinho

 

Fonte: Revista Adega

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

Nos anos 30 do século XVII Kenelm Digby inventa a garrafa de vidro. Cinquenta anos depois, uma segunda revolução, com o desenvolvimento da rolha de cortiça.

As primeiras rolhas de cortiça eram cónicas e em 1680 D. Pérignon deu-lhes o lugar das rolhas de madeira no gargalo de uma garrafa com vinho espumante. Em 1830 surgem os equipamentos capazes de introduzir rolhas cilíndricas nos gargalos das garrafas e 60 anos depois são fabricados os primeiros aglomerados de cortiça. Em 1903 inventam-se as rolhas de duas peças, com a parte inferior de cortiça natural e a superior com aglomerado. Nos nossos dias, produzem-se rolhas de cortiça de diferentes tipos e dimensões – de cortiça natural, de aglomerado, mistas, cilíndricas, cónicas, para champanhe, de inserção manual, ‘twin top’, etc.

O nascimento da cápsula de rosca (screwcap) é bem mais recente. Em 1959, a companhia francesa La Bouchage Mécanique introduz o Stelcap-vin depois da Stelcap ter provado eficiência com espirituosos e licores. Em 1970, a Australian Consolidated Industries adquiriu os direitos de fabricação e a Stelcap foi rebaptizada por Stelvin. No entanto, o receio do fracasso junto dos preconceitos do consumidor manteve este ‘screwcap’ em ‘stand-by’ até começarem os problemas com a rolha de cortiça natural. A partir de 2000, o uso deste vedante começou a crescer exponencialmente e em 2004 calcula-se que cerca de 200 milhões de garrafas de vinho australiano foram seladas com cápsula roscada. O movimento contagiou a Nova Zelândia que forma em 2001 a New Zealand Screwcap Initiative. Nessa data, 1% dos vinhos neozelandeses usavam cápsula roscada. Em 2004 era já 70%.

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

Da rolha de cortiça à cápsula roscada

 

 

Terremoto golpeia regiões vitivinícolas de Chile

 

O devastador terremoto que sacudiu Chile ontem à noite, causou a evacuação de mais de um milhão de pessoas.

O epicentro fio na região vitivinícola de Coquimbo.

Até agora se tem informação do falecimento de 10 pessoas resultado do terremoto de 8,4 de magnitude, acontecido por volta das 20:00 horas de ontem (horário de Brasília e de Chile).

De acordo com os reportes, vários tsunamis tem chegado até as costas do norte e centro do pais, ameaçando os vinhedos mais próximos à costa.

A alerta de tsunami acaba de ser finalizada no Chile, no entanto, as autoridades de Havaí, Califórnia e Nova Zelândia estado de alerta, devido a que as ondas estão viajando a traves do oceano pacifico.

Enquanto o terremoto teve seu epicentro na região vinícola de Coquimbo, que contém os vales Elqui, Limari e Choapa, que danificou severamente aglomerações urbanas em toda a parte central do país, ao sul até o vale Bio-Bio.

Winechef está em contato com enólogos das regiões afetadas pelo terremoto, e informaremos novidades assim que o impacto do desastre possa ser avaliado.

Terremoto golpeia regiões vitivinícolas de Chile

Terremoto golpeia regiões vitivinícolas de Chile

Palavras importantes que fazem parte do vocabulário do vinho

 

Palavra Significado
Acidez É o conjunto de ácidos contidos no vinho. São os responsáveis pelo bom equilíbrio da bebida, contribuindo para a sensação de frescor em boca.
Acidez Volátil Ácidos presentes no vinho (acético, propanóico e butanóico) produzem reações químicas durante a maturação do vinho, originando a acidez volátil. Em níveis baixos, passa despercebida. Já quando é alta, pode ser considerada um defeito, dando ao vinho um traço avinagrado.
Ácido Lático Ácido que torna os vinhos mais macios, sendo um produto da fermentação malolática, que pode ocorrer antes ou depois da fermentação com a finalidade de limitar a acidez.
Ácido Málico Ácido natural encontrado nas uvas, sendo um dos principais junto ao ácido tartárico. É o responsável pelo gosto de maçã verde ácida percebido em uvas não amadurecidas.
Ácido Tartárico Ácido natural encontrado nas uvas, sendo um dos principais junto ao ácido málico. É predominante em regiões vinícolas mais quentes, podendo ser adicionado ao vinho quando a acidez é baixa.
Açúcar Residual Quantidade de açúcar que sobra após a fermentação, podendo ser natural ou provocada como, por exemplo, o Vinho do Porto. É um fator fundamental na definição do estilo de espumantes que recebe o licor de expedição, que é a quantidade para mais, ou para menos, de açúcar residual, transformando-os em Nature, Extra Brut, Brut, Extra-Seco, Seco, Demi Sec ou Doce.
Adstringência É a sensação gustativa provocada pelos taninos contidos nos vinhos tintos. Estes componentes, que são responsáveis pelo corpo ou estrutura do vinho, reagem com as proteínas da boca, que perde momentaneamente o poder lubrificante da saliva, ocasionando a sensação conhecida como “boca seca”. São vinhos difíceis de beber, duros e ásperos. Ex: comer uma banana verde.
Aeração Exposição do vinho em contato com o ar ambiente, deixando-o “respirar”, para que seus aromas possam se tornar mais evidentes.
Afinado Vinho que evoluiu corretamente, adquirindo perfeito equilíbrio entre aroma e sabor.
Afinamento Técnica de clarificação dos vinhos que utiliza bentonita (argila gerada de cinzas vulcânicas), gelatina ou clara de ovos. Agentes que aglutinam as partículas em suspensão sedimentando-as.
Agulha Sensação de “picar” a língua, vinhos com uma pequena quantidade de gás carbônico. Exemplo: alguns Vinhos Verdes (Portugal).
Agradável Quando o conjunto aromas e sabores encontram-se organoleticamente equilibrado.
Álcool Composto químico reagente formado pela ação das leveduras do açúcar no processo de vinificação do vinho, podendo ser o Etanol ou Etílico.
Amargor Descritivo de defeito no vinho devido à má vinificação. Exemplos: vinhos com taninos verdes ou não polimerizados (macromoléculas presentes nos vinhos)
Amplo Vinho com bouquet (aromas)  rico e com muitas nuances, oferecendo agradáveis sensações olfato-gustativas.
Análise Sensorial Exame das propriedades organolépticas do vinho através dos órgãos dos sentidos (visual, olfato, tato, paladar).
Antocianos Espécie de pigmento natural que, na verdade, são fenólicos responsáveis pela cor vermelha e púrpura dos vinhos jovens.
Autoclave Corresponde ao método charmat, onde a segunda fermentação é realizada em tanques de inox (autoclaves). Geralmente, os aromas e sabores são menos complexos do que os obtidos por meio do método champenoise ou tradicional.
Aroma Percepção olfativa do vinho na boca, transmitida ao nariz pelas vias retro-nasais (situadas atrás da boca). O odor emanado pelo vinho chama-se “o nariz”. O primário é proveniente da uva. O secundário é resultante da vinificação. O terciário origina-se do envelhecimento e é denominado buquê.
Aromático  Vinho cujo aroma provém diretamente de castas aromáticas (Gewurztraminer, Merlot).
Áspero Com excessiva adstringência e acidez.
Assemblage Processo de junção dos vinhos das mais diversas variedades de uvas, podendo também variar por safras, mantendo como regra a mesma região vinícola. A finalidade é torná-lo mais uniforme, com personalidade própria e de qualidade, onde o enólogo torna-se livre para elaborar vinhos de caráter diferenciados.
Ataque É a primeira sensação a ser percebida ao degustar um vinho. Geralmente, é uma sensação adocicada, de vinho redondo e macio; porém, se o vinho tem acidez pronunciada (ex: os brancos jovens) o adocicado é substituído pela acidez.
Aveludado Vinho extremamente macio em boca, lembrando metaforicamente a textura do veludo.
Palavras importantes que fazem parte do vocabulário do vinho

Palavras importantes que fazem parte do vocabulário do vinho

Ex-treinador da seleção inglesa de futebol lança marca de vinhos

Uvas dos vinhos de Sven-Goran Eriksson vêm da Sicília

Sven-Goran Eriksson, o idolatrado ex-treinador da seleção inglesa, lançou sua própria marca de vinho. Conhecido pelos fãs somente por Svennis, Eriksson nomeou seus rótulos de “Sven”.

Em homenagem ao tempo que viveu na Itália, época que treinou as equipes de Gênova, Florença e Roma, Ericksson lançou um vinho tinto e um branco produzidos com uvas da Sicília.

O tinto é um blend com variedades Nero d’Avola e Frappato, enquanto o branco é feito com as variedades Grillo e Fiano, todos eles com a supervisão e auxílio dos enólogos Stefano Chioccioli e Stefano Girelli, da Casa Girelli.

“Para criar um time de futebol, é necessário equilíbrio. Se você quiser ter um vinho de qualidade, o equilíbrio também se torna algo importante”, comentou Eriksson em um video postado em seu site divulgando a coleção.

Os vinhos custam cerca de US$ 14 e, por enquanto, estão sendo vendidos somente na Suécia, país de origem de Eriksson.

Ex-treinador da seleção inglesa de futebol lança marca de vinhos

Ex-treinador da seleção inglesa de futebol lança marca de vinhos

 

Belga cria loja em que você pode fazer seu próprio vinho

Belga alega ter aberto a primeira loja da Europa onde o cliente faz o seu próprio vinho

Chocado com o preço da bebida na Irlanda, o belga Luc Heymans resolveu abrir a primeira loja-oficina de vinhos da Europa, segundo ele. Em entrevista ao Irish Examiner, Heymans disse: “Antes de me mudar para a Irlanda eu costumava beber todo dia um copo de vinho acompanhando o meu jantar, mas quando me mudei para cá não consegui acreditar no preço de uma garrafa de vinho. Por isso, eu comecei a fazer o meu próprio vinho, e então decidi abrir a loja aqui na Irlanda”.

Belga cria loja em que você pode fazer seu próprio vinho

Belga cria loja em que você pode fazer seu próprio vinho

A loja, chamada Making your wine, abriu há menos de um ano atrás e o dono conta que já foi inundado de pedidos de casais que querem fazer vinhos personalizados para o casamento. Lá, os vinhos são feitos por meio de kits. Os clientes compram esses kits e levam para casa para começar a fermentação, o que pode demorar de seis a oito semanas, ou podem deixar na loja e ao retornar podem fazer rótulos personalizados para todos os vinhos produzidos.

Segundo o dono da loja, cada kit produz de 28 a 30 garrafas da bebida. “Se o cliente provar o vinho e não gostar ele pode ter o seu dinheiro de volta, mas isso nunca aconteceu até agora”, declarou ele.

Heymans guarda na loja variedades de vinho do mundo todo e diz que a qualidade do seu produto é incomparável ao vinho de €10  comprado no supermercado. Além disso, segundo ele existe mais um benefício do seu vinho: “Como não há componentes químicos envolvidos, você não terá uma ressaca”.

Fonte: Revista Adega.