Posts

Oídio: O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

 
O oídio hiberna nos gomos da planta ou na superfície da mesma. A partir dos 15ºC e 25% de humidade torna-se ativo. Todas as partes verdes da planta são atacadas. Nas folhas surgem umas manchas de tom verde oleoso. Na página inferior um pó cor de cinza esbranquiçada (esporos) exibe a instalação do fungo.

Sem tratamento os tecidos morrem, os pequenos bagos rebentam e a podridão cinzenta acaba por destruir parte ou a totalidade da colheita. É mais estimulado pela densidade da copa da videira que pela humidade do ar. A luz solar direta inibe a germinação dos esporos.

A prevenção cultural faz-se eliminando (à poda) varas com cleistotecas (pontos negros onde hibernam os esporos sexuais do fungo), promovendo o arejamento da videira e evitando o vigor excessivo.

 

Oídio O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

Oídio O terrível fungo que ataca a vid e outras plantas

 

A luta contra o oídio tem habitualmente calendário fixo. É necessário proteger a vinha desde a floração até ao fecho dos cachos.

A doença é controlada desde 1854 com a aplicação de enxofre. Existem duas formas: o enxofre molhável e o enxofre em pó (a primeira tende a ser a mais utilizada e de preferência só até à floração). Na luta química, existe um número variado de fungicidas que inibem a germinação do fungo e/ou bloqueiam a formação dos apressórios necessários à penetração do fungo na planta.

Em situações de emergência, que são vulgares, existe o permanganato de potássio que é um detergente que “lava” a doença da planta. Depois da limpeza a videira está muito exposta a ataques, donde que, se deve aplicar a proteção de enxofre ou fungicida orgânico.

Veja: Míldió

 

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

 

O segredo das Vinhas Velhas: Quanto maiores os tormentos, maior a velhice

Veja a primeira parte dessa matéria aqui

A modo de exploração da videira, a casta ou clone e qualidade do indivíduo vegetal e o seu habitat determinam a sua longevidade, produção e qualidade da mesma. O stress provocado por agressões ambientais e de exploração fragilizam a planta; a seca, o frio excessivo, os cortes da poda, o uso e abuso dos químicos de síntese são alguns dos atropelos que fazemos à espécie vegetal. Donde que uma vinha com 30 anos, submetida aos tormentos de uma exploração super intensiva pode ser velha e decrépita enquanto outra de 60 anos, com uma população saudável de indivíduos vegetais, que beneficiou de uma exploração menos intensiva, que não sofreu intoxicações com químicos de síntese e que teve as feridas da poda desinfetadas que impediram a contaminação viral e bacteriana, pode produzir quantidade com qualidade por muitos mais anos.

A casta e a sua origem terão também uma importante palavra a dizer na longevidade da cepa. Há castas muito mais resistentes aos atentados que lhe fazemos que outras. A globalização galopante e a promiscuidade varietal entre países e continentes pode também fazer mossa à perenidade da vinha. Por exemplo, é sabido que o Pinot Noir não gosta de viajar e é de aceitar que uma vinha velha de Pinot terá obviamente uma idade completamente diferente na Borgonha que no Oregon dos EUA.

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

Vinhas Velhas: Um conceito muito subjetivo

Quando um produtor de qualquer nova região nos diz que tem vinha velha devemos sempre perguntar: com que idade?

O conceito muda com a região de origem e os critérios do produtor. Numa região com um historial recente como é o caso da maior parte do Alentejo, uma vinha com 20 anos é considerada velha. Numa região com longo historial e rica em vinhas velhas e muito velhas, como o Douro, aceita-se que o produtor diga que o vinho vem de vinha velha se esta tiver pelo menos 40 ou 50 anos.

A questão de “quantos anos tem de ter uma vinha para ser velha” já era discutida pelos Romanos. E desde então ainda não se chegou a consenso.

Num pequeno inquérito feito pela Wines & Vines quanto à necessidade de legalizar o termo “Vinha Velha” para questões de rotulagem nas principais unidades produtivas na Califórnia (onde se encontra o maior área de vinha velha de Vitis vinifera), 71% dos inquiridos concordaram com a legalização do termo. Mas quando se pede a idade mínima para uma vinha poder ser considerada velha, 63% considera um mínimo de 50 anos de idade enquanto 28% são a favor de uma idade mínima de 20 anos. Quando questionados quanto à idade da vinha que fornece uvas para o seu(s) rótulo(s) de vinho de vinha velha, 39% afirma que a vinhas estão entre ao 15 e os 49 anos e 32% dão uma idade entre os 50 e os 80 anos.

A falta de consenso e de conceito é um dos entraves à plena validade do item na exploração do marketing. Além de que não podemos esquecer a habitual ausência de dados concretos: quantas vezes perguntamos a idade de uma vinha velha a um determinado produtor e ele responde: calculo que deva ter mais de 40, 50 ou mesmo 60 anos.

Contudo o conceito existe e é explorado por alguns produtores. E não há dúvida que encerra algo de mágico, porque para muitos (e não são assim tão poucos) quanto mais velha é a vinha mais sábia se torna.

Na verdade faltam estudos científicos que comprovem aquilo que todos sentem: existem vinhas velhas que produzem vinhos extraordinários mas também não é menos verdade que nem todas as vinhas velhas os produzem.

 

O 2-4-6 Tricloroanisol: O composto químico responsável pelos vinhos bouchoné

Este poderosíssimo contaminante pode estar presente em papel, cartão, plástico, vidro, recipientes metálicos, madeira, barricas e também…na cortiça. O seu limiar de percepção situa-se a 1.5 ppt ou ng/l (parte por trilião ou nanograma por litro) – ou seja, uma simples gota deitada numa piscina olímpica é suficiente para contaminar a água – mas a maioria das pessoas detecta o problema a cerca de 5 ppt.

É um químico complexo com várias origens: fungos presentes nas imperfeições da estrutura celular da cortiça, os polifenóis próprios da cortiça e produtos utilizados na preparação da cortiça interagem parcial e integralmente levando à formação deste composto.

Vinhos com odor e gosto a mofo (bouchoné ou bouchonné

Vinhos com odor e gosto a mofo (bouchoné ou bouchonné

Contudo, o “gosto a rolha” não é apenas atributo do TCA. Existem outros cloroanisóis como o tetracloroanisol (2-3-4-6 TeCA detectável a 10 ng/l) ou o mais preocupante tribromoanisol (2-4-6 TBA detectável a 4 ng/l) formado a partir do tribromofenol, usado como pesticida nas estruturas de madeira das adegas, que pode contaminar barricas, rolhas, plásticos, cartão ou madeira das caixas de vinho.

Tudo isto foi metido no mesmo saco e as culpas caíram todas, e ao mesmo tempo, na nobre rolha de cortiça. Percentagem de contaminação inaceitável… a cortiça destrói os nossos vinhos,… é em suma o que transcreviam os inúmeros artigos escritos sobre o tema em finais de oitenta, no preciso momento em que os vinhos iniciam uma ascensão de preços nunca antes testemunhada.
Continua…

Filho de Susana Balbo e seu projeto vitivinícola

 

Chango é o ultimo vinho que foi lançado pelo filho de Susana Balbo. É um blend elaborados com uvas de Cafayate e o Vale de Uco.

O projeto começou em 2010 como um proceso de descobrimento e espaço criativo. Atualmente seu porfolio esta formado por 4 vinhos e segundo o próprio autor, eles representam as 4 etapas mais significativas da vida dele.

Nesse contexto, o vinho Chango, safra 2013 representa sua infância em Cafayate. Fio elaborado a base de Malbec (65%) e Cabernet Sauvignon (15%) proventes do Altamira, no Vale de Uco, mais um 20% de Tannat de Cafayate.

“á intenção é fazer de cada uns dos vinhos tenham uma verdadeira expressão do terroir de origem, e que em cada uma das suas safras seja possivel distinguir a influencia producidad pelas diferencias climaticas entre cadauma das safras”, diz o enólogo José Lovaglio Balbo.

O vinho vem a complementar os outros trés rótulos da línea, que são os Chacra, Aggie y Templre.

Filho de Susana Balbo e seu projeto vitivinícola

Filho de Susana Balbo e seu projeto vitivinícola

Consumo de vinho ajudar a reduzir perda de visão

 

 Segundo pesquisa norte-americana, consumo moderado pode reduzir risco de deficiência visual em longo prazo

Uma pesquisa da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, sugere que o consumo moderado de vinho pode reduzir o risco de deficiência visual em longo prazo. Liderados pelo Dr. Ronald Klein, do Departamento de Oftalmologia do Wisconsin e Ciências Visuais, os pesquisadores analisaram, por 20 anos, os olhos de 6 mil pessoas com leve deficiência visual entre 43 e 84 anos e fizeram uma relação com seus hábitos de vida.

Na fase inicial do estudo, os participantes fizeram uma medição da sensibilidade de cada olho, orientada pela quantidade de letras e números não identificados pelos voluntários. Percebe-se que, durante um período de 20 anos, essas pessoas costumaram perder, em média, a capacidade de ler 6,6 letras (segundo o critério adotado pelos pesquisadores).

Ao comparar os estilos de vida, porém, houve diferenças e o consumo de álcool pareceu diminuir o prejuízo à visão. Apesar de apenas 11% dos abstêmios terem apresentando deficiência ao longo do tempo, o número entre os que consumiam pequenas quantidades de álcool ocasionalmente foi bem menor, com 4,8%, assim como para o consumidores regulares, com 3,6%.

Mais interessante ainda foi quando a pesquisa focou no vinho. O estudo mostrou que a deficiência afetou 7,8% daqueles que não consomem a bebida, apenas 4% dos que a bebem ocasionalmente, e 2,7% dos que degustam regularmente.

O estilo de vida também influencia nas chances de se contrair uma deficiência visual. Por exemplo, aqueles que eram fisicamente ativos tinham menos chance de desenvolver uma complicação visual, ao passo que os fumantes tiveram mais facilidade em contraí-la. “Estilos de vida como fumar, beber e praticar exercícios físicos estão diretamente associados com o desenvolvimento de doenças visuais em longo prazo”, afirmou Klein.

É certo que fazer exercícios regularmente, não fumar e ter uma dieta equilibrada resultam em uma melhor saúde ocular. Mas quanto ao consumo de vinho, ainda são necessárias mais pesquisas para averiguar se sua ingestão, por si só, já é suficiente para reduzir as chances de perda da visão.

vinho pode ajudar a reduzir perda de visão

Vinho pode ajudar a reduzir perda de visão

O polêmico aroma de petróleo nos vinhos. Você gosta?

 

O aroma a petróleo é considerado uns dos mais nobres quando se trata da uva Riesling

Por serem diferentes e talvez não muito agradáveis ao olfato humano (mas, sim, nos vinhos) é o caso das célebres e sempre aplaudidas notas de “petróleo”, ou “gasolina”, ou “pólvora”, que alguns vinhos podem ter.

No caso destas descrições, eles aparecem com muita frequência nos vinhos da uva Riesling principalmente quando se trata dos expoentes provenientes de solos calcários, que é o caso de muitos dos Riesling’s alemães, alsacianos e austríacos, mesmo que eles sejam jovens.

É um aroma que na nossa imaginação parece algo negativo, porque na realidade eles são, mas quando aparecem nos vinhos acompanhados de notas de mel, azahar e pétalas de rosas, Se dá uma experiência sensorial fabulosa, que é realmente estimulante.

Aromas a petroleo

Aromas a petroleo

Quando falamos de vinhos já evoluídos são quando estes tipos de aromas se manifestam na sua máxima magnitude. Eles aportam muita classe e identidade no vinho além de ser um diferenciador muito importante na hora de analisar a tipicidade da uva.

Se aparecer um dia a oportunidade de experimentar um vinho elaborado com a uva Riesling, mesmo que seja um de uma faixa de preço baixa, tentem buscar os aromas a petróleo, é muito provável que encontrem por ai, então vão entender o porquê que este aroma é considerado uns dos mais nobres da paleta olfativa dos vinhos.

 

O segredo das Vinhas Velhas

 

Vinha velhas produzem melhores vinhos?

As vinhas velhas são uma contradição. Por um lado, cada vez se arrancam mais, devido à sua decrepitude e diminuta produção. Por outro lado, cada vez são mais apreciados por alguns produtores, que nelas baseiam os seus melhores vinhos. E a designação “vinha velha” no rótulo é quase uma garantia de qualidade para muitos consumidores…

Que segredo encerram estas cepas capazes de nos dar uvas sábias que fazem arte na forma de vinhos? Qual é, ou quais são, as pequenas diferenças que fazem toda a diferença e que levam a que muitas vezes um vinho de vinhas velhas valha 10 vezes mais do que um outro vinho das mesmas castas vindo de uma vinha jovem? Qual é a sabedoria destas cepas especiais?

São perguntas sem resposta concreta. O tema, que encerra certa dose de polémica, é muito antigo, mas só recentemente começou a ser explorado do ponto de vista comercial. A importância mediática e o estatuto que têm atingido algumas destas vinhas têm levantado inúmeras questões que sugerem a necessidade de futura regulamentação do termo e respectiva exploração. Mas por enquanto tudo continua sem regras e uma vinha velha pode ter muitas faces.

O segredo das Vinhas Velhas

O segredo das Vinhas Velhas

Afinal, quantos anos tem uma vinha velha?

Primeiro que tudo convém esclarecer o conceito de vinha velha. A pergunta é tão velha quanto a história da própria videira. Quando é que podemos considerar que uma vinha está velha?

O conceito de idade está colado aos regulamentos comunitários de produção de uva que são bem explícitos: uma vinha só pode produzir uva para vinho depois de 3 (às vezes mais) anos de idade. Portanto o conceito de idade, neste caso idoneidade mínima de uma videira para a elaboração  de vinho, é um fator que é tomado em conta desde a nascença da planta. Mesmo nos primeiros 6 a 8 anos de idade a maioria dos viticultores do Velho Mundo não considera a cepa apta à produção dos melhores vinhos sendo normalmente conduzidas para segundas ou terceiras marcas.

Depois do oitavo ano de produção a vinha tem um sistema radicular e uma estrutura aérea vegetativa estabilizadas e inicia a sua idade produtiva propriamente dita.

Entre os 20 e os 25 anos de idade é consensualmente aceite que a videira começa a produzir menos, iniciando a produção de uva de sabor mais concentrado. A partir daqui aceita-se que a videira começa a envelhecer. Mas podemos considerar que está velha?

Uma videira entre os 20 e os 50 anos de idade atravessa a idade adulta rumo à velhice, mas os índices de produção e o tempo de vida ainda não permitem chamar-lhe “vinha velha”. A partir dos 50 anos de idade o termo “vinha velha” pode-se aplicar sem receios de ferir ouvidos mais cépticos.

À medida que a velhice vai avançando, a videira produz cada vez menos uvas mas normalmente uvas muito equilibradas e intensas no aroma e sabor. A película da uva da vinha mais velha é normalmente mais espessa, tem mais taninos e a polpa tem mais sabor. Contudo estas vinhas velhas têm uma exploração dispendiosa e para muitas agro-indústrias, uma vinha velha pouco produtiva, poderá ser inviável do ponto de vista económico.

Continua…

 

Como deve ser um vinho de qualidade?

 

Sempre nos perguntamos quando um vinho é realmente bom.

Ou então, como é o vinho ideal? A resposta sempre está relacionada com o gosto pessoal de cada pessoa, é claro… Mas, na verdade, o gosto é algo que muda constantemente, na medida em que vamos nos aprofundando cada vez mais no tema – neste caso, o vinho.

Quando as pessoas começam a se interessar pelo mundo dos vinhos, geralmente são os vinhos mais simples os que são da preferência, e até muitas vezes os que têm algo de açúcar, ou os que têm aromas mais “adocicados” (a maioria das vezes aportados pela madeira), mas esse gosto pessoal começa a mudar na medida em que a pessoa começa a entender melhor sobre a degustação.

Em pouco tempo, os vinhos fáceis, adocicados, com muita madeira, etc., que num princípio pareciam ser vinhos bons, agora já não são mais do nosso agrado. Isso porque através do estudo, da prática e da degustação, as pessoas conseguem aguçar os sentidos e perceber aromas e sabores que antes não percebiam. Ai é o momento que as preferências e gostos começam também a mudar.]

Os vinhos com aromas e sabores doces

É natural que as pessoas gostem de aromas e sabores doces, e não do amargo, por exemplo. Essa é a razão que motiva as vinícolas a trabalhar estilos de vinhos onde, dependendo do desenvolvimento e do gosto do mercado em questão (que tem a ver com a evolução deste), vai ser o proprietário, o departamento de marketing e o próprio enólogo que vão definir o estilo do vinho de acordo com esse tipo de consumidor, e irão utilizar todas as ferramentas que existem em uma bodega para elaborar um vinho que seja do gosto deste mercado.

Seguindo a lógica, os mercados mais desenvolvidos (como Inglaterra, por exemplo) optam por vinhos que não têm muita madeira, vinhos mais frescos, e que têm a expressão do terroir, etc.. Os mercados mais novos, que tem menor conhecimento (como China, por exemplo), garantem vendas e sucesso, além de começarem a elaborar e exportar vinhos mais “maquiados”, que sejam mais fáceis de entender e, portanto, de vender. Vinhos mais maduros, com a presença das notas de baunilha e especiarias doces provenientes da madeira de forma mais marcada, porque é isto o que o público que começa a consumir vinhos consegue – mais facilmente – distinguir e apreciar.Von Siebenthal Toknar

Sobre o Terroir:

Mas, como deve ser um vinho de qualidade? São muitas, mas muitas as condições, no entanto, irei me referir a uma que é, talvez, a mais importante e que está relacionada com a forma na qual o vinho (para ser considerado um vinho de qualidade) tem que ser. Ele tem que expressar seu terroir, sua origem, ou seja, só através dos seus aromas e seus sabores, ele deve nos dizer de onde vem, e essa característica não está atribuída a todos os vinhos, poucos são os que têm a capacidade de expressar, e isso deveria ser regra…

O enólogo da Universidade Católica de Chile, professor de enologia por mais de 40 anos da maioria dos enólogos chilenos mais conceituados na atualidade (Álvaro Espinoza da Antiyal ou o próprio Pablo Morandé foram alguns dos seus alunos), Alejandro Hernandez, em conversa com Winechef define para nós o conceito de Terroir:

“O terroir é em si uma noção que indica certa tipicidade e individualidade que gera um vinho com características determinadas e repetíveis. O último não é uma norma fixa, pois os fatores do solo, de certo modo, podem ser modificados e porque as condições do clima não são controladas.”

Terroir

 

Clima e solo

Como Don Alejandro define claramente, o conceito de terroir está ligado à tipicidade e individualidade de um vinho, resultado da junção de seu clima e do seu solo, entre vários outros fatores que interferem no resultado final. Tal como defini no começo da matéria, de maneira natural começamos com vinhos mais fáceis e simples, e logo passamos por várias etapas para, não em muito tempo de estrada, chegar a esta onde começamos a conseguir distinguir a origem do vinho.

Esta etapa é muito interessante, talvez seja a melhor, e aqui o vinho além de ser agradável, bom ou excelente, ele deve nos entregar informação do seu passado, da sua infância, do seu terroir, e aqui é onde realmente podemos saber e dimensionar a qualidade de um vinho. Sem terroir não há qualidade.

 

Montes Spring Harvest Sauvignon Blanc 2015

 

A vinícola Montes lançou no Chile sua última novidade, um Sauvignon Blanc chamado Spring Harvest2015

O principal diferencial do vinho é que este foi o primeiro vinho disponível no mercado chileno da colheita 2015.

A uva provem dos vinhedos que a vinícola possui no vale de Leyda e a colheita foi com um mês de antecedência em relação com os outros Sauvignon Blanc chilenos. O objectivo da vinícola foi produzir um vinho extremamente frutado, moderno e de rápido consumo.

A estratégia principal da bodega foi produzir este Spring Harvest para poder chegar no começo da primavera no mercado europeu, assim aproveitar esta estação que é a de maior consumo de vinhos brancos, espumante e roses.

Montes Spring Harvest Sauvignon Blanc 2015

Montes Spring Harvest Sauvignon Blanc 2015

 

 

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

A partir de hoje você vai começar a conhecer uvas que voçê nunca imaginou…

Muita gente está acostumada a conhecer os vinhos pelos nomes de suas uvas. Isso, obviamente, não é um sacrilégio, apesar de ser um pouco de preconceito. Especula-se que todo enófilo que se preze conhece Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc e até Carménère – que ultimamente ganhou mais exposição no Brasil devido a uma enxurrada de vinhos varietais à base dessa especial cepa francesa, que fez fama no Chile.

É lógico que vinhos elaborados a partir das castas citadas acima são, em sua maioria, excepcionais. A partir, por exemplo, da Cabernet Sauvignon e da Pinot Noir, temos os mais badalados, procurados, caros e requisitados vinhos do mundo, principalmente os provenientes da França. A Borgonha, com exclusividade na Pinot Noir em seus tintos, e Bordeaux, com a Cabernet Sauvignon liderando os famosos cortes, são religiões entre os mais apaixonados por grandes vinhos.

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

Vinhos de uvas não tradicionais e desconhecidas

Nem tudo que é bom é Cabernet Sauvignon

Sendo assim, para fugir do óbvio, nesta edição decidimos dedicar tempo às desconhecidas castas que produzem vinhos muito especiais e alguns até excepcionais. Ou seja, vamos quebrar o paradigma de que, para bebermos um grande vinho, é necessário que ele seja produzido a partir de uma uva “famosa”.

Sendo assim, decidimos escolher algumas castas desconhecidas da maioria dos apreciadores do líquido de Baco (que tivessem produtos disponíveis no mercado nacional) e abordá-las para os nossos apaixonados leitores. Como é bom saber que existem infinitas uvas mundo afora produzindo vinhos especiais.

Então fiquem atentos que a partir de hoje você vai começar a conhecer uvas que voçê nunca imaginou…